Saúde Arquivo

Foto: Elisa Elsie

Uma nova medida para o enfrentamento e controle da Covid-19 foi anunciada nesta sexta-feira (27) pelo Governo do Estado: a pesquisa Inquérito Sorológico de Base Populacional – Prevalência de infecção por Covid-19 no RN. Serão aplicados 24 mil questionários e testes às famílias em 7 mil domicílios, nas 8 regiões do estado – Pau dos Ferros, Mossoró, Assu, Natal, João Câmara, São José do Mipibu, Santa Cruz e Caicó.

O trabalho inicia na primeira semana de dezembro e será feito em três etapas, com intervalo de uma semana entre elas. A pesquisa tem o apoio do Comitê Científico de assessoramento ao Governo do Estado para a pandemia composto por especialistas e pesquisadores da UFRN, UERN, IFRN e do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. O questionário terá perguntas referentes a sintomas, estado de saúde, idade, comorbidades, entre outras questões importantes. Em cada município serão vinte entrevistadores e pesquisadores que farão a aplicação do questionário. Ao todo serão 160 pesquisadores em campo.

A presença das equipes nas cidades e a visitação às residências será acompanhada por policiais militares, garantindo a segurança de todos.

“Essa é mais uma medida de grande importância. Teremos equipes de profissionais qualificados que irão às casas das pessoas fazer a pesquisa e subsidiar um estudo para mostrar quais as novas ações que deveremos tomar para enfrentar a pandemia e salvar vidas. Por meio da Secretaria estadual de Saúde, o Governo já investiu R$ 236,8 milhões no combate à pandemia com recursos federais e próprios do RN. Em toda a história do SUS foram implantados 380 leitos UTI em nosso estado. Nós, com muito trabalho, dedicação e compromisso, implantamos 611 leitos durante a pandemia que ficarão para o atendimento geral à população. O Governo contratou mais de 3 mil profissionais da saúde, entre concursados e temporários, para uma melhor assistência à saúde”, afirmou a governadora Fátima Bezerra.

Ela destacou o acerto das medidas no combate à Covid. “As ações que tomamos refletem a seriedade, o compromisso e a transparência da gestão. Decidimos pela suspensão e retorno às atividades nos momentos certos, sempre ouvindo e respeitando a ciência. O controle da pandemia em nosso estado é resultado das medidas que tomamos”, registrou.

A governadora, entretanto, alertou para a necessidade da população continuar respeitando as normas de protetivas – usar máscara, lavar as mãos com frequência e evitar aglomerações. “A pandemia não acabou e ainda não temos uma política nacional de imunização. Portanto, não vamos dar trégua ao vírus. Devemos manter todos os cuidados, protegendo a nós mesmos e os outros”, concluiu.

Professor da UFRN e integrante do Comitê de Especialistas que assessora o Governo do Estado na pandemia, Ângelo Roncali confirmou que a identificação e registro de casos é subestimada e que a pesquisa “vai produzir estimativas de prevalência e condição das pessoas utilizando metodologia aprovada pela Organização Mundial da Saúde”. O recorte amostral é o mesmo utilizado pelo IBGE, cobrindo os municípios por inteiro, explicou Roncali para acrescentar que o estudo foi aprovado pelo comitê de ética da UFRN.

TESTAGEM

A subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, Alessandra Luchesi informou que a pesquisa também vai identificar a transmissão familiar da Covid-19. Além de responder aos questionários, as famílias serão testadas com exame de sangue que terão o resultado liberado em 20 minutos.

A presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde dos Municípios (Cosems), Maria Elisa Garcia, disse que a iniciativa é de grande importância para os municípios, uma vez que dará um panorama geral da pandemia e do seu comportamento.

A farmacêutica Pfizer informou hoje (25) que deu início ao processo de pedido de registro junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) da vacina que desenvolve para o combate à covid-19. É o primeiro passo para que o tratamento possa obter a autorização da agência e seja disponibilizado no país.

O anúncio foi feito pela companhia após reunião com técnicos da Anvisa realizada hoje. O requerimento será realizado na modalidade de “submissão continuada”, criado pela agência para vacinas específicas contra a covid-19 com o objetivo de agilizar procedimentos de análise.

A vacina, denominada tecnicamente de BNT162b2, é desenvolvida pela Pfizer e pela empresa alemã BioNTech. Neste mês, as companhias anunciaram a conclusão dos testes e declararam que a vacina obteve 95% de eficácia no tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Os dados sobre a vacina serão repassados em etapas. Entre eles os resultados dos exames da fase 3, quando foram avaliados pacientes tanto infectados quanto sem o novo coronavírus. Este foi iniciado no fim de julho e contou com a participação de 43,6 mil pessoas de 150 locais de países diversos, como Estados Unidos, África do Sul, Argentina e Brasil.

Aqui, foram incluídos no estudo 2,9 mil voluntários. O processo foi conduzido pelo Centro Paulista de Investigação Clínica, de São Paulo, e pelas Obras Assistenciais Irmã Dulce, em Salvador. Também serão entregues informações sobre amostras de 38 mil pessoas que participaram dos processos de análise sobre a eficácia e a segurança da vacina.

A Pfizer não detalhou em seu comunicado oficial se há previsão para o encaminhamento do conjunto das informações sobre o estudo e a oficialização do requerimento, condição para que a vacina comece a ser distribuída no país. A farmacêutica apenas informou que os resultados serão publicados em periódicos acadêmicos quanto o ensaio clínico for concluído.

Agência Brasil

Foto: Ascom/ISD

O Instituto Santos Dumont (ISD), Organização Social do governo federal vinculada ao Ministério da Educação, abriu nesta terça-feira (24) o período de inscrições para a Residência Multiprofissional no Cuidado à Saúde da Pessoa com Deficiência – considerada pioneira no Brasil.

Serão ofertadas oito vagas para as áreas de fisioterapia, serviço social, psicologia e fonoaudiologia, com início das atividades programado para 1º de março.

De acordo com o cronograma, as inscrições terminam em 18 de dezembro, as provas estão previstas para 24 de janeiro e o resultado final é esperado para 23/02.

A seleção será realizada em duas fases, incluindo aplicação de provas objetivas e análise do currículo lattes.

Clique aqui para acessar o edital e o formulário de inscrição.

A Residência Multiprofissional no Cuidado à Saúde da Pessoa com Deficiência foi aprovada em 2017 pelo Ministério da Educação e recebeu a primeira turma em 2018.

Os programas de treinamento em serviço têm duração de 2 anos e são cumpridos em regime de dedicação exclusiva, em tempo integral, com carga horária de 60 horas semanais.

O Centro Especializado em Reabilitação Física, Auditiva e Intelectual (CER III) do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, do ISD, é o principal campo de atuação dos residentes.

Referência no Sistema Único de Saúde (SUS), o CER do Anita atende pessoas com epilepsia refratária; Parkinson; Transtorno do Espectro Autista (TEA); lesão medular; microcefalia; deficiência auditiva; prematuridade e bexiga neurogênica –  e é o primeiro do Nordeste do Brasil com atuação integrada a um sistema de pesquisa e inovação por meio de trabalho conjunto com o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra, também do ISD.

A assistência é atrelada ao ensino, à pesquisa e à extensão, com formação de profissionais da saúde focados na atenção integral e humanizada à população.

“Ao pensarmos na formação dos nossos residentes, consideramos que além do aprendizado de habilidades técnicas, é necessário que desenvolvam habilidades relacionais, como empatia e capacidade de comunicação assertiva, e consigam olhar para o usuário de forma ampliada às dimensões citadas”, disse a coordenadora do programa, Lorenna Santigo, durante os preparativos para a cerimônia de conclusão de curso da primeira turma, realizada no início de novembro.

Esta será a quarta turma na Residência do ISD.

As sete primeiras especialistas formadas no Programa foram estimuladas, ao longo dos dois anos de curso, a compreender as dimensões física, psicológica e social do cuidado à saúde da pessoa com deficiência.

Aspectos em torno da Doença de Parkinson, questões relacionadas à reabilitação infantil, realidade de meninas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e perfil de linguagem em uma comunidade quilombola são alguns dos assuntos abordados nos Trabalhos de Conclusão de Residência (TCRs). Clique aqui para saber mais.

SERVIÇO

Outras informações sobre a Residência e o processo seletivo podem ser obtidas na Secretaria Acadêmica do ISD por e-mail (residencia@isd.org.br) ou telefone (84) 99127-6085, no horário das 8h às 12h ou das 13h às 16h30.

O Sindicato dos Médicos  do RN visitou nesta sexta-feira  (20/11) o Hospital Regional e a UPA de Macaíba. No Hospital Regional, que tinha certa estabilidade na UTI, havia 3 pacientes, 2 intubados e 2 estavam para chegar. Ou seja, avança a ocupação da UTI Covid, que seria transformada em UTI geral em Janeiro.

Na UPA, de segunda-feira (dia 16) para cá tem sido crescente a procura por pacientes sintomáticos respiratórios, que por semanas praticamente tinha zerado. Hoje, no plantão das 7h às 13h, foram atendidos 45 pacientes, sendo 25 suspeitos de Covid.

Os exames também têm apresentado altas taxas de positivo, 7 em cada 10. O observado em Macaíba confirma as consultas do Sinmed às redes pública e privada em Natal, que apontam tendência semelhante.

Isso configura uma segunda onda? É cedo para dizer, no geral o Estado do RN ainda mantém índice de transmissibilidade abaixo de 1. Mas algumas cidades apresentam alta subida neste índice.

No mundo, França, Espanha, Itália e Estados Unidos apresentam números de casos e óbitos que mostram uma segunda onda intensa, de alta gravidade.

No Brasil, a média de mortes diárias saltou de 345 para mais de 500. A campanha política e suas mobilizações tem sido responsabilizada por esse aumento de casos. Os próximos dias e semanas serão decisivos para termos uma visão melhor se temos um pico eventual ou se enfrentamos também uma segunda onda. Até lá, permanecem os cuidados, que precisam ser continuados, de distanciamento social, uso de máscara e álcool gel, evitar aglomerações, proteção aos idosos e grupos de risco. O atendimento médico e o tratamento devem ser buscados e iniciados precocemente.

Do Sinmed RN

Foto: Ascom-ISD

O Instituto Santos Dumont (ISD), Organização Social vinculada ao Ministério da Educação com sede em Macaíba, no Rio Grande do Norte, lançou nesta semana oito editais para seleção de preceptores na área da saúde, técnico (a) de enfermagem e estágio em tecnologia da informação (TI).

Seis das oito vagas são para preceptores médicos e multiprofissionais, ou seja, com atuação nos cenários de prática para os programas de Residência e estágio desenvolvidos no Instituto.

Os currículos devem ser enviados até 26 de novembro por e-mail (rh@isd.org.br).

Clique aqui (http://www.institutosantosdumont.org.br/oportunidades-carreira/) para acessar os editais dos processos seletivos.

Vagas

As vagas anunciadas pelo Instituto incluem preceptores multiprofissionais como psicólogo (a) clínico (a) para reabilitação, psicólogo (a) clínico (a), fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e assistente social, com carga horária de 20 horas por semana.

As contratações englobam ainda preceptor (a) médico (a) ortopedista pediátrico (a), com carga horária de 10 horas por semana, técnico (a) de enfermagem com experiência em serviços de atenção ambulatorial e/ou de ultrassonografia e eletroencefalografia (44 horas/semana), e estágio em TI/Engenharia da Computação (20 horas/semana).

Os salários chegam a R$ 2.795,22.

Informações como requisitos, atribuições e etapas do processo seletivo para cada função podem ser consultados na aba de oportunidades do site do Instituto: http://www.institutosantosdumont.org.br/oportunidades-carreira/.

Contratações

“As contratações de preceptores que estamos fazendo agora são para ampliação e melhoria das atividades de ensino, pesquisa, extensão e assistência em saúde nas clínicas do Centro Especializado em Reabilitação Física, Auditiva e Intelectual (CER II) e na saúde materno-infantil do Instituto. O ISD viu a necessidade uma vez que o nosso foco é manter a qualidade e agregar novos olhares especializados ao trabalho que realizamos”, diz a gerente do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, do ISD, Lilian Lira Lisboa.

O Centro Especializado em Reabilitação do Anita/ISD foi habilitado em 2016 pelo Ministério da Saúde e engloba clínicas de epilepsia (infantil e adulto), Parkinson, Transtorno do Espectro Autista (TEA), lesão medular (infantil e adulto), microcefalia, deficiência auditiva (infantil e adulto), prematuridade e bexiga neurogênica. Para a clínica do Transtorno do Espectro Autista o processo seletivo deverá incorporar de forma inédita um profissional de psicologia específico na equipe para acompanhamento dos casos.

“Já o ortopedista é uma necessidade no quadro para ganharmos um tempo precioso na avaliação de crianças que nascem com deficiência. O olhar do especialista na equipe vai favorecer um tratamento mais precoce e adequado junto à fisioterapia e à Terapia Ocupacional, por exemplo”, acrescenta Lilian.

Os profissionais selecionados vão atuar nas clínicas distribuídas entre o Anita e o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra, também do ISD. Ambos estão localizados no município de Macaíba.

SOBRE O ISD 

O Instituto Santos Dumont engloba o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra e o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi.

É referência em ensino, pesquisa e extensão em saúde materno-infantil, da pessoa com deficiência, em neurociências e neuroengenharia.

A assistência à população, por meio de atendimentos que também são cenário de prática para alunos de residência médica e multiprofissional de diversos estados do Brasil – e de alunos de estágio da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – é oferecida à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ascom-ISD

O médico Fernando Suassuna, infectologista e presidente do Comitê Científico da Prefeitura de Natal afirmou que é um crime não receitar a ivermectina.

“Toda essa onda de não usar o medicamento é um crime contra a população, é uma agressão à saúde da nossa população” afirmou o infectologista, que completou dizendo em entrevista ao programa Repórter 98, da rádio 98FM que enquanto for presidente do Comitê Científico defenderá arduamente o uso da Ivermectina.

“Nós passamos praticamente 2 meses sendo a capital com menor número de casos e menor letalidade porque nós adotamos o uso de um medicamento profilático, a ivermectina”, disse o médico.

Ele também fez críticas ao não uso da Ivermectina: “quando a gente se forma [como médico] e faz o juramento de Hipócrates é para salvar vidas, tirar o sofrimento, curar quando possível. A gente não admite que não seja usado um medicamento seguro, confiável, eficiente, barato, que não tem dono e acessível à população”, disse Suassuna. Ele também refutou a possibilidade de uma segunda onda da pandemia em Natal.

Blog do BG

As 120 mil primeiras doses da CoronaVac, vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, chegaram na manhã de hoje (19) a São Paulo. O material foi importado da China pelo governo de São Paulo e desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

A CoronaVac é uma das quatro vacinas contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) que estão sendo testadas no Brasil. O governo de São Paulo firmou acordo para a compra de 46 milhões de doses e para a transferência de tecnologia para o Instituto Butantan. Entretanto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não autorizou a utilização da vacina, que está na terceira fase de testes, quando é aplicada em humanos. Até o momento a vacina mostrou segurança e eficácia, segundo os estudos.

O governador João Doria, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o secretário Estadual de Saúde, Jean Gorinchtey, acompanharam a chegada do lote.

Agência Brasil

 

As farmacêuticas Pfizer e BioNTech anunciaram, nesta quarta-feira (18), a conclusão dos testes da fase 3 da candidata a vacina contra Covid-19 desenvolvida por elas, a BNT162b2, que está sendo testada no Brasil.

Os resultados mostraram que a eficácia alcançada foi de 95% na prevenção à doença, e não houve efeitos colaterais graves. Os dados ainda não foram publicados em revista científica.

De acordo com um comunicado da Pfizer, os estudos da vacina analisaram 170 casos confirmados do novo coronavírus. Os testes também envolveram pessoas com mais de 65 anos e, a partir desta faixa etária, a vacina se mostrou mais de 94% eficaz.

A farmacêutica destacou que todos os dados de segurança exigidos pela agência americana de saúde, a Food and Drug Administration (FDA), para a Autorização de Uso de Emergencial foram alcançados. Com isso, a Pfizer informou que pretende entrar com o pedido de uso emergencial da sua vacina “em poucos dias”, sem dar uma data específica.

A empresa informou ainda que pretende produzir globalmente até 50 milhões de doses de vacina em 2020 e 1,3 bilhão de doses até o final de 2021.

Em julho, os Estados Unidos fecharam acordo com os laboratório para comprar 100 milhões de doses ainda este ano pelo valor de US$ 1,95 bilhão.

Veja os principais pontos do anúncio da farmacêutica:

  • A Pfizer analisou os dados depois de 170 participantes terem Covid-19
  • Dessas 170 pessoas, 8 tomaram a vacina experimental e 162 receberam o placebo (uma substância inativa)
  • Os testes envolveram 43.661 voluntários distribuídos entre Estados Unidos, Brasil, Argentina, Alemanha, Turquia e África do Sul
  • A eficácia observada em adultos entre 65 e 85 anos foi superior a 94%
  • A eficácia começa após 28 dias da aplicação da primeira dose da vacina
  • Entre os efeitos colaterais, 3,8% apresentaram fadiga e 2% tiveram dor de cabeça
  • Os dados que a farmacêutica anunciou ainda não foram publicados em revista científica
  • A vacina da Pfizer é aplicada em duas doses.

 

A vacina da Pfizer e da BioNTech é a primeira a ter anúncio de conclusão dos testes na fase 3 – a última etapa de desenvolvimento de uma vacina.

No Brasil, o Ministério da Saúde informou na terça-feira (17) que recebeu executivos da Pfizer, mas não foram anunciadas ainda compras do imunizante pelo governo brasileiro.

“O objetivo é conhecer os resultados dos testes em andamento e as condições de compra, logística e armazenamento oferecidas pelo laboratório. A aquisição dos imunizantes deve ocorrer à medida em que os ensaios clínicos apontarem a total eficácia e segurança dos insumos e o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) for realizado”, informou a pasta.

Imunidade pode durar um ano

 

No último dia 9, o diretor da BioNTech, Ugur Sahin, disse esperar que a imunidade gerada pela vacina dure pelo menos um ano. “Devemos ser mais otimistas de que o efeito da imunização pode durar pelo menos um ano,” disse.

“A questão é a duração [da proteção] e a eventual necessidade de um reforço ou não, mas são coisas distintas”, completou Moreira.

A Pfizer e a BioNTech também disseram que, até agora, não encontraram nenhuma preocupação séria de segurança e esperam obter autorização de uso emergencial nos EUA ainda neste mês.

Eficácia mínima de 50%

 

A FDA, agência regulatória dos Estados Unidos, já anunciou que qualquer vacina deve comprovar 50% de eficácia antes de ser liberada.

Além disso, as empresas testando as vacinas devem rastrear metade de seus participantes para efeitos colaterais por pelo menos dois meses – o período de tempo em que problemas costumam aparecer. A Pfizer espera atingir essa marca no final deste mês. Segundo a farmacêutica, não houve casos graves de Covid-19 entre os participantes até agora.

A agência regulatória americana também exige que as vacinas candidatas no país sejam estudadas em pelo menos 30 mil pessoas. Os estudos devem incluir, além de adultos mais velhos, outros grupos de risco, como minorias e pessoas com problemas crônicos de saúde.

G1

COVID-19: EM BUSCA DE UMA VACINA

O governo federal reconheceu o estado de calamidade pública no Rio Grande do Norte em razão da pandemia da covid-19. Portaria da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil foi publicada hoje (10) no Diário Oficial da União.

O reconhecimento de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelo governo federal reduz a burocracia e facilita, a estados e municípios, o acesso aos recursos da União para ações de socorro. No fim do mês passado, o governo também reconheceu calamidade pública na Bahia e no Ceará.

Balanço divulgado ontem (9) pela Secretaria da Saúde Pública do Rio Grande do Norte mostra que o estado registrou 218 novos casos da covid-19, em comparação com o boletim anterior, do dia 7. No total, o estado acumula 82.580 casos desde o início da pandemia. O boletim traz ainda o registro de três novas mortes, totalizando 2.601 óbitos no estado.

Agência Brasil

 

A secretaria estadual de Saúde divulgou neste sábado (01), o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra  478 casos suspeitos,  2139 descartados,  907 confirmados,  30 óbitos em investigação e  77 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 405 recuperados.

Foto: Giovanni Sérgio/Governo Cidadão

O Governo do RN vai retomar a obra do Hospital da Mulher, situado no município de Mossoró. A notícia vem depois de mais de 20 meses de trabalho intenso, de correções de erros em projetos, de reajustes e muita luta para assegurar a maior obra a ser executada por meio do acordo de empréstimo com o Banco Mundial, através do Governo Cidadão e das secretarias de Estado da Saúde Pública (Sesap) e da Infraestrutura (SIN).

O serviço estava paralisado desde o mês de agosto de 2019 e está apenas 27,87% executado, apesar de ter sido iniciado na gestão anterior. O Governo do Estado contratou, por meio da SIN, uma empresa para realizar o levantamento de todos os quantitativos de serviços do hospital, além dos novos preços com suas respectivas cotações. A partir dessa análise, diversos projetos, como o de climatização, da subestação elétrica e da lagoa de drenagem da obra foram reajustados. Em posse deste levantamento, a instituição financeira disse não ter objeções à retomada da execução e autorizou os aditivos necessários à continuidade.

Diante da complexidade e importância do equipamento para a saúde do estado, a etapa seguinte é a de encaminhamento ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado do RN (MPjTCE/RN), do pedido de celebração do Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) com o Executivo estadual para garantir a intervenção. O Governo dará a ordem de reinício da obra após o posicionamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE RN).

“Estamos lutando desde o início de nossa gestão para dar essa notícia ao povo potiguar. É um investimento muito alto e precisávamos garantir que chegasse à população. Agora, sim, temos a certeza de que o Hospital da Mulher vai ser concluído, promovendo mudanças importantes no que diz respeito à saúde da mulher e, mais do que isso, mudando o cenário da rede estadual de Saúde de uma forma geral”, comemorou a governadora Fátima Bezerra.

Agradecendo o compromisso das equipes nas resoluções dos problemas para a retomada da obra, o secretário de Gestão de Projetos e Metas e coordenador do Governo Cidadão, Fernando Mineiro, disse que “esse é um importante recorte do empenho das equipes da governadora, que desde o início de sua gestão trabalha de forma intensa e integrada. Essa é a maior obra a ser realizada com recursos do acordo de empréstimo por meio do projeto Governo Cidadão. São mais de R$ 100 milhões que já começaram a ser investidos na construção e aquisição de equipamentos que não podíamos perder pelos graves problemas de concepção e estruturação encontrados”.

Tabela mostra municípios do RN que tiveram aumento de casos de Covid-19 — Foto: Reprodução

Os gráficos do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS-UFRN) mostram que o Rio Grande do Norte vinha em ritmo de queda nos casos de Covid-19. A partir da segunda semana de setembro, os números não caíram mais. Subiram e entraram em estabilidade.

Em setembro, Natal tinha uma média de 30 novos casos por dia. No dia 15 de outubro, o registro no número de casos foi de 217. Em Parnamirim, fazendo o mesmo comparativo, a quantidade de casos diários em setembro era de 10 a 12. Em outubro, saltou para 46. Em Ipueira, na região Seridó, foram registrados quatro casos de Covid-19 no dia 13 deste mês, depois de a cidade passar 30 dias sem nenhum novo infectado.

O aumento ficou ainda mais perceptível após o último fim de semana. O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde Pública na segunda-feira (19) mostrou a confirmação de mais de 1 mil casos. Não foram todos confirmados de domingo para segunda; alguns podem ter sido apenas adicionados ao sistema durante o fim de semana, mas, ainda assim, são indicativos de que há alguns dias os casos vêm surgindo com maior intensidade.

Em números absolutos, Governador Dix-Sept Rosado ficou em terceiro lugar entre os que tiveram maior variação positiva de casos observando os três últimos meses. Ficou atrás apenas de Natal e Parnamirim. Coincidência ou não, Governador foi uma das cidades com registro de aglomeração em carreata política.

“Eu preciso entender, por exemplo, quando aconteceram as aglomerações políticas em cada uma dessas cidades e ver quando surgiu esse pico novo naquela cidade. Como isso é muito heterogêneo dentro do estado, essa análise fica um pouco mais complexa, mas eu posso de antemão inferir que estou tendo essas aglomerações e, de fato, estou tento o crescimento (dos casos)”, falou o pesquisador Rodrigo Silva, do LAIS-UFRN.

Outros municípios que cresceram foram Pau dos Ferros, Mossoró, Macaíba, Nísia Floresta, Nova Cruz, São Gonçalo do Amarante e Santa Cruz.

Caicó, município que proibiu as aglomerações política, foi o que apresentou maior queda nos números e continua registrando desaceleração na quantidade de novos infectados pela Covid-19. O número de casos registrados entre setembro e outubro é inferior ao registrado entre agosto e setembro. Era de 853 e caiu para 567.

Com informações do G1 RN

O Brasil registrou neste sábado (3), mais 15.981 pacientes recuperados do coronavírus, totalizando 4.248.574 pessoas curadas da doença.

A quantidade de pessoas curadas no Brasil já é oito vezes superior ao número de casos ativos (512.272), que são os pacientes em acompanhamento médico.

O registro de pessoas curadas já representa 86,7% do total de casos acumulados.

A secretaria estadual de Saúde divulgou neste sábado (03), o boletim epidemiológico com os últimos dados do covid-19 em Macaíba. A cidade registra  411 casos suspeitos,  1488 descartados,  839 confirmados,  18 óbitos em investigação e  72 óbitos confirmados.

Os dados referente ao número de pacientes recuperados ainda não foram atualizados, a última divulgação informava 405 recuperados.

O governo federal lançou hoje (2) a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, com foco na atualização das cadernetas de crianças e adolescentes e na vacinação de crianças contra a poliomielite. A mobilização começa na próxima segunda-feira (5) e vai até 30 de outubro. O objetivo é imunizar mais de 11,2 milhões de pessoas e conscientizar a população sobre a importância da vacina para a proteção contra diversas doenças.

O público-alvo da campanha contra poliomielite são crianças de 1 ano a menores de 5 anos, que devem receber a Vacina Oral de Poliomielite (VOP), desde que já tenham recebido as três doses da Vacina Inativada de Poliomielite (VIP), do esquema básico de vacinação. Crianças menores de 1 ano (de 29 dias até 11 meses) deverão ser vacinadas seletivamente com a VIP, conforme as indicações do calendário nacional de vacinação.

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, destacou que, com essa mobilização, o Brasil reafirma seu compromisso internacional em manter o Brasil livre da poliomielite. Desde 1990, o país não detecta casos da doença e, em 1994, recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem. No cenário internacional, hoje existem dois países endêmicos para a doença: Paquistão e Afeganistão.

Crianças e adolescentes menores de 15 anos não vacinados ou com esquemas incompletos também devem comparecer aos postos de vacinação. A meta do Ministério da Saúde é alcançar, pelo menos, 95% do público-alvo.

Agência Brasil