Butantan pode parar produção da coronavac por atraso de insumo da China

O atraso nos envios de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção de CoronaVac no Butantan não é devido ao contrato com a parceira chinesa Sinovac, mas à falta de liberação burocrática. Foi o que afirmou o presidente do instituto, Dimas Covas, na manhã desta sexta (14), ao acompanhar a entrega ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) de um novo lote contendo 1,1 milhão de doses da vacina do Butantan contra a Covid-19.

“O primeiro contrato foi cumprido com 12 dias de atraso. Do ponto de vista contratual, é um atraso absolutamente normal em um volume de 46 milhões de doses”, explicou ele. O segundo contrato, que foi assinado em fevereiro para o fornecimento de 54 milhões de doses, ainda está em andamento. “Não temos nenhum problema na nossa relação contratual com a Sinovac. O problema é com a liberação de IFA, que tem que ser feita o mais rápido possível.”

Se houver novos envios de matéria-prima da China em breve, o Butantan conseguirá manter o cronograma de entregas ao Ministério da Saúde. “Se o IFA chegar muito rapidamente, vamos recuperar o cronograma de maio e cumprir o cronograma de junho”, afirmou Dimas. “O Butantan procura atender as necessidades dos brasileiros produzindo vacinas sete dias por semana em quatro turnos. Acreditamos que a nova partida de matéria-prima possa chegar logo para que possamos retomar a produção”, assinalou.

O carregamento desta sexta encerra o montante produzido a partir dos 3 mil litros de IFA recebidos da China em 19/4. Com isso, o instituto já entregou ao governo federal 47,2 milhões de vacinas contra o novo coronavírus. O novo lote faz parte do segundo contrato firmado entre Butantan e ministério, que prevê o fornecimento de 54 milhões de doses. O primeiro contrato, de 46 milhões de doses, foi integralizado em 12/5.

“Nesse momento, o que se atrasa é a previsão. Nós tínhamos uma previsão de entregar em maio 12 milhões de doses, mas vamos entregar um pouco mais de 5 milhões”, explicou. Os 10 mil litros de IFA que aguardam liberação para serem enviados da China correspondem à matéria-prima que falta para maio e ao que está previsto para junho.

Também acompanharam a saída dos caminhões contendo o novo lote de vacinas o governador de São Paulo, João Doria, o secretário de estado da saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, e a coordenadora geral do Programa Estadual de Imunização, Regiane Cardoso de Paula.

Com informações do Butantan

Administrador