Saúde Arquivo

A Prefeitura de Macaíba  deveria está com campanhas educativas contra a dengue e também sobre o lixo na internet e no rádio. No momento que o país passa por um crescimento onde bebês nascem com microcefalia e o mosquito da dengue é colocado como suposto causador, todos os governos devem investir contra o causador informando a população sobre o risco que este mosquito venha causar. O Governo Federal além de fazer campanha na televisão, está enviando tropas das forças armadas, o Governo do Estado além também de fazer o mesmo trabalho, está com campanha na internet, principalmente nos grandes portais, falando do Zika Vírus, também transmitido pelo Aedes Aegypt (Dengue).

Só colocar agentes da área da saúde nas ruas não vai resolver, até porque para combater o mosquito a cidade conta apenas com 11 agentes de endemias, e a prevenção é a melhor arma contra o mosquito que se prolifera rápido em água parada. Em relação ao lixo também sabemos que é outro problema, ano passado foi feita uma boa campanha educativa (Minha Cidade Mais Limpa) por parte da prefeitura, mas precisamos de uma campanha educativa permanente, hoje o rádio e a internet são um dos meios que pode fazer esse trabalho e atingir milhares de pessoas ao mesmo tempo, na cidade existe duas rádios e vários blogs e portais, e nesse caso a prefeitura de Macaíba poderia sim entrar com campanhas educativas incentivando a população  ao combate ao mosquito, do outro lado vem o problema em relação ao lixo, que neste caso seria um trabalho informativo onde através do rádio e dos meios de comunicação virtual a  população deveria receber uma orientação  sobre como proceder em quais dias colocar o lixo na rua, em qual horário está previsto a coleta passar naquela área e   também incentivar um contato dos moradores junto aos responsáveis com o setor que organizam a limpeza de entulhos e podas, uma das grandes reclamações na cidade hoje.

A Prefeitura de Mossoró é uma das cidades que vem investindo em publicidade para incentizar a concientização por parte da população, sabemos que tudo é questão de cultura, um povo sem informação deficilmente irá se preocupar com um mosquito, principalmente se não souber o que ele pode causar.

Agora RN – A contagem do Corredômetro-RN, nesta última segunda-feira (22), constatou a presença de 157 pacientes recebendo atendimento em macas improvisadas nos quatro maiores hospitais do estado: Walfredo Gurgel e Santa Catarina, em Natal; Deoclécio Marques, em Parnamirim; e o Tarcísio Maia, em Mossoró.

A falta de leitos nos hospitais públicos é uma realidade enfrentada todos os dias. Nesta manhã, o Walfredo Gurgel apresentou só nos corredores, 61 pacientes em macas. Em outros locais, como nos setores de Politrauma e Neurocirúrgico, a quantidade de pacientes é a mesma da semana passada, 27 em macas.

No hospital Deoclécio Marques, só a quantidade de pacientes em macas nos corredores, supera o total de pacientes na contagem da semana passada. São 35 pacientes nos corredores e 2 em outros locais. A contagem do dia 15, registrou 8 nos corredores e 12 em outros locais, total de 20 pacientes.

Na última contagem, o hospital regional Tarcísio Maia em Mossoró, triplicou os números de pacientes em macas comparado à média de 2015. A média era de 14 pacientes por semana.  Na contagem de hoje, o número de pacientes caiu para 7 nos corredores e 7 em outros locais. Bem diferente da semana passada, que registrou 50 pacientes em macas.

Apesar do total de pacientes cair um pouco em relação a semana passada, o número de pacientes nos corredores aumentou de 100 para 121. A contagem é realizada semanalmente pelo Sindsaúde-RN.

A presidenta Dilma Rousseff afirmou ontem (22), em São Paulo, que a vacina contra a dengue desenvolvida pelo instituto Butantan, que entrou hoje em fase de testes com voluntários, é uma vitória do Brasil e poderá beneficiar populações em todo o mundo, além de abrir perspectivas para a imunização contra o zika vírus. A afirmação foi feita durante o repasse de R$ 100 milhões do Ministério da Saúde para financiar essa que é a última fase da pesquisa.

“O dia de hoje, sem dúvida, representa um avanço para o nosso País porque a vacina é contra os quatro sorotipos da dengue”, disse a presidenta. Diferentemente de outras já produzidas, a vacina desenvolvida no Brasil em parceria com o National Institutes of Health (NIH) dos Estados Unidos é tetravalente e poderá proteger a pessoa contra os quatro tipos de vírus da doença com uma única dose. A previsão é de que sua eficácia seja superior à alcançada até agora, por produtos semelhantes.

Dilma destacou ainda que o desenvolvimento do imunizador mostra que o País tem fortes instituições e laboratórios de pesquisa. “Também afirma o papel do Brasil – e aí o Instituto Butantan está de parabéns – como País que tem um laboratório capaz de produzir uma vacina que seria usada por uma parte importante da humanidade. Enfim, trata-se de um momento extremamente auspicioso”.

No Butantan, a presidenta acompanhou a inoculação da vacina nos dez primeiros voluntários. Os testes iniciais serão feitos, em São Paulo, com 1,2 mil voluntários que foram recrutados pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), maior complexo hospitalar da América Latina. O hospital é um dos 14 centros credenciados pelo Butantan para os testes, que devem envolver 17 mil participantes de 13 cidades do País. O teste clínico deve durar um ano e a expectativa do instituto é que a vacina esteja disponível a partir de 2018 no País.

Além dos recursos do Ministério da Saúde, o governo federal deve repassar ao Butantan outros R$ 100 milhões do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio de um contrato da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e R$ 100 milhões do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). Dilma lembrou que o contrato assinado hoje foi possível graças ao novo marco legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, assinado por ela recentemente.

Blog do Planalto

Em sintonia com a campanha nacional , a Prefeitura de Macaíba segue trabalhando forte com a prevenção das doenças causadas pelo mosquito aedes aegypti. Realizando mutirões, intensificando as visitas de combate aos focos e promovendo ações de conscientização da população. O mutirão começou no bairro Campo das Mangueiras e vai se estender por toda a semana pelo Centro da cidade, pela manhã e tarde.

Na manhã desta segunda-feira (22), a equipe da Prefeitura se dirigiu até a Rua Aliança, no Centro, visitando residências e conversando com os moradores, orientando sobre os perigos do mosquito e a importância do combate efetivo. Ainda na segunda, a equipe de limpeza do município se deslocou até o Conjunto Monte Líbano para fazer a retirada do lixo e de entulhos.

Os agentes de saúde da prefeitura seguem no combate efetivo aos focos de proliferação do mosquito, realizando diversas atividades, como por exemplo, a distribuição de panfletos. Em conjunto, a equipe de limpeza do município intensificou a coleta de lixo e entulhos em diversas localidades de Macaíba. A ação conta com o auxilio de militares da Força Aérea Brasileira.

Amanhã é a vez das ruas do Centro da cidade receberem os agentes da Prefeitura, enquanto a equipe de limpeza visita a Rua Aliança. É de total importância que a população abra as portas de suas residências para receberem os agentes de endemias e da FAB, para que juntos possamos combater o mosquito.

Assecom

Na manhã desta sexta-feira (19), a Escola Municipal Waldemar Diógenes Peixoto, situada na comunidade rural de Lagoa do Sítio I, desenvolveu um importante trabalho contra o mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como Dengue, Chikungunya e Zika. A atividade faz parte do Dia Nacional de Mobilização da Educação contra o Zika vírus

Sob a coordenação e supervisão de profissionais da escola,  alunos percorreram as ruas da comunidade entregando panfletos e colhendo materiais que podem abrigar focos do inseto. Destaca-se que esse tipo de ação será realizado em muitas outras escolas da rede municipal pública.

De acordo com a secretária de Educação, Márcia Portela, haverá uma reunião com os gestores das escolas municipais, onde será traçado um plano de atuação na cidade, o qual incluirá uma ação continuada de combate ao Aedes Aegypti nas escolas e suas adjacências.

Assecom

Aline Leal – Repórter da Agência Brasil*

Pesquisadores dos Estados Unidos e do Brasil vão investigar se o vírus Zika provoca sozinho a microcefalia ou se a malformação ocorre quando o agente está combinado com outros fatores.

“[Vamos descobrir se a causa do aumento de microcefalia] é o vírus Zika só ou associado a alguma coisa, ou é o virus Zika no organismo que tem essa ou aquela predisposição. São questões em aberto”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Castro, em entrevista antes da abertura de encontro entre pesquisadores e representantes dos governos brasileiro e norte-americano na sede da Organização Pan-Americana da Saúde, em Brasília.

A pesquisa está sendo desenvolvida na Paraíba, em parceria entre técnicos do governo local e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças Transmissíveis (CDC) dos Estados Unidos.

A reunião de hoje (18) juntou o Instituto Butantan, o laboratório Biomanguinhos, o Instituto Evandro Chagas, os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Saúde, além de representantes norte-americanos do CDC, do Departamento de Saúde e da Food and Drug Administration (FDA).

Os principais pontos a serem discutidos pelas instituições são o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus Zika, de tratamento para a doença, de melhores tecnologias para o diagnóstico e o combate ao Aedes aegypti.

Na abertura da reunião, a embaixadora dos Estados Unidos do Brasil, Liliana Ayalde, disse que infecções não respeitam barreiras e por isso os países devem atuar juntos e coordenadamente para combater a transmissão de doenças como a zika.

*Colaborou Paula Laboissière

Na manhã desta última terça-feira (16), a Prefeitura de Macaíba e os militares da Força Aérea Brasileira iniciaram os trabalhos de combate ao mosquito Aedes Aegypt, transmissor de doenças como a Dengue, a Chikungunya e o vírus Zika, um dos possíveis causadores dos recentes casos de microcefalia em recém-nascidos.

As ações começaram no bairro Campo das Mangueiras e se estenderão por toda a semana pelo Centro da cidade, pela manhã e tarde.

Combate efetivo aos focos de proliferação do mosquito e trabalhos de conscientização da população, como por exemplo, distribuição de panfletos fazem parte das atividades. A equipe de limpeza da Prefeitura de Macaíba também intensificará a coleta de lixo dos locais. A moradora do bairro, Renata Patrícia, 26, participou da ação e afirmou sobre as atividades e os cuidados em sua residência. “Estou achando bom, pois muitas pessoas descansam e deixam em seus terrenos materiais que acumulam água. Está mobilizando a comunidade. Estou tomando cuidado. Verificando onde tem água parada sempre”, disse.

O combate à proliferação do mosquito tem sido constante pela Prefeitura de Macaíba. Dentre os serviços realizados pela Prefeitura no combate ao mosquito estão os trabalhos da equipe de borrifação do Centro de Controle de Endemias, que contam com novos equipamentos, e a retirada de materiais com potencial de proliferação do Aedes no município.

Uma destas atividades é à retirada de toneladas de pneus usados do antigo prédio da Formosa, na comunidade Araçá, iniciada no último dia 5 de fevereiro. Os pneus estão recebendo o tratamento adequado com aplicação de veneno. O material será enviado para a reciclagem.

Assecom

Forças armadas inicia a partir de amanhã (15) ações de concientização, motivação de estudantes e efetivo de combate contra o mosquito Aedes aegypti. A parceria ocorre entre as secretarias de saúde  e as forças armadas (Exército, Aeronaútica e Marinha). A população deve colaborar recebendo os agentes de endemias e as forças armadas e tomar as precauções contra o mosquito.

Na Avenida Jundiaí próximo da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Macaíba, tem um galpão depredado cheio de pneus. O blog Cidadão Macaibense trouxe a informação e relata o problema denunciado por um internauta. O local semana passada teve a visita de agentes da secretaria de saúde, mais o que a Prefeitura de Macaíba precisa explicar é o destino desses pneus, já que o local serve de depósito para os pneus e qual seria seu destino final, lembrando que até duas semanas trás choveu bastante na cidade.

Os pneus no local não tem nenhuma cobertura, apenas do teto do prédio que está cheio de buracos, que vem sendo depredado há vários anos. O local será no futuro o centro administrativo da cidade. Em uma época de explosão de doenças transmitidas pelo mosquito da dengue, não se pode vacilar.

 

 

Representantes da Secretaria Estadual da Saúde Pública (Sesap) e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se reuniram nesta quinta-feira, 11, para alinhar convênios de estágios e residências multiprofissionais em unidades de saúde pública do interior. A ideia é criar uma parceria perene entre estado, municípios e UFRN para interiorizar a formação em saúde com a integração entre ensino e serviço.

A reitora da UFRN, Ângela Maria Paiva Cruz, solicitou a análise de novos convênios e celeridade aos processos que já tramitam na Sesap, visto que é necessário ter estrutura para atender aos alunos da graduação, pós-graduação e residências multiprofissionais da Escola Multicampi de Ciências Médicas. Somente neste semestre, são ofertadas 56 novas vagas para residentes no interior.

Entre as medidas previstas está a implantação de um hospital em Currais Novos com o mesmo modelo existente na capital, onde estudantes da UFRN estão imersos nos hospitais Walfredo Gurgel e Giselda Trigueiro. “Precisamos de uma articulação mais afinada para acelerar os trâmites burocráticos e garantir o desenvolvimento do ensino em saúde no interior”, defendeu Angela Paiva.

O secretário da Sesap, Ricardo Lagreca, ouviu atentamente às solicitações e garantiu que o Governo do Estado tem o maior interesse em apoiar a Instituição nesse trabalho. “Nós dispomos de muitas oportunidades para contribuir com a formação e capacitação profissional, pois sabemos que o ambiente hospitalar tem uma riqueza inacumulável de ensino. Portanto, buscaremos acelerar os processos em andamento e vamos analisar junto à UFRN a criação de novos convênios”, sinalizou.

Portal UFRN

Agência Brasil – Em resposta à epidemia do vírus Zika na América Latina, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) realiza este mês uma reunião para tratar do uso de técnicas nucleares para o controle de mosquitos. O encontro deve acontecer nos dias 22 e 23 de fevereiro em Brasília, conforme anunciou o diretor-geral da entidade, Yukiya Amano.

Uma das medidas a serem discutidas é a adoção da chamada Técnica do Inseto Estéril, um tipo de controle de peste que utiliza radiação ionizante para esterilizar insetos machos, produzidos em larga escala em instalações especiais. Segundo a AIEA, a estratégia tem sido utilizada com sucesso em todo o mundo há mais de 50 anos para o controle de diversos insetos que comprometem a agricultura.

Durante o evento, em Brasília, especialistas de países como China, México, Suécia, Tailândia, Trinidad e Tobago, Estados Unidos e Brasil, além de técnicos da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), vão desenvolver um roteiro para o controle da população de Aedes aegypti na região a curto e médio prazo.

Até o momento, o vírus Zika foi identificado em 23 países das Américas. Há, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), fortes indicativos de que a infecção esteja associada ao aumento de casos de malformação congênita em bebês e da Síndrome de Guillain-Barré.

O Programa de Pós-graduação em Ensino na Saúde, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (MPES/UFRN), está com Inscrições abertas, até o dia 15 de fevereiro, para o processo de seleção do curso de Mestrado Profissional em Ensino na Saúde, para o período 2016.1.

Os interessados deverão realizar o preenchimento da ficha de inscrição, anexar em PDF o anteprojeto de pesquisa, declarações, comprovantes e documentos pessoais que estão especificados no edital por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa).

A seleção dos candidatos será realizada no período entre 7 a 21 de março e em 3 etapas: análise do Curriculum Vitae e perfil profissional para a docência/preceptoria em saúde, análise do anteprojeto de mestrado e entrevista técnica.

A divulgação da lista com os candidatos selecionados para a entrevista técnica do processo seletivo será realizada com antecedência mínima de 5 dias do início das entrevistas. Nessa ocasião, será divulgado cronograma das entrevistas contendo data, hora e local em que os candidatos selecionados deverão se apresentar.

O resultado do processo seletivo será afixado no quadro de avisos no terceiro subsolo do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) e na página do curso: Mestrado Profissional em Ensino na Saúde – MPES/UFRN. O inicio do curso está prevista para abril.

Mais informações sobre o processo seletivo podem ser obtidas no site  pelo telefone: (84) 3342-5066 ou pelo e-mail: mpes@ccs.ufrn.br.

Portal UFRN

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) acaba de divulgar que constatou a presença do vírus Zika, com potencial de provocar infecção, em amostras de saliva e de urina. Segundo a entidade, agora, essas novas formas de transmissão serão mais estudadas.

“Essa comprovação tem um significado muito grande porque, até então, todas as evidências não significavam capacidade de infecção, muda o patamar e a forma que fazemos a pesquisa”, disse o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha.

Em entrevista à imprensa, a Fiocruz disse que a evidência de transmissão pelas excreções “sugere a necessidade de investigar a relevância de transmissão via oral”.

Até então, a única via de transmissão do vírus, confirmada por autoridades sanitárias, é pela picada do mosquito Aedes aegypti.

Agência Brasil

Hospitais universitários de todas as regiões do País atenderam aos apelos do governo federal para o combate ao Aedes aegypti e, durante toda a semana, mobilizaram seus funcionários em busca de possíveis focos de reprodução do mosquito transmissor dos vírus da dengue, zika e chikungunya.

Nesta quinta-feira (4), no último dia de inspeção no Hospital Universitário de Brasília (HUB), cerca de 20 funcionários de setores diversos, como administração, assistencial, ambulatório, enfermagem e segurança, participaram dos trabalhos nos prédios da odontologia. Apesar do dia de sol intenso, foram encontrados diversos pontos de água parada em bueiros, calhas de ar condicionado e canteiros.

“No primeiro dia em que participei, não acreditei na quantidade de lugares com água parada que encontramos. Eram copos, entulho, móveis, plantas, tudo acumulando água, especialmente no setor de manutenção do hospital”, disse a auxiliar de enfermagem Solange de Carvalho, que nesta quarta-feira (3) também fez parte da inspeção.

A administração do HUB informou que, desde o último dia 29, quando começou a mobilização nacional, oito focos de reprodução de mosquito foram encontrados e devidamente sanados. “Foi uma vistoria do telhado ao porão”, afirmou o gerente executivo do hospital, Paulo Castro.

“Tranquiliza quem está aqui esperando para ser atendido. Às vezes, a gente fica aqui um tempão parado, serve de prato cheio para as picadas, não é?”, disse a paciente Suelen Almeida, de 39 anos, que aguardava uma consulta.

Pelo menos 37 hospitais universitários administrados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), uma empresa pública vinculada ao Ministério da Educação, em 24 Estados e no Distrito Federal, participaram do mutirão contra o Aedes aegypti.

 Agência Brasil

Pesquisa desenvolvida na Pós-graduação em Psicobiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) comprovou que o uso excessivo de cafeína e de álcool pode prejudicar a aprendizagem.

De acordo com a bióloga Luana Carla dos Santos, muitos estudos investigam o consumo de álcool, mas poucos analisam os efeitos da cafeína e do álcool combinados, mesmo essa combinação sendo tão comum entre os jovens, principalmente por meio dos energéticos. “Foi a partir dessa observação que nossa pesquisa teve inicio, a fim de entendermos que doses de álcool e cafeína podem ser usadas sem prejuízos e quais doses podem trazer malefícios para a saúde”, destaca a pesquisadora.

Para investigar essas drogas, foi usado o peixe paulistinha, que é bastante comum em estudos com visibilidade para tratamento em humanos, que tem recebido grande atenção dos pesquisadores por ter muita semelhança com os sistemas biológicos humanos.

“O peixe paulistinha, usado em nossos testes, apresenta grandes semelhanças genéticas e comportamentais com os seres humanos e, por serem animais de baixo custo de manutenção e curto ciclo de vida, são modelos importantes para a pesquisa. Assim, o estudo com o peixe pode ser futuramente ampliado e aplicado em mamíferos e pode favorecer o entendimento da ação das drogas em humanos”, diz Luana Santos.

Método

No estudo, foram observados os efeitos do álcool e cafeína sobre a aprendizagem do peixe paulistinha, em um teste de reconhecimento de objetos, no qual o animal deve saber identificar um objeto novo após ter tido contato com alguns outros objetos. “Esse protocolo traz informações relevantes, pois avalia a formação de memória de um evento de apresentação curta, muito mais fácil de ser perdida quando o individuo está fazendo uso de drogas”, destaca Luana.

“Após os testes com os animais, observamos que aqueles que ingeriram álcool uma única vez e os animais que estavam em abstinência de álcool ou de cafeína não conseguiram realizar o teste, ou seja, não formaram memória. Quando os peixes receberam a combinação de álcool e cafeína em dose moderada, mostraram formação de memória. Mas a dose alta de cafeína unida ao uso de álcool não foi eficiente para o animal formar memoria”, explica a bióloga.

Resultados

Segundo a pesquisadora, os resultados comprovam os efeitos negativos do uso do álcool na aprendizagem e sugerem que o uso contínuo de altas doses de cafeína causa efeitos negativos durante a abstinência. No entanto, quando o indivíduo já está dependente das duas substâncias, o uso moderado da cafeína parece diminuir os efeitos nocivos da ausência do álcool, permitindo ao peixe paulistinha concluir de forma eficaz a tarefa.

“Mostramos que o peixe paulistinha é um ótimo modelo para estudos de aprendizagem e memória, e alertamos para o consumo de álcool indiscriminado e para o uso dessa droga em associação com altas doses de cafeína, como em energéticos associados a bebidas destiladas, que pode trazer prejuízos cognitivos a curto e longo prazo”, conclui a pesquisadora.

O estudo intitulado “Irish coffee: Efeitos do álcool e cafeína para o reconhecimento” é parte da dissertação de mestrado da bióloga Luana Carla dos Santos e foi desenvolvido no Luchiari Lab, sob orientação da professora Ana Carolina Luchiari, vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicobiologia da UFRN.

Portal UFRN