EAJ oferece Equoterapia para auxiliar no tratamento de alunos com necessidades especiais da comunidade

A Escola Agrícola de Jundiaí, Unidade Acadêmica Especializada em Ciências Agrárias da UFRN, atende desde 2017 alunos com deficiências ou necessidades especiais utilizando a terapia complementar com uso do cavalo, a Equoterapia. O atendimento dá-se por meio da ação de extensão “Projeto Equoterapia UFRN”, realizado em parceria com o Instituto de Ensino e Pesquisa Alberto Santos Dumont – ISD.

A prática é terapêutica e científica, utilizando- se do cavalo como instrumento numa abordagem multiprofissional e interdisciplinar. “No Brasil é normatizada pela Associação Nacional de Equoterapia – Ande-Brasil. O método é reconhecido pelo conselho federal de medicina (CFM) e pelo conselho de fisioterapia e terapia ocupacional (COFITO). O método pode ser utilizada como terapia na saúde e na educação, auxilia no crescimento e desenvolvimento biológico, psicológico e social, potencializando as habilidades e minimizando o comprometimento consequente às deficiências” diz o Professor Mário Cardoso, responsável pelo projeto. Mário não mede esforços para promover o acesso ao maior número de possível pessoas mostrando a eficácia da Equoterapia como recurso terapêutico para o tratamento desses indivíduos.

“Em nossa ação de extensão, atendemos crianças com transtornos do espectro do autismo (TEA). Tais transtornos são um grupo de desordens complexas, caracterizadas pelos prejuízos e déficits sociais, de comunicação e pelos comportamentos repetitivos e restritivos que levam a dificuldades adaptativas importantes dos sujeitos” complementa o Professor. Além disso, padroniza os trabalhos para que os resultados sejam evidenciados e comprovados.

Atualmente, 20 crianças atendidas pela rede do Sistema Único de Saúde que receberam diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista e prévio parecer favorável em avaliação médica, psicológica e fisioterápica realizam a prática da Equoterapia. Os atendimentos são feitos pela equipe multiprofissional, habilitada e certificada, composta de fisioterapeuta, fonoaudióloga, psicóloga, equoterapeutas e auxiliada pelos demais colaboradores alunos bolsistas e voluntários. Todos são familiarizados com as normas técnicas, principalmente as de segurança. Não existe nenhum custo aos familiares dos praticantes e os resultados são motivadores, principalmente em relação a motricidade, auto estima e sociabilidade destas crianças.

O atendimento equoterápico individual acontece no campus da Escola Agrícola de Jundiaí uma vez por semana, em dois turnos com duração de 50 minutos cada, onde são desenvolvidas as atividades previamente planejadas, apropriando-se dos vários estímulos motores e cognitivos, buscando a reabilitação física e/ou mental através do passo do cavalo e seus encantos.

A EAJ-UFRN tem como um de seus fundamentos o compromisso de intervenção em sua região, identificando problemas, criando e transferindo soluções técnicas e tecnológicas para o desenvolvimento regional com inclusão social. A estimulação das habilidades motoras é fundamental e proporciona, além da melhora dos aspectos motores, a possibilidade de maior participação em outras atividades cotidianas, de lazer e na interação social dos indivíduos com autismo.

O projeto da Escola Agrícola de Jundiaí já realizou, desde janeiro de 2017, em torno de 600 sessões individuais de Equoterapia. O acompanhamento da evolução dos praticantes torna visíveis os ganhos particulares nas áreas do autocuidado, onde são mensuradas habilidades de alimentação, cuidado pessoal, vestir, banho e uso de toalete, além do incremento das funções físicas tais como a coordenação motora ampla e fina, equilíbrio, força, agilidade, alterações nos padrões de marcha e tônus muscular. As sessões também apresentam resultados positivos com relação à adequação no humor, melhora do contato visual, linguagem expressiva/conversa, cuidados com os animais, melhora nos comportamentos sociais, aumento da volição e interesse por novas tarefas.

Administrador