Saúde Arquivo

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta terça-feira, 18, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 222 casos suspeitos, 951 descartados, 743 confirmados, 5 óbitos em investigação e 66  óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 405 recuperados.

Blog do Gustavo Negreiros destaca: A taxa de ocupação das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em Natal é a menor desde o início da pandemia da Covid-19. A ocupação de pacientes confirmados ou suspeitos da doença é de apenas 15%, com apenas um paciente suspeito, que está na UPA Satélite. Nas demais quatro unidades, a taxa de ocupação pela Covid é 0.

O desafio agora é realizar a inversão dos leitos Covid, para não Covid, com o objetivo de atender a demanda de pacientes que precisam de leitos para o tratamento em outros tipos de quadros clínicos.

A secretaria estadual de Saúde divulgou neste sábado, 15, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 210 casos suspeitos, 916 descartados, 736 confirmados, 5 óbitos em investigação e 64  óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 405 recuperados.

 

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta quarta-feira, 12, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 194 casos suspeitos,  899 descartados, 723 confirmados, 11 óbitos em investigação e 61 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 405 recuperados.

O boletim epidemiológico divulgado na última sexta-feira (07) pela secretaria estadual de Saúde informa que 405 pacientes estão recuperadas do covid-19 em Macaíba.

 

Situação do covid-19 em Macaíba

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta sexta-feira, 07, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 149 casos suspeitos, 847 descartados, 711 confirmados, 2 óbitos em investigação e 60 óbitos confirmados.

Ao todo foram recuperados 405 pacientes.

 

O Boletim InfoGripe, produzido semanalmente pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e divulgado nesta sexta-feira (7), mostra que apenas Natal e mais cinco capitais brasileiras estão em situação de “queda” em número de casos da covid-19. Além da capital potiguar, aparecem Curitiba, João Pessoa, Salvador, Teresina e Vitória. Os dados são da semana epidemiológica 31, entre os dias 26 de julho e 1° de agosto.

Veja a situação nas capitais:

Possível queda Aracaju e Rio Branco
Retomada de crescimento Macapá e Maceió
Estabilização Manaus, Palmas e Porto Alegre
Oscilação Belém
Crescimento Porto Velho
Queda, com possível estabilização Boa Vista
Queda Curitiba, João Pessoa, Natal, Salvador, Teresina e Vitória
Estabilização para possível início de queda Belo Horizonte e Florianópolis
Possível retomada de queda São Paulo
Possível retomada de crescimento Fortaleza, Rio de Janeiro e São Luís
Queda lenta Recife

O boletim da Fiocruz indica uma possível nova fase de queda leve no número de novos casos semanais de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no país, após a retomada do crescimento observado em junho. Amapá, Ceará e Rio de Janeiro mantêm o sinal de retomada do crescimento (uma segunda onda).

O estado do Maranhão teve a possível retomada do crescimento alterada para possível estabilização. Os casos de covid-19 ainda estão muito altos e a capital, São Luís, indica possível retomada do crescimento de casos da doença.

No Amapá, a capital Macapá apresenta sinal de estabilização do número de casos da doença. Já as capitais Fortaleza e Rio de Janeiro mostram possível retomada do crescimento. O estado do Rio registrou até ontem (6) 13.941 óbitos, sendo que somente na capital são 8.540 mortes de covid-19 desde o início da pandemia no país.

De acordo com o coordenador do InfoGripe, o pesquisador Marcelo Gomes, apesar de sinal de leve queda, os valores semanais de casos e de óbitos (que também continuam em nível acima do muito alto) no país estão muito acima do nível de casos considerado muito alto. “Todas as regiões do apresentam ocorrência de casos muito alta e na zona de risco”, avaliou.

Situação no país

Em relação às unidades da federação que apresentavam manutenção do sinal de crescimento ou platô, observou-se possível início de queda em Tocantins, Sergipe, Paraná e em Santa Catarina. Segundo o pesquisador, nesses estados, as capitais Palmas e Florianópolis ainda apresentam sinal de estabilização, enquanto Aracaju e Curitiba apresentam sinal de queda.

Os estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul apresentaram um possível início de queda nos casos, mas este sinal é ainda considerado fraco. As respectivas capitais, Salvador, Campo Grande e Belo Horizonte apresentam queda, enquanto Porto Alegre mostra estabilização. Brasília ainda registra sinal de crescimento do número de casos da doença.

Marcelo Gomes esclarece que o estado de São Paulo mostra um sinal de possível redução em relação às semanas anteriores, mas o perfil ainda é compatível com a oscilação que vem sendo observada desde maio. A capital paulista apresenta tendência de queda após período de oscilação em novo platô abaixo do pico observado em maio”.

Segundo a análise, no Pará, embora se mantenha com sinal de possível estabilização, Belém mostra retomada do crescimento. Nas demais unidades não foram observadas alterações em relação às tendências anteriores.

Macrorregiões

Esta nova edição apresenta também estimativas das macrorregiões de saúde de cada estado e de casos recentes para o país, grandes regiões e capitais. Entre as ocorrências com resultado positivo para os vírus respiratórios, 96,7% dos casos e 99,1% dos óbitos se deram em decorrência do novo coronavirus.

A divulgação das análises para macrorregiões de saúde permite avaliar tanto o processo de interiorização como possíveis diferenças dentro de um mesmo estado. Por exemplo, para o Rio de Janeiro o estudo aponta para uma possível retomada do crescimento, que aparenta ser reflexo dos casos na macrorregião que inclui a capital. Nas demais, o sinal é de queda ou de estabilização.

Em contrapartida, em Pernambuco, na macrorregião Metropolitana o sinal é de queda, enquanto nas demais três macrorregiões do estado a tendência ainda é de crescimento, sem ter atingido ainda um pico em nenhuma dessas regiões.

Em São Paulo, há uma variabilidade enorme, observando macrorregiões dando os primeiros sinais de início de queda e outras mantendo sinal de queda por várias semanas consecutivas. A macrorregião associada à capital mostra sinais de uma possível estabilização, mas ainda em valores muito elevados e outras estão com sinais de retomada do crescimento.

Fonte: Portal Grande Ponto

José Nelson Ferreira recebe alta após ficar 103 dias internado em hospital de Natal — Foto: Joana Lima

Foto: Joana Lima

Um homem de 56 anos se recuperou da Covid-19 e recebeu alta após ficar 103 dias internado em Natal. José Nelson Ferreira chegou a ficar 90 dias em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Municipal de Natal (HMN).

Portador de rim único, José Nelson Ferreira chegou no dia 24 de abril ao Hospital Giselda Trigueiro, que na época era a porta de entrada de pacientes com o novo coronavírus. Foi encaminhado para o Hospital Municipal de Natal e lá permaneceu até a tarde desta quarta-feira (5). De acordo com a prefeitura, ele foi o quinto paciente com Covid-19 a dar entrada na unidade e se tornou o com maior tempo de internação.

“Tivemos mais de 180 pacientes enquanto ele esteve internado aqui. Aprendemos como tratar Covid-19 com ele. Todas as complicações que um paciente pode ter, ele teve: diálise, pneumonia, lesão por pressão… Nunca atendi por tanto tempo um paciente numa UTI. Ele lutou muito e hoje volta pra casa. É um paciente que nos surpreendeu, que quis muito viver”, comentou Ana Patrícia Tertuliano, Coordenadora da UTI do Hospital Municipal.

No período de internação, esteve entubado durante 60 dias e há 13 dias apresentou melhora no quadro. Foi transferido para a enfermaria até receber alta. Na saída do hospital, vários profissionais fizeram questão de aplaudir José Nelson.

“Todos os dias a gente recebia notícias no fim da tarde, por telefone. A expectativa era grande, assim como nossa fé. Hoje ele volta pra casa”, comemora Ana Helena, filha de José Nelson.

G1 RN

Taxa de transmissibilidade em 63 municípios do RN é perigosa — Foto: Reprodução/Lais

Foto: Reprodução/Lais

Macaíba é uma das poucas cidades do Rio Grande do Norte que a taxa de transmissão do covid-19 está na zona segura, isso significa que a taxa está abaixo de 1. Em São Gonçalo do Amarante, cidade vizinha, um infectado tem potencial para transmitir o vírus para 5 pessoas. No dia 20 de julho a taxa era de 0.78. O ideal, segundo a Sesap, é que fique abaixo de 1.

Em relação à transmissão da Covid-19, o RN tem 24 municípios em zona segura, quando a taxa de transmissão é menor de 1; dois municípios em zona neutra, com taxa entre 1 e 1,03; 78 municípios em risco, com taxa entre 1,03 e 2; e 63 em zona de perigo, quando a taxa de transmissão é maior que 2.

Mesmo diante de uma zona segura, a população deve manter todos os cuidados na prevenção ao covid-19.

Com informações do G1 RN

A taxa de transmissibilidade (RT) da pandemia da Covid-19 nesta terça-feira, 04, no RN continua variando. A média é de 0,98, mas 63 municípios estão na zona de perigo (RT acima de 2), outras 78 cidades estão na zona de risco (taxa entre 1,03 e 2), há 2 municípios na zona neutra (entre 1 e 1.03) e apenas 24 municípios estão registrados na zona segura (RT menor que 1). A taxa é um dos principais indicadores para medir a evolução de uma doença endêmica como a provocada pelo novo coronavírus.

A coordenadora e articuladora de redes de atenção à saúde da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), Samara Dantas, apresentou as informações em entrevista coletiva para atualização de dados e prestação de contas das ações do Governo do RN no enfrentamento à pandemia, realizada na Escola de Governo em Natal. “É preciso que a população continue com as medidas de prevenção, distanciamento social e uso correto da máscara para conseguir manter o cenário controlado e evitar que esta taxa aumente e mais pessoas sejam contaminadas”, destacou a coordenadora.

Os números epidemiológicos da Sesap mostram que nesta terça-feira há 436 pessoas internadas, sendo 219 em leitos críticos e 217 em leitos clínicos. A fila de regulação tem 3 pacientes para leitos críticos, 6 para leitos clínicos e 18 aguardando transporte sanitário. O isolamento social caiu para 37%.

A taxa geral de ocupação de leitos é de 60,7%. As maiores concentrações são registradas nas regiões Seridó (86%) e Oeste (83%) e caem nas regiões Metropolitana de Natal (54,6%) e Pau dos Ferros (22%). Nas regiões do Mato Grande e Agreste esse percentual é de 0%. As ocorrências de Covid-19 somam 52.566 casos confirmados, 63.245 suspeitos, 83.615 descartados, 1.926 óbitos (2 nas últimas 24 horas) e há 208 óbitos em investigação.

RN TEM CONCEITO MÁXIMO EM DOIS RANKINGS DE TRANSPARÊNCIA
A transparência do Governo do RN em relação às informações da pandemia foi outro assunto abordado na coletiva. O Governo do RN obteve dois conceitos máximo no acompanhamento da aplicação dos recursos públicos para o enfrentamento à Covid-19 pelas Organizações Não Governamentais OKBR – Open Knowledge Brasil e Transparência Internacional.

O trabalho de transparência do Governo do Estado é coordenado pela Controladoria Geral (Control) com informações das Secretaria de Saúde, da Administração e outros órgãos. O Rio Grande do Norte se encontrava no nível “BOM” até o último ranking. Na mais recente avaliação subiu sete pontos, alcançando 84,8 pontos de 100 possíveis, que elevou a classificação de transparência para “ÓTIMO”.

“Divulgamos as ações de enfrentamento à Covid levando informações fidedignas e reais à população. Este trabalho da Control é feito em parceria com a Sesap, Sead, Assessoria de Comunicação e vários outros órgãos. É um trabalho de todo o Governo mostrando como são empregados os recursos públicos em nosso Estado”, afirmou o Controlador Geral, Pedro Lopes.

RN + PROTEGIDO
Lopes também informou a mais nova doação recebida pelo Programa RN + Protegido: um lote de suplementos alimentares no valor de R$ 3,8 milhões que foi apreendido pela Secretaria de Tributação do Estado (SET) no dia 21 de maio último por não recolhimento de impostos. A empresa responsável emitia a nota fiscal eletrônica, circulava com a mercadoria e fazia o cancelamento. A fiscalização da SET constatou 33 notas fiscais no valor de mais de R$ 5 milhões emitidas e canceladas pela empresa. Com autorização do Poder Judiciário, os produtos apreendidos foram doados ao Programa RN + Protegido, que vai fazer a entrega a instituições esportivas que promovem trabalho voluntariado.

Ainda através do Programa RN + Protegido o Governo do RN continua a distribuição de máscaras à população. Nesta terça-feira uma ação da Defesa Civil com apoio da Cruz Vermelha e associado ao Programa RN + Saudável entregou mais 3 mil unidades na zona norte de Natal. Nos últimos 15 dias, 200 mil já foram distribuídas. Nesta quarta-feira, 05, a distribuição será no município de São Gonçalo do Amarante onde a taxa de transmissibilidade é bastante alta: 5. Serão 8 mil máscaras entregues gratuitamente à população.

A partir da próxima quinta-feira, 06, e até a terça-feira seguinte, todos os municípios da região Seridó serão visitados para entrega de máscaras pela Defesa Civil Estadual e Cruz Vermelha. Outros 18 municípios da região Oeste que possuem taxa de transmissibilidade elevados ais também serão contemplados neste período.

O RN + Protegido já entregou 3 milhões de máscaras em sua primeira fase de execução (já concluída) e está encerrando a segunda fase com a entrega de mais 2 milhões de unidades. Ainda está prevista uma terceira fase com mais 2 milhões de máscaras, totalizando 7 milhões. As máscaras são produzidas nas oficinas de costura no interior do Estado, do Projeto Pró-Sertão e asseguram o emprego de 4 mil costureiras. A iniciativa é uma parceria do Governo do RN, que paga a mão de obra no valor de R$ 3 milhões, com a indústria têxtil do Estado que doa o material e organiza a produção.

 

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta segunda-feira, 03, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 2018 casos suspeitos, 802  descartados, 688 confirmados, 3 óbitos em investigação e 43 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 85 recuperados.

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta última sexta-feira, 31, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra  2010 casos suspeitos,  785 descartados, 678 confirmados, 3 óbitos em investigação e 38 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 85 recuperados.

A secretaria estadual de Saúde divulgou nesta última quarta-feira, 29, o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra 2003 casos suspeitos,  770 descartados, 668 confirmados, 3 óbitos em investigação e 36 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 85 recuperados.

 

Apenas seis Estados estão no bloco daqueles que tem conseguido controlar os óbitos causados pelo Covid-19. Destes, o Rio Grande do Norte é praticamente o único a se manter permanentemente, nas últimas semanas. Neste sábado (25) o percentual de redução de óbitos do RN era de 41%, maior do país, seguido do Ceará (29%), Acre (26%), Amazonas, Pernambuco e Alagoas, com 18%.

A imagem pode conter: texto que diz "RN REPRESENTA MAIOR QUEDA EM NÚMEROS DE ÓBITOS POR COVID-19 Óbitos confirmados ao longo do tempo -41% I..l.. Fonte: Boletim Epidemiológico publicado MAS NÃOÉ MOMENTO DE ABAIXAR A GUARDA. EVITE AGLOMERAÇÕES. PACTO VIDA JUNTOS.CONTRAACOVID RIO GRANDE DO NORTE"

O Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, entidade de representação sindical dos médicos do Estado tem acompanhado a grave crise de saúde pública que atinge o Brasil e o mundo. Estão sendo feitos esforços científicos para se chegar ao tratamento definitivo e a uma vacina, entretanto estes estudos randomizados não são de resultado imediato e demandam tempo imprevisível, certamente o vírus não vai aguardar estes resultados, ele avança e mata.

Os resultados da pesquisa científica devem ser seguidos por todos, porém na situação em que estamos deve prevalecer o bom senso, a praticidade, a experiência clínica e a observação. Agregado a isto temos presenciado intensa interferência política partidária e ideológica por setores radicais. Apesar disto o trabalho médico tem se dado com muita competência e qualidade. Os medicamentos off label, prescritos pelos médicos (as), reconhecidos há décadas a sua utilidade, tem sido usado em vários protocolos para profilaxia e tratamento precoce. Alertamos a população que a qualquer sintoma que sentir deve procurar o médico (a).

O médico (a) deve seguir rigorosamente o que dispõe o Princípio VIII do Código de Ética Médica: “O médico não pode, em nenhuma circunstância ou sob nenhum pretexto, renunciar a sua liberdade profissional, nem permitir quaisquer restrições ou imposições que possam prejudicar a eficiência e a correção de seu trabalho”.

É direito do médico (a) frente ao paciente que lhe procura, ter total autonomia para prescrever a medicação adequada para o diagnóstico que fará, dando conhecimento ao paciente ou seu representante legal e com o seu consentimento. Entendemos que toda a medicação que o médico (a) prescrever deverá estar à disposição tanto no setor público (SUS), quanto no privado. O Sinmed RN, em concordância com as posições expressadas pela Associação Médica e Conselho Regional de Medicina do RN, incita a todos os envolvidos que deixem os médicos (as) e demais profissionais da saúde trabalharem para salvar vidas, cumprindo suas missões.