Educação Arquivo

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte divulgou na tarde de ontem (14), o Edital Nº 23/2016, que regirá o processo seletivo para ocupação de vagas para os Cursos de Graduação.

As inscrições na seleção devem ser realizadas entre às 14h, do dia 18 de julho, até às 22h do dia 3 de agosto, através do site Processo Seletivo do IFRN. Para o processo seletivo serão consideradas as notas das últimas cinco edições (2010-2015) do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O candidato deverá informar no momento da inscrição o ano da edição que deseja utilizar.

Metade das 195 vagas ofertadas serão destinadas aos candidatos que cursaram integramente o ensino médio em escolas públicas. Nove campi estão ofertando as vagas, sendo 77 vagas para os Cursos Superiores de Licenciatura (Biologia, Matemática, Química e Física) e 118 vagas para os Cursos Superiores de Tecnologia (Design de Moda, Gestão Ambiental, Processos Químicos, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Logística).

Mais Informações

Clique para ampliar a imagem

Reitora Ângela Paiva e o vice-reitor José Daniel ASCOM-R/Cícero Oliveira

NOTA

A respeito de noticiário sobre denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a qual cita a ação de gestores e pesquisadores em processos de transferência de tecnologia (TT) gerada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ocorrida no reitorado do Professor José Ivonildo do Rêgo, a administração desta manifesta à sociedade norte-rio-grandense e, particularmente, à comunidade universitária:

1 – O incentivo à inovação e consequente transferência de tecnologia é política pública de educação no país e uma estratégia da UFRN para o desenvolvimento local, regional e nacional, conforme o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI);

2 – Universidade pública não tem como finalidade explorar comercialmente o que produz. Isso caracterizaria desvio da sua missão institucional. Trata-se de função do setor produtivo e a interação universidade-empresa é um dos objetivos primeiros da Lei Nº 10.973/2004 (de Inovação);

3 – O Núcleo de Inovação Tecnológica da UFRN (NIT) cumpre suas atribuições regimentais e os preceitos da Lei de Inovação, disponibilizando, portanto, em sua página (www.nit.ufrn.br, aba Tecnologias para Licenciamento), todas as “criações” passíveis de licenciamento pela UFRN para uso e exploração econômica por parte dos interessados (público interno e externo), inclusive servidores da UFRN, conforme autoriza a Lei de Inovação;

4 – O caso específico do licenciamento da empresa SIG Software e Consultoria em Tecnologia da Informação Ltda., tramitou na UFRN conforme os preceitos estabelecidos na Lei de Inovação (art. 6º ) e seu Decreto regulamentador (art. 7º). A diferença entre os outros contratos de licenciamento que se seguiram está no fato de os interessados serem ex-alunos da UFRN, fazerem parte do grupo de criadores como alunos de graduação e pós-graduação, e a empresa licenciada ter sido incubada na UFRN, tudo em consonância com a Política de Pesquisa instituída no PDI/2010-2019;

5 – As decisões administrativas institucionais baseiam-se em regulações internas (Estatuto, Regimento Geral, Regimentos Internos, Resoluções dos Conselhos Superiores) e na legislação vigente, todas passíveis de fiscalização por parte dos órgãos de controle interno (Auditoria Interna e CONCURA) e externos (TCU, CGU, MPF);

6 – Na cultura das instituições de ensino superior do Brasil, a inovação e transferência de tecnologia e suas relações com o setor produtivo encontra-se em processo de aprendizado, sobretudo no âmbito potiguar, onde a primeira experiência ocorreu justamente com a contratação objeto da denúncia. Transferência de tecnologia é a disponibilização da criação (produto do conhecimento técnico e científico resultante da pesquisa) tecnológica para uso e benefício da sociedade, através do terceiro interessado ou do próprio autor, a quem cabe o risco pela exploração econômica e, na hipótese de sucesso, é devida a correspondente remuneração às Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT) nos termos previstos na legislação e estabelecido no contrato de licenciamento, cabendo parte dessa remuneração aos autores;

Diante do exposto, evidencia-se de forma clara e objetiva que os procedimentos adotados pelos gestores citados no processo judicial foram guiados pela observância estrita aos preceitos legais e às normas da instituição. A UFRN confia que o Poder Judiciário fará justiça e julgará de forma equilibrada a denúncia apresentada pelo representante do Ministério Público, fundamental para o estabelecimento da segurança jurídica necessária à consolidação da política de inovação tecnológica, não só na UFRN, mas de todas as universidades e instituições brasileiras responsáveis pelo desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Isto possibilita que o país supere a condição de mero exportador de produtos primários e venha se inserir no seleto grupo de países produtores de tecnologias.

Natal, 12 de julho de 2016.

Ângela Maria Paiva Cruz

Reitora da UFRN

José Daniel Diniz Melo

Vice-Reitor

ufrn

Portal UFRN – Em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) lança, no dia 22 deste mês, os resultados do estudo de caso sobre o programa Mais Médicos em municípios de pequeno porte do estado. O evento de lançamento será no Hotel Holiday Inn, localizado na avenida Salgado Filho, número 1906, das 14h às 18h.

Na ocasião, será realizada uma mesa-redonda para debater o programa Mais Médicos entre diversas perspectivas, contando com a participação da Opas, da UFRN e de instituições parceiras na pesquisa.

Programa Mais Médicos

O programa Mais Médicos, vinculado ao governo federal, busca a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), levando médicos para regiões onde há mais ausências desses profissionais para qualificar o atendimento básico ao cidadão.

Segundo dados do Governo Federal, em dois anos de programa são cerca de 18 mil médicos em mais de 4 mil municípios, atendendo 63 milhões de brasileiros que, anteriormente, não eram contemplados pelo SUS.

Agência Brasil – Os estudantes que não foram pré-selecionados para as bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni) tem até hoje (11) para aderir à lista de espera. A lista será usada pelas instituições de ensino para ocupar as bolsas que não foram preenchidas nas etapas anteriores.

A relação dos candidatos participantes da lista de espera será divulgada no dia 14 de julho. Os estudantes incluídos na lista deverão comparecer aos estabelecimentos de ensino, nos dias 18 e 19 de julho, e entregar a documentação que comprova as informações prestadas na inscrição.

Pode participar da lista de espera, exclusivamente para o curso correspondente à primeira opção, o candidato que não foi pré-selecionado nas chamadas regulares e os pré-selecionados na segunda opção de curso, reprovados por não formação de turma.

Para o curso correspondente à segunda opção, pode participar da lista de espera apenas o candidato que não foi pré-selecionado nas chamadas regulares, na hipótese de não ter ocorrido formação de turma na primeira opção; os que não foram pré-selecionados nas chamadas regulares, na hipótese de não haver bolsas disponíveis na primeira opção; e os pré-selecionados na primeira opção de curso, reprovados por não formação de turma.

Pelo ProUni, os estudantes podem concorrer a bolsas de estudo parciais e integrais em instituições particulares de educação superior, com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para a edição do segundo semestre de 2016 foram oferecidas 125.442 bolsas. Do total, 68.350 são parciais (50% da mensalidade) e 57.092, integrais. O sistema recebeu 1.215.768 inscrições de 627.978 participantes. Cada candidato pôde se inscrever em até dois cursos.

Clique para ampliar a imagem

Foto: Wallace Medeiros

Portal UFRN – O Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) abriu seleção para curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Geografia (Geoprof) em Caicó. O curso começa no segundo semestre letivo de 2016.

As inscrições estão abertas desde o último dia 1º e seguem até o dia 24 deste mês. Para participar, o interessado deve ir à página doSigaa, clicar na seção Strictu Sensu e em processos seletivos, onde será disponibilizado o formulário de inscrição.

O curso é direcionado para graduados com licenciatura em Geografia e outros licenciados que tenham afinidade com o tema do curso. A seleção consiste em prova escrita, avaliação de currículo e apresentação de plano de trabalho, etapas que acontecem de 16 a 23 de agosto.

O resultado final será divulgado no dia 29 de agosto. Para consultar o edital do processo, basta clicar nestelink.

NOTA

“À luz da lei esta acusação não se sustenta”

(José Ivonildo do Rêgo – Prof. da UFRN)

O noticiário em circulação na mídia e no Portal de Notícias do Ministério Público Federal (MPF) trata de decisões administrativas institucionais do meu terceiro reitorado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, 2007-2011), referente a um dos processos de transferência de tecnologia gerada pela instituição. A versão noticiada atem-se apenas a uma fonte – o MPF -, sem que tenha aplicado o princípio básico de apuração da informação.  Venho repor a verdade desse fato que envolve a reputação de professores pesquisadores e gestores de uma instituição idônea e ilibada, que é a UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE.

Esclareço, portanto, à sociedade potiguar, mantenedora e beneficiária deste bem e patrimônio público às vésperas dos seus 60 anos voltados para o desenvolvimento regional, e na qual fui seu condutor durante três reitorados (1995-1999; 2003-2011):

1       Em 12 anos de gestão referentes a três mandatos de reitor tivemos todas as contas aprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU);

2       A denúncia apresentada pelo MP-RN junto à Justiça Federal do RN trata de matéria em apuração anteriormente pelo TCU, que emitiu quatro pareceres: dois da Secretaria de Controle Externo (Secex-RN), um do Ministério Público Federal junto ao TCU e um da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação;  e de inquérito concluído pela Polícia Federal (PF) pelo não indiciamento dos investigados. Portanto, NÃO HOUVE IRREGULARIDADES EM NOSSOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS.

CARÁTER DA DENÚNCIA – Portanto, trata-se de algo fantasioso, sem qualquer prova, posto desconsiderar inquérito da Política Federal (PF) e análise do TCU sobre tal assunto. Baseia-se, exclusivamente, em relatório de auditoria da CGU, que não incorporou as contestações e explicações feitas à época da UFRN. Ou seja: QUATRO PARECERES DE INSTÂNCIAS FEDERAIS ATESTAM A RETIDÃO DESSE PROCESSO PELO QUAL SOMOS DIFAMADOS.

3       LEGALIDADE DO PROCESSO – Nas universidades, transferência de tecnologia é realizada sob a Lei de Inovação do Brasil de N. 10.793/2004, que apesar de atrasada em relação ao resto do mundo, dispensa o processo licitatório. Tal processo ensejou, até agora, o licenciamento de quatro empresas que estão gerando emprego, distribuição de renda e arrecadação fiscal. O licenciamento não exclusivo de empresas para uso e exploração de tecnologia desenvolvida pela UFRN está, explicitamente, amparado no art. 6º da Lei n. 10.973/2004 e no art. 7º do Decreto n. 5.563/2005, que dispensa edital de licitação para incentivo da inovação tecnológica.

4        SUSPEIÇÃO DA PRESSA – A suspeição de que agimos sob “pressa” em final de nosso último reitorado não se sustenta, uma vez que o processo tramitou por três meses, conforme o regramento institucional, e, também, a minha sucessora tinha conhecimento e deu continuidade aos processos de transferência dessa tecnologia para mais três empresas. Além disso, o processo de licenciamento foi analisado pelos diversos órgãos da Reitoria, cujos dirigentes, agora indevidamente acusados pelo MPF, foram todos mantidos em seus cargos pela nova reitora.

5       GANHOS E NÃO PREJUÍZO – Em transferência de tecnologia não cabe à UFRN a exploração da mesma e sim desenvolver e transferi-la para a sociedade. Para tanto, empresas são licenciadas e remuneram a instituição conforme a Lei de Informação e legislação interna da UFRN. A mesma prevê uma taxa de Contribuição de Desenvolvimento Institucional (CDI) de 6% de royals sobre a arrecadação da empresa. Enfim, a UFRN recolhe royals com as transferências de produtos e serviços e, neste caso, quatro empresas interessadas participaram do processo e a licenciada já ressarciu mais de 500 mil reais para a UFRN. Tais procedimentos foram analisados como legalmente adequados e considerados em pareceres do TCU como a solução mais vantajosa para a sociedade.

CONCLUSÃO – Este é o histórico da UFRN e o nosso. Tratar o bem público como algo público, dentro da legalidade. Assim, ajudamos a desenvolver esta instituição de um dos menores estados do Brasil e que hoje desponta nos rankings das instituições de ensino superior como uma das melhores entre as mais conceituadas da Região Norte e Nordeste do país e da América Latina.

ufrn4

Portal UFRN -A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) consta entre as 50 melhores instituições de ensino superior da América Latina. A classificação, publicada pela revista inglesa Times Higher Education (THE), foi comunicada à instituição por meio do secretário Márcio Venício Barbosa, da Secretaria de Relações Institucionais Internacionais (SRII).  No comunicado, a publicação cita a instituição norte-reio-grandense entre “As Top 50 da América Latina”.

Informada a respeito desse desempenho da UFRN em âmbito continental, a reitora Ângela Maria Paiva Cruz observou que esse é um dos resultados do esforço institucional na busca da excelência no ensino, na pesquisa, extensão e inovação. “Mas não chegaríamos a essa qualidade no ensino superior do RN se não fizéssemos a expansão regional, por meio da interiorização e da internacionalização, via acordos bilaterais de cooperação técnica para estudos de graduação e desenvolvimento de pesquisa”, disse a reitora.

A gestora da UFRN destacou a pesquisa como um elemento fundamental para a evolução da UFRN. “De 2011 para cá já ultrapassamos mais de 100 pedidos de patentes, registros e/ou certificação de processos e de produtos gerados por pesquisadores das mais diferentes áreas do conhecimento. Isso faz o diferencial de uma universidade”, afirmou Ângela Paiva.

Times Higher

Anteriormente chamada de The Times Higher Education Supplement, Times Higher Education – THE – é uma revista inglesa que publica notícias, artigos e opiniões sobre educação superior.  Faz também rankeamento de instituições desse nível de ensino. Esse ranking é uma das três classificações internacionais de universidades mais influentes e observadas.

Para acessar o site da revista, clique aqui: https://www.timeshighereducation.com/ 

Para ler a matéria, clique aqui: The Higher Education – Matéria

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) denunciou o ex-reitor da UFRN José Ivonildo do Rêgo e seis ex-dirigentes da instituição envolvidos em um contrato ilegal de licenciamento concedido à SIG Software & Consultoria em Tecnologia da Informação Ltda., no ano de 2011. A ação penal já foi recebida pela Justiça e tramita na 2ª Vara Federal, em Natal.

Pelo contrato, a empresa pertencente ao então diretor de Sistemas da universidade, Gleydson de Azevedo Ferreira Lima, virou representante única de softwares de gestão desenvolvidos na própria instituição – como Sigaa e Sipac –, o que gerou R$ 21 milhões em prejuízos à UFRN. Desse dinheiro, R$ 2,9 milhões foram diretamente para o empresário/servidor e sua esposa, Raphaela Galhardo Fernandes Lima, sócia-administradora da SIG.

Além do ex-reitor e de Gleydson e sua esposa, são réus o então superintendente de Informática, Aluízio Ferreira da Rocha Neto; o ex-coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), Aldayr Dantas de Araújo; o ex-pró-reitor de Planejamento e coordenador geral do Setor de Convênios da UFRN, João Emanuel Evangelista de Oliveira; o ex-pró-reitor de Administração da UFRN, João Batista Bezerra; e o procurador-geral da instituição, Giuseppi da Costa.

Prejuízos – O contrato com a SIG concedeu à empresa, pelo prazo de cinco anos, a exploração de diversos sistemas integrados, incluindo o Sipac (de Patrimônio, Administração e Contratos), Sigaa (de Gestão de Atividades Acadêmicas), SigRH (de Gestão de Recursos Humanos), SIGPP (de Gestão de Planejamento e Projetos), Siged (de Gestão Eletrônica de Documentos), SIGAdmin (de Administração e Comunicação) e Arq_SIG (Arquitetura de software dos sistemas SIG).

O MPF apurou que o suposto processo de dispensa de licitação, que possibilitou a contratação direta da SIG, ocorreu sob diversas irregularidades, beneficiando Gleydson de Azevedo, que ocupava um cargo comissionado de “assessor do Gabinete do Reitor”, exercendo a função de diretor de Sistemas da UFRN. Foram utilizados, no processo fraudado, documentos falsos, com o conhecimento do ex-reitor e dos demais réus. Além disso, a dispensa ocorreu fora das hipóteses permitidas na lei.

O simples fato de o empresário ocupar, na época, um cargo comissionado na universidade impediria a formalização do contrato. “Não bastasse isso, o procedimento tramitou secretamente, não tendo havido publicação da ratificação da dispensa de licitação na imprensa oficial”, reforça a ação do MPF, assinada pelo procurador da República Rodrigo Telles.

Graças às irregularidades, a empresa passou a explorar economicamente os programas, prestando serviços a diversos órgãos e entes públicos interessados na tecnologia. Enquanto isso, a UFRN deixou de obter receitas, por meio de possíveis acordos de cooperação técnica com os interessados. A quebra do sigilo bancário da SIG apontou o recebimento de R$ 21,6 milhões, dos quais parte foi revertido para a própria empresa e R$ 2,9 milhões transferidos para o casal de sócios.

Apesar de o contrato prever 6% dos ganhos para a universidade, não foi identificada nenhuma transferência para a instituição. Antes de conceder a licença à SIG, a UFRN firmava termos diretamente com os órgãos interessados e chegou a receber R$ 18 milhões nesses acordos. O MPF ressalta ainda os danos extras aos entes públicos (institutos e universidades, entre outros) que contrataram os softwares pela SIG e poderiam ter negociado valores melhores, sem essa intermediação.

Na ação penal, os réus responderão pelos crimes relacionados ao uso de documentos falsos e falsidade ideológica (artigos 304 e 299 do Código Penal) e à dispensa indevida de licitação (Artigo 89 da Lei 8.666, neste caso com exceção de Aluízio Ferreira e Aldayr Dantas).

Negligência – A Controladoria Geral da União (CGU) efetuou uma auditoria, em 2013, e apontou a falsidade dos documentos utilizados e a ilegalidade da dispensa de licitação. O órgão recomendou à UFRN anular o contrato de licenciamento e apurar a responsabilidade dos envolvidos. Porém, as sugestões foram desconsideradas pela universidade.

O processo que deu origem ao contrato, avaliou a CGU, conta com várias ilegalidades. Um dos pareceres, assinado por Aluizio Ferreira Neto, descreve que o processo de criação dos sistemas foi iniciado em 2004 e “acelerado” em 2007, quando Gleydson assumiu a Diretoria de Sistemas. O empresário é apontando como “mentor intelectual” do projeto e a “co-titularidade” a ser concedida à empresa do servidor seria “justa contrapartida a todo este esforço empreendido durante anos”.

Porém, o mesmo texto reconhece que o trabalho foi integralmente custeado pela UFRN e “todo esse sucesso não se deve só a uma pessoa. (…) houve também contribuição de muitos outros colaboradores, que ajudaram a construir os softwares. Afinal, um projeto desta complexidade não se constrói sozinho. Há envolvimento de toda uma equipe, ideias de gestores, e outros colaboradores”.

O processo de dispensa de licitação continha documentos e atos administrativos sem a devida sequência cronológica, pareceres que citam informações teoricamente ainda não existentes e alguns atos com referências à razão social e CNPJ da empresa, quando esta sequer havia sido registrada na Junta Comercial. Há também referências a outro processo, que nada tinha a ver com o contrato em questão. Para o MPF, um indício de que parte dos documentos utilizados foram “reaproveitados”.

Em um dos pareceres, o pró-reitor João Batista Bezerra chega a citar a Lei de Licitações e seus requisitos para a contratação de empresas particulares pela Administração Pública, contudo abre “uma exceção para a empresa Sig Software” e atesta sua qualificação técnica apenas com base em avaliação de “aspectos subjetivos (…), fundada no conhecimento dos sócios da empresa”.

Esse pró-reitor e o próprio Ivonildo Rego não chegaram sequer a datar alguns dos documentos que assinaram. No entender do MPF, uma indicação de que sabiam da confecção fraudulenta dos autos e pretendiam “dissimular sua participação no ilícito mediante artifícios extras”. Alguns desses papeis, dentre os quais pareceres técnicos e até mesmo o parecer jurídico do procurador-geral Giuseppi da Costa, datado de 4 de maio de 2011, supostamente são anteriores à expedição das certidões de regularidade fiscal da empresa e não poderiam ter sido emitidos sem essas certidões.

Fim de gestão – O contrato foi assinado em 25 de maio de 2011, três dias antes do fim do mandato de Ivonildo Rêgo. Em seu relatório, a CGU descreve: “as irregularidades apontadas não podem ser consideradas erros pontuais, devido à quantidade e natureza das divergências entre a data de emissão e/ou teor do documento e o momento de inclusão dos documentos no processo (…) e indicam que houve tratamento privilegiado à empresa do dirigente”.

Para o MPF, o processo não passou de um “aglomerado de documentos públicos ideologicamente falsos”, produzidos e agrupados às pressas dias antes do fim da gestão de Ivonildo Rêgo. “Trata-se de uma simulação criminosa de procedimento de dispensa de licitação cujo objetivo era beneficiar, isoladamente, Gleydson de Azevedo Ferreira Lima”.

As investigações apontaram, até mesmo, que a SIG chegou a ocupar três salas da Superintendência de Informática da UFRN, apesar de a empresa ter sido selecionada para “incubação não presencial”, ou seja, receberia apoio da universidade, mas deveria funcionar em sede própria, fora da instituição.

A ação penal tramita na Justiça Federal sob o número 0000605-28.2016.4.05.8400.

Portal UFRN – O Instituto Metrópole Digital, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, realiza, até o dia 8 de julho, o Curso de Inverno, que consiste na segunda etapa do processo seletivo do programa Talento Metrópole. Participam do curso 45 estudantes, dos quais 30 são do ensino básico (fundamental e médio) e 15 da graduação, selecionados entre os 323 inscritos.

Os participantes dessa última etapa foram submetidos a dois conjuntos de itens, referentes a dois tipos diversos de instrumentos: um teste de inteligência, usado no Brasil e em outros países (Matrizes Progressivas de Raven), e um conjunto específico com 10 questões em TI, propostas pela equipe  de Psicologia do IMD.

O Programa Talento Metrópole é destinado a jovens com altas habilidades/superdotação na área de Tecnologia da Informação que estejam estudando o Ensino Fundamental II (8º e 9º ano), o Ensino Médio ou cursando os dois primeiros anos da graduação em escolas ou faculdades públicas ou privadas do Rio Grande do Norte.

ufrn

Portal UFRN – O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Processos Institucionais (PPGGPI), do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) está com inscrições abertas até o dia 3 de agosto, para Mestrado Profissional em Gestão de Processos Institucionais.

No total o programa oferece 28 vagas destinadas a servidores ativos das seguintes instituições: Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPRN) 3 vagas, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) 5 vagas e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) 20 vagas.

O processo seletivo é constituído por duas fases: prova escrita (texto manuscrito de até 30 linhas), avaliação e defesa do projeto. Para realizar a inscrição, ter acesso ao edital e enviar a documentação necessária para participar do processo seletivo, o interessado deve acessar o site do PPGGI neste link.

Foto: Macaíba no Ar

Foto: Macaíba no Ar

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) divulgou, no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 4, o edital de concurso público para provimento de cargo técnico-administrativo em educação. São oferecidas três vagas de nível E (Superior) e 31 vagas de nível D (Médio/Técnico), destinadas aos campi de Natal, Caicó, Currais Novos, Santa Cruz e Macaíba.

Há oportunidades para os cargos de analista de Tecnologia da Informação; médico; técnico de Tecnologia da Informação; técnico de Laboratório/Biologia; desenhista projetista; técnico em Nutrição e Dietética; assistente em administração e operador de câmera de cinema e TV.

O certame será executado pelo Núcleo Permanente de Concursos (Comperve) e coordenado pela Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp) da UFRN, com inscrições abertas de 1º a 22 de agosto deste ano e realizadas exclusivamente pela internet, no endereço www.comperve.ufrn.br. As taxas de inscrição são de R$ 80 para nível superior e R$ 60 para os níveis técnico e médio.

Os candidatos serão avaliados por meio de prova objetiva, discursiva e prática, esta última para os cargos de desenhista projetista e operador de câmera de cinema e TV. As provas serão aplicadas na data provável de 18 de setembro, nos municípios de Natal, Caicó e Santa Cruz. Os conteúdos programáticos serão disponibilizados no site da Comperve a partir do dia 18 de julho.

Outras informações sobre o concurso podem ser obtidas no edital nº 05/2016.

ufrn

Portal UFRN – A Universidade Federal do Rio Grande Norte (UFRN) informa que se iniciam nesta terça-feira, 5 de julho, o período de matrículas para alunos regulares e especiais para o segundo semestre letivo do ano, e seguem  abertas até o dia 15, com deferimento nos dias 20 e 21, conforme o calendário acadêmico.

O recesso da Universidade se encerra no dia 22 e o retorno às aulas acontece em 25 de julho, quando também começa o período para estudantes que querem realizar o trancamento do programa (suspensão das atividades acadêmicas).

O prazo para solicitação da rematrícula será nos dias 25 e 26, com deferimento para o dia 1º de agosto. As matrículas extraordinárias acontecem de 2 a 20 de agosto.

Consulte todas as datas referentes ao calendário acadêmico da UFRN para o semestre letivo 2016.2 aqui .

ca1

A Prefeitura de Macaíba realizará a inauguração do anexo da Escola Municipal Severino Bezerra, no assentamento José Coelho, hoje (30), às 16h.

O novo e amplo espaço conta com duas salas de aula, cozinha, banheiros e espaço para a secretaria da escola. A construção do anexo visa atender a necessidade dos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental e da educação infantil que moram no assentamento e não tinham uma unidade de ensino próxima de suas residências.

A construção do anexo da Escola Professor Severino Bezerra é mais uma das ações da Prefeitura para a melhoria dos serviços e o desenvolvimento da educação no município. Em 2015, por exemplo, cerca de 15 escolas foram reformadas tanto na zona urbana como na zona rural de Macaíba.

Além da infraestrutura, a administração municipal também investe na capacitação dos professores da rede municipal de ensino com mais de 30 cursos de capacitação disponibilizados para os docentes do município, a realização de três edições do Seminário Paulo Freire, da Semana Literária de Macaíba e com o investimento em mais de dois mil livros adquiridos para a educação infantil

ufrn

Portal UFRN – O Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio do Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF), abre incrições para mestrado em física até o dia 15 de julho.

O processo seletivo oferta duas vagas para as seguintes áreas de concentração: matéria condensada (teórica e experimental), mecânica estatística e sistemas complexos, teoria de campos, astronomia e cosmologia. Segundo consta no edital, não há predefinição de vagas para cada área.

A seleção acontece por meio de análise do histórico escolar do curso de graduação do candidato e de um exame escrito, organizado e conduzido pelo PPGF, que será realizado no dia 25 de julho, no Departamento de Física Teórica e Experimental da UFRN.

As inscrições devem ser realizadas por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa), neste link.  Podem se inscrever portadores de diploma de curso superior em física ou área afim – desde que reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC) – e alunos cursando o último semestre letivo – entretanto, caso aprovados, devem concluir o curso de graduação até a data de matrícula. O edital do processo de seleção na íntegra, contendo todas as especificações exigidas, está disponível aqui.

Agência Brasil – A contratação de estagiários nos órgãos públicos federais, da administração direta, autárquica e fundacional, vai dar prioridade a estudantes de nível superior contemplados pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e o Programa de Financiamento Estudantil (Fies). A orientação consta de normativa do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (28).

“A realização do estágio não acarretará vínculo empregatício de qualquer natureza e dar-se-á mediante Termo de Compromisso de Estágio celebrado entre o estudante ou com seu representante ou assistente legal, quando for o caso, e o órgão ou entidade, com a interveniência obrigatória da instituição de ensino, no qual deverá constar a identificação do estagiário, do curso e seu nível acadêmico”, diz a normativa em um dos artigos.

O documento informa também que a duração do estágio não poderá exceder a quatro semestres, salvo quando se tratar de estagiário com deficiência, que poderá permanecer no mesmo órgão ou entidade até o término do curso universitário.