Educação Arquivo

A plataforma Tô de Olho, ferramenta que auxilia autoridades públicas a evitar aglomerações com o objetivo de conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), já bateu a marca de 5 mil usuários cadastrados.

Desenvolvida pelo Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) e pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), a tecnologia – que também funciona como aplicativo disponível no Google Play – permite que usuários de todo o estado possam fazer denúncias diretamente ao Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (CIOSP), caso saibam de ocorrências de concentração de pessoas em locais públicos.

“Ao invés da pessoa ligar para o ‘190’ e denunciar alguma aglomeração, é possível entrar no aplicativo e fazer, lá mesmo, a queixa. O número de pessoas se cadastrando no sistema tem crescido bastante, já sendo, em média, mil por dia”, conta o professor Nélio Cacho, articulador da iniciativa com o IMD. Segundo dados do Ministério Público, a plataforma já registrou mais de 400 denúncias no estado.

Alertas

Outra funcionalidade do sistema são os alertas emitidos caso o usuário tenha se aproximado de alguém diagnosticado com o novo vírus. Isso é possível graças a uma parceria feita com a Secretaria de Saúde Pública do RN (Sesap/RN), que disponibiliza à ferramenta dados de laudos médicos – sem informações pessoais – registrados em todo o estado. Além disso, para que os alertas funcionem a contento, o Tô de Olho faz uso, mediante o consentimento da pessoa, do seu histórico de localização, dado registrado pelos smartphones.

“O algoritmo detecta, mediante o histórico de localização do celular, todo o deslocamento do indivíduo infectado no período de contágio, sem identificar a pessoa, obviamente. Aqueles que tiveram contato com ele são notificadas para reforçar o isolamento”, afirma Nélio Cacho.

O IMD e MPRN também estão atuando no trabalho de conscientização da população quanto ao uso da ferramenta. Para isso, pesquisadores e colaboradores da iniciativa estão entrando em contato com pessoas diagnosticadas com Covid-19 para pedir-lhes que façam uso do Tô de Olho e doem suas geolocalizações, de modo a auxiliar a tecnologia no mapeamento epidemiológico.

Isolamento

Além das denúncias e alertas, a ferramenta também indica, de maneira georreferenciada, os índices de isolamento social de cada município do estado.

No sistema, é possível acompanhar, em tempo real, quais municípios têm obedecido a medida de segurança contra o Covid-19. Em Natal (RN), o Tô de Olho também emitiu um ranking dos bairros que mais seguem o isolamento social.

Josué de Oliveira não participou da consulta interna e está no cargo desde a última segunda-feira (20) com base em portaria editada dias após essa eleição

O Ministério Púbico Federal (MPF) instaurou um inquérito civil com o objetivo de apurar a legalidade, ou não, da indicação do novo reitor temporário (pro tempore) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN), Josué de Oliveira Moreira. Mesmo sem ter participado da consulta à comunidade acadêmica – espécie de eleição interna -, ele foi nomeado para o cargo no último dia 20 de abril, pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

A nomeação teve como base uma Medida Provisória (nº 914) que foi editada em 24 de dezembro de 2019, 13 dias após a eleição interna no IFRN. A portaria que indica o nome de Josué de Oliveira, porém, não especifica sequer o inciso do artigo (7º) em que se sustenta. “Tal fato, por si só, pode vir a se enquadrar como improbidade administrativa, face a recusa à publicidade devida do aludido ato administrativo”, observa o MPF.

Uma das previsões da portaria, a designação de um reitor pro tempore caso os cargos de reitor e vice-reitor fiquem vagos, não se adapta ao caso do instituto potiguar, tendo em vista que o mandato do reitor anterior se encerrava neste mês de abril, “mesmo período em que se iniciaria o mandato da gestão eleita pela comunidade acadêmica, não havendo que se falar, portanto, em vacância”.

Pedidos – Além da abertura do inquérito, o procurador da República Camões Boaventura determinou o envio de um ofício ao Conselho Superior do IFRN, para que seja informado se houve alguma irregularidade no processo de consulta à comunidade.

E uma vez que a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) – do próprio Ministério Público Federal – já encaminhou um pedido de esclarecimentos ao Ministério da Educação quanto às nomeações feitas não só no instituto do RN, como também no IFSC, o representante do MPF no Rio Grande do Norte solicitou da PFDC uma cópia dessa resposta, quando ela for dada.

Autonomia – As denúncias enviadas ao MPF levantam a suspeita de que, ao não levar em conta o processo de consulta à comunidade acadêmica, a nomeação de Josué de Oliveira poderia estar desrespeitando a autonomia (inclusive administrativa) garantida aos institutos federais. O Decreto nº 6.986/2009 estabelece que os IFs serão dirigidos por reitores nomeados pelo presidente da República, mas “a partir da indicação feita pela comunidade escolar”.

Ao mesmo tempo, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (9.394/96) registra como um dos princípios do ensino público a gestão democrática, “mesma determinação que consta no texto constitucional (art. 206, inciso VI)”.

http://www.mpf.mp.br/rn/sala-de-imprensa/noticias-rn/mpf-cobra-informacoes-sobre-nomeacao-de-reitor-do-ifrn

 

Agência Brasil – Os estudantes que solicitaram a isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 já podem consultar sua situação na Página do Participante, no site ou no aplicativo, segundo informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgadas hoje (24).

De acordo com o instituto, que é vinculado ao Ministério da Educação (MEC) e responsável pela aplicação do Enem, já foram analisadas todas as solicitações que comprovam, com documentos, os perfis de isenção definidos pelos editais do Enem, mas o sistema segue aberto para o envio de novos pedidos.

Todas as justificativas de ausência no Enem 2019 também foram deferidas, e futuros inscritos nesta situação já têm garantida a gratuidade de inscrição para o Enem 2020.

Terão isenção de taxa os candidatos que estejam cursando a última série do ensino médio este ano, em qualquer modalidade de ensino, em escola da rede pública declarada ao Censo da Educação Básica; tenham feito todo o ensino médio em escolas da rede pública ou como bolsistas integrais na rede privada e tenham renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio; ou declarem estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica, por serem membros de família de baixa renda e que estejam inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), que requer renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

As provas do Enem Digital que estavam previstas para ocorrer em 11 e 18 de outubro foram alteradas para os dias 22 e 29 de novembro. As do Enem impresso continuam previstas para 1º e 8 de novembro.

Nova chance

O Inep divulgou ainda, na tarde desta sexta-feira, que aqueles que não conseguiram comprovar pertencer aos perfis de isenção — e, portanto, tiveram seu pedido indeferido —  podem encaminhar documentação complementar para nova análise.

“A partir de segunda-feira, 27 de abril, os interessados poderão enviar a documentação que comprove a situação de solicitação de isenção, observando a opção escolhida, por meio da Página do Participante”, diz a nota. Conforme o Inep, serão aceitos somente documentos nos formatos PDF, PNG ou JPG, com o tamanho máximo de 2MB, conforme lista disponível no site do Inep.

Inscrições

A isenção não garante entrada automática no Enem. Todos os interessados deverão acessar a Página do Participante no período de 11 a 22 de maio e realizar a inscrição para confirmar participação no maior exame de acesso à educação superior do país. Durante as inscrições, o Inep irá conceder isenção, de ofício, para todos os inscritos que se encaixarem nos perfis descritos no edital, mesmo sem o pedido formal. A regra vale tanto para os participantes que optarem pelo Enem impresso quanto para os que escolherem o Enem Digital.

Aqueles que não se encaixarem nos perfis de isenção deverão realizar a inscrição nos prazos e critérios estabelecidos e efetuar o pagamento da taxa para poder participar.

*com informações do Ministério da Educação (MEC)

A Prefeitura de Macaíba informa que a distribuição de kits alimentares para os estudantes matriculados na rede pública municipal, prevista pela Resolução Federal n º 2, do dia 9 de abril de 2020, não será realizada, devido a falta de recursos extras em 2020 para custeio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), por parte do Governo Federal.

Quando ocorrer a recuperação dos dias letivos suspensos em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), não há previsão de recursos por parte do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, do Governo Federal, para custear a alimentação dos estudantes.

 

Agência Brasil – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) alterou as datas de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem ) digital para os dias 22 e 29 de novembro e as regras de solicitação de isenção da inscrição. Os editais com os ajustes foram publicados hoje (22) no Diário Oficial da União e também estão disponíveis na página do Enem.

No primeiro edital, publicado no mês passado, os participantes que optassem pela versão digital do exame fariam as provas nos dias 11 e 18 de outubro. O Inep também definiu novas cidades para aplicação do Enem digital, alcançando localidades em todos os estados e no Distrito Federal. A estrutura do exame será igual à da versão impressa.

A aplicação do Enem impresso continua marcada para os dias 1º e 8 de novembro. As inscrições começam em 11 de maio e vão até dia 22.

O valor da taxa de inscrição permaneceu o mesmo da edição de 2019 – R$ 85 – e deverá ser pago até 28 de maio. Na semana passada, o Inep anunciou a gratuidade da taxa de inscrição para todos os participantes que se enquadrarem nos perfis especificados nos editais, mesmo sem o pedido formal dos inscritos.

A regra também foi formalizada hoje e vale tanto para os participantes que optarem pelo Enem impresso quanto para os que escolherem o Enem digital. Aqueles que foram isentos em 2019, que faltaram aos dois dias de prova, mas não justificaram a ausência, também terão a gratuidade garantida.

Portanto, no ato da inscrição para o Enem 2020, terão isenção de taxa os cardidatos que estejam cursando a última série do ensino médio este ano, em qualquer modalidade de ensino, em escola da rede pública declarada ao Censo da Educação Básica; tenham feito todo o ensino médio em escolas da rede pública ou como bolsistas integrais na rede privada e tenham renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio; ou declarem estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica, por serem membros de família de baixa renda e que estejam inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), que requer renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Agência Brasil – Fabricação de equipamentos de proteção individual com impressoras 3D e produção de álcool em gel, glicerinado ou álcool 70% estão entre as principais ações desenvolvidas pela maior parte das instituições federais de ensino para ajudar o país no combate ao novo coronavírus (covid-19). Cerca de duas a cada três instituições federais estão se dedicando a essas produções, de acordo com dados copilados pelo Ministério da Educação (MEC).

Ao todo, são quase 1,2 mil ações realizadas por 110 universidades, institutos federais, centros federais de Educação Tecnológica (Cefets) e Colégio Pedro II. Essas ações beneficiam 75,4 milhões de pessoas.

Os dados são do portal criado pelo MEC para monitorar o funcionamento e as principais ações das instituições federais. A plataforma, que pode ser acessada pela internet, é atualizada pelas próprias instituições.

Além da produção de materiais, 71 das 110 instituições estão oferecendo serviços de aconselhamento e apoio psicológico; 66 estão produzindo materiais educativos; 51 estão assessorando secretarias estaduais e municipais de Saúde; 43 estão capacitando profissionais; e, 40 estão realizando teleatendimento para orientar e esclarecer a população. Há ainda, entre outras ações, três instituições trabalhando no desenvolvimento de vacinas para a covid-19.

As instituições trabalham também na realização de exames para detectar o coronavírus e na fabricação de equipamentos hospitalares, como respiradores, fundamentais para o tratamento de pacientes que desenvolvem as versões mais graves da doença.

É possível, no site, fazer buscas por estado, por tipo de instituição e também buscar uma instituição específica. O portal disponibiliza ainda dados sobre o sistema federal, como o número total de estudantes, de professores, de técnicos e outros profissionais e detalha como está o funcionamento de cada instituição.

Segundo o MEC, a intenção é que as ações das instituições cheguem de maneira atualizada a milhões de brasileiros. A ferramenta foi desenvolvida em parceria com a Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), a Universidade Federal do Cariri (UFCA), Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e com a Universidade Federal de Viçosa (UFV).

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou até esta segunda-feira, 20, a colação de grau antecipada de 82 estudantes regularmente matriculados no curso de Medicina. A medida atende à Portaria nº 383, divulgada pelo Ministério da Educação (MEC) no último dia 13, que autoriza o procedimento em razão das medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus (Covid-19).

O documento do MEC concede a permissão para colação de grau antecipada dos estudantes de Medicina, Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia, que devem ter cumprido, no mínimo, 75% da carga horária de internato do curso de Medicina e do estágio curricular obrigatório dos demais cursos. No ato da publicação da portaria, estavam aptos a colar grau na UFRN 49 alunos do curso de Medicina de Natal e 39 da Escola Multicampi de Ciências Médicas, em Caicó, enquanto os estudantes das demais graduações, por apresentarem componentes curriculares pendentes, ainda não cumpriam as exigências.

A colação de grau individual é realizada a distância, por via eletrônica, a partir da leitura do juramento e da assinatura de ata. Após o procedimento, a coordenação do curso encaminha os documentos para a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd/UFRN), que posteriormente solicita a outorga do reitor, também efetuada eletronicamente. Finalizado esse processo, os alunos já podem emitir o certificado de conclusão de curso, por meio do Sistema Eletrônico de Atividades Acadêmicas (Sigaa), e procurar o conselho profissional para dar entrada no registro. O diploma será entregue em data posterior, conforme regulamentação da Portaria nº 1.095/2018, do MEC.

Outras informações estão disponíveis na Portaria nº 534/2020-R, da UFRN, que regulamenta os procedimentos relativos à antecipação da colação de grau.

 

Integrado ao programa Novos Caminhos, iniciativa do Ministério da Educação (MEC), o Instituto Metrópole Digital, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (IMD/UFRN), está com inscrições abertas para cursos online de informática.

A iniciativa conta com mais de 1,4 mil vagas para formações em desenvolvimento de jogos eletrônicos e programação de web e dispositivos móveis. As inscrições, abertas até o dia 27 deste mês, podem ser feitas gratuitamente por meio do site.

Para cada uma das três modalidades, são oferecidas 480 vagas. A carga horária varia de 200h (para os cursos de programação web e de dispositivos móveis) e 240h (jogos eletrônicos). Todas as aulas acontecerão online em virtude da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

Formação

O Novos Caminhos é uma iniciativa que oferece formação para qualquer um que tenha qualificação exigida (Ensino Fundamental I ou II completo). Idealizado para atender às demandas profissionais do mercado, o programa visa formar o profissional do futuro, atendendo a necessidades por conhecimentos técnicos em diferentes áreas.

Além dos cursos do IMD, a UFRN também oferece, pelo Novos Caminhos, formação online em Agricultura, Agropecuária e Agroindústria, além de informática para redes de computadores. Ao todo, são oferecidas mais de 3,4 mil vagas.

Mais informações estão disponíveis no portal oficial do programa.

Nota

O Ministério da Educação (MEC) informa que o processo eleitoral para escolha do reitor do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) deu início antes da edição da Medida Provisória 914, de dezembro de 2019, que dispõe sobre o processo de escolha de reitores e prevê a lista tríplice.

No andamento do processo eleitoral, o reitor cotado para a vaga passou a ser alvo de um Processo Administrativo Disciplinar. Em observância ao princípio da razoabilidade, até que o caso seja definitivamente resolvido, o MEC designou um reitor pro tempore, o professor Josué de Oliveira Moreira, para comandar o IFRN.

Josué Moreira foi candidato à Prefeitura de Mossoró pelo PSDC — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

O Ministério da Educação (MEC) nomeou o servidor público federal Josué de Oliveira Moreira como reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). O servidor, no entanto, não concorreu às eleições para o cargo no fim do ano passado.

A portaria nº 405, com nomeação do reitor temporário, foi publicada na edição de sexta-feira (17) do Diário Oficial da União com a assinatura do ministro da educação Abraham Weintraub.

As eleições do IFRN aconteceram em dezembro do ano passado. No dia 4, o professor José Arnóbio de Araújo Filho foi eleito reitor após ter 48,25% dos votos válidos. A posse aconteceria nesta segunda-feira (20). Em segundo lugar ficou Wyllys Abel Farkatt Tabosa – reitor da gestão passada – com 42,26%.

Disputaram as eleições ainda outros dois candidatos: José Ribeiro de Souza Filho e Ambrósio Silva de Araújo.

Nomeado novo reitor pelo MEC, Josué Moreira é médico veterinário e professor do IFRN no campus Ipanguaçu. Ele também foi candidato à Prefeitura de Mossoró em 2016 pelo Partido Social Democrata Cristão (PSDC) e teve 1,04% dos votos válidos: 1.370 ao todo. Em 2018, Josué se filiou ao Partido Social Liberal (PSL), a então sigla do presidente da República Jair Bolsonaro.

G1 tentou contato com o Josué Moreira, mas as ligações telefônicas não foram atendidas. A reportagem também ligou para o candidato eleito José Arnóbio de Araújo Filho, mas não teve resposta.

G1 RN

Agência Brasil – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) garante que nenhum participante do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que tentou a isenção da prova e não conseguiu, mas que cumpre os requisitos da isenção, será prejudicado na prova deste ano. No período de inscrições para o exame o próprio órgão irá, de ofício, garantir a gratuidade. A informação é do presidente do Inep, Alexandre Lopes, em entrevista exclusiva à TV Brasil.

“Nós do Inep vamos garantir essa isenção na inscrição, o aluno não vai precisar pedir. Não terá que fazer nada, nós do Inep vamos garantir que ele tenha esse direito”, destacou. O período de inscrição terminou ontem (17), às 23h59. Segundo o presidente do Inep, foram garantidos mais de 3 milhões de gratuidades para a prova de 2020 e o resultado dos beneficiados sai no dia 24 de abril.

Estavam aptos a pedir a isenção da taxa de inscrição do Enem estudantes que cursam a última série do ensino médio em 2020 em escola da rede pública, declarada ao Censo da Educação Básica; estudantes que cursaram todo o ensino médio em escolas públicas ou como bolsista integral na rede privada e tenha renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio; e estudantes que estejam em situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda, inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), que requer renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Inovações no Enem 2020

O presidente do Inep reforçou que a prova do Enem está mantida mesmo com a pandemia do novo coronavírus (covid-19) e destacou que neste ano será realizada a primeira edição do Enem digital. As provas do Enem Digital que estavam previstas para ocorrer em 11 e 18 de outubro foram alteradas para os dias 22 e 29 de novembro. As do Enem impresso continuam previstas para 1º e 8 de novembro.

“É muito importante que o aluno saiba que vai ter o Enem. Então o aluno que conta com o Enem como uma forma de acesso à faculdade, aquele aluno mais carente que usa as notas do Enem para ter acesso a bolsas, Fies, Prouni ou para entrar em universidade pública por sistema de cotas, que usam o Enem como instrumento de acesso, esse instrumento vai estar disponibilizado. Vai ter o Enem. É muito importante garantir essa política pública”, disse o presidente.

Cerca de 100 mil alunos vão ter a possibilidade de fazer o Enem digital, que terá o mesmo grau de dificuldade da prova impressa, o que vai garantir que nenhum participante seja prejudicado. Quem fizer a prova digital neste ano ainda fará a redação manuscrita.

Outra novidade do Enem 2020 é a possibilidade do participante com deficiência visual poder utilizar o software que faz a leitura da prova e a presença da fotografia do candidato impressa no caderno de respostas e na tela do computador (no caso do exame digital).

A inscrição para a prova será de 11 a 22 de maio e, por enquanto, não há alteração. “Se houver necessidade vai ter alteração nas datas das provas, como já disse o ministro [da Educação, Abraham Weintraub] mas por enquanto as datas estão mantidas”, afirmou Lopes.

“Vai ter o Enem, então se prepara. Vai estudando, procure aproveitar esse período de quarentena para reforçar os estudos se preparando que vai ter o Enem. É importante não se desmobilizar, não se sentir desmotivado em casa porque está em quarentena”, comentou o presidente do Inep.

Seguindo as diretrizes da Resolução Federal Nº 2, de 9 de abril de 2020, a Prefeitura de Macaíba está organizando a logística para distribuição de kits alimentares nas escolas de sua rede municipal de ensino nos próximos 15 dias.

Em seu artigo 1º, a referida resolução versa que: “Durante o período de suspensão de aulas em decorrência das situações de emergência em saúde pública de importância nacional e de calamidade pública causadas pelo novo coronavírus – Covid-19, fica autorizada, em caráter excepcional, a distribuição de gêneros alimentícios adquiridos no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) às famílias dos estudantes, a critério do poder público local”.

O público-alvo será composto pelo alunado devidamente matriculado neste ano letivo. A distribuição ocorrerá de forma organizada para evitar aglomerações de pessoas neste período de pandemia. Os kits alimentares terão produtos como arroz, feijão, flocão de milho, macarrão e sardinha. Estarão aptos para receber os produtos dos kits: pais, parentes de primeiro e segundo grau ou responsáveis legais pelos estudantes mediante apresentação de documentos de identificação pessoal.

A Prefeitura também esclarece que não será necessário fazer nenhum tipo de atualização de cadastro, quer seja na Secretaria Municipal de Educação ou na de Trabalho e Assistência Social. Mais informações podem ser obtidas através do número: 3271-6585.

Com informações da Assecom

Agência Brasil – Frio na barriga e expectativa são sentimentos comuns a estudantes que se preparam para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para muitas pessoas, é um momento decisivo: o início de uma estrada que levará à carreira do sonhos, o começo de uma readaptação profissional ou uma forma de avaliar conhecimentos adquiridos durante uma longa jornada de estudos.

A taxa de inscrição, entretanto, pode ser um empecilho. Em 2019, cerca de 3 milhões de pessoas solicitaram a isenção da taxa, que custava R$ 85. O valor para as provas de 2020 ainda não foi divulgado. O prazo para pleitear a isenção neste ano vai até o dia 17 de abril.

Para não passar aperto, a Agência Brasil preparou para você um guia simples para solicitar a isenção dessa taxa. Veja abaixo:

Quem tem direito?

Para saber se é possível solicitar a isenção, veja se você se encaixa nos três critérios abaixo:

Primeiro passo

Todas as solicitações de isenção devem ser feitas na Página do Participante. Não há exceções, a única maneira de entrar na fila de requerimento é o formulário digital, que pode ser acessado de computadores, celulares ou tablets. Quem filtra os participantes é o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), um órgão do Ministério da Educação (MEC).

Após uma verificação simples, você precisará informar seus dados pessoais. Tenha em mãos o número do seu CPF. A data de nascimento também é solicitada.

Caso o estudante tenha solicitado a isenção em 2019 e não tenha comparecido ao exame, uma justificativa deverá ser apresentada. O sistema indicará, se este for o caso, os documentos necessários para justificar e não ficar de fora da isenção.

Segundo passo

Na tela seguinte, uma mensagem confirmará se você é ou não elegível para a gratuidade do exame. Caso positivo, não se esqueça: isso não significa o cadastro automático no Enem. Para o cadastro, o estudante deve realizar a inscrição no período de 11 a 22 de maio.

Marque a caixinha “Li e concordo” para seguir adiante.

Terceiro passo

Hora de cruzar os dados pessoais com os da Receita Federal. A renda pessoal será levada em conta para estar apto a ser isento. Caso haja divergências entre os dados mostrados na tela e sua Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), você poderá ser atendido por um profissional que poderá orientá-lo. A central de atendimento do Inep pode ser acessada gratuitamente pelo telefone 0800 616161. É possível “pular” esta etapa, que poderá ser revisada depois.

Hora de confirmar outros dados básicos. Endereço de residência, CEP e informações sobre o ensino médio deverão ser preenchidas. O estudante deve responder onde cursa ou onde concluiu o ensino médio. Na etapa seguinte, a pergunta será sobre o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), que serve para adultos que não terminaram os estudos na idade regular.

Quarto passo

Estamos quase lá. Agora é hora de informar o tipo de ensino médio cursado. As opções são: regular, educação especial ou educação de jovens e adultos. Caso o estudante participe de programas sociais do governo federal, essa também é a hora de indicar o Número de Identificação Social (NIS) do CadÚnico – que já foi tema do Agência Brasil explica.

A etapa sobre as condições socioeconômicas do candidato é a mais longa. Ela consiste em um questionário de 25 perguntas, essencial para concluir a solicitação. Bastante atenção aqui: é importante preencher corretamente os números de renda familiar e demais informações financeiras.

Foto e revisão

Ufa! Chegamos ao final do processo. Agora basta inserir uma foto digital atualizada. Existem algumas recomendações que podem ajudar na identificação do candidato. Um enquadramento preciso, com uma boa iluminação e foco, é essencial. Evite usar acessórios que descaracterizam a sua aparência, como bonés, chapéus e óculos que não sejam de lentes corretivas. Os formatos são os mesmos de outros sites: um arquivo JPEG ou PNG de até 2 megabytes.

Não esqueça de dar uma última conferida em tudo. Agora basta clicar em “Enviar solicitação” e seu cadastro entra na fila de análise de isenção. O resultado sai no dia 24 de abril. Boa sorte!

Calendário

Confira as datas já divulgadas pelo Inep para o Enem 2020:

Prazo para solicitar a isenção: de 6 a 17 de abril
Resultado dos pedidos de isenção: 24 de abril
Prazo de inscrição: de 11 a 22 de maio
Divulgação dos locais de prova: Data não definida
Aplicação das provas digitais: 11 e 18 de outubro
Aplicação de provas impressas: 1º e 8 de novembro
Divulgação dos resultados: janeiro de 2021

Edição: Juliana Andrade

Continuam suspensas as aulas das escolas públicas e privadas de Macaíba até o dia 23 de abril. A decisão foi tomada com base na recomendação das autoridades sanitárias federais e estaduais.

 

Por Enoleide Farias de Agecom

Localizada no município de Macaíba, na Grande Natal, a Escola Agrícola de Jundiaí, instituição de ensino integrada à UFRN, completa neste 3 de abril 71 anos de fundação. Na sua criação, por meio da Lei Estadual nº 202, de 07 de Dezembro de 1949, recebeu o nome de Escola Prática de Agricultura. Era, então, governador do Rio Grande do Norte o médico José Augusto Varela. Ao longo do tempo a EAJ passou por transformações e por outras denominações: Escola Agrotécnica de Jundiaí, em 1954, quando ficou subordinada ao Ministério da Agricultura e Colégio Agricola de Jundiaí, em agosto de 1967, quando foi incorporada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Somente no ano de 2002, quando o Conselho Universitário (CONSUNI) por meio da Resolução 006/2002, aprovou modificações e alterações no Regimento Geral da Universidade, a unidade recebeu a denominação de Escola Agrícola de Jundiaí. E, em 2007, também por Resolução do CONSUNI, passou integrar a estrutura acadêmica e administrativa da instituição, deixando a condição de Órgão Suplementar e passando a Unidade Acadêmica Especializada em Ciências Agrárias.

Em outubro do ano passado os professores Ivan Max Freire de Lacerda e Márcio Dias Pereira, assumiram os cargos de diretor e diretor-adjunto, respectivamente, junto com o professor João Inácio da Silva Filho, empossado como coordenador de planejamento. Para o diretor adjunto, Márcio Dias, “A EAJ é uma das instituições de ensino mais tradicionais do Rio Grande do Norte e, ao longo desses 71 anos, tem contribuído para formar com excelência técnicos e profissionais de nível médio e superior nas ciências agrárias, além de se destacar na pesquisa e inovação, e na extensão rural”.

O diretor adjunto Márcio Dias acrescenta que atualmente, com as novas tecnologias, a atuação da Escola se dá além dos muros do prédio de Jundiaí, pois, além dos cursos presenciais, também oferece Ensino a Distância “levando a universidade até àquelas comunidades e pessoas que, por algum motivo, não podem vir ou se deslocarem até aqui”.