Como os exercícios terapêuticos podem contribuir na reabilitação da criança com câncer’

Para falar sobre ‘Como os exercícios terapêuticos podem contribuir na reabilitação da criança com câncer’ vamos conversar com Cínthia Moreno, fisioterapeuta da Casa de Apoio à Criança com Câncer Durval Paiva.

1 – Que tipo de comprometimento físico o câncer pode causar aos pacientes?

R – Os sintomas do câncer e os efeitos do tratamento causam bastante debilidade e podem provocar alguns comprometimentos físicos, dependendo do local do tumor e do tipo de tratamento adotado. Até mesmo o repouso prolongado pode provocar efeitos negativos. Os mais comuns são: encurtamentos musculares, atrofias, contraturas, diminuição da força muscular e amplitude de movimento, dor, alterações no equilíbrio e coordenação motora.

2 – Como a fisioterapia auxilia na reabilitação das crianças e adolescentes com essas alterações?

R – As crianças e adolescentes com câncer da Casa Durval Paiva são bastante beneficiados com a Fisioterapia, quando são utilizados exercícios adequados para auxiliar na reabilitação. Exercícios de alongamento, fortalecimento, treino de marcha (para melhorar ou voltar a caminhar) e exercícios para melhorar o equilíbrio e a coordenação motora ajudam na recuperação e motivam os pacientes.

3 – Existe alguma diferença nos exercícios prescritos para crianças e adolescentes? Quais?

R – A grande diferença é que com a criança nós alcançamos os objetivos através de jogos e muitas brincadeiras. Ela se diverte enquanto colabora com o tratamento de reabilitação. A brincadeira faz parte do universo infantil e não poderia ficar de fora do ambiente de tratamento. Já com o adolescente nós procuramos conscientizá-lo quando a importância da prática regular dos exercícios para o seu pronto restabelecimento.

4 – De que maneira a participação da família pode influenciar na prática desses exercícios?

R- É muito importante informar a criança e a família sobre as metas do tratamento de reabilitação. Percebemos na prática que o conhecimento favorece a participação, assiduidade e colaboração com o tratamento. Orientamos também aos pais para que realizem alguns exercícios em casa, o que muito contribui para a melhora do paciente.

5 – Quais fatores podemos então destacar como sendo importantes para o sucesso do tratamento fisioterapêutico?

R – Para que a reabilitação tenha êxito, a interação entre paciente, família e profissional é fundamental. Quando isso acontece, a família coopera, não falta às sessões de tratamento e ainda incentiva a criança ou adolescente a ter uma rotina de exercícios em casa.

6 – Considerações finais

R – Os objetivos traçados devem ser individualizados de acordo com as especificidades de cada paciente. Constatamos nas vivências da Casa Durval Paiva que um tratamento humanizado faz diferença, pois valoriza muito mais o paciente do que a patologia. Acima de qualquer exercício proposto, o objetivo de promover qualidade de vida e bem-estar deve ser sempre o foco do Fisioterapeuta.

A CASA: A Casa Durval Paiva ampara crianças e adolescentes carentes portadores de câncer e doenças hematológicas crônicas, juntamente com seus responsáveis, durante o tratamento em Natal, possui 1007 pacientes cadastrados, sendo que 531 crianças e adolescentes estão em tratamento, oriundas de 133 municípios do Estado, também do Piauí, Ceará, Sergipe e da Paraíba.

Administrador