Ilustrador quer indenização por uso de imagem estilizada de Dilma

Dilma e o ex-presidente Lula. Ao fundo, imagem estilizada da presidente feita por Sattu Rodrigues
Dilma e o ex-presidente Lula. Ao fundo, imagem estilizada da presidente feita por Sattu Rodrigues
“Fiquei surpreso. Quando vi, já estava rolando”. É assim que o ilustrador mineiro Sattu Rodrigues descreve a utilização, segundo ele indevida, de um de seus desenhos pela campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff.
Autor da imagem estilizada feita em cima de uma foto de 1970, quando Dilma foi presa durante a ditadura militar, Sattu afirma que nunca foi procurado por nenhum integrante da campanha do PT e que pedirá à sigla “indenização por direitos autorais”.
“Ninguém nunca me procurou [para que eu autorizasse o uso do desenho]. Fiquei surpreso. Quando vi, no final do primeiro turno, já estava rolando”, disse à Folha.
Sattu explica que fez a ilustração em 2010, a pedido da revista “Época”, para estampar uma das capas da publicação. Quatro anos depois, a imagem foi utilizada em larga escala pela campanha de Dilma. Apareceu no programa de TV, em banners, folhetos e diversos materiais.

O site Muda Mais, página de apoio à campanha comanda pelo ex-ministro Franklin Martins, fez, inclusive, releituras do desenho, divulgadas também nas redes sociais.
Em outro episódio, durante seu discurso de vitória, em 26 de outubro, num hotel em Brasília, Dilma falou a centenas de militantes petistas com uma grande bandeira ao fundo. O pano tinha estampado o desenho de Sattu.
Questionado sobre a demora em se pronunciar sobre a utilização de seu trabalho sem consulta prévia, o ilustrador afirmou que “estava procurando um advogado para saber o que fazer quanto aos direitos autorais”.
“Acabei demorando para tomar providências porque estava com muito trabalho.”
Representante do escritório Lourival J. Santos, o advogado de Sattu, André Marsiglia, diz que “houve uso indevido da obra, de forma comercial e também com implicações ideológicas”.
Apesar disso, Marsiglia afirma que ainda não sabe qual medida legal será tomada contra o PT ou a campanha da presidente reeleita.
“Houve violação autoral e buscaremos uma forma para que Sattu se sinta protegido e ressarcido”, explica.
“Ainda não entramos em contato com a campanha, nem a campanha conosco, mas a ideia é que na próxima semana tenhamos uma medida pronta para ser tomada”, completa o advogado.
SEM CONTATO
Integrantes da cúpula da campanha petista confirmam que nunca entraram em contato com Sattu e que nenhum contrato legal de pagamento foi estabelecido com ele.
Mesmo sem ter sido acionado legalmente pelo advogado de Sattu, o PT já encaminhou o caso para análise de seu setorial jurídico.

Folha de São Paulo

Administrador