Arquivo diário: quinta-feira, setembro 9, 2021

Foto: Edeilson Morais

O prefeito Emídio Jr participou da assinatura do acordo de parceria entre o Governo do Rio Grande do Norte e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para implantação do Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX), na manhã desta quinta-feira (9), no prédio onde será instalado o Parque, na comunidade Jundiaí, próximo à sede do Instituto Santos Dumont (ISD).

A governadora Fátima Bezerra, Daniel Diniz Melo, reitor da UFRN e Jaime Calado, secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado assinaram o acordo. O prefeito destacou o momento histórico celebrado na solenidade. “É um marco em nosso município. Macaíba se tornará a capital da ciência e da tecnologia e isso é muito importante para nossa cidade”, destacou o Chefe do Executivo Municipal.

“É no chão de Macaíba que nós estamos dando hoje um passo fundamental para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte. Então, meu abraço a você, prefeito Emídio Jr. […] Daqui, professora Ângela, sairão os projetos consistentes, viáveis para promover o desenvolvimento do Rio Grande do Norte trazendo geração de emprego e renda para Macaíba, Região Metropolitana e o Rio Grande do Norte”, declarou Fátima.

A solenidade também contou com a presença da coordenadora do projeto do PAX, Ângela Paiva; o presidente da Câmara de Vereadores Denilson Gadelha; o vice-governador Antenor Roberto; a senadora Zenaide Maia e o senador Jean-Paul Prates; o deputado estadual Hermano Morais; os vereadores Aroldo da Saúde, João de Damião, Erika Emídio, Jailson Brito, Dadaia, Luizinho, Socorro Nogueira e Rita de Cássia; representantes de instituições de ensino e pesquisa e do setor industrial do estado.

Sobre o Parque Augusto Severo

O PAX tem uma área de 50 hectares e tem como foco de atividades as áreas de energia (petróleo, renováveis e gás), tecnologia da informação e reabilitação em saúde. O ambiente conta com 15.000 metros quadrados construídos com 70 salas, observatórios, laboratórios, incubadoras e centro de inovação e pesquisa. O Governo do RN está investindo R$ 8 milhões em obras no local, que será inaugurado em julho de 2022.

Policiais militares de Macaiba foram acionados via CIOSP, a fim de atenderem uma ocorrência de roubo no Centro Industrial de Macaíba(CIA), às margens da BR-304, nessa quarta-feira (08).

Ao chegarem ao local, observaram que um dos suspeitos foi detido por populares, ao passo que seu comparsa conseguiu se evadir. Segundo informações colhidas, a dupla tentou roubar uma vítima, utilizando para tanto uma foice para ameaçá-la, ocasião em que conseguiu subtrair uma bolsa com documentos pessoais e um aparelho celular, os quais, apesar dos esforços, não foram recuperados.

Face ao exposto, o indivíduo detido foi incialmente conduzido ao hospital, para fins de ser submetido a tratamento hospitalar, uma vez que, em represália, sofrera tentativa de lixamento pela população. Após receber alta, o mesmo foi conduzido à Delegacia de Plantão da zona sul de Natal, para fins de realização dos devidos procedimentos.

Informações 11º BPM (Via Instagram)

Foto: Matheus Henrique

Promovendo ações do Setembro Amarelo, mês da campanha de prevenção ao suicídio, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II) e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) realizaram, na manhã desta quinta-feira (9), uma ação na Unidade.

O objetivo da atividade foi falar das ações do mês, ressaltando a relevância da campanha e debatendo sobre a temática promovida. Além disso, foi falado acerca da importância do apoio para pessoas que estejam passando por algum problema emocional e da importância da identificação desses casos para que ocorra o acompanhamento com profissionais. Ainda na ação, foram apresentadas as atividades realizadas no CAPS II, que promove atendimento de demanda espontânea e programada, realiza psicoterapia individual ou em grupo, oficinas terapêuticas, atividades comunitárias e orientação e acompanhamento do uso de medicação, todas de forma gratuita.

A atividade contou com a presença de Ianny Ribeiro (psicóloga do CAPS II) e de Julianny Diniz, Veridilla Frayse, Rillany Bernardo, Maria Joice e Isis Macêdo (da equipe de Assistência Social da UPA).

Segundo Ianny, a ação de hoje e as atividades realizadas durante o mês de setembro tem como objetivo discutir mais sobre o tema “suicídio” de forma mais natural e consciente. “Ações como essas são importantes para que tabus sejam quebrados e espaços sejam criados para debater a respeito do suicídio. Embora seja um assunto delicado, é essencial conversarmos sobre o tema e encontrar maneiras para preveni-lo. Os suicídios podem ser evitados desde que tenhamos conhecimento sobre seus sintomas, suas causas e formas de evitá-lo. E para contribuirmos na prevenção do suicídio, devemos ser capazes de perceber os sinais de alerta que uma pessoa emite”, comenta.

Além disso, Ianny acrescenta que é preciso estar atento para entender o outro, e assim, auxiliar na busca pela ajuda profissional. “Muitas vezes, por exemplo, se você perceber que uma pessoa está desinteressada até mesmo pelas atividades de que gostava, não tem mais a mesma produtividade na escola ou no trabalho, está isolando-se de amigos e parentes, descuidando-se da aparência, não se importa mais com suas atividades diárias ou diz muitas frases relacionadas à morte, podem ser sinais de que aquela pessoa está precisando de ajuda. O primeiro passo é conversar com essa pessoa, mas deixar que a pessoa fale, sem emitir julgamentos ou opiniões sobre o assunto. Deixe bem claro que sua vontade é apenas ajudar. Logo em seguida é ideal orientá-la para que a mesma busque ajuda especializada”, esclarece a psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial.

Gás de cozinha puxa a inflação de setembro em Brasília Com variação de 19,23% no valor do botijão, o gás de cozinha contribuiu diretamente para o aumento da inflação no Distrito Federal em setembro.  Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Com intuito de subsidiar famílias de baixa renda na compra de botijão de gás de cozinha, um projeto de lei que cria o Programa Gás para os Brasileiros está pronto para ser deliberado em Plenário.

Sem análise de comissões, o projeto (PL 2.350/2021), de autoria do senador Eduardo Braga (MDB-AM), beneficia na compra de gás liquefeito de petróleo (GLP), envasado em botijões de 13 kg, as famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo, ou que tenham entre seus membros residentes no mesmo domicílio quem receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

— A pobreza energética, isto é, a dificuldade de acesso a fontes modernas de energia, como a eletricidade e o GLP, popularmente conhecido como gás de cozinha, é uma triste realidade em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil. A questão é de tamanha gravidade que a Cúpula das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável incluiu-a entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — justificou Braga.

O senador salienta ainda que o crescente uso de lenha, carvão e outras fontes tradicionais de energia para cozinhar alimentos tem consequências danosas para a saúde, prejudicando principalmente mulheres e crianças, que ficam mais expostas aos poluentes produzidos pela queima desses combustíveis.

O projeto original estabelecia que as famílias teriam direito, a cada bimestre, ao valor de 40% do preço médio de revenda do botijão de 13 kg. Mas o relator da matéria em Plenário, senador Marcelo Castro (MDB-PI), considerou mais efetivo estipular o benefício na faixa de 40% até 100% do preço médio de revenda do botijão conforme valores de cada estado, a ser pago a cada dois meses.

— Tomando como base o número de famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família, 14,2 milhões, e o preço médio do botijão de gás de cozinha, R$ 100, a despesa anual do Programa Gás para os Brasileiros será na faixa entre R$ 3,4 bilhões a R$ 8,5 bilhões, a depender do percentual de subsídio concedido. Dessa forma, o governo federal terá certa flexibilidade para ajustar o valor do benefício aos recursos disponíveis — expôs o relator.

Castro também atendeu sugestão da senadora Rose de Freitas (MDB-ES) para que o pagamento do benefício seja feito preferencialmente à mulher responsável pela família, “pois bem sabemos que, na maioria das situações, a mulher é o esteio da família, principalmente quando há crianças”.

Caberá ao Poder Executivo determinar a organização, operacionalização e governança do programa, utilizando, no que couber, a estrutura do Programa Bolsa Família, ou outro que venha a substituí-lo.

Recursos

O relator também apresentou alterações quanto às fontes de recursos destinados ao programa, assim definidas: dividendos pagos pela Petrobras à União; bônus de assinatura das rodadas de licitação de blocos para a exploração e produção de petróleo e de gás natural e outros recursos previstos no Orçamento Fiscal da União.

A ideia do uso dos dividendos da Petrobras foi aproveitada do PL 1.507/2021, do senador Paulo Paim (PT-RS) — que tramitava em conjunto com o PL 2.350/2021 e foi rejeitado pelo relator pelas coincidências de objetivos e por detalhar em excesso questões operacionais que Castro avalia ser mais apropriado que o governo federal as defina, “haja vista que possui as informações e as ferramentas para encontrar as soluções que darão maior efetividade ao Programa Gás para os Brasileiros”.

— A política de paridade internacional dos preços dos combustíveis tem permitido que a Petrobras amealhe lucros fabulosos. Nada mais justo, portanto, que parte desse ganho retorne para a parcela mais necessitada de nossa população, que tanto sofre com essa política de preços dos combustíveis — avaliou o relator.

A segunda fonte de recursos apresentada é o bônus de assinatura das rodadas de licitação de blocos para a exploração e produção de petróleo e de gás natural. Segundo Castro, a União tem obtido recursos substanciais com o bônus de assinatura e continuará assim por um bom tempo ainda.

— Com essas novas fontes de custeio, estamos convictos de que haverá recursos suficientes para implementar e manter o Programa Gás para os Brasileiros — afirmou o relator.

O programa será praticado por cinco anos, produzindo efeitos a partir da abertura dos créditos orçamentários necessários à sua execução.

Aumento de preços

Os sucessivos aumentos no preço do gás de botijão são frequentemente criticados pelos senadores.

Paulo Paim destacou, em rede social, que a inflação já é a maior em 20 anos. O senador lembrou que, além do encarecimento do gás de cozinha, que chegou a R$ 120 o botijão, o litro da gasolina passou dos R$ 7, o óleo de soja subiu 83,19%, o arroz, 47,74%; e o músculo, 46,74%. Ele ressaltou ainda que, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), uma cesta básica consome mais da metade do salário mínimo.

“As pessoas que dependem do Bolsa Família, ou mesmo as famílias em situação de pobreza ou pobreza extrema que não têm acesso a ele, terão que escolher entre o alimento e o gás, pois não será possível ter acesso a ambos”, afirmou.

Em Plenário, a senadora Zenaide Maia (Pros-RN) defendeu que o governo federal precisa mudar a política de combustíveis alinhada ao preço internacional do dólar.

— Essa conta não fecha, gente! Combustível e gás de cozinha… O trabalhador brasileiro recebe em real, a Petrobras é brasileira, os trabalhadores são brasileiros, e exportam o nosso gás bruto e o importam em dólar. Imaginem que hoje um barril de petróleo é US$ 50! Ele pode chegar a US$ 100! Quanto vai ficar o preço do combustível? Matando o comércio, porque os trabalhadores ganham em real, o comerciante recebe em real e paga o combustível, a energia, o botijão de gás em dólar!

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) enfatizou em discurso que “estamos vivendo um momento muito sério, grave no Brasil: desemprego, inflação, a população mais pobre do Brasil não consegue mais cozinhar, porque não consegue comprar o gás de cozinha”.

Agência Senado

Ciro Gomes diz que maioria da população é contra golpe e pede vigilância

Nas redes sociais, Ciro Gomes classificou a declaração divulgada nesta quinta (9) por Jair Bolsonaro como “a rendição mais ridícula e humilhante de um presidente em toda [a] história mundial. E a prova de que ele não tem mais autoridade política nem moral de governar o país”.

“Sinceramente não sei se sua nota traz mais alívio ou vergonha. Não deixa de trazer certo alívio momentâneo, porque sua covardia, sendo maior que sua irresponsabilidade, nos livra temporariamente de um desenlace mais dramático”, escreveu o presidenciável do PDT.

Ciro prossegue chamando Bolsonaro de “personagem insano e destituído de qualquer hombridade moral” e dizendo que não se surpreenderá se for descoberto “algum tenebroso e imoral acordo” por trás da nota divulgada hoje.

O pedetista afirmou ainda que o presidente “empurrou para a desgraça e o ridículo” seus “incautos seguidores”“abandonando-os em meio à batalha como o mais covarde dos comandantes” —mas, por via das dúvidas, arrematou a sequência de posts com um “tudo que vem de Bolsonaro não se pode confiar”.

O Antagonista

Foto: ISD

Idealizado para congregar startups, pesquisadores, empresas e estudantes interessados em ciência, tecnologia e desenvolvimento sustentável, o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX) foi oficialmente implementado nesta quinta-feira (09/08). O prédio que abrigará o Parque, construído no terreno em parte ocupado pelo Instituto Santos Dumont (ISD), em Macaíba, conta com aproximadamente 15 mil metros quadrados e receberá investimentos complementares em torno de R$ 8,4 milhões, oriundos do Projeto Governo Cidadão, do Poder Executivo potiguar.

Em solenidade na manhã desta quinta-feira com a presença da governadora Fátima Bezerra; do diretor administrativo do ISD, Jovan Gadioli; do reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), José Daniel Diniz; da assessora especial da UFRN para o PAX, Angela Paiva; do prefeito de Macaíba, Emídio Júnior; além de políticos, lideranças empresariais e representantes de entidades do setor produtivo potiguar, o Governo do Estado e a UFRN firmaram um acordo para a adequação dos espaços às necessidades do Parque Tecnológico.

No PAX, serão implementados polos de inovação em setores considerados essenciais ao desenvolvimento social e econômico locais como energias renováveis, mineração, pesca, aquicultura, setor têxtil, turismo, fruticultura e serviços. O polo também deverá abrigar empresas especializadas na fabricação de órteses e próteses destinadas à reabilitação de pacientes com deficiências diversas.

“Esse é um projeto que vem sendo construído há mais de oito anos junto à UFRN. O Instituto Santos Dumont, a Fapern e o Governo do Estado valorizam projetos institucionais. Quatro prefeitos se somam a esse projeto de Parque Tecnológico. O setor produtivo também está representado e tem nos ajudado para que nossos projetos gerem soluções para a comunidade. É o Rio Grande do Norte social e economicamente desenvolvido, pensando na sustentabilidade”, afirmou Angela Paiva, assessora especial da UFRN para o PAX.  Ao todo, o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo reúne 13 instituições, com o ISD, UFRN e a Universidade do Estado do Rio Grande no Norte (UERN) dando sustentabilidade do ponto de vista acadêmico. “Trabalhamos de mãos dadas para pensar no projeto que visa o desenvolvimento com base na ciência, tecnologia e sustentabilidade”, complementou Angela Paiva.

Rua Nossa Senhora da Conceição, em frente aos Correios

Foto: Divulgação

De acordo com dados do RN Mais Vacina, Macaíba atingiu a marca de 60.735 doses de vacinas aplicadas. Foram 42.948 pessoas que receberam a primeira dose, 1.437 que tomaram a dose única e 16.350 pessoas tomaram a segunda dose.

A vacinação está acontecendo de segunda a sexta, no ginásio Edilson de Albuquerque. Você que tomou a primeira dose, fique atento ao calendário para tomar a segunda dose.

Prefeito de parnamirim rosano taveira aposta em controle de gastos para administrar a pandemia

Foto: Agora RN

Ao fazer uma avaliação do governo Fátima Bezerra (PT), o prefeito afirmou: “Não voto nela (Fátima), não sou de esquerda. Sou de centro-direita e defendo outras ideologias. Eu tenho uma linha de pensamento e ela tem outra”, afirmou.

Questionado quem teria o seu apoio ao governo do Estado, em uma chapa em 2022 com a missão de derrotar a possível reeleição da atual governadora petista, Taveira não pensou duas vezes e falou: “Benes Leocádio. Esse é o meu candidato e é ele que vou apoiar”, finalizou.

Agora RN

Manifestação em Assaí, no norte do Paraná — Foto: Polícia Rodoviária Estadual

Foto: Polícia Rodoviária Estadual

Pelo segundo dia consecutivo, caminhoneiros que são a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro e contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) promovem manifestações e bloqueiam rodovias em todo o país na manhã desta quinta-feira (9).

Às 11h, segundo boletim do Ministério da Infraestrutura com dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), eram registrados pontos de concentração em rodovias federais de 14 estados, com interdições apenas em 5: BA, MA, MG, MS e SC. Nos estados de RS, PR, ES, MT, GO, TO, RO, PA e RR o trânsito está liberado, mas ainda há abordagem a veículos de cargas. Levantamento do G1 apontou manifestações no estado de São Paulo, mas as estradas já foram liberadas.

No meio da manhã, algumas rodovias já estavam sendo desbloqueadas. Em São Paulo, as estradas foram liberadas, mas os manifestantes seguem nos acostamentos. No Rio de Janeiro, não há mais registro de protestos nas estradas que cortam o Sul e Costa Verde do Rio. Na MGC-491, em Varginha, Minas Gerais, caminhoneiros também encerraram os protestos. As duas pistas da rodovia Fernão Dias (BR-381) foram totalmente desbloqueadas, mas ainda há trânsito no local. Na Bahia, os bloqueios em algumas rodovias federais foram liberadas.

Na maioria dos locais, apenas carros pequenos, veículos de emergência e cargas de alimentos perecíveis tiveram o trânsito liberado pelos manifestantes.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, não há mais pontos de interdição de pistas na malha rodoviária federal, salvo protesto pela causa indígena na BR-174/Roraima.

As interdições continuam mesmo após o presidente Jair Bolsonaro gravar um áudio pedindo aos caminhoneiros que liberem as estradas do país. Na gravação, Bolsonaro diz que a ação “atrapalha a economia” e “prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres”.

Na quarta-feira (8), um dia após os atos antidemocráticos de 7 de Setembro, houve bloqueios em estradas de pelo menos 15 estados: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Rio de Janeiro, Rondônia, Maranhão, Roraima, São Paulo e Pará.

G1

Um casal de adolescentes foi assassinado a tiros no distrito de Mangabeira, em Macaíba, na noite dessa quarta-feira (08). As vítimas seguiam a pé por uma estrada de terra quando foram abordados por uma dupla de motocicleta.

Segundo relatos, os adolescentes foram obrigados a deitarem no chão, sendo logo em seguida assassinados.

Postos de gasolina no Rio de Janeiro exibem o preço do combustível

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou agosto com alta de 0,87%, a maior inflação para o mês desde o ano 2000. Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses, o maior acumulado desde fevereiro de 2016, quando o índice alcançou 10,36%. Em agosto do ano passado, a variação foi de 0,24%. Os dados foram divulgado hoje (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os nove grupos e serviços pesquisados pelo instituto, oito subiram em agosto, com destaque para os transportes, com alta de 1,46%, puxado pelos combustíveis. A gasolina subiu 2,80% o etanol 4,50%, gás veicular 2,06% e óleo diesel 1,79%.

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,88% em agosto, 0,14 ponto percentual abaixo do resultado de julho, quando a alta foi de 1,02%. No ano, o indicador acumula elevação de 5,94% e em 12 meses chega a 10,42%, acima dos 9,85% observados nos 12 meses anteriores. Em agosto do ano passado, a taxa variou 0,36%.

Para o INPC, a principal influência foram dos produtos alimentícios, que subiram 1,29% em agosto, acima de 0,66% observado em julho. Os produtos não alimentícios desacelararam e tiveram alta de 0,75% no mês, após variação positiva de 1,13% em julho.