A pesquisa Datafolha desta sexta-feira mostra a presidente Dilma Rousseff com saldo potencialmente negativo nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Nas três, as opiniões de que seu governo é ruim ou péssimo superam as avaliações de ótimo e bom em um ponto porcentual. Está dentro da margem de erro, mas é um limiar perigoso: o histórico mostra que governantes com mais eleitores críticos do que apoiadores são praticamente inelegíveis.

O que salva a popularidade de Dilma é seu saldo amplamente positivo no Nordeste (26 pontos) e no Norte (31 pontos). Na média nacional, a presidente ainda tem nove pontos a mais de ótimo em bom (35%) do que de ruim e péssimo (26%). E é por isso que ainda é vista como a favorita a vencer a eleição em outubro pela maior parte do eleitorado nacional: 37%.

Por seu peso no total do eleitorado, o Nordeste é muito mais importante para Dilma. E é lá que o Datafolha mostra outro indicador preocupante para os petistas: a taxa de ótimo e bom do governo federal caiu 7 pontos, e a de ruim e péssimo subiu 6 no último mês. Como resultado, o saldo positivo, embora ainda alto, caiu 13 pontos. Ainda não é uma tendência, porque foi a primeira perda de popularidade da presidente na região desde novembro.

Essa divisão geográfica da avaliação do governo se reflete diretamente na corrida eleitoral. No Sudeste, Dilma está tecnicamente empatada com Aécio Neves (PSDB), segundo o Datafolha: tem 30% das intenções de voto, contra 27% do tucano. Já no Nordeste, tem quatro vezes mais que o tucano: 52% a 12%.

Entre os nordestinos, o pernambucano Eduardo Campos (PSB) aparece ligeiramente à frente do tucano, com 16% dos votos. É no Sul (19% a 8%) e, principalmente, no Sudeste (27% a 7%) que Aécio livra sua vantagem sobre o candidato do PSB. Foi esse crescimento que aumentou em 50% a distância de Aécio sobre Campos no total do eleitorado nacional.

A geografia do voto mostra ainda que caiu a vantagem de Dilma no interior do País, onde sua avaliação e intenção de voto são historicamente maiores. Nessas cidades, o saldo de avaliação que chegou a ser de 30 pontos em novembro, caiu para 12 pontos em maio – apesar de todas as suas entrevistas para rádios do interior e dos programas de entrega de máquinas às prefeituras.

A presidente continua vulnerável nas metrópoles e capitais, onde a taxa de ótimo e bom (33%) está tecnicamente empatada coma de ruim e péssimo (29%). Mas nas maiores cidades Dilma pelo menos parou de cair.

Estadão

O Blog entrou em contato com o deputado Fernando Mineiro, PT, e o mesmo confirmou a informação de que teria chegado uma intimação da Polícia Federal ao dirigente do PT, Sérvolo de Oliveira e Silva, na sede do partido em Natal.
O deputado afirmou não ter certeza do que realmente se trata, mas acredita que é “possível” que seja uma ameaça feita ao ministro Joaquim Barbosa pelo Facebook. Fernando Mineiro disse que o dirigente voltou para sua cidade natal, no estado do Paraná e que não reside mais em Natal.

Blog do BG

                                   

Uma advogada foi presa na quinta-feira em Torres (RS) suspeita de enganar presidiários para tirar seus patrimônios. Segundo a Polícia Civil, a mulher enganou presos com bens e também aqueles com poder de mando para executar ações fora da cadeia.

A investigação indica que a mulher contava com a ajuda de um pastor evangélico conhecido como Folharada e com prestígio entre os presos. Ela se aproximava dos detentos para “evangelizar” e acabava por seduzi-los

A advogada chegava a prometer a ajudar na revisão criminal para tentar baixar as penas dos presos, mas acabava por se apropriar dos bens do detento.

Ela ainda tem prisão preventiva decretada por supostamente ter mandado executar um casal que disputava o patrimônio de um detento em Osório. As vítimas eram a irmã de um apenado e o marido dela.

A advogada é casada com um presidiário condenado a mais de 50 anos e que está no presídio de Camaquã. Este teria contratado o assassino.

Terra

                       Erval-Sampaio---Juiz-WR

“Normal”. Em cerca de 40 minutos de conversa, essa foi talvez a palavra mais repetida pelo juiz Herval Sampaio Júnior. Contudo, nada nesse cearense, que escolheu Mossoró para morar e fazer história, parece ser normal. A começar pela primeira impressão: o visual do magistrado. Headfone, terno sem gravata, dois celulares com tela de quatro polegadas; pulseira grossa num pulso, acompanhado de um anel que se destaca na mão; no outro braço, um relógio grande. Tudo isso encaixado num corpo de estatura mediana/baixa, mas que parece ser maior devido à quantidade de gestos que faz durante a fala – quase sempre alta.
“Normais”, para Herval, foram as decisões que cassaram os principais candidatos a Prefeitura de Mossoró e de Baraúna em 2012, gerando pleitos suplementares nas duas cidades. Não viu anormalidade, também, na forma como enfrentou – mesmo sem assumir isso – as duas classes políticas mais fortes da chamada “Capital do Oeste”, tirando Cláudia Regina (DEM) e Larissa Rosado (PSB) da disputa pela condição.
É por isso, por considerar sua atuação “normal”, inclusive, que o magistrado – que também já foi oficial de justiça, mas chama atenção mesmo por ter sido, antes, dançarino do cantor Beto Barbosa – rejeita o título de “herói” ou de “verdadeiro responsável pela mudança política de Mossoró”. “Só fiz o meu trabalho, talvez tenha sido um pouco diferente por exercer mais o poder de polícia”, afirmou Herval Júnior, filho do ex-vereador de Fortaleza Herval Sampaio. Apesar da ascendência política, ressalta-se, o magistrado descarta a possibilidade de, um dia, entrar para política. Na verdade, quer é ser ministro da justiça e voltar a ter programa na TV mas, desta vez, na rede aberta, para conseguir chegar ao “povão”.
Esses objetivos, porém, não são as justificativas para aqueles que acham que, no pleito, Herval Sampaio quis apenas aparecer. “Sou expansivo. Quem me conhece sabe que esse é meu jeito”, repetiu em diversos momentos da entrevista. Talvez por isso, inclusive, Herval tenha alterado a voz, falado mais alto, justamente, nos momentos em que a resposta incluía a defesa ao Judiciário nas eleições. Apontando a trapaça da classe política, sempre com uma carta na manga, o magistrado afirmou que ela era a verdadeira responsável por judicializar os pleitos.
E mais: afirmou também que é preciso avançar, e muito, no rigor da apuração dos pleitos eleitorais. Não na contagem dos votos, mas sim com relação à caixa 2 e, consequentemente, compra de votos. Só assim para o País sair do momento atual, em que os “mandatos são verdadeiramente comprados”, conforme analisou o juiz. Então, como se diz nos programas de TV, “agora com vocês, Herval Sampaio”:
O jornal de hoje

                        Luciano Cavalcanti garantiu que pendências foram regularizadas

O Governo do Estado deixou de receber pelo menos R$ 12 milhões em recursos para instalação de sistemas de abastecimentos de água em 2013. Os recursos fazem parte da segunda parcela de um convênio realizado com o Ministério da Integração no âmbito do programa “Água para Todos”, para instalação de 192 sistemas de abastecimento de água no Estado.

Os recursos estão emperrados no âmbito do Governo Federal. De acordo com o Ministério da Integração, o Governo do Estado não concluiu o processo licitatório para escolha da empresa que realizará a instalação dos sistemas de abastecimento, que podem incluir a perfuração, instalação ou recuperação de poços tubulares, dependendo das características das localidades a serem beneficiadas. O convênio foi celebrado em 2012 dentro das medidas do decreto de emergência por causa da seca, e prevê um recurso de R$ 20 milhões repassados em três parcelas.

“Referente ao convênio, celebrado em 2012, foi repassado ao Estado, no mesmo ano, a primeira parcela de R$ 9,2 milhões. A segunda parcela do convênio, no valor de R$ 12,7 milhões, prevista para o ano de 2013, ainda não foi liberada, tendo em vista que o Estado não concluiu o processo licitatório até o momento”, disse o MIN por meio de nota.

Em reportagem publicada na edição desta sexta-feira, 9, a TRIBUNA DO NORTE mostrou que o Rio Grande do Norte possui 1.565 poços tubulares não instalados – ou seja, foram perfurados, porém não estão equipados com bombas de água ou cataventos que possibilitem a retirada de água do lençol freático. Se estivessem em funcionamento, as estruturas poderiam dobrar a capacidade de vazão para abastecimento de água.

De acordo com o secretário estadual de recursos hídricos, Luciano Cavalcanti Xavier, a demora na escolha da empresa foi causada durante a renovação do decreto de emergência. “Como o decreto terminou em abril, a empresa teve medo de dar continuidade ao serviço sem a garantia do processo e do recebimento. Como foi renovado, retomaremos o processo”, justificou. De acordo com ele, a situação já foi regularizada. A Secretaria Estadual de Recursos Hídricos ainda chegou a receber uma parte da parcela de R$ 12,7 milhões – R$ 612 mil – que custeou a reinstalação de dez poços em Tangará, a 82 quilômetros da capital potiguar.

Cavalcanti ainda afirmou que os recursos são destinados, prioritariamente, para a recuperação de poços. “Às vezes perfuramos um poço e, como não temos recursos para instalar, vai passando o tempo e ele perde um pouco a qualidade. Por isso precisamos recuperar. Se chegarmos lá para recuperar o poço e ele estiver seco, não tiver nada, aí novos perfuramos um novo e instalamos”, acrescentou.

Apesar da garantia de retomada da licitação, o secretário não informou a data de reinício do programa de recuperação de poços. “Já estamos para  iniciar esse processo. Deve acontecer até o final do mês”, titubeou. A instalação de poços faz parte das medidas do Plano Emergencial de Combate à Seca do Estado. De acordo com a Semarh, o programa beneficiará municípios do Seridó e Agreste, como Lajes e Tangará.

Para a coordenadora de poços da Semarh, Telma Tocha, o descompasso entre a perfuração e instalação de poços no RN é causada pela falta de recursos – financeiros e humanos. “Equipe nós não temos para instalar. A equipe que vinha da Sudene já se aposentou. Por isso dependemos dos recursos”, aponta. A Semarh possui máquinas para fazer a perfuração de poços, mas precisa contratar empresas para equipá-los com bombas d’água, cataventos e, por vezes, dessalinizadores. A instalação de cada poço pode custar até R$ 23 mil. Entre 2011 e 2013, 515 poços foram perfurados e apenas 134 foram instalados no RN.

Oiticica
Este não é o único recurso que o RN tem a receber do Ministério da Integração. Cerca de R$ 11 milhões ainda não foram repassados à Semarh para a obra da barragem de Oiticica, reservatório em construção entre Jucurutu e Jardim de Piranhas. 

De acordo com a Semarh, os recursos que seriam transferidos por meio do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) estão em atraso desde fevereiro. O secretário de recursos hídricos, Luciano Cavalcanti, informou que a obra não vai parar. “Ainda em maio concluímos. Faltam apenas seis quilômetros”, ressaltou. 

Tribuna do Norte

           I67U5Y45Y45Y

O ex-prefeito de Extremoz, Enilton Batista da Trindade, foi condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em sessão ordinária de 15 de abril de 2014, a devolver aos cofres da Fundação Nacional da Saúde (Funasa) a quantia de R$ 2.352.488,90, acrescida de juros, correção Pelo IPCA-E e multa no valor de R$ 200.000,00. A condenação refere-se à contratação do Esgotamento Sanitário de Extremoz, cuja obra custaria três milhões de reais e somente foram realizadas 39,82% da obra, sendo pago, 80% antecipadamente. O ex-gestor também terá seus direitos políticos suspensos por oito anos.

A decisão dos ministros do TCU, reunidos em Sessão da 2ª Câmara, ocorreu em função das irregularidades na aplicação dos recursos repassados pela Funasa ao Município de Extremoz por meio do Convênio 1.342/2004, cujo objeto era a execução de sistema de esgotamento sanitário no município, foi a de considerar revel o ex-prefeito.

O TCU determinou, também, que o ex-prefeito pode requerer o parcelamento das dívidas em até 36 parcelas mensais e sucessivas. O tribunal, entretanto, advertiu no Acórdão que a falta de pagamento de qualquer parcela importaria no vencimento antecipado do saldo devedor. Caso não haja o ressarcimento do dinheiro público após a notificação, à vista ou parcelado, haverá a cobrança judicial das dividas.

Drenagem e Pavimentação

Em 18 de março deste ano o ex-prefeito também foi julgado pelo TCU (processo 006.184/2013-8) sobre possíveis irregularidades com relação à impugnação total de despesas realizadas com os recursos do Convênio 308/2002/MI/Sedec (Siafí 470802), celebrado com o Ministério da Integração Nacional, que teve por objeto a execução de serviços de drenagem com pavimentação das Ruas Projetadas 01, 02 e 03, Trav. Cícero Inácio e Rua Cícero Inácio, em Pitangui, no valor total de R$ 416.133,37.

O TCU julgou regular, com ressalva, as contas de Enilton Batista Trindade e determinou que “à Secex/RN diligencie o Ministério da Integração Nacional em busca de esclarecimentos relacionados ao Convênio 319/2002 (Siafi 472274), em especial sobre a análise do órgão concedente em face da prestação de contas, sobre suas conclusões acerca da denúncia formulada perante a CGU envolvendo os Convênios 308 e 319/2002 e sobre a existência de relatórios de vistoria in loco referentes a este segundo ajuste”, conforme texto do Acórdão daquela Corte.

Justiça Federal

Antes, em 06 de fevereiro, o ex-prefeito de Extremoz, Enilton Batista da Trindade havia sido condenado pela 4ª Vara da Justiça Federal a devolver a mesma quantia a Funasa, monetariamente atualizado pelo IPCA-E e juros de mora de 1% ao mês, além de pagamento de multa civil no valor de cem mil reais.

Naquela ocasião a juíza Gisele Maria da Silva Araújo Leite esclareceu o prejuízo à população na própria sentença, quando escreveu: “Com efeito, a execução de apenas 39,82% da obra nem de longe atingiu o fim do convênio e não trouxe qualquer benefício à população local; ao revés, há relatos de que, ao levantar o canteiro, a empresa sequer recompôs o calçamento removido para a colocação de canos, gerando expressivo transtorno aos moradores e transeuntes. Outrossim, pesa contra os demandados o fato de que a parcela dos recursos efetivamente aplicada foi perdida, de sorte que, se houve mau uso, a devolução deve ser in tontum”, escreveu.
O jornal de hoje

                                      rachcel muques

Assediada pela Band, a jornalista Rachel Sheherazade renovou contrato com o SBT por mais quatro anos, até 2018. O novo acordo foi assinado no final da tarde desta quinta (8). Para manter a polêmica jornalista, o SBT teve de ceder em dois pontos: 1) vai liberar seus comentários no SBT Brasil, proibidos desde o início de abril; 2) deu a ela um “aumento substancial”, o que eleva a multa contratual e dificulta sua eventual mudança para outra rede.

“Fiquei empolgada porque em breve os comentários voltarão”, disse a jornalista ao Notícias da TV, por e-mail.  Sheherazade também deverá ter um programa semanal de debates. O novo contrato, no entanto, não prevê esse programa explicitamente. Vai depender da vontade de Silvio Santos, dono da emissora.

Silvio Santos, aliás, foi fundamental para a permanência dela na rede. Ela confirma a proposta da Band. “Recebi uma excelente proposta da Band, mas ponderei muito e creio que tomei a decisão mais sensata. Gosto do SBT. Tenho forte gratidão pelo Silvio Santos e a casa me ofereceu muita segurança nesta renovação. Senti muita paz”, completa.

O que mais seduziu Rachel Sheherazade, além do aumento, foi o compromisso dos principais executivos do SBT de que ela voltará a dar sua opinião, assim que a repercussão de seus recentes comentários “esfriar”.

Segundo uma alta fonte da emissora, ela voltará a opinar no SBT Brasil dentro de um mês. Será montada uma estratégia com o diretor de jornalismo, Marcelo Parada, para que Sheherazade “volte aos poucos”, sem chamar muita atenção (em outras palavras, sem atrair a ira dos defensores dos direitos humanos e do governo).

Na semana passada, Rachel Sheherazade recebeu uma tentadora oferta da Bandeirantes. A emissora estaria disposta a pagar R$ 350 mil mensais para ela dividir o Jornal da Band com Ricardo Boechat e Ticiana Villas Boas. Ela ficou interessada na proposta, mas optou por renovar com o SBT, até porque conseguiu aumento e o que mais queria: a liberdade de opinar.

Em fevereiro, Rachel Sheherazade virou notícia ao achar “compreensível” a atitude de um grupo de “justiceiros” que prenderam a um poste e torturaram um suposto assaltante de 16 anos no Rio de Janeiro. A opinião gerou revolta de partidos políticos e entidades defensoras dos direitos humanos. Ricardo Boechat, âncora do Jornal da Band, chegou a declarar que a opinião dela era “uma bosta”.

Pressionado pelo governo federal, que sentiu desconforto com os comentários de Sheherazade, o SBT proibiu os jornalistas de emitirem opinião nos telejornais da emissora, no início de abril.

Por DANIEL CASTRO e PAULO PACHECO 

Notícias da TV- UOL

ilustrativa

Um assalto foi registrado em pleno dia na cidade de Macaíba. A CONNECTTV chegou a conversar com uma das vitimas que nos contou o que ocorreu na manhã desta Sexta-Feira (09) na rua do Cajueiro. As duas mulheres que não quiseram ter os seus nomes revelados, estavam caminhando normalmente quando foi perseguidas por uma dupla, ao se aproximaram os meliantes abordaram as vitimas e anunciaram o assalto mandando que entregasse todos os seus pertences simulando que estivessem armados. Uma das vitimas chegou a entregar o aparelho celular, já a outra mulher viu que eles não tinha  armas, reagiu, e usou um capacete que estava segurando para se defender, A mulher chegou a ser agredida com um chute, mais os bandidos fugiram depois da reação.

                                   O jornalista da Band Ricardo Boechat

O jornalista do Grupo Bandeirantes Ricardo Boechat foi condenado a seis meses e 16 dias de prisão por crime de calúnia contra o senador Roberto Requião (PMDB-PR). A sentença foi proferida pela 1ª Vara Criminal do Fórum Regional de Pinheiros, em São Paulo. A juíza Aparecida Angélica Correa converteu a pena para três meses de trabalho comunitário.

Boechat foi condenado por comentário feito no dia 11 de maio de 2011 na Rádio Band News, onde ancora o noticiário matinal. Após reportagem sobre o incidente em que o senador pemedebista tomou o gravador das mãos de um repórter, Boechat acusou o senador de corrupção e nepotismo.

O jornalista fez acusações sobre a atuação do irmão do senador como gestor do Porto de Paranaguá e afirmou que a aposentadoria que Requião recebe como ex-governador do Paraná era “um roubo”.

No mesmo comentário, Boechat disse que Requião o perseguia por atribuir a ele a divulgação de uma notícia que acusava o político paranaense de haver violentado uma menor, e tratou de esclarecer que jamais havia feito tal afirmação.

Após a sentença, Requião comentou a vitória judicial em comentário gravado enviado a emissoras de rádio e órgão de imprensa: “Eu sou absolutamente a favor da liberdade de imprensa, mas a irresponsabilidade de alguns jornalistas tem que ser questionada e as pessoas devem ir à juízo. A juíza acertadamente converteu a pena em trabalho social. Preso numa cadeia brasileira, Ricardo Boechat com certeza ficaria junto com pessoas piores que ele, e poderia sair pior que entrou”.

Requião também defendeu a inclusão do direito de resposta na legislação brasileira. Nesta quinta-feira (8), pouco após saber da decisão, disse em discurso no plenário do Senado que trocaria a condenação pelo direito de resposta.

Um projeto de autoria dele tramita na Câmara e prevê que pessoas ou organizações citadas na imprensa teriam o mesmo espaço no veículo de comunicação para se defender, caso comprovem judicialmente a inverdade ou ofensa.

A Band, por meio da assessoria de imprensa, informou que vai recorrer da decisão.

Ao Portal Imprensa, Boechat declarou que mantém as declarações sobre o senador “Me avisaram que tinha uma condenação e o jurídico da Band vai recorrer. Não tem muito o que comentar, mas não mudo uma vírgula daquilo que eu disse”, disse o jornalista.

UOl

ilustrativa/ 2013 construção das residências 
                    
As mais de 400 residências do programa minha casa, minha vida do conjunto residencial campinas estão prontas, a entrega ainda não aconteceu porque a prefeitura está a espera da lista com nomes dos beneficiários por parte do Banco do Brasil.
O conjunto está localizado nas  proximidades da avenida Enock Garcia ( Lagoa Grande), as residências contam com sala, cozinha, dois quartos e banheiro com energia solar, o conjunto terá uma quadra poliesportiva para os moradores.

                               

Um acidente aconteceu na manhã desta sexta-feira (09) por voltas da 09:12 hs na rua Dr.Pedro Matos em frente a antiga igreja universal. A equipe esteve no local para pegar mais detalhes sobre o ocorrido. A vitima foi uma estudante da escola Dr. Severiano qual a sua identidade não foi revelada e tem aproximadamente entre 16 a 18 anos, o acidente aconteceu quando mesma vinha com a sua moto YAMAHA quando foi surpreendida por outra moto em alta velocidade não identificada que acabou atingindo a traseira de sua moto e os dois condutores caíram. O  condutor da outra moto fugiu do local sem presta socorro. A equipe da samu foi acionada mais porém chegou no local depois de 30 minutos.

                        

Na manhã desta sexta-feira (9), o município de Macaíba recebeu mais três médicas do programa Mais Médicos para trabalharem nas unidades de saúde da cidade. Em breve, outro médico também chegará a Macaíba.

Com a chegada destes novos profissionais, o município aumenta a cobertura da atenção básica. Em Macaíba, o programa Mais Médicos vem contribuindo com a prevenção e promoção da saúde com a atuação dos profissionais no município.

Assecom

       "Geração Brasil'

Logotipo da novela das 9 da TV Globo vem sendo assunto nas redes sociais, tudo porque o nome da novela contém números que poderiam está fazendo menção política, 40 (PSB) e 45 (PSDB) ambos partidos opositores ao governo, para o vice-presidente do PT Alberto Cantalice, “Estamos acostumados com a manipulação da Globo. Esta, porém, foi um tiro no pé, porque as redes sociais estão desmascarando. Isso não passa de uma manipulação grosseira para influenciar o processo eleitoral”, afirmou Cantalice ao jornalista Paulo Pacheco. O partido estuda acionar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra a emissora.

A Globo afirma também que “não procede em absoluto” a acusação de mensagem subliminar do PSB e PSDB. A emissora diz ainda que a grafia do folhetim é inspirada  no alfabeto ‘Leet’, uma espécie de linguagem dos hackers baseada na substituição de letras por símbolos e números.

Dentro de 36 meses, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Rio Grande do Norte (SENAI-DR/RN) estarão realizando, conjuntamente, pesquisa aplicada em energia eólica, solar, pequenas centrais hidrelétricas, biomassa, biogás, fertilizantes de alto desempenho e áreas correlatas. E o resultado desse trabalho já tem destino certo: os setores pré-competitivos do Rio Grande do Norte.
Para tanto, as duas partes fecharam na terça-feira, 6, um Contrato de Cooperação Acadêmico- Científica, que implica na edificação do Núcleo Avançado de Pesquisa e Inovação, a ser instalado em terreno disponibilizado pela UFRN no Campus Macaíba, onde funciona atualmente a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ).
Um fato histórico
Trata-se de um acordo histórico, segundo a reitora da UFRN, Ângela Paiva Cruz, tendo em vista concretizar o Plano de Desenvolvimento Institucional da UFRN 2011-2019. “Os planos e as metas desenhadas pela comunidade acadêmica para o PDI se entreolharam, entendendo os desafios que o Rio Grande do Norte enfrenta, entre eles o desenvolvimento do setor industrial”.
Portanto, continuou a reitora, “enxergamos nessa relação com os movimentos sociais e com o setor produtivo, que as questões socioeconômicas e educativas do povo potiguar precisam ser resolvidas e uma das formas é por meio da pesquisa”.
Ao se referir ao momento histórico, o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN) externou que “o acordo é importante não só para o SENAI, mas para todo o sistema FIERN, pela parceria firmada com a UFRN, a mais renomada instituição entre as universidades do Norte e Nordeste”. “Acreditamos que este projeto que atende a todo o Brasil seja mais um entre muitos que vamos fazer em parceria com a UFRN”, acrescentou Amaro Sales.
O momento contou com a presença do professor João Batista, pró-reitor de Administração, da professora Cândida Amaro Aragão, diretora do CT Gás-ER, de Benilton Medeiros Nunes, assessor de Inovação e Sistemas de Tecnologia, e de Fernando Antônio Bezerra, chefe de gabinete, ambos do Sistema FIERN.
Instituição-âncora
Denominado, também, de Instituto Senai de Inovação de Energias Renováveis, o Núcleo Avançado de Pesquisa e Inovação será instalado em uma área de 15 hectares cedida pela UFRN por um período de 25 anos. O investimento será de R$ 25 milhões, provenientes do SENAI, BNDS e da própria FIERN.
Quando entrar em funcionamento deve fazer o papel de um parque tecnológico em Macaíba, um dos municípios da Região Metropolitana de Natal (RMN), onde a UFRN já oferta ensino técnico e superior tecnológico, além de fazer pesquisa e extensão. Para expandir a pesquisa, a instituição terá um laboratório específico de 400 metros, além do uso de outros ambientes para fins acadêmicos, dentro do Instituto.
Ao se pronunciar sobre o fato, o professor associado do Departamento de Engenharia Química da UFRN e diretor regional do SENAI, Afonso Avelino, foi taxativo:  “Se não fosse essa parceria, teríamos que utilizar o potencial criativo e a capacidade intelectual da Universidade Federal do Rio Grande do Norte para desenvolvermos este Instituto implementado pelo sistema FIERN”.  E ouviu da reitora: “Sabemos que essa parceria é benéfica para a área tecnológica e para a sociedade potiguar. Assim, cumprimos a missão da UFRN”.
Em agradecimento pela disponibilidade do CONSAD para a consecução da parceria, o presidente da FIERN reconheceu que a Universidade precisa pesquisar, mas que pode trabalhar com o setor produtivo de maneira acadêmica. Acredito, disse Amaro Sales, “que se tivermos alguém pesquisando dentro de nossas indústrias, seremos mais criativos e produtivos.” O Estado do RN precisa ter a visão de que a Universidade não é uma ilha, continuou, e clamou: “Precisamos aproximar o empresário da Universidade, porque ele passa por muitas mazelas no processo produtivo e não sabe como resolvê-las. Hoje, que temos recursos e possibilidades para isso, “nossa busca é trazer a academia para dentro de nossas empresas”.
Na oportunidade, a reitora reiterou que a gestão da UFRN tem como foco melhorar a relação com o mundo produtivo e que, por meio da pesquisa aplicada, haverá de contribuir para produzir mais conhecimento, produto e tecnologia social, o que implica em contribuir para o desenvolvimento do país. Prova disso, citou a reitora, os 71 pedidos de registros de Carta Patente estão sob análise no órgão competente.
Entretanto, ponderou Ângela Paiva, “fica claro para os parceiros que teremos a UFRN como instituição-âncora desse parque tecnológico. Assim, devemos ter laboratórios para atuar”.
Portal UFRN