Educação Arquivo

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu a aprovação para abertura de cinco novos cursos de mestrado e doutorado. A partir do próximo ano, a instituição pode oferecer as seguintes propostas acadêmicas de pós-graduação: Bioinformática (mestrado e doutorado), Estudos da Mídia (doutorado) Filosofia (doutorado) e Saúde Coletiva (mestrado).

As propostas foram analisadas durante a 161ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), realizada no período de 7 a 11 de dezembro deste ano, em Brasília.

Os resultados da apreciação de propostas de cursos novos (APCN) acadêmicos e profissionais foram divulgados nesta quinta-feira (17), pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES/MEC).

A expectativa é de que os editais sejam lançados até o início do próximo ano e os candidatos selecionados iniciem os estudos no primeiro período de 2016.

Foto: Airphoto

A Pró-Reitoria de Ensino do IFRN lançou ontem (18) 3 editais de processos seletivos para os seus cursos técnicos. Para concorrer a uma das vagas, os interessados deverão se inscrever no período de 7 a 21 de janeiro de 2016, no Sistema Gestor de Concursos do IFRN (http://processoseletivo.ifrn.edu.br). Em caso de dúvidas, é possível assistir ao tutorial que explica o passo a passo da inscrição, disponível no sistema gestor de concurso.

O candidato portador de necessidades especiais que precise de atendimento diferenciado deverá indicar no formulário de inscrição, em campo próprio, a sua necessidade, especificando o tipo de atendimento que a Instituição deverá dispensar no local das provas para garantir a sua participação no processo seletivo. Além disso, até o dia 29 de janeiro de 2016, ele deve dar entrada em processo administrativo direcionado à Diretoria Acadêmica de seu curso, no setor de protocolo do campus para o qual se inscreveu, anexando cópia dos documentos comprobatórios da necessidade, conforme descrito no item 18 dos editais.

As provas dos 3 processos seletivos acontecem no dia 21 de fevereiro. Os candidatos deverão responder os cadernos de prova e as folhas de gabarito exclusivamente com caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente.

TÉCNICO SUBSEQUENTE

O edital 33/2015 oferta 1068 vagas presenciais e 80 vagas a distância para os cursos técnicos subsequentes, voltados para quem já terminou o ensino médio e deseja uma formação profissionalizante. Os cursos têm duração de cerca de 2 anos.

 INTEGRADO PROEJA

O edital 34/2015 oferta um total de 116 vagas para o técnico integrado na modalidade Educação de Jovens e Adultos (ProEJA). São 36 vagas para o curso de Agroecologia do Campus Ipanguaçu; 40 para Comércio no Campus Natal-Zona Norte e 40 para Manutenção e Suporte em Informática no Campus Santa Cruz. Os cursos técnicos ProEJA do IFRN têm 4 anos de duração e são voltados para estudantes que têm 18 anos ou mais e não fizeram o ensino médio, que é ofertado ao mesmo tempo que o curso profissionalizante.

INTEGRADO EM EVENTOS – CAMPUS CANGUARETAMA

O Instituto lança ainda o edital 35/2015, com a oferta de 80 vagas para o curso técnico integrado em Eventos do Campus Canguaretama. Também com 4 anos de duração, o curso oferta o ensino médio junto ao profissionalizante, sem restrição de idade, com a exigência apenas do diploma de conclusão do ensino fundamental no momento da matrícula. Em geral, é feito por alunos que estão concluindo o 9º ano do ensino fundamental.

O esperado resultado do Exame de Seleção 2016 está disponível e traz a listagem dos candidatos aprovados e aptos para realizarem as matrículas entre os dias 18 e 22 de janeiro. O processo seletivo foi regido pelo Edital 28/2015. Todos os candidatos podem verificar o seu desempenho individual no portal do candidato (http://processoseletivo.ifrn.edu.br), assim como o resultado do recurso.

As listas trazem os nomes dos candidatos aprovados, ou seja, os que passaram dentro das vagas ofertadas e estão aptos a realizarem as matrículas. A informação “Em espera” significa que o estudante conseguiu nota suficiente para se classificar, mas fora do número de vagas do curso, portanto, não passou. Caso alguns dos aprovados não se matricule, os habilitados poderão ser chamados a preencher a vaga, de acordo com a ordem de classificação, mas depois do período de matrículas.

No caso dos cursos dos campi Macau e Cidade Alta que ofertam 2 turmas para o mesmo horário, o resultado foi divulgado em uma mesma relação.

COMPROVAÇÃO DE RENDA

Os estudantes aprovados nas listas 1 e 2, destinadas a alunos pertencentes a famílias com renda de até 1,5 salário-mínimo por pessoa, devem apresentar no ato da matrícula os documentos comprobatórios da renda, descritos no Item 62 do Edital.

MATRÍCULAS

Os candidatos aprovados deverão se matricular de 18 a 22 de janeiro, nos campi para os quais se inscreveram, nos horários descritos no Anexo I do Edital.

Confira quais são os documentos necessários à matrícula:

2 fotos 3×4 (recentes e iguais);

Carteira de identidade (cópia acompanhada do original);

Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento;

Certificado de conclusão do ensino fundamental (cópia acompanhada do original);

Histórico escolar do ensino fundamental (cópias acompanhadas dos originais).

Título de Eleitor, no caso dos maiores de 18 anos (cópia acompanhada do original);

Certificado de Alistamento Militar, de Dispensa de Incorporação ou de Reservista, no caso dos maiores de 18 anos do sexo masculino (cópia acompanhada do original);

Cadastro de Pessoa Física (CPF) (cópia acompanhada do original);

Parecer de equivalência de estudos da Secretaria Estadual de Educação, para os aprovados que realizaram estudos equivalentes ao Ensino Fundamental, no todo ou em parte, no exterior. Se apresentar documentos em língua estrangeira, estes deverão estar visados pela autoridade consular brasileira no país de origem e acompanhados da respectiva tradução oficial.

Acesse:http://portal.ifrn.edu.br/ensino/processos-seletivos/tecnico-integrado/exame-de-selecao/edital-28-2015-exame-de-selecao-2016/resultados/resultado-final/view

O Brasil perdeu uma posição no ranking que mede o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países e ficou em 75º lugar em 2014, segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre 188 países, divulgado nesta segunda-feira (14). Quem passou à frente do Brasil no ano passado foi o Sri Lanka.

O IDH brasileiro passou de 0,752 em 2013 para 0,755 no ano passado. O IDH é medido anualmente pela ONU com base em indicadores de renda, saúde e educação. O índice varia em uma escala de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, mais elevado é o IDH. O ranking divide os países em quatro categorias: os de índice de desenvolvimento “muito elevado”, “elevado”, “médio” e “baixo”.

O IDH é medido a partir de quatro indicadores: esperança de vida ao nascer; expectativa de anos de estudo ; média de anos de estudo (da população até o momento); e renda nacional bruta per capita (toda a renda do país dividida pelo número total da população).

De acordo com o estudo, a Noruega ocupa a primeira posição do ranking de desenvolvimento humano da ONU. Entre os países vizinhos com IDH melhor que o Brasil estão Venezuela (71º), Chile (42º) e Argentina (40º).

Apesar de ter ficado atrás de alguns países latinos no ranking, o país teve o maior crescimento de IDH da América do Sul entre 1990 e 2014.

Nas últimas três décadas, o país registrou crescimento de 36,4% no IDH, segundo a ONU – passou de 0,545 (desenvolvimento “baixo”) em 1980 para 0,744 em 2013 (desenvolvimento “elevado)”.

Um dos componentes do índice deu seu primeiro sinal de piora em 2014 – após anos consecutivos de alta, a renda média do brasileiro teve uma queda de 0,74% na comparação com 2013, passando de US$ 15.288 para US$ 15.175.

Variação de posição sem relevância
A coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) no Brasil, Andrea Bolzon, observa que a variação de uma posição em um ano não é relevante, pois a diferença entre países com pontuação muito próxima é bem pequena. As informações são da BBC.

No entanto, trata-se da reversão de tendência, já que o país vinha subindo no ranking. Na comparação com 2009, o Brasil ainda ganha três posições, pois ultrapassou no período Azerbaijão, Jamaica, Jordânia e a República da Macedônia ─ que na ONU é oficialmente chamada de Antiga República Iugoslava da Macedônia.

A coordenadora avaliou que a crise ainda não teve impacto significativo no IDH do país, mas disse que é possível que isso aconteça caso a recessão econômica se agrave e perdure por mais anos.

Ela explica que o IDH é um índice estrutural, ou seja, que capta mais mudanças de longo prazo. Isso ocorre principalmente por causa dos indicadores de expectativa de vida e educação. Já o indicador de renda é o que apresenta mais variação de um ano para outro, respondendo mais rápido a mudanças de curto prazo na economia.

“Quem sabe até onde vai essa crise? Ninguém sabe ainda. Pode afetar (o IDH), mas não se for uma crise de um ano ou dois (apenas). Nenhum país dorme numa posição e acorda na outra. É um processo mais lento”, explicou Bolzon à BBC.

“Se a economia se recupera desse ano para o próximo, vamos supor, a tendência é que não afete (o índice) porque não vai dar tempo de afetar a expectativa de vida das pessoas ou quanto as pessoas vão estudar”, acrescentou.

Bolzon explica como uma crise econômica mais prolongada pode ter impacto de reduzir o IDH. A média de anos de escolaridade pode cair, por exemplo, se mais jovens pararem de estudar cedo para começar a trabalhar e complementar a renda da família. Esse tipo de fenômeno pode acontecer caso a renda caia muito e os pais não consigam mais sustentar a família apenas com seus salários.

Globo.com

Uma escola antes e outra depois de 2007. Assim, o estudante André Luiz Machado classificou a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) do Campus Macaíba da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ao se referir na manhã dessa quarta-feira, 9, ao várias inaugurações realizadas pela reitoria da Universidade na unidade acadêmica.

Ao falar para um auditório lotado de docentes, gestores, lideranças políticas do município, representantes classistas, André elogiou a qualidade da comida servida no Restaurante Universitário (RU) recém aberto, elogiou os laboratórios, as novas salas de professores e as demais instalações físicas entregues hoje. “O conhecimento é a riqueza que ninguém nos tira e traz de volta os sonhos das pessoas”, ressaltou.

Agradecido, o diretor da EAJ, Júlio César de Andrade relembrou, nominalmente, a ajuda de cada participante da comunidade docente e gestores da administração central da UFRN para a expansão física e educacional da EAJ, a ponto de torná-la referência nacional.

DESTAQUE

Maior escola técnica do país vinculada ao ensino federal, com 110 docentes, dos quais 84 doutores, a EAJ figura como um destaque entre as demais unidades que compõem o Campus Macaíba da UFRN: o Instituto Internacional de Neurociências (INN) e o Parque Tecnológico de Energias Renováveis (obra em parceria com o Sistema S).

Além da tradição de mais 50 anos, a Escola leva o ensino técnico presencial e a distância para as mais distantes localidades do estado, inclusive os assentamentos. Presente ao evento, Fernando Cunha Lima, prefeito de Macaíba, foi categórico ao afirmar que “mais uma vez a Escola Agrícola nos orgulha. Quando o aluno não podia vir aqui, à escola foi até as pessoas e todos os lugares. Por isso não serve só à Macaíba, mas a todo o RN”.

Entre os ambientes entregues nesta quarta-feira à EAJ constam uma área destinada à administração, um Centro Vocacional Técnico (CVT), salas de professores e um novo Restaurante Universitário (RU). Além disso, três novos laboratórios – de Controle de Qualidade de Alimentos; de Nutrição Animal; de Resíduos Sólidos e Resíduos Orgânicos, e a reforma e ampliação das instalações do Curso Técnico em Informática, em Agropecuária e Agroindústria.

Parte do investimento, de cerca de R$ 5 milhões, é próprio da UFRN. “Um presente de Natal”, metaforicamente falando, disse a reitora Ângela Maria Paiva Cruz. “Esse conjunto de obras trará mais qualidade para o serviço educacional – o ensino, a pesquisa e a extensão – que prestamos”, considera a gestora da Universidade.

Portal UFRN

O prefeito Fernando Cunha esteve presente na inauguração de oito novos prédios da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), na manhã desta última quarta-feira (9), na sede da Escola.

Dentre as novas instalações estão o restaurante universitário da Escola; a Diretoria; o Centro Vocacional Tecnológico e novos laboratórios para os alunos dos cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação.

Na ocasião, o chefe do Executivo municipal destacou a importância da Escola Agrícola para o município de Macaíba. ”Estamos muito orgulhosos deste trabalho que está sendo realizado em Macaíba. O colégio está avançando. É importante também ressaltar o trabalho da Escola Agrícola na área social como, por exemplo, as capacitações que são promovidas pelo Pronatec. Parabéns a todos!”, afirmou o prefeito.

Ângela Paiva, reitora da UFRN também esteve presente na solenidade que contou com a presença do diretor da Escola Agrícola, Júlio César de Andrade; do diretor do Instituto Metrópole Digital, Ivonildo Rego; do presidente da Câmara de Vereadores de Macaíba, Gelson Lima; dos vereadores, Antônio França, Socorro Nogueira, Edma Maia, Marijara Luz, (Dadaia), Rita de Cássia, João Medeiros (João de Damião), Silvan Freitas, Rodrigo Nasser, Ismarleide Duarte e comunidade acadêmica.

Assecom

Segundo o Índice  Firjan de Desenvolvimento Municipal, a cidade de Macaíba, localizada na região metropolitana de Natal, ocupa a 105º posição  na educação do Rio Grande do Norte. Os dados são com  base 2015-2013, onde retrata a situação da educação no município e mostra que a cidade ainda deve investir bastante para sair dessa posição, mesmo sendo uma cidade  de grande arrecadação de impostos, mesmo sendo a sexta economia do estado.

capture-20151207-144838

No Brasil, 32.434 escolas públicas ainda não contam com qualquer tipo de conexão à internet, segundo levantamento feito pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS). O número corresponde a 22% do total de escolas públicas. A maioria das escolas sem acesso à internet está no campo, onde apenas 13% estão conectadas à rede.

De acordo com o instituto que fez o levantamento, o acesso à rede proporciona mais igualdade para os estudantes. “Há uma grave violação do princípio da universalidade, aprofundando as disparidades hoje existentes. Ao expandir o acesso à informação e permitir que professores e alunos acionem diferentes fontes e aprofundem seus repertórios, democratiza-se o acesso à informação e a materiais pedagógicos de qualidade, em especial para escolas com menos recursos”, diz o diretor do ITS, Ronaldo Lemos.

Entre as escolas urbanas, o acesso é maior, cerca de 80% estão conectadas. No entanto, ainda há mais de 9 mil escolas em cidades que não têm acesso à rede ou a conexão à internet é mais lenta do que deveria ser. Isso significa que 4,5 milhões de alunos no país estão em desvantagem, segundo o levantamento.

As escolas urbanas são atendidas pelo Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE) – uma iniciativa do governo federal com empresas de telefonia para conectar as escolas públicas com banda larga. A empresa deve garantir o fornecimento e também a manutenção de banda larga para as escolas urbanas.

A lei prevê que as escolas recebam banda larga de pelo menos 2 megabit por segundo (Mbps) ou igual à melhor conexão ofertada na região. O levantamento aponta ainda que essa meta deveria ser revisada semestralmente, mas ainda é a mesma de 2010. Segundo Lemos, a meta está aquém da de outros países, que discutem e implementam velocidade de conexão de 50 ou 100 Mbps.

Escolas rurais

Já para as escolas rurais, um edital aprovado em 2012 prevê que as operadoras de celular ofereçam conexão 4G gratuita para todas as escolas que atendam mais de 185 alunos. Além disso, há a possibilidade de conexão via satélite para escolas de áreas muito remotas.

Do total de 65.738 escolas rurais, 2.569 (3,9%) estão conectadas por satélite, com velocidades de 1 Mbps. Segundo o ITS, 35 mil escolas têm energia elétrica e infraestrutura tendo, portanto, condições de serem conectadas à internet. Dessas, 27 mil atendem ao critério do edital quanto ao número alunos, no entanto, apenas 5.733 tem conexão com a internet.

Procurada pela reportagem, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) diz que tem acompanhado a implantação de internet banda larga nas escolas junto às operadoras e ao Ministério da Educação (MEC) e que tem feito fiscalizações. Diz ainda que, constatados possíveis descumprimentos, poderá ser instaurado Procedimento para Apuração de Descumprimento de Obrigações (Pado).

Segundo a Anatel, esses procedimentos já foram instaurados para apurar descumprimentos em escolas urbanas. Dados da Anatel mostram que em 5.218 instituições falta infraestrutura da escola para receber o serviço. Já em 487 instituições, a situação deve-se à falta de infraestrutura das prestadoras para oferecer o serviço.

Em relação às prestadoras, a Anatel diz que tem empreendido “relevante esforço para seu atendimento, atuando junto às prestadoras para o cumprimento do acordado nos pertinentes termos firmados”. Os procedimentos deverão estabelecer as sanções cabíveis, bem como as obrigações a serem cumpridas; estabelecer cronogramas para atendimento pelas prestadoras; realizar reuniões de acompanhamento e fiscalizações in loco objetivando o atendimento ao PBLE.

Sobre as escolas rurais, a Anatel diz que tem acompanhado a implantação da internet interagindo com as operadoras e com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação, bem como por ações de acompanhamento. Também nesses casos a constatação de descumprimento pode levar à instauração de Pado.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, diz que buscará a Anatel para que a lei seja cumprida. “A lei se cumpre e onde não está sendo cumprida, vamos pedir à assessoria da Anatel para garantir o cumprimento. Precisamos buscar uma parceria, talvez uma revisão na legislação para ampliar a banda larga nas escolas. A gente poderia substituir por exemplo, algum serviço que as empresas são obrigadas a fazer por lei por mais banda larga. A educação precisa de banda larga, precisa de acesso à internet e precisa de tecnologia da informação”.

Agência Brasil

A prefeitura de Macaíba através do boletim oficial do município, divulga a lista com nomes dos professores que tem direito de receber o pagamento do FUNDEF referente ao ano de 2001. O processo só andou para frente, mesmo depois de 11 anos, após o acordão Nº 319/2012, onde o Tribunal de Contas do Estado (TCE) está fazendo a prefeitura de Macaíba pagar o direito dos educadores da época.

Clique aqui e veja a lista

Imagem da 1ª Mobilização Natal pelo clima foi escolhida pela Avaaz como uma 28 imagens destaques da Marcha Mundial Pelo Clima. É parte de um Slide Show já em exibição no site da Avaaz e em área VIP da COP21-Paris. Esse clip representa simbolicamente mais de 2400 Marchas Pelo Clima ocorridos em todo mundo e que produziram mais de 20 mil imagens. A nossa imagem foi a única do Brasil entre as 28 destacadas.

Vejam e baixem as imagens em https://secure.avaaz.org/en/climate_photos/ . É também possível ver e baixar outras 5 imagem de Natal selecionadas pela Avaaz. Das 6 imagens escolhidas, 4 foram envolvendo alunos do benéfico Programa Hidro Na Praia, que estará completando 18 anos nesse próximo verão, mesmo sem qualquer apoio de terceiros.

Convite aberto:
Produção e Registro de Instalação Humana Gigante
Tema: Paz e Sustentabilidade em Paris e no mundo.
Objetivos: Gerar nova e bela imagem-mensagem à COP21 e ao Mundo e Divulgar Natal.
Quando: 6/12, 8h30
Onde: Coqueiral ao lado da Ponte da Praia do Forte, Natal, RN, Brasil.
Idealização e Coordenação: Milton França Jr.
Apoio e Realização: Coalizão “NatalPeloClima”+ outros Voluntários
Contatos: milttao@gmail.com, 55(84) 9 9122 5600 (Claro e WhatsApp)

Agradecemos desde já,

Prof. Milton França Jr
Membro Voluntário Avaaz
Coord.: “NatalPeloClima”
Educador e Ativista em Natal

O reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pedro Fernandes, anunciou que a instituição irá se somar ao esforço do Governo do Estado no combate ao mosquito Aedes Aegypti, que passou a ser vetor, além da dengue, de doenças como a febre chikungunya e o zika vírus, causador de casos de microcefalia. “Estamos juntos no enfrentamento ao Aedes Aegypti. Vamos participar desse esforço coletivo”, assegurou o reitor.

Pedro Fernandes falou em nome das instituições de ensino superior do RN na reunião convocada pelo Governo do Estado, nesta quarta-feira, 2, e garantiu que todas as universidades têm interesse em participar dessa mobilização social para evitar novos casos de microcefalia e buscar condições de tratamento para os pacientes já acometidos pela doença.

O RN é o terceiro Estado brasileiro com maior incidência de microcefalia, com mais de 80 casos, ficando atrás da Paraiba, com 248; e Pernambuco, com 644 casos confirmados.

O reitor lembrou que a UERN oferta Residências Médicas nas áreas de Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia; qualificou servidores em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, além do acolhimento de mais de 50 adolescentes grávidas de 12 aos 19 anos, por meio do Projeto Mães Primavera, da Faculdade de Ciências da Saúde (FACS).

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte participará ainda da campanha educativa contra o Aedes Aegypti, que será lançada pelo Governo do Estado, nos meios de divulgação institucional como site, redes sociais, programa de rádio e UERNTV.

O Governo Federal vai realizar, agora no ano de 2015, uma verdadeira democratização na proposta educacional do Brasil. Por intermédio da Base Nacional Comum, a União abriu um novo espaço para os professores e qualquer pessoa interessada opinar sobre as diretrizes educacionais que irão reger o ensino no País. A função do plano é definir os objetivos de aprendizagem a serem considerados pelos professores e coordenadores na hora de elaborarem o projeto pedagógico da escola.

A Base Nacional Comum é uma grande consulta pública, onde basta ao interessado se cadastrar no site basenacionalcomum.mec.gov.br para começar a elaborar os objetivos e conteúdos que achar pertinente a educação. Os tópicos fazem referencia a todo conteúdo dos níveis infantil, fundamental e médio.

No ar desde 15 de setembro de 2015, o portal da Base recebeu, até 30 de novembro, cerca de 4,2 milhões de contribuições de 119 mil professores, 3,1 mil estudantes, 1,6 mil pais, 1,8 mil organizações da sociedade civil, pesquisadores e 21,3 mil escolas públicas e privadas.

Base Nacional Comum em Macaíba

Em Macaíba, a Prefeitura, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação, realizou um grande esquema para abranger todos os professores das escolas do município, realizando reuniões com todos os educadores, coordenadores e diretores durante todo o mês de novembro e dezembro.

Anteriormente, o conteúdo das aulas era regido pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, que era entregue pelo Governo Federal, com pouca participação popular.

Nas reuniões, foram debatidos os temas inerentes ao tema e os professores tinham a total autonomia para opinar sobre os assuntos que julgarem mais pertinentes para o ensino dos jovens macaibenses.

A professora Joelma Coelho, que leciona na Escola Tancredo Neves, no Distrito do Pé do Galo, falou sobre a oportunidade. “Acho muito interessante, receber essa abertura do Governo para poder opinar, é uma visão democrática que recebeu total apoio dos educadores”, completou.

Após as reuniões com os professores, os diretores de todas as escolas do município devem cadastras as instituições e sintetizar as opiniões dos educadores. No próximo dia 15 de Dezembro, a Secretaria Municipal de Educação vai reunir os dados oferecidos pelos diretores e elaborar um índice institucional.

Assecom

Estudantes de graduação da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA) realizam, entre os dias 2 e 4 de dezembro, a III Neuroação – uma ação de extensão que levará conhecimentos e discussões acerca da neuroanatomia e da neurofisiologia a estudantes do ensino médio de escolas públicas de Santa Cruz.

Além de integrar a Universidade à rede pública de ensino, a ação deve possibilitar aos estudantes de graduação a relação entre os conhecimentos estudados em sala de aula e as situações reais da prática profissional. Para os professores de biologia participantes, a proposta é promover o desenvolvimento de novas estratégias educacionais para melhorar as condições do ensino básico.

Entre as atividades que serão desenvolvidas no Laboratório de Morfologia e Fisiologia Humana e nas salas de aula da FACISA, nos turnos da manhã e da tarde, vão acontecer palestras, vídeos, aulas práticas, jogos lúdicos, maquetes e discussões de artigos científicos sobre a aplicação da neurociência no estudo de patologias.

Está confirmada a participação de pelo menos quatro escolas públicas: as escolas estaduais Professor João Ferreira de Souza, José Bezerra Cavalcante, Professor Francisco de Assis Dias Ribeiro e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN – Campus Santa Cruz).

A ação é organizada por estudantes de graduação dos cursos de Nutrição e Fisioterapia que estão cursando as disciplinas de Morfologia e Fisiologia Humana neste semestre. Os projetos de ensino foram elaborados sob orientação dos professores e com auxílio dos monitores das turmas.

Iniciativa

As duas primeiras edições da Neuroação foram motivadas pelo sucesso das atividades de monitoria em morfologia e fisiologia humana desenvolvidas pelos estudantes de Nutrição e Fisioterapia da FACISA em 2013, com o uso de dinâmicas, jogos lúdicos, peças teatrais e materiais informativos.

Desde então, avança o projeto de Iniciação à Docência em Morfologia e Fisiologia Humana, que promove, entre outras atividades, cursos de férias de morfologia, monitorados por estudantes da FACISA que, em sua maioria, estudaram em escolas públicas na região do Seridó e Trairi.

A III Neuroação tem o apoio da Pró-reitoria de Extensão (PROEX) e da Rede Nacional de Educação e Ciência: Novos Talentos da Rede Pública, financiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e coordenada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Portal UFRN