Ex-governador afirma que não pode aceitar “mentiras” de Fátima

 

Nesta segunda-feira (15), o ex-governador Robinson Farias manifestou-se através das redes sociais sobre o empréstimo do Banco Mundial ao governo do Estado e contestou ataques do atual governo.

A manifestação de Robinson é destaque no Agora RN.

“Eu apoiei Fátima no segundo turno por entender que ela era a melhor das duas opções que restaram. Não condicionei isso a nada. Sinceramente, nem esperei gesto de reconhecimento dela. Agora tenho que tolerar, em silêncio, suas críticas e ataques desde que ela assumiu. Mas não posso aceitar mentiras”, criticou.

Em desabafo nas redes sociais, Robinson contestou uma propaganda de Fátima em que a governadora diz ter salvo o projeto do Banco Mundial, que estava para se encerrar.

“Não é verdade. Eu deixei a prorrogação desse projeto até 2021 já aprovada pelo Banco e pelo avalista do empréstimo, que é o Governo Federal, a quem coube a palavra final. E ficou quase metade do dinheiro disponível pra ela aplicar, pra ela dar continuidade às obras em andamento ou previstas para esta etapa final”, escreveu o ex-governador.

Segundo explicou Robinson, Fátima teria ido ao banco depois de eleita porque ele pediu que isso fosse recomendado a ela. “Meus auxiliares a avisaram que o Banco esperava a afirmação de compromisso do novo governante eleito para que não houvesse riscos de ‘solução de continuidade’ do projeto”.

Robinson diz ainda que o mesmo raciocínio foi aplicado nas tratativas com o grupo chinês Chint, responsável por trazer uma fábrica de placas fotovoltaicas para o Rio Grande do Norte.

“Fiz a mesma coisa com os chineses da Chint dentro do processo de transição. Tudo pra dar plenas condições de continuidade aos projetos relevantes que precisavam seguir independentemente de quem fosse o governo. Fiz isso pensando grande, pensando no RN”, disse.

O ex-gestor prosseguiu seu desabafo elencando as obras que conseguiu concluir em seu governo, como estradas, escolas, hospitais e restaurantes populares. Ele admitiu que enfrentou problemas por não contar com as condições políticas que Fátima tem, mas cobrou reconhecimento da petista por seus êxitos.

“Qual a dificuldade em ela reconhecer isso? Fale dos problemas, mas se é pra ser justa reconheça também o que eu deixei de realizações e recursos assegurados”, concluiu Robinson, afirmando, também, que torce para que Fátima consiga reequilibrar as contas do Estado e ter mais diálogo com o Governo Federal.

Administrador