Saúde Arquivo

Macaíba realizará 1ª audiência pública sobre o novo Plano Diretor -  Senadinho

Macaíba registrou nos últimos dias um aumento considerável no número de óbitos por covid-19. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (05), a cidade registra 117 óbitos, 43 óbitos sob investigação, 2.920 casos de covid-19 confirmados e 1.609 casos suspeitos.

FOTO: ASCOM – ELIANA FÉLIX

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Saúde, ampliará nesta terça-feira (6) a vacinação contra a Covid-19 para o grupo de idosos a partir dos 65 anos. Porém, em função do quantitativo de doses recebidas pelo governo do estado, será necessário realizar o escalonamento dessa faixa etária por ordem alfabética.

As outras idades, a partir de 66 anos, seguirão sem alterações. Dessa forma, as unidades e pontos extras deverão seguir rigorosamente o cronograma estabelecido. Além da nova faixa etária, foi definido o cronograma para a aplicação da segunda dose da vacina Oxford/AstraZeneca.

Idosos a partir de 65 anos (por ordem alfabética)

Terça-feira (06/4)

Letras: A, B e C

Quarta-feira (07/04)

Letras: D, E e F

Quinta-feira (08/04)

Letras: G, H e I

Sexta-feira (09/04)

Letras: J, K e L

Segunda-feira (12/04)

Letras: M, N e O

Terça-feira (13/04)

Letras: P, Q, R e S

Quarta-feira (14/04)

Letras: T, U, V, X, Y e Z

Locais:

• Unidades Básicas de Saúde (exceto as UBS Coophab e UBS Passagem de Areia II).
Horário: das 7h30 às 11h30 e das 13h às 16h;

• Escola Municipal Presidente Artur da Costa e Silva, no Centro. Horário: das 8h às 14h.

• Associação de moradores da Cohabinal.

Horário: das 8h às 14h.

Documentos necessários:

• Documento de identificação com CPF e foto, cartão de vacina e comprovante de residência do município de Parnamirim.

Cronograma para a segunda dose da vacina OXFORD/ASTRAZENECA

Terça-feira (06/04)

Público: Quem tomou a primeira dose até 28/01

Local:

• Nordestão da Avenida Maria Lacerda.

Horário: das 8h às 14h.

• Faculdade Maurício de Nassau. Horário: das 8h às 14h.

OBS: Só deverá ser feita a segunda dose de quem tomou a primeira no município de Parnamirim.

* O funcionamento do Nordestão e da Faculdade Maurício de Nassau para outros grupos a partir do dia 08/04/2021, dependerá da quantidade de doses e será previamente avisado nas mídias oficiais do município.

* A ampliação para novas faixas etárias e grupos dependerá do envio de mais doses ao município.

* A abertura de unidades, pontos extras e realização de drive thru em finais de semana, ficam condicionadas a chegada de novas doses.

Após seis semanas consecutivas de aumento de novos casos de covid-19, o Brasil registrou uma queda de 14,2% do número de diagnósticos (76,6 mil a menos) nos últimos sete dias, na comparação com o período anterior, segundo dados do Ministério da Saúde.

O pico de infecções até o momento foi na semana de 21 a 27 de março, com 539.903 registros. Dias antes, grandes cidades brasileiras haviam endurecido medidas para diminuir a circulação de pessoas, na tentativa de evitar a superlotação de hospitais.

No estado de São Paulo, por exemplo, todos os 645 municípios estão na fase emergencial desde 15 de março — a previsão é que o decreto dure até 11 de abril.

Medidas semelhantes foram adotadas em outras localidades, fechando comércio não essencial e proibindo atividades que envolvam aglomeração de pessoas.

Apesar da queda de novos infectados, as taxas de ocupação de leitos hospitalares destinados a pacientes com covid-19 permanece em níveis preocupantes na maior parte do país.

O último boletim do Observatório Covid-19 da Fiocruz, no dia 31 de março, mostrava que 17 estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí, Rondônia, Acre, Amapá) e o Distrito Federal tinham mais de 90% dos leitos de UTI ocupados.

Rio de Janeiro, Sergipe, Alagoas, Paraíba, Maranhão, Bahia e Pará tem taxas de ocupação que variam entre 84% e 88%. Amazonas e Roraima estão em situação menos crítica, com 76% e 62%, respectivamente.

Isto ocorre porque pessoas que tiveram covid-19 grave há várias semanas ainda podem estar precisando de um leito, já que a recuperação costuma ser lenta em pessoas hospitalizadas.

O número de mortes por covid-19 foi o mais alto da pandemia na semana passada: 19.643. O aumento em relação à semana anterior foi de 10,3%.

A explicação é basicamente a mesma das internações. Os pacientes que faleceram na semana passada já haviam sido contabilizados como novos casos muito antes disso.

Apesar de ser a primeira queda de novos casos desde o começo de fevereiro, especialistas reforçam que não é o momento de relaxar, principalmente os cuidados individuais, como uso de máscaras e evitar aglomerações.

A circulação do coronavírus em todo o país continua de maneira intensa, enquanto o Ministério da Saúde faz sucessivos cortes nas previsões de vacinas.

R7.com

Foto: Raiane Miranda

Contrariando orientação do Ministério da Saúde, do último dia 20 de março, o Governo do Estado recomendou na tarde desta sexta-feira (2) aos municípios que guardem vacinas para garantir a 2ª dose.

A indicação do sétimo informe técnico do ministério, divulgado em março, é de que todas as doses distribuídas do imunizante sejam aplicadas, sem necessidade de reserva da segunda dose para completar o esquema vacinal. A recomendação do governo estadual, contrária ao que orienta o ministério, pode prejudicar o avanço das faixas etárias na vacinação.

“Ressaltamos ainda que até o presente momento não há um cronograma fixado pelo Ministério da Saúde (MS) com datas, quantitativo de doses a serem entregues e a finalidade de uso dessas doses, o que impossibilita a realização de planejamento antecipado de como se dará a operacionalização da vacina diante do recebimento de uma nova remessa de vacinas, assim, atualmente o planejamento do progresso da campanha de vacinação tem ocorrido em até 24horas da distribuição (até em menos tempo) das doses aos municípios, diretamente condicionado ao recebimento do Informe Técnico publicado pelo MS”, diz o documento enviado aos municípios.

O documento diz ainda que “na próxima entrega da Butantan será também mais um quantitativo expressivo de D2 para fechar os 100% das 2a doses das D1 anteriormente enviadas. Se utilizarem de outra forma não temos como assegurar D2, pois apesar de esperarmos a entrega do Butantan não há confirmação formalizada.”

Blog do BG

Foto: Elisa Elsie

O Brasil aplicou mais de um milhão de doses de vacina contra a Covid-19, somadas a 1ª e 2ª doses, em um único dia. Segundo a Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (1.º) foram aplicadas 1.095.362 doses. A atualização feita pelo consórcio de veículos de imprensa, mostra que nas últimas 24 horas, 963.429 pessoas receberam a primeira dose e 131.933, a segunda.

A UPA de Macaíba segue recebendo investimentos essenciais à saúde do macaibense. Depois de quatro concentradores de oxigênio, nesta quarta-feira (31) a unidade recebeu três monitores de sinais vitais para auxiliar no acompanhamento dos pacientes internados na unidade. Os referidos equipamentos são extremamente importantes para o tratamento dos pacientes internados com Covid-19.

Os novos monitores são responsáveis por fornecer informações como pressão arterial, batimento cardíaco e nível de oxigênio no sangue. Além de todos esses aparelhos, a unidade passou a contar também com um carrinho de emergência médica e dois laringoscópios, um adulto e um infantil. A aquisição desses materiais é fruto do empenho da nova administração que tem como meta a restruturação de toda a rede básica de saúde do município.

 

O Rio Grande do Norte recebeu na tarde desta quinta-feira (01), 149.050 novas doses contra a Covid-19, sendo 12.250 da AstraZeneca e 136.800 da CoronaVac.

 

Na distribuição estão a segunda dose dos trabalhadores de saúde e pessoas de 74 a 70 anos, a primeira dose da população de 69 a 65 anos, das forças de segurança, salvamento e forças armadas.

A Prefeitura de Macaíba, mediante o setor de Transporte e Manutenção, está trabalhando para restaurar totalmente a frota de veículos do município que estavam sucateados e parados por problemas mecânicos ou por falta de manutenções durante a gestão anterior.

Desde o início da gestão do prefeito Emídio Júnior, tem sido desenvolvido um trabalho contínuo de restauração da frota municipal, dentre caminhões, micro-ônibus, peruas escolares, ambulâncias e máquinas pesadas, inclusive uma ambulância com estrutura de Semi-UTI foi reentregue à UPA nesta última semana de março de 2021, a qual servirá de grande auxílio neste período de pandemia.

A frota estava sem manutenção, totalmente sucateada e abandonada. A recuperação da ambulância da UPA de Macaíba irá agilizar as necessidades de atendimento para toda a população macaibense, especialmente neste período de pandemia que estamos atravessando. Mais uma realização da nova administração municipal visando melhorar a vida e a saúde de nossa população.”, declarou o Diretor de Transporte e Manutenção, Jhonata Denis.

Assecom-PMM

Foto: Divulgação/Assecom

Em Macaíba, foram aplicadas 5.213 doses das vacinadas contra o covid-19. Sendo 4.338 na primeira dose e 875 na segunda doses. Ao todo foram vacinadas 4.346 pessoas. O público alvo de acordo com o RN Mais Vacina é 16.621 pessoas até a fase dois.

Até esta quarta-feira (31), idosos na faixa etária de 68 anos estavam sendo vacinados. Macaíba deverá receber novos vacinas ainda esta semana, pois nesta quinta-feira (01), está chegando mais um lote do ministério da Saúde ao Rio Grande do Norte.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a autorização temporária para uso, em caráter emergencial, da vacina da Janssen, um braço da Johnson & Johnson. O governo federal já adquiriu 38 milhões de doses do imunizante.

Seguindo a recomendação da área técnica da Anvisa, a maioria dos diretores votou pela permissão de uso com base em uma avaliação de que os benefícios da vacina superam os riscos trazidos por ela.

A posição foi puxada pela relatora, diretora Meiruze Freitas. “Esta relatoria conclui que os especialistas da Anvisa avaliaram que vacina atende às expectativas da agência quanto aos requisitos de qualidade, segurança e eficácia”, concluiu.

Conforme a área técnica, o imunizante pode ser aplicado em pessoas com mais de 18 anos, com ou sem comorbidades. A eficácia geral demonstrada pela farmacêutica no processo de submissão foi de 66,9%. Quando considerados casos graves, a eficácia comprovada foi de 76,7% após 14 dias e 85,4% depois de 28 dias.

Diferentemente das vacinas de outros fabricantes, a da Janssen tem eficácia com apenas uma dose. Esta foi a quinta vacina aprovadas pela Anvisa, entre aquelas que obtiveram registro e as permitidas em caráter emergencial.

O gerente geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, afirmou que os estudos e documentação analisados pela equipe técnica da agência confirmaram a eficácia e as condições adequadas para o uso no combate à covid-19.

Segundo Mendes, a vacina tem duração de até três meses com armazenamento entre 2º e 8ª. Quando retirados do acondicionamento térmico, os lotes ou frascos têm até seis horas para serem utilizados mantendo a eficácia.

Na análise sobre a cadeia produtiva da vacina, foram avaliados os diferentes locais onde ela ou algum insumo usado são desenvolvidos. A gerente geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária, Ana Carolina Araújo, informou que foram apresentadas informações sobre oito locais na cadeia produtiva. “A estrutura física das plantas fabris e atividades e os sistemas de garantia da qualidade se mostraram satisfatórios”, afirmou.

As equipes técnicas da Anvisa também examinaram problemas de eventuais riscos adversos, sem que essas possibilidades tenham sido reveladas para além das reações normais da vacinação.

Gustavo Mendes destacou alguns pontos que carecem de mais informações, denominados no processo de “incertezas”. “Ainda precisam ser gerados dados para subsidiar o processo de fabricação em larga escala. Nem todos os locais de fabricação têm a sua larga escala, a sua capacidade de fabricação de lotes industriais, bem caracterizada”, comentou.

Mesmo assim, tanto os representantes da área técnica quanto os diretores da Anvisa destacaram que os benefícios superam os riscos. A relatora Meiruze Freitas ressaltou que a agência continuará monitorando a aplicação da vacina e poderá demandar novas informações ou medidas de mitigação de riscos.

A relatora também destacou o fato dos estudos clínicos não terem analisado a eficácia da vacina para novas variantes do coronavírus. Assim, esse aspecto ainda está carente de comprovação por novos ensaios clínicos.

Meiruze lembrou a importância de as equipes de saúde não misturarem as vacinas. A imunização com vacinas já aprovadas em esquema de duas doses devem ser feita com o mesmo tipo de vacina. “Não há resultados suficientes sobre os resultados com vacinas de dois fabricantes diferentes”, afirmou.

“O desenvolvimento de novas vacinas é complexo, mas, neste momento da pandemia, a ciência permitiu o desenvolvimento de produtos bastante inferiores aos normalmente praticados. Tal situação faz com que o regulador deva considerar todas as informações benefício-risco. Todas os cinco pedidos autorizados até agora foram analisados de forma rigorosa”, disse o diretor Alex Campos.

Agência Brasil

Foto: Cícero Oliveira

Contribuindo com o enfrentamento da pandemia da covid-19, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) iniciou há um ano uma força-tarefa para auxiliar o estado na realização de testagem. Nesta terça-feira, 30 de março, o Instituto de Medicina Tropical (IMT-UFRN) alcançou um total de 100.305 exames, sendo 92.180 somente do tipo RT-PCR (swab).

Entre as diversas ações desenvolvidas pela UFRN, a realização dos testes para diagnóstico da covid-19 é uma iniciativa que conta com o trabalho voluntário de servidores e estudantes de vários setores da Universidade, como o IMT, Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC), Escola Multicampi de Ciências Médicas do RN (EMCM), Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa), além do apoio do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN).

Para o reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, as ações desenvolvidas pela instituição reforçam a missão social das universidades públicas. “Reiteramos o compromisso da UFRN em apoiar nosso estado no enfrentamento da pandemia. Durante o último ano, diversas iniciativas foram realizadas em benefício da população. Isso é fruto da dedicação da comunidade universitária, que vem atuando de forma voluntária com espírito de solidariedade”, considera o gestor.

Na mesma perspectiva, a diretora do IMT-UFRN, Selma Maria Bezerra Jerônimo, considera que o esforço realizado nos últimos 12 meses é uma resposta da academia, que vem trabalhando de forma multidisciplinar. Um exemplo é a parceria com o Instituto Metrópole Digital (IMD), que criou um sistema de banco de dados para facilitar o acompanhamento das informações coletadas e para dar visibilidade rápida aos resultados dos testes laboratoriais. “Esse sistema foi rapidamente aprimorado e continua em modificação, permitindo que os serviços de saúde tenham os resultados em menos de 24 horas, chegando inclusive a serem liberados em menos de 10 horas. Com isso, o RN é um dos poucos estados onde o acesso aos resultados dos exames tem essa agilidade, principalmente, nos serviços públicos”, opina Selma Jerônimo.

Alerta

Sobre a situação atual, a pesquisadora alerta que estamos na pior fase da pandemia, com aumento substancial dos casos e a presença de variantes do vírus.

Somente no IMT-UFRN, que realiza cerca de 20% do total de testes do estado, o prognóstico de Selma Jerônimo é ter em março um total de 7.200 novos casos de covid-19. Sendo assim, o diagnóstico preciso da doença é importante e continuará sendo essencial para testar as pessoas com suspeita da doença.

Esperança

“Eu acredito que, à medida que a vacinação for sendo realizada, com maior cobertura vacinal, deveremos observar uma redução de número de casos. Foi alvissareiro o aumento no número de vacinados na última semana e, se o calendário indicado pelo Ministério da Saúde for realizado, poderemos ter uma melhora da situação em meados deste ano”, analisa Selma.

Até que boa parte da população esteja vacinada, a contribuição das pessoas é fundamental para diminuir a transmissão do vírus. Então, permanece a orientação de seguir com os cuidados de prevenção (uso de máscara, distanciamento social e higiene das mãos). Ainda sobre as perspectivas futuras, a professora Selma analisa que “precisaremos reorganizar nosso mundo e melhorar o planejamento para enfrentar o inusitado, de modo a estarmos preparados com uma ciência forte e uma indústria pronta a se reinventar e a responder aos novos desafios”.

Vacinação drive-thru contra a covid-19 no Parque da Cidade, em Brasília.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O juiz Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara Federal de Brasília, autorizou mais cinco entidades particulares a importar vacinas contra a covid-19. Em decisão proferida ontem (29), o magistrado reafirmou entendimento favorável à compra direta de imunizantes por entidades da sociedade civil, sem a obrigatoriedade de doação para o Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão não é definitiva e ainda cabe recurso.

A compra foi autorizada para pessoas ligadas ao Sindicato dos Trabalhadores em Sociedades Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Sintracoop), Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Minas Gerais (Fetram), Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Ribeirão Preto e Região, Oregon Administradora de Shopping Centers e o Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (Sindmédico/DF).

Em decisões anteriores, o juiz liberou a compra de vacinas para os filiados ao Sindicato dos Motoristas Autônomos de Transportes Privado Individual por Aplicativos do Distrito Federal (Sindmaap), Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, Associação Brasiliense das Agências de Turismo Receptivo e Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais.

Nas liminares pleiteadas pelas entidades, o magistrado considerou inconstitucional o Artigo 2º da Lei 14.125/21. Pelo dispositivo, pessoas jurídicas de direito privado podem comprar vacinas que tenham obtido liberação emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas obrigadas a doar imunizantes para o SUS.

Seguindo com os trabalhos na linha de frente do combate ao novo coronavírus (Covid-19), a Prefeitura de Macaíba recebeu quatro concentradores de oxigênio doados pelo Governo do Amazonas, para atender os pacientes da Unidade de Pronto Atendimento da cidade (UPA).

Suporte de extrema importância no enfrentamento à doença e na recuperação dos pacientes com problemas respiratórios, a distribuição dos concentradores foi feita pelo Governo do Rio Grande do Norte. A parceria entre os estados foi denominada “Operação Gratidão” devido a cooperação durante o período da pandemia na cessão de materiais e recebimento de pacientes.

O equipamento filtra o ar ambiente fornecendo ao paciente oxigênio puro, o que garante uma maior durabilidade ao estoque de cilindros de oxigênio disponíveis na UPA. Todos os leitos de UTI da Unidade estão ocupados. Macaíba registra 112 óbitos pela doença desde o início da pandemia e 2837 casos confirmados.

Assecom-PMM