Educação Arquivo

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) divulgou, no último dia 19, o resultado do processo seletivo de concessão para Auxílio Instrumental na unidade. Ao todo, 184 estudantes do ensino técnico, tanto integrado quanto subsequente, receberão o valor de R$ 1.200 para aquisição de equipamentos de Tecnologia da Informação (TI).

Segundo o diretor da EAJ, o professor Ivan Max, os recursos utilizados nesse edital, em específico, estão sob gestão da escola. “No planejamento de atendimento fizemos os cálculos juntamente com a Coordenação de Políticas Estudantis (Cope) para atender na totalidade os nossos estudantes carentes, tanto com o auxílio digital quanto no auxílio instrumental. Como sabíamos de antemão o total de estudantes carentes, então já fizemos a previsão orçamentária necessária para atender as demandas”, afirmou.

Em relação ao Auxílio de Inclusão Digital, o número de estudantes contemplados com o benefício é de 191. No período de agosto a dezembro, eles receberão o valor mensal de R$ 150,00. O dinheiro poderá ser utilizado na contratação de pacotes de internet.

Ambos os auxílios foram destinados a estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, inscritos no Cadastro Único da UFRN como alunos prioritários e que estavam matriculados no semestre letivo 2020.1. Já para os estudantes da graduação, tanto os valor do Auxílio Digital como o Instrumental, seguirão as regras do edital geral da UFRN.

O presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre, promulgou hoje (26) a Emenda Constitucional (EC) 108/20 que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A medida amplia de 10% para 23% a participação da União no financiamento da educação básica e altera a forma de distribuição dos recursos entre os entes federados.

Para Alcolumbre, a emenda é uma das contribuições mais relevantes e de maior impacto social que o Congresso Nacional incorporou nos últimos tempos no patrimônio jurídico brasileiro. “Apenas um olhar especial para os nosso jovens e crianças poderá nos redimir como sociedade e nos justificar como nação”, disse.

Ele destacou a conciliação e comprometimento de deputados e senadores para assegurar a tramitação e aprovação da matéria. O texto foi aprovado na Câmara dos Deputados em julho e, ontem (25), foi apreciada no Senado em primeiro e segundo turno, e aprovado por unanimidade. “Hoje nós asseguramos na Constituição a perenidade da educação. A educação, que aguardava a décadas esse gesto do Parlamento brasileiro”, disse o senador durante sessão solene virtual.

Agência Brasil

Coordenado pelo Professor Valdi de Lima Júnior e com colaboração do Professor Henrique Rocha, o projeto de extensão “Diagnóstico situacional dos criadores de leite de cabra do litoral e agreste potiguar” tem como objetivo diagnosticar a situação da cadeia produtiva de leite caprino de agricultores da região Litoral e Agreste do Rio Grande do Norte (RN), a fim de inseri-los na cadeia produtiva da caprinocultura leiteira, buscando a qualidade da matéria prima e dos produtos derivados e sustentabilidade socioeconômica e ambiental.

Segundo o Professor Valdi de Lima, o diagnóstico, que será realizado nos municípios de Macaíba, Monte Alegre, Vera Cruz e São Gonçalo do Amarante, visa a análise da situação desses criadores no período de pandemia. “A gente sabe que nessa pandemia houve mudanças de mercado e que houve um aumento ou uma diminuição do consumo de alguns produtos. A gente quer saber se os produtos de origem animal, no caso, o leite caprino, também passaram por esse aumento ou diminuição de consumo, se houve também um incremento nos custos de produção, principalmente relacionados à ingredientes da ração do animal”, comenta. A partir do diagnóstico, será possível saber a situação desses criadores e quais as dificuldades enfrentadas por eles atualmente, fazendo com que ocorra a atuação de outros projetos de extensão que visam solucionar os problemas apresentados pelo diagnóstico realizado.

O projeto terá participação de discentes que auxiliarão na aplicação dos questionários e a partir deles, identificar o perfil dos criadores, analisando se são pequenos, médios ou grandes criadores; identificando tamanho do rebanho; qual a forma de comercialização; se há o uso de tecnologias, como inseminação artificial; e saber qual o grau de instrução dos criadores. O questionário seria aplicado presencialmente, mas devido ao isolamento social, será apresentado através da plataforma Google Docs, mas para os criadores que não utilizam a ferramenta, os membros do projeto irão entrar em contato para aplicar as perguntas. “Queremos ter o maior número de questionários para que seja representativo, e assim a gente saiba de que forma atuar com outro projeto de extensão para solucionar os problemas que serão levantados através desse diagnóstico”, explica Valdi.

Lívia Ribeiro, discente membro da equipe, acredita que o trabalho irá possibilitar novos horizontes para os produtores e vai mostrar a situação em que esses produtores se encontram atualmente, fazendo com que o projeto auxilie na melhoria da produtividade e no crescimento dessas atividades. Além disso, a estudante fala sobre a importância de fazer parte do projeto e da expectativa quanto ao trabalho que será realizado. “O projeto me dá a oportunidade de conhecer produtores, adquirir e gerar conhecimentos, além de poder colocar em prática o que na maioria das vezes só vemos em teorias dentro da sala de aula. Além de ser gratificante poder fazer algo pela pecuária da nossa região”, conta. “Espero aprender bastante sobre a cadeia produtiva do leite caprino da nossa região, poder ter uma troca de conhecimento com os produtores e auxiliar eles no que precisarem”, finaliza.

O professor fala ainda sobre a atuação da residência agrícola após a realização do diagnóstico. “Na sequência, no projeto de residência agrícola, no qual também iremos atuar nessas propriedades, os residentes trabalharão exatamente onde foi feito o diagnóstico”, diz. Caso o problema seja a comercialização dos produtos, serão feitas orientações para a melhoria dessa comercialização. Caso seja o custo da ração, haverá um balanceamento de um custo mínimo para obter uma ração mais barata, diminuindo os custos de produção do leite. “Essas são algumas das situações que a partir do diagnóstico que iremos fazer agora, teremos embasamento para ajudá-los nos principais problemas que têm enfrentado neste período de pandemia”, explica.

Através dos problemas vistos, a ideia também é trabalhar com tecnologias para que haja uma melhora na produção, e a partir disso, melhorar a eficiência produtiva. E quando ocorre a melhora na eficiência produtiva, há diminuição do custo e aumento do lucro.

Espera-se também que o projeto contribua para o desenvolvimento de uma caprinocultura eficiente e competitiva, que permitam garantir a rentabilidade, a geração de emprego e de renda de forma sustentável e crescente, representando impacto social e econômico. Além disso, promover uma melhoria de vida para os criadores e fazer com que estes permaneçam nessa atividade.

Por Matheus Henrique dos Santos – Comunicação EAJ

Foto: Cícero Oliveira

O Ranking de Shanghai posicionou a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) como a melhor instituição de ensino do Nordeste e entre as 15 melhores do país. No cenário global, o Academic Ranking of World Universities 2020 listou a UFRN entre as mil melhores do mundo, de um total de mais de 2 mil instituições avaliadas.

Quatro universidades do Nordeste conseguiram entrar na lista das melhores instituições do mundo. A UFRN aparece na liderança do ranking nordestino ao lado da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e, em seguida, são listadas também as Universidades Federais da Bahia (UFBA) e do Ceará (UFC).

No cenário nacional, de um total de 22 universidades brasileiras que entraram no ranking, todas são instituições públicas de ensino superior. A melhor avaliada do país foi a Universidade de São Paulo (USP), seguida pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). As lideranças globais ficaram com a Universidade de Harvard, Universidade de Stanford e Universidade de Cambridge.

Ranking

O Ranking de Shanghai utiliza vários indicadores para classificar as universidades, como o desempenho acadêmico ou de pesquisa, ex-alunos e funcionários com prêmio Nobel, pesquisadores altamente citados, artigos publicados em revistas de alto impacto científico, artigos indexados nos principais índices de citação, entre outros critérios. Confira o ranking.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) adia a retomada do período letivo 2020.1 para o dia 8 de setembro. O adiamento foi necessário porque o programa de pacote de dados da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP)/Ministério da Educação (MEC) não estará implementado na data prevista para o início das aulas da Universidade. Nesse sentido, além do auxílio instrumental para aquisição de equipamentos, a UFRN vai também disponibilizar apoio financeiro para custear a contratação de internet dos estudantes prioritários da assistência estudantil.

Com base na segurança à saúde, formação de qualidade, flexibilidade e inclusão, a retomada do 2020.1, no formato remoto, havia sido planejada para 24 de agosto. Diante da situação, a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) prorrogou até esta quinta-feira, 20 de agosto, o período de rematrícula para o 2020.1 (2020.6) e a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Proae) lançou edital de Auxílio de Inclusão Digital, para contratação de pacote de dados de internet – direcionado aos estudantes da graduação presencial em situação de vulnerabilidade socioeconômica e que participam, como alunos prioritários, do Cadastro Único da Assistência Estudantil. A divulgação do processo seletivo estará disponível no Portal da UFRN.

Planejamento do ensino remoto

Como medidas de planejamento para o ensino remoto no contexto da pandemia da covid-19, a UFRN vem desenvolvendo diversas ações, como a discussão descentralizada sobre o tema, envolvendo as representações de todos os segmentos (técnicos, professores e estudantes); capacitações sobre a temática para docentes e discentes; criação de comissões de monitoramento da covid-19 na comunidade universitária; publicação do Protocolo de Biossegurança e do Guia para Estudantes sobre a retomada do 2020.1; aprovação de novas resoluções de assistência estudantil; aprimoramento do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa); questionário sobre o Período Letivo Suplementar Excepcional (PLSE), para aperfeiçoar a experiência da retomada do 2020.1; além de realizar avaliações de desempenho e de adesão às atividades acadêmicas remotas.

O prefeito Fernando Cunha sancionou o projeto de lei 021/2020 do legislativo que prorroga o mandato dos diretores e vice-diretores das escolas municipais de Macaíba, até março de 2021, em decorrência da pandemia do covid-19.

Os gestores que não quiserem ficar a frente das escolas poderão renunciar a função e novas eleições serão realizadas.

“Autoriza, em caráter excepcional, o uso do Ensino Remoto Emergencial em todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte”. Com essa epígrafe, o IFRN anunciou, na Resolução nº 39/2020 do seu Conselho Superior (Consup), o uso do Ensino Remoto Emergencial e a retomada do calendário acadêmico da Instituição. A medida* foi tomada pelo presidente do Conselho, o professor Josué Moreira, reitor pro tempore do IFRN.

Sem data definida, o retorno autorizado pela gestão da Reitoria pode acontecer em uma das quatros opções discutidas na última reunião do Comitê de Ensino (Coen): 31 de agosto, 14, 21 ou 30 de setembro, a depender da organização dos campi, de acordo com suas realidades, disse Josué. Como suporte e orientação, foram designadas duas comissões:

Portaria nº 1187, de 7 de agosto de 2020: comissão responsável pela elaboração do calendário acadêmico de referência para o retorno das aulas de forma remota. É formada por Samuel Rodrigues Gomes Júnior (pró-reitor de Pesquisa), José Ribeiro de Souza Filho (pró-reitor de Ensino), Allyson Amilcar Angelus Freire Soares (diretor acadêmico de Gestão e Tecnologia da Informação – Campus Natal-Central), Francisco Aldrin Armstrong Rufino Membro (diretor acadêmico do Campus São Gonçalo do Amarante) e Úrsula Lima Brugge (da Diretoria Pedagógica, setor ligado a Pró-Reitoria de Ensino);

Portaria nº 1207, de 11 agosto de 2020: comissão responsável pela elaboração das Diretrizes Pedagógicas para retorno às aulas, na forma remota. É formada por José Flávio de Freitas (diretor acadêmico de Ciências – Campus Natal-Central), Carmem Ariane Filgueira de Medeiros Guerra, Luciana Medeiros da Cunha (diretora acadêmica – Campus Ipanguaçu), Plácido Antônio de Souza Neto (diretor de Ensino – Campus Natal-Central) e Rejane Bezerra Barros (representando as Equipes Técnico-Pedagógicas do Instituto).

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) está ofertando o curso de Aquicultura do Programa Novos Caminhos para mais de 3 mil estudantes de todo país. Marcando o início da capacitação, a Aula Especial foi realizada na noite dessa terça-feira, 11 de agosto, e contou com a palestra O Mundo Mágico da Aquicultura: perspectivas e tendências proferida pelo engenheiro de pesca e administrador de empresas, Felipe Matias.

O reitor José Daniel Diniz Melo realizou a abertura do evento e falou sobre a tradição da UFRN na oferta de cursos profissionalizantes. O professor parabenizou os estudantes pela participação no curso de formação inicial e continuada, que tem alunos de todo o país e visa contribuir para o desenvolvimento da cadeia produtiva da aquicultura.

O representante da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação (MEC), Luiz Simão Staszczak, considerou que o curso faz parte de um conjunto de ações que visa fortalecer a política de educação profissional no país. Já o secretário de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Jorge Seif Júnior, agradeceu o apoio da universidade, por meio da EAJ, e ressaltou a importância do desenvolvimento profissional na área que está em crescimento no Brasil.

Para o coordenador do Programa Novos Caminhos da UFRN, Paulo Mário Carvalho de Faria, quando se fala em aquicultura no RN, pode-se dizer que há participação da UFRN. Dessa forma, a capacitação foi pensada com o intuito de desenvolver a cadeia produtiva do setor, proporcionando maior produção e com melhor qualidade. O diretor da EAJ, Ivan Max Freire de Lacerda, lembrou que, nos últimos 10 anos, a unidade acadêmica vem acumulando experiência na formação profissionalizante, além de ofertar cursos de graduação e pós-graduação. “Sempre estamos entre os maiores ofertantes do Brasil, tanto no Pronatec como na Rede e-Tec Brasil e, agora, no Novos Caminhos”, disse.

Palestra

A palestra “O Mundo Mágico da Aquicultura: perspectivas e tendências” foi proferida por Felipe Matias. O engenheiro de pesca e administrador de empresas apresentou conceitos básicos da pesca (captura) e aquicultura (cultura), abordando sobre a quantidade de consumo mundial de pescado, citando os peixes, camarões, ostras, vieiras e mexilhões como os mais consumidos no Brasil. Confira toda a palestra no canal do Novos Caminhos UFRN – EAJ, no Youtube.

Nesta quarta-feira (5), o Campus Natal-Central do IFRN divulgou a lista de candidatos convocados para as vagas remanescentes do SiSU 2020.2. Os candidatos devem conferir a convocação e observar todas as informações sobre como proceder. As vagas são para os Cursos Superiores de Tecnologia e os Cursos Superiores de Engenharia. As matrículas serão nos dias 10 e 11 de agosto, podendo ser na forma presencial ou online.

Matrícula presencial

O candidato convocado para realizar matrícula e optar pela modalidade presencial deverá entrar em contato com o Campus Natal-Central (CNAT) e efetuar o prévio agendamento. Essa marcação deve ser feita por meio do link https://docs.google.com/forms/d/1lQ9o88Uf-bvRp0DqUMgj3tp2LfN5NDFxFW4Ptr3N0H8/viewform?edit_requested=true que consta na lista de candidatos convocados, de 05 a 10 de agosto, pelos telefones (84) 4005-9861 / 4005-9864 / 4005-9967), ou por e-mail (seac.cnat@ifrn.edu.br), nos dia 07 e 10 de agosto de 2020. O comparecimento deve acontecer no dia e horário agendados.

Em decorrência da pandemia de Covid-19, só poderão ter acesso ao Campus os candidatos agendados que estiverem usando máscara. O candidato menor de idade ou com deficiência poderá ser acompanhado por apenas um responsável. O acompanhante obrigatoriamente também deverá usar máscara. No ato da matrícula, é preciso respeitar as regras de distanciamento social, para evitar a disseminação do novo coronavírus.

Matrícula Online

A realização da matrícula online será realizada através do endereço eletrônico https://www.gov.br/pt-br/servicos/matricular-se-em-curso-de-educacao-superior-de-graduacao-licenciatura-tecnologia-e-bacharelado-ifrn . O candidato terá como prazo final, para essa modalidade, até as 11 horas e 59 minutos do dia 11 de agosto. Após o preenchimento dos dados solicitados no cadastro, os convocados deverão fazer o upload da documentação listada.

Nenhuma matrícula online será homologada imediatamente após o envio da documentação, pois o material será ainda avaliado. No caso de homologação ou mesmo de necessidade de ajustes por algum erro na documentação enviada, o candidato receberá uma notificação pelo e-mail cadastrado.

Suplência

Os candidatos convocados, conforme listagem em anexo, e que estão fora das vagas disponíveis deverão preencher o formulário no link https://docs.google.com/forms/d/1iQY6oNvCALZKt89-IAep29Z36lMfKoNO1zZIwFHFRLk/closedform somente no período de matrícula, para assinarem a lista de suplência. A listagem será preenchida das 8h do dia 10/08/2020 até as 16h do dia 11/08/2020. À medida que surgirem novas vagas remanescentes, os candidatos que assinaram a lista de suplência serão convocados para matrícula, obedecendo-se a ordem de classificação.

É necessário acompanhar a divulgação dos documentos através da página do candidato https://portal.ifrn.edu.br/campus/natalcentral/editais/editais-2020/projeto-atividade-fisica-para-adultos/edital-no-2-2020-de-dg-cnat-re-ifrn/

Mais informações pelos telefones (84) 4005-9861 / 4005-9864 / 4005-9967).

Foto: Anastácia Vaz

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) ampliou o número de bolsas concedidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Segundo a Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq), o aumento de bolsas em chamadas de iniciação científica e tecnológica corresponde a mais que o triplo da média nacional.

No Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), houve uma evolução de 393 para 450 bolsas, o que representa um incremento de 14,5% e corresponde a mais que o triplo da ampliação de bolsas em âmbito nacional (4%). Na perspectiva da pró-reitora adjunta de Pesquisa, Elaine Gavioli, esse resultado premia o trabalho realizado pelo setor e por todos os pesquisadores da instituição nos últimos anos.

No edital do Programa Institucional de Iniciação Científica no Ensino Médio (PIBIC-EM), a UFRN manteve as 80 bolsas; no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas (PIBIC-Af), conseguiu seis bolsas; e no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) está com 20 bolsas.

Programas do CNPq

O PIBIC disponibilizará um total de 26 mil bolsas de iniciação científica (IC). No PIBIC-EM, o apoio será de 5.600 bolsas de iniciação científica júnior (ICJ). O PIBIC-Af ofertará 800 bolsas de iniciação científica (IC) e, no PIBITI, serão 3.100 bolsas. Confira os resultados no portal do CNPq.

Portal da UFRN

O Brasil já contabiliza mais de 2,7 milhões de casos de pessoas infectadas com a covid-19. Destes, quase de 95 mil foram a óbito. Ainda sem uma vacina, o tratamento adequado é fundamental para manter a vida dos pacientes. E um dos instrumentos principais, nos casos mais graves, é o ventilador mecânico, que tem com função essencial, auxiliar no fluxo respiratório dos pacientes. No entanto, com a pandemia e a necessidade mundial, o equipamento se tornou um produto raro no mercado internacional.

Diante da necessidade, pesquisadores do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS/UFRN) criaram um novo modelo de ventilador mecânico, de fácil manutenção e um custo até 80 vezes mais baixo do que o praticado no mercado internacional. O respirador do LAIS tem características próprias, como atender a dois pacientes simultaneamente. Ao mesmo tempo, seu custo está estimado em 3 mil reais, enquanto o valor de um ventilador no mercado atual pode chegar a 240 mil reais, em virtude da alta demanda dos serviços de saúde pelo equipamento.

De acordo com o professor Danilo Nagem, do Departamento de Engenharia Biomédica da UFRN, o projeto do LAIS foi desenvolvido para atender  normas vigentes, de características eletro-mecânicas, de fácil manutenção e controle de preço muito competitivo, além de poder apresentar segurança ao paciente. “Esse ventilador foi projetado para trabalhar principalmente com o modo de volume controlado, onde o paciente recebe um volume de ar indicado pelo profissional de saúde e o pico de pressão que vai variar de acordo com o grau de elasticidade do pulmão e resistência das vias aéreas, mas sempre nos limites de segurança”.

Seu sistema robusto reforça seu uso em centros e unidades de saúde, pois apresenta pouca manutenção, baixo custo de operação e permite atender, de forma inédita, dois pacientes simultâneos com características diferentes. Dessa forma o equipamento pode e deve ser utilizado como um sistema de apoio ao tratamento da covid-19, mas principalmente para o suporte a esses centros que não possuem esse tipo de equipamento.

 “Além da questão dos custos reduzidos, é importante destacar que este protótipo foi pensado e desenvolvimento usando ferramentas já regulamentadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ou seja, parte de tecnologia já existente e aprovada. Do jeito que está hoje, já poderemos iniciar os testes com pequeno animais, como cães e porcos, que é a chamada fase pré-clínica. Mas nossa expectativa é que em três ou quatro meses já possamos disponibilizar o ventilador para as primeiras unidades de saúde”, disse o professor Ângelo Roncalli, do Departamento de Engenharia Mecânica da UFRN.

Ele explicou ainda que para funcionar, o equipamento usa um carregador de celular. “Isso é importante, pois não será necessário mexer na rede elétrica das unidades onde o equipamento for utilizado. Até mesmo em um acendedor de carro o produto pode ser ligado, o que o qualifica para uso em ambulâncias, por exemplo”, afirmou.

Uma primeira versão do equipamento já está em funcionamento e finalizando os ajustes requeridos no projeto, para atender as exigências da Anvisa. Pequenos ajustes para inclusão de alguns poucos alarmes exigidos pela agência em questão, bem como os testes clínicos para sua validação, estarão no foco das próximas etapas já previstas no projeto.

Para o professor Ricardo Valentim, coordenador do LAIS e um dos desenvolvedores do projeto, o caráter de inovação do ventilador mecânico é a possibilidade de aplicá-lo em unidades que não possuem leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Quando a equipe de trabalho começou a pensar neste ventilador mecânico, nossa ideia era que ele contemplasse unidades de urgência e emergência, como as UPAS (unidades de pronto de atendimento, presentes em diversas cidades do país). Este protótipo custou cerca de 3 mil reais, porém, se produzido em larga escala, esse valor cai pela metade, o que o torna acessível até para unidades de saúde menores. Nosso objetivo não é concorrer com equipamentos com custo maior, mas sim oferecer aos serviços de saúde uma opção. Se tivéssemos algo assim nas UPAs no início da pandemia, talvez os números de óbitos pudessem ser menores”, disse.

Equipamento também poderá ter uso veterinário

Segundo o professor William Fernandes, do Departamento de Engenharia Mecânica da UFRN, já está em desenvolvimento também versões menores do ventilador. De acordo com ele, a ideia é que o produto possa ser portátil, facilitando tanto o manuseio quanto o deslocamento de unidades. Ainda de acordo com ele, este diferencial vai permitir que até mesmo clínicas veterinárias possam contar com equipamento.

“A própria questão da testagem é feita com pequenos animais, e como será um produto de custo baixíssimo, essas pequenas clínicas também poderão contar com o equipamento quando ele estiver devidamente validado, com todas as funcionalidades pensadas para o uso em humanos. Esta possibilidade é ter um recurso quase portátil traz versatilidade para o produto”, finalizou.

Formaram a equipe os professores Evans Ferreira, William Fernandes e Ângelo Roncalli, do Departamento de Engenharia Mecânica; Custódio Guerra, Danilo Nagem, Karilany Coutinho e Ricardo Valentim, do LAIS e do Departamento de Engenharia Biomédica, além do servidor João Maria Frazão, do Núcleo de Tecnologia Industrial da UFRN.

A Coordenação de Acesso ao Discente (Cadis), ligada a Pró-Reitoria de Ensino do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), divulgou  nesta quinta-feira (30), por meio do Edital Nº 17/2020-PROEN/IFRN, a publicação de edital para novas vagas nos cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) do o Programa Novos Caminhos​. Na modalidade educação a distância, a oferta traz três mil e 200 vagas. A lista de cursos está disponível abaixo.

Inscrições

A inscrição será feita exclusivamente via Internet, na Área do Candidato, partir das 8h do dia 04 de agosto (terça-feira) e se prolonga até 23h59 do dia 12 do mesmo mês.No ato da inscrição será obrigatório informar o número de documento oficial de identificação e do CPF do próprio candidato, tendo o direito a apenas uma única inscrição.

A classificação e o preenchimento das vagas acontecerá por meio de sorteio realizado por um programa habilitado pela equipe técnica do IFRN, sendo que as primeiras inscrições sorteadas serão classificadas para as vagas oferecidas nos cursos.

Entre outros, para ingresso nos cursos é necessário possuir Ensino Fundamental II (6º a 9º ano) completo, ter idade igual ou superior a 16 anos no ato da matrícula, estar classificado dentro do número de vagas ofertadas, declarar que não está matriculado simultaneamente em outro curso FIC do Programa Novos Caminhos. Quem não preencher os requisitos, terá sua inscrição desclassificada do processo seletivo;  automaticamente será convocado outro inscrito conforme a ordem de sorteio.A matrícula deverá ser feita online, anexando toda documentação exigida pelo edital.

 Cursos e vagas

Cursos Carga Horária Vagas
Assistente Administrativo 160 1000
Assistente de Secretaria Escolar 180 1000
Programador de Sistemas 200 800
Programador Web 200 800

Acesse

Inscrição

EDITAL Nº 17/2020-PROEN/IFRN

Evento online vai discutir boas práticas para sustentabilidade na região Nordeste

Os institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí, promoverão nos dias 11,18 e 25 de agosto, o “II Seminário Boas Práticas para a Sustentabilidade: desafios e oportunidades em tempos de pandemia na Região Nordeste”. O evento, que ocorrerá sempre das 16h às 18h45, será realizando totalmente através de plataformas virtuais, em formato de webinário, em razão da pandemia do novo coronavírus. No IFRN, são responsáveis pela realização do evento as professoras Thaís Bruno e Fabíola Catombé, do campus São Paulo do Potengi, e os professores Kleber Kroll e Samylle Medeiros, do campus Ipanguaçu.

O Seminário deverá integrar diferentes estados da região Nordeste com o objetivo de promover um espaço para discussão de experiências e práticas de entidades públicas e privadas, que venham a representar modelos possíveis de sustentabilidade a serem adotados no Nordeste brasileiro. “Ressalta-se que, fundamentalmente serão discutidas as estratégias lançadas por essas iniciativas durante o desafiador momento de pandemia, decorrente do SARS-Covid”, esclarece a Professora Thais Bruno, uma das organizadoras do evento.

O evento é gratuito e aberto a participação do público em geral. As inscrições estão sendo realizadas através do site do evento (www.even3.com.br/seminarioboaspraticas). A transmissão ocorrerá através do Youtube, no canal do evento: “Seminário Boas Práticas para Sustentabilidade”.

Sustentabilidade em tempos de pandemia

A sustentabilidade, em suas diferentes dimensões (econômica, espacial, ecológica, cultural e social), tem sido pauta importante de debates no século XXI. Diante do cenário global atual, a temática segue em destaque uma vez que repensar as práticas sociais e econômicas em consonância com a conservação do capital natural deve ser um exercício contínuo e necessário para manter, sobretudo, a vida na terra.

Durante o evento, os participantes farão exposições sobre práticas sustentáveis desenvolvidas em seus setores e como estas estratégias contribuem para fomentar a sustentabilidade, considerando as peculiaridades da região Nordeste e atualmente o contexto da pandemia pelo Covid-19.

“Esperamos transmitir conhecimento prático e aplicado, debatendo os desafios e apontando possibilidades de engajamento ambiental, nos diversos eixos da sociedade e que as práticas apresentadas possam ser replicadas em instituições diversas”, afirmou Prof. Kleber Kroll, organizador do evento.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Comissão Própria de Avaliação (CPA), está aplicando um questionário sobre o Período Letivo Suplementar Excepcional (PLSE), com o intuito de analisar a experiência do ensino remoto emergencial na instituição. Os estudantes e professores devem responder, até esta quarta-feira, 29 de julho, ao questionário que está disponível no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA).

De acordo com o presidente da CPA, Alexandre Queiroz, a avaliação do PLSE é um processo de coleta de informações que visa conhecer a experiência do ensino remoto emergencial desenvolvido no período letivo 2020.5. Dessa forma, o principal objetivo é subsidiar o planejamento da instituição para os próximos períodos letivos, ao analisar diversas questões como as ações de inclusão digital, apontando para os docentes as estratégias pedagógicas e recursos tecnológicos que apresentaram melhores resultados.

O questionário é voltado para professores e estudantes que participaram do PLSE e contém 26 perguntas, com foco na experiência do ensino remoto, destacando questões relacionadas aos recursos tecnológicos e plataformas, experiência de interação e a qualidade do aprendizado. Para responder às questões, basta acessar a página do SIGAA e efetuar login (acesso). Ainda segundo a CPA, os resultados e análises serão disponibilizados para toda a comunidade acadêmica.

CPA

As atribuições da Comissão Própria de Avaliação (CPA) estão definidas pela Lei 10.861 de abril de 2004. A CPA é uma comissão que goza de independência da gestão da instituição e tem como finalidade a condução dos processos de avaliação internos da universidade, de sistematização, divulgação e prestação das informações solicitadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) do Ministério da Educação (MEC). A Comissão utiliza diversos procedimentos e técnicas de avaliação que podem ser desde a aplicação de questionários, realização de entrevistas, avaliações in loco com grupo focal, análise documental, análises estatísticas, entre outras. A CPA avalia a instituição em todas as suas dimensões, por exemplo a qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão, a política de pessoal, o Plano de Desenvolvimento Institucional, a infraestrutura e a responsabilidade social da UFRN.

Na próxima segunda-feira , 27 de julho, a Escola Agrícola de Jundiaí retornará às atividades acadêmicas através do ensino remoto.

Todo o grupo de profissionais da escola, sempre presando pela qualidade da formação de seus estudantes, discutiu, organizou e planejou esse retorno com a atenção e carinho de sempre.

Aluno EAJ acesse seu Sigaa na segunda- feira e vamos estudar!!
A pandemia da Covid19 nos afastou fisicamente, mas, estaremos juntos através das tecnologias de informação e comunicação.

Um grande abraço da Direção
Prof. Max e Prof. Márcio