Segundo informações nos passadas hoje (24) foram contratados 40 homens para trabalharem na limpeza da cidade de Macaíba, os 40 novos contratados se juntaram com o efetivo normal da TCL (Empresa de limpeza urbana) para realizarem limpeza de ruas e canteiros.

Em muitos bairros de Macaíba já se ver a necessidade de colocar caçamba móvel, no bairro campinas por exemplo, entulho está se acumulando em frente a praça do bairro, os moradores sabem que o carro do entulho só passa aos sábados,  mais mesmo assim lixo e entulho estão sendo jogados fora do dia de coleta. Fica a sugestão.

                                 

 Secretaria Municipal de Infraestrutura (SMIN), começou os procedimentos concernentes à construção de 19 chafarizes em comunidades rurais de Macaíba.

De acordo com o titular da pasta de Infraestrutura, Rawplácido Saraiva, as obras refletem o objetivo do Poder Público Municipal de auxiliar no abastecimento de água das localidades onde serão instalados os referidos chafarizes.

As comunidades beneficiadas serão: Cajazeiras, Lagoa do Mato, Lagoa do Umbu, Lagoa do Lima, Lagoa do Sítio II, Lagoa dos Cavalos, Lagoa do Espinheiro, Lagoa dos Currais, Lagoa Nova I, Lagoa Nova II, Lagoa de Dentro, Mata Verde, Assentamento José Coelho, Assentamento Margarida Alves, Retiro, Sítio Torrões, Sucavão dos Gomes, Sítio Umari e no campo de Verdes Mares. Em algumas dessas comunidades, as obras já foram iniciadas.

Assecom

                           65iu65iu47i4i

O que a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), tem feito nos seus pronunciamentos na rádio, na televisão e nas redes sociais, é terrorismo com a população. Uma atitude que pode ser até considerada um crime, por espalhar pânico social com a possibilidade de fim do Bolsa Família caso algum partido que não seja o PT vença as eleições presidenciais de outubro próximo. Bom, pelo menos foi essa a visão que o pré-candidato a presidente da República, Eduardo Campos (PSB), afirmou em entrevista coletiva concedida na manhã de hoje, em Natal.

A visita do ex-governador de Pernambuco a capital potiguar faz parte de uma série de encontros que o presidenciável está tendo com o objetivo de montar o projeto de governo dele que será levado aos eleitores no meio do ano. Além disso, claro, Campos quer também se tornar mais conhecido da população, participando de eventos públicos e mobilizações sociais. No Rio Grande do Norte, por exemplo, pretendia ir ao Hospital Varela Santiago (teve que ser cancelado devido ao tempo) e, depois, a Santa Cruz, para a procissão da padroeira da cidade, Santa Rita.

“Essa visita tem sido muito interessante porque, primeiro, as pessoas ficam surpresa porque estamos parando para ouvir. Elas querem ser ouvidas e estão cansadas das decisões que são tomadas de cima para baixo”, afirmou Eduardo Campos durante a coletiva de imprensa, concedida no hotel Ocean Palace, ao lado dos colegas de PSB Wilma de Faria, Sandra Rosado e Iberê Ferreira.

Evidentemente, ouvir a população não é a única ação que Eduardo Campos está fazendo no Rio Grande do Norte. Ele também aproveitou a coletiva para fazer duras críticas a atual gestão do Governo Federal e, principalmente, a presidente Dilma Rousseff. “A gente está vencendo duas batalhas importantes (nessa pré-campanha). A primeira é contra o terrorismo, que a presidenta tem feito nos rádios, nas redes sociais, na televisão, inoculando o medo entre os mais pobres como se alguém fosse tirar o Bolsa Família de 40 milhões de famílias”, afirmou Eduardo Campos.

“Isso é uma vergonha. Chega a ser uma atitude criminosa, porque leva o pânico para muitas famílias que tem no programa a única renda certa de todo mês”, acrescentou o presidenciável, ressaltando que se trata de uma mentira e, como toda mentira, tem perna curta e, por isso, está sendo desmentida. Nenhum dos adversários de Dilma (ele ou Aécio Neves, do PSDB), quer acabar com o programa.

A outra dificuldade que o PT tem imposto aos adversários eleitoralmente é, segundo Campos, com relação aos jovens. “Querem que os jovens fiquem indignados e protestem, mas que não participem e não votem”, acrescentou ele, atribuindo ao Governo Federal a mobilização em torno da insatisfação eleitoral e o voto nulo. Contudo, assim como a outra, essa também tem sido uma atitude frustrada petista. “A gente percebe indo para as universidades, em conversa com a juventude, que a indignação está virando o desejo de participar e todas as vezes que ela participou, nós fomos campeões”, garantiu ele.

Apoio ao PMDB não é consenso dentro do PSB

Além de falar sobre o contexto nacional, Eduardo Campos também comentou a situação local, da aliança entre PMDB e PSB no Rio Grande do Norte. Segundo ele, que é presidente nacional pessebista, realmente, a decisão do Diretório Estadual do partido de apoiar a pré-candidatura peemedebista de Henrique Eduardo Alves não foi consenso na sigla. Contudo, acabou sendo firmada “democraticamente”.

“As circunstâncias de cada estado são vividas por cada estado. Não vamos imaginar que as decisões tomadas aqui foram consensuais. Haviam posições críticas contra esta aliança e não era só de Marina, era de outros dirigentes, e na vida democrática você convive com a divergência. É muito ruim quando você não respeita a divergência. Do mesmo jeito que a gente respeita a decisão daqueles que compreenderam a decisão local, a gente respeita também aqueles que continuam críticos as posições que o PMDB tem assumido no Brasil. A gente tem que conviver com essa situação”, afirmou Eduardo Campos.

Marina Silva, citada pelo presidente nacional do PSB, é filiada ao partido dele, mas comanda a “Rede”, sigla que ela tentou criar e não conseguiu no ano passado. Um texto assinado, justamente, pela “Rede” fazia uma série de críticas a essa parceria, porque Henrique representava justamente tudo o que deveria ser eliminado na política brasileira, como o fisiologismo.

Por sinal, Eduardo Campos fez em outras respostas concedidas na entrevista coletiva de hoje várias críticas ao tal fisiologismo que o Governo e o PMDB tem agido na atual gestão. Segundo ele, inclusive, a proposta do partido que se pudesse levar uma proposta que “acumulasse os ganhos, cuidar e preservar as conquistas, e voltar a melhorar. Que a gente pudesse ter um palanque que se comprometesse a melhorar a política no Brasil, tirar aquelas raposas que estão em Brasília, roubando os sonhos do Brasil e colocar sangue novo, com energia boa, para tocar o Brasil de um novo jeito, invés de dividir o Brasil como fica essa divisão de PSDB, PT, PSDB, PT, há 20 anos. Um dizendo que o outro não fez nada, quando não é verdade. Os dois fizeram. Um fez mais do que o outro por circunstâncias próprias. Precisamos viver um momento para que o Brasil se uma para que, a partir do que eles fizeram, fazer diferente do que eles fizeram”, afirmou ele.

Em outro comentário claramente falando da ação do PMDB, que ele criticou antes, Eduardo Campos disse que rompeu com o Governo Federal, mas continuou ajudando o País e não o ameaçando com a troca de apoio e votações por cargos ou espaços no Governo. “O PSB fez o movimento que não é comum na política brasileira. Geralmente, os partidos estão querendo ser do governo, e nós saímos do governo, no meio do governo. Deixamos a presidenta não foi na oposição, nem na rua, deixamos no Palácio do Planalto. Desejamos sorte a ela. Nossa bancada no Senado e na Câmara tem votado nas coisas certas, e muitas medidas que ela precisa, não tem o apoio da base aliada atrapalhando o Brasil, mas tem tido a nossa solidariedade”, acrescentou o pessebista.

Em diversas votações no Congresso, é possível ver o PMDB ameaçar derrotas do Governo porque Dilma não atende o pedido dos líderes peemedebistas. “O que vejo é o Governo repetir os mesmos erros, cercado das mesmas forças que estiveram com Fernando Henrique no segundo governo. É a mesma turma”, afirmou ele, em outra clara referência, uma vez que PMDB apoiou a gestão PSDB e, agora, está ao lado do PT.

Campos nega traição a Dilma: “Permanecer no erro é estupidez”

Eduardo Campos, por sinal, falou mais sobre a decisão do partido de romper com o Governo Federal e lançar candidato próprio para a Presidência da República. “Nós podemos até errar, é humano. Agora, permanecer no erro é estupidez. Poderia ser até mais confortável para o PSB permanecer no Governo Federal, ele querendo que a gente tivesse mais ministérios, compusesse chapa majoritária, esperasse para a candidatura para presidente da República em 2018, e nós entendemos que o Brasil não pode esperar por isso”, afirmou Campos.

Segundo o presidenciável do PSB, “como milhões de brasileiros, acreditamos na presidente Dilma e demos a ela a oportunidade de fazer e ela não aproveitou a oportunidade que nos demos. Alias, nos nordestinos, é que somos responsáveis pela vitória da presidenta, porque ela ganhou por 10 milhões de votos e esses 10 milhões ela tirou aqui do Nordeste”.

“Se fizermos um exame de consciência, vai ver que o Nordeste não teve nesse tempo de quase quatro anos a atenção que já teve em outros governos. A gente não sentiu a presença do governo concluindo obras ainda anunciadas na gestão do presidente Lula, como a transposição do São Francisco, a interiorização das universidades, porque foram parando. O trato com o pacto federativo”, acrescentou o presidenciável.

Campos trouxe também um dado que aponta que Dilma fez mais ou menos assim: “quando o presidente Fernando Henrique deixou o governo, de R$ 100 que União, estado e municípios arrecadavam, R$ 16 iam para os municípios; quando Lula deixou, R$ 14,5 ficavam com os municípios; em três anos da presidente Dilma, esse valor ficou R$ 11. E nós vimos municípios fecharem creche, demitir professores, pararem obras, não poder dar assistência que gostariam de ter dado durante a estiagem”.

“Se você sente que as coisas estão na areia movediça, você dá um passo para trás e espera a acomodação dos fatos. É assim que agem as forças econômicas no mundo inteiro e a gente percebe que essa crise de confiança, no Brasil, ela está afundando o presente”, acrescentou Eduardo Campos, dizendo que o País, hoje, tem um crescimento econômico “débil”.

O jornal de hoje

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2014 registrou 8,2 milhões de inscritos pouco antes das 13h desta sexta (23). A informação foi compartilhada pelo Twitter no perfil oficial do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), autarquia do MEC (Ministério da Educação) responsável pelo exame.

Na manhã desta sexta, o exame chegou a 7.885.852 inscrições e bateu o recorde do ano passado, quando 7.834.024 candidatos se inscreveram no sistema. Em 2013, após a confirmação do pagamento da taxa, o número de inscrições confirmadas caiu para 7.173.574.

As inscrições podem ser realizadas até as 23h59 desta sexta-feira (23). O cadastro é feito no site http://sistemasenem2.inep.gov.br/inscricaoEnem. A taxa de inscrição é de R$ 35. O prazo final para o pagamento do boleto será no dia 28 de maio.

A recomendação do Inep é de que o participante faça a inscrição em horários com menor procura, como antes das 9h e entre 14h e 17h. Não é recomendado deixar para fazer a inscrição nas últimas horas do prazo final.

UOL

Foto Connecttv
A população do Distrito de Traíras realizaram ontem (22) uma caminhada para pedi segurança na região, segundo os moradores o sossego não existe mais, são assaltos e mortes ocorrendo em Traíras e região, para a população está faltando interesse dos gestores públicos em querer melhorar a segurança pública, na faixa acima pede que o prefeito de Macaíba faça uma parceria com a polícia, em Mossoró por exemplo foi criada a base cidadã ( uma parceria entre o governo, polícia e prefeitura), segundo os  últimos dados do ano de 2013  a criminalidade teve redução no bairro de Santo António, um dos mais violentos da cidade.
Connecttv
O capitão Torres do 11ºBPM relatou que conta apenas com 15 policias militares e três viaturas para atender uma população de aproximadamente 80 mil habitantes, mas alguns crimes podem ser elucidados através de denuncias anônimas da própria população. Foi constatado que nesta comunidade existe uma obra parada há cerca de 05 anos onde seria o Posto da Polícia Militar que beneficiaria a comunidade que implora por segurança. 

           

Quatro universitárias foram vitimas de dois criminosos na noite de ontem (21) em Macaíba, após descer do transporte coletivo. Segundo as vítimas  dois homens estavam em uma moto tipo Traxx de cor preta, onde as abordou  no momento que estavam indo em direção às suas residências. O garupa armado com um revolver, mandou que as mesmas entregasse todos os pertences. Durante este assalto uma das vitimas teve 50 reais em dinheiro levado pelo os criminosos. 

Patrulha Macaíba

Foto: Visitei o Santuário Alto de Santa Rita de Cássia, em Santa Cruz-RN, famoso por ter a maior imagem religiosa da Ámerica Latina. Logo mais participo da procissão em homenagem à Santa.
Assecom
O ex-governador e pré-candidato à presidência, Eduardo Campos esteve hoje (22) em Natal para encontro político do seu partido PSB, foi recepcionado pela vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, ele também visitou o santuário de Santa Rita de Cássia na cidade de Santa Cruz.
z
Foto J Batista

A ministra da cultura Marta Suplicy também esteve em Natal para participar da abertura da teia nacional da diversidade 2014, foi recepcionada pela deputada Fátima Bezerra.

     Projeto prevê novas faixas de rolamento na Roberto Freire

O projeto de reestruturação viária da avenida engenheiro Roberto Freire, em Ponta Negra, prevê a redução  de 4,5520 hectares da área Unidade de Conservação Parque Estadual Dunas de Natal Jornalista Luiz Maria Alves, o equivalente a 45 mil metros quadrados ou onze campos de futebol. É o que está previsto na mensagem 102/2014 encaminhada pelo Governo do Estado à Assembleia Legislativa, no dia 8 de maio, para análise dos deputados. O projeto ainda não começou a ser analisado pelas comissões do Legislativo estadual.

A proposta governamental contempla uma intervenção em uma faixa do parque paralela à avenida engenheiro Roberto Freire, com largura variável entre 30 metros e 40 metros, medidos a partir da cerca atualmente existente no terreno da Unidade de Conservação, criadoapor força do Decreto Estadual n.º 7.237, de 22 de novembro de 1977, com uma área de 1.350 hectares.

De acordo com a mensagem encaminhada para a AL, assinada pela governadora Rosalba Ciarlini, a intervenção na área foi “a solução que se mostrou mais consentânea com os propósitos operacionais e técnicos da obra, de maneira a compatibilizar e mitigar os impactos ambientais, sociais e econômicos eventuais”. Segundo a justificativa do Governo, os estudos técnicos-ambientais, diagnósticos e apontamentos produzidos pela UFRN e Funpec mostraram que o trecho a ser desafetado é considerado “uma região de tabuleiro no Plano de Manejo do Parque e já se encontra degradado”.

A obra reestruturação da avenida Roberto Freire, orçadas em R$ 260 milhões, foi retirada da Matriz de Responsabilidade da Copa e inserida no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, do Governo Federal, com a implantação de novas faixas de rolamento nos dois sentidos da rodovia, corredor exclusivo para transporte coletivo, ciclovia, via expressa, calçadão e a construção de três túneis.

Os serviços seriam executados no trecho entre o viaduto da BR-101, na altura do conjunto Mirassol, e a avenida Praia de Tibau, em Ponta Negra, e devem começar apenas depois do Mundial, mas ainda não tem data definida.

A urbanização da Roberto Freire contempla também o reordenamento paisagístico, sinalização horizontal e vertical, adequações geométricas e eliminação dos pontos críticos de tráfego de veículos que vão para a zona Sul e que se destinam, a partir da chamada Rota do Sol, para as praias de municípios vizinhos, como Parnamirim e Nísia Floresta. A empresa vencedora da licitação para as obras foi a Galvão Engenharia S/A.

A governadora finaliza a nota deixando claro a expectativa de “rápida tramitação” do projeto  e a expectativa de que seja aprovado na Casa Legislativa.

Números
45 mil metros quadrados da área do parque seriam suprimidos, de acordo com o projeto de lei que está tramitando no Legislativo.
11 campos de futebol é quanto representa a área a ser desafetada em benefício da via.
R$ 260 milhões é o orçamento atual para a reestruturação viária da avenida Engenheiro Roberto Freire.

Tribuna do Norte

A sequência de programas partidários na TV despertou mais eleitores para a eleição presidencial e derrubou a parcela de votos brancos e nulos, que estava no patamar mais alto da história recente. Última a aparecer na propaganda, Dilma Rousseff (PT) melhorou de 37% para 40% sua taxa de intenção de votos entre abril e maio, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira, 22. Seus adversários diretos, porém, cresceram mais, o que eleva as chances de segundo turno.

No cenário com a lista dos oito pré-candidatos que já manifestaram intenção de concorrer, Aécio Neves (PSDB) subiu de 14% para 20% e Eduardo Campos (PSB), de 6% para 11%. A vantagem que Dilma tinha sobre a soma dos adversários diminuiu de 13 pontos porcentuais para apenas 4. Para se reeleger já no primeiro turno, ela precisará da maioria absoluta dos votos válidos (metade mais um) em outubro.

A pesquisa mais recente do Ibope foi feita entre os dias 15 e 19 de maio. No dia 13, o PT começou a exibir na televisão uma polêmica peça de propaganda com o mote “O Brasil não quer voltar atrás”, na qual exaltou o risco da “volta dos fantasmas do passado”, entre eles o do desemprego. Na noite do dia 15, o partido teve 10 minutos em rede no horário nobre, no qual levou esse vídeo de novo ao ar, além de discursos de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A pesquisa atual do Ibope também capta os efeitos do programa de 10 minutos do PSDB, exibido no dia 17 de abril. O levantamento anterior do instituto havia sido encerrado no dia 14, três dias antes de os tucanos ocuparem o horário nobre para promover Aécio. Já o PSB de Campos foi à TV no fim de março.

Com essa invasão da propaganda partidária nos meios de comunicação, a soma de quem pretendia votar em branco, anular ou não sabia responder despencou entre as pesquisas Ibope de abril e maio. Foi de 37% para 24% e voltou ao patamar histórico esperado para esta época da campanha eleitoral.

Foi na faixa do eleitorado com renda superior a 5 salários mínimos que Dilma se recuperou mais. Nesse grupo, a presidente foi de 26% a 38% das intenções de voto, enquanto Aécio oscilou um ponto para baixo, de 26% para 25%. Nas demais faixas de renda, Dilma tem pior desempenho entre quem ganha de 2 a 5 salários mínimos. Apenas 35% desses eleitores pretendem votar na presidente. Seu melhor desempenho é entre os mais pobres: 56% dos eleitores que ganham até 1 salário mínimo por mês declaram voto na petista.

No corte por regiões, Dilma vai pior no Sudeste, seguindo a tradição dos candidatos petistas desde 2006. Ela tem hoje 33% das intenções de voto na região, contra 24% de Aécio e 8% de Campos. É no Nordeste que Dilma e Campos se saem melhor, com 51% e 15%, respectivamente. Aécio tem 11% entre os nordestinos.

Dilma ampliou sua taxa de intenção de votos no último mês, mas não conseguiu reduzir a parcela do eleitorado que não admite votar nela de jeito nenhum – o porcentual ficou estável, em 33%. Já a situação de seus adversários melhorou: a rejeição a Aécio caiu de 25% para 20%, e a Campos, de 21% para 13%.

Segundo turno

Nas simulações de segundo turno, o quadro manteve-se praticamente inalterado na comparação com a pesquisa de abril. Dilma tem hoje os mesmos 43% das intenções de votos que recebia no mês passado, já Aécio oscilou dois pontos para cima e foi de 22% para 24%.

Se o adversário da petista no segundo turno fosse Eduardo Campos, os índices são parecidos: Dilma receberia 42% dos votos, contra 22% do ex-governador de Pernambuco, que subiu cinco pontos em comparação à pesquisa de abril.

A pesquisa ouviu 2.002 eleitores em 140 municípios. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais, com nível de confiança de 95% – ou seja, há 95% de probabilidade de os números retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. O levantamento foi custeado pelo próprio Ibope e registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR-00120/2014. / COLABORARAM RODRIGO BURGARELLI E DIEGO RABATONE

MSN

Dilma se recupera após propaganda, mas adversários sobem mais, mostra Ibope

Assecom

             
Representantes da Polícia Civil do Rio Grande do Norte estiveram nessa terça-feira (20) na Câmara de Vereadores de Macaíba para apresentar um projeto para construção de uma nova delegacia naquele município. Os recursos para execução do projeto são oriundos do Programa Brasil Mais Seguro, do Governo Federal.

A Prefeitura de Macaíba cedeu ao Governo do Estado um terreno para viabilização da construção da unidade policial. No entanto, para receber o Termo de Doação, é necessária a aprovação do projeto por parte da Câmara dos Vereadores daquela cidade. Para tanto, o Chefe do Setor de Projetos e Convênios da Polícia Civil, Francisco Reginário Gomes da Silva, esteve presente na Câmara ontem apresentando o referido projeto, contando também com a presença do delegado da DP de Macaíba, Normando Feitosa. “O processo está avançado e precisamos apenas dessa aprovação para fazer a licitação e contratarmos a empresa para construir essa unidade”, explicou Reginário.

Os recursos do Programa Brasil Mais Seguro incluem ainda a construção ou reforma de delegacias em outros municípios, também focos do programa que são: Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Ceará-Mirim e Mossoró. A Polícia Civil também já dispõe da verba destinada para equipar essas unidades policiais, um montante de R$ 3,6 milhões viabilizados num convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

Blog do BG

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou procedente a ação na qual o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, questionou a resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que, conforme ele, limita os poderes de investigação do Ministério Público em relação a suspeitas de crimes eleitorais.
Por 9 votos a 2, os maioria dos ministros aprovaram a derrubada da regra que determinou que o inquérito somente será instaurado após autorização da Justiça. Votaram por este entendimento os ministros Roberto Barroso (relator), Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Joaquim Barbosa, Cármen Lúcia, Marco Aurélio, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Foram votos vencidos os ministros Dias Toffoli, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral, e Gilmar Mendes.
De acordo com o entendimento da maioria do Supremo, a Constituição Federal garante ao Ministério Público a prerrogativa de requisitar diligências e instalar inquéritos.

Estadão