Conheça relatos de estudantes que tiveram as vidas transformadas pelo IFRN

Conheça relatos de estudantes que tiveram as vidas transformadas pelo IFRN

João Gabriel, Amanda Cristina e Wilen Ivinen, respectivamente

Portal IFRN – “Aqui no IFRN, nós estamos em um ambiente misto, diverso. Encontramos pessoas que vêm tanto da esfera da rede rural quanto do ciclo urbano; esse ambiente  múltiplo permite uma soma de conhecimentos que vamos adquirindo”. É o que pensa  João Gabriel Azevedo, estudante do 4º ano do Curso Integrado em Equipamentos Biomédicos. Aluno do Campus Ceará-Mirim do IFRN, João considera que um dos marcos do Instituto é a integração ofertada. “O IFRN não é apenas o ensino médio e técnico, mas também são vivências. Os eventos, por exemplo, são oportunidades que integralizam todas as áreas do conhecimento”, declarou.

Superação

Já para Amanda Marques, concluinte do Curso Integrado em Programação de Jogos Digitais, o IFRN surgiu como um grande desafio: “tive muitas dificuldades para estudar, devido a distância que percorria todos os dias. Sou de Touros e minha jornada envolve quase duas horas de viagem até o Campus Ceará-Mirim”. Diante dos contratempos, a aluna pensou em desistir: “Foi bastante cansativo porque é um tempo significativo, onde eu poderia estar estudando ou descansando, mas com o incentivo da família e dos professores, hoje estou perto de me formar”. Segundo ela, foi graças ao auxílio psicológico da família e dos professores, que tomou a decisão de permanecer e utilizar os obstáculos como estímulo. “Percebi que por se tratar do IFRN, a minha luta valia a pena”, contou.

Colega de campus de João Gabriel e Amanda, Wilen Ferreira, é estudante do primeiro ano do curso Técnico Integrado em Equipamentos Biomédicos. Ele também relatou dificuldades relacionadas à locomoção de casa até o IFRN: “Acho que todo esforço vale a pena. Eu tentei entrar por vários anos e não consegui, mas persisti e apesar de ter que voltar e repetir um ano ao escolher entrar no IFRN, com certeza não me arrependo, pois essa experiência é resultado da minha aprovação, que foi conquistada com muito estudo, esforço e dedicação. O aluno, que mora na cidade de Pureza (próxima a Ceará-Mirim) conta que, em apenas uma semana de aula no Instituto, já observa diferenças: “Eu vim de escola particular e sinto muito as distinções de realidade, principalmente na estrutura, que no IFRN é mais ampla e moderna”, disse.

Experiências e projetos

João Gabriel foi presidente do Grêmio Estudantil do Campus. Para ele, a experiência contribuiu na vivência dentro da Instituição. “O Grêmio me tornou mais presente dentro do IFRN, não somente na parte educacional com o ensino técnico, mas, inclusive, na cidadania. Isso realmente marcou a minha história na Instituição, essa facilidade que temos de ter uma vivência, não somente técnica como também de política estudantil”, destacou. Já para Amanda, as contribuições do IFRN durante sua trajetória como aluna estão ligadas às visões de mundo: “Eu vivia na minha ‘cidadezinha’ e pretendia trabalhar em alguma coisa, mas depois que entrei no Instituto fui apresentada ao mundo externo. O IFRN me abriu portas para conhecer as minhas capacidades e ousar carreiras maiores”, afirmou. Wilen mostrou-se otimista diante do que espera do Instituto: “na minha outra escola, as pessoas eram mais conservadoras, e aqui eu sinto mais liberdade, talvez por se tratar de uma Instituição laica e que viabiliza os direitos humanos. Acho que estar aqui será, em muitos sentidos, enriquecedor para minha experiência de vida”, finalizou.

Os concluintes Amanda e João Gabriel participaram de projetos de Pesquisa e Extensão que os levaram para além do Rio Grande do Norte e são entusiastas desse tipo de ação: “as pesquisas e os projetos demonstram que o IFRN não está somente aqui, ele pode sair e alcançar a comunidade com atividades de Extensão e tendo a Pesquisa como parceira e aliada”, disseram.

Administrador