Educação Arquivo

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), torna público o Processo Seletivo para a formação de novas turmas dos Cursos Técnicos Subsequentes em Agroindústria, Agropecuária e Aquicultura.

O processo seletivo será regido por meio do Edital aqui anexado e executado por comissão formada por servidores da UFRN.

As inscrições serão realizadas no período de 16 de Outubro a 14 de Novembro de 2019, através do preenchimento e entrega de ficha de inscrição (ANEXO I do Edital) na sede da EAJ-UFRN (Av. Jundiaí, s/nº, Km 03, Macaíba-RN), Coordenação de Políticas Públicas (COPE), no horário das 08h às 12h.

Arquivo em anexo: Edital 11/2019 – Processo Seletivo Para Cursos Técnicos em Agroindústria, Agropecuária e Aquicultura na Modalidade Subsequente

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé e multidão

A Rede e-Tec Brasil na UFRN realizou neste sábado (19) a sessão solene de colação de grau do Polo Macaíba. A solenidade aconteceu na Praça das Placas da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN).

Aproximadamente 200 novos técnicos em Agroindústria, Agronegócio, Cooperativismo, Manutenção e Suporte em Informática e Redes de Computadores foram diplomados no evento.

O professor Max Lacerda, diretor da EAJ e coordenador geral da Rede e-Tec na UFRN coordenou a solenidade. O gestor destacou a importância de defender a educação pública enquanto transformadora da realidade social e frisou as possibilidades que a formação técnica acrescenta aos alunos de baixa renda. Ele parabenizou os formandos e os incentivou a seguirem se capacitado e conquistando novas metas.

Agência Brasil – O Ministério da Educação anunciou ontem (18) o descontingenciamento do orçamento das universidades federais, que foi possível a partir de um remanejamento do orçamento do MEC. “Cem por cento de todo o orçamento para o custeio das universidades federais e institutos estão sendo descontingenciados neste momento”, disse o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista à imprensa.

Segundo ele, o contingenciamento não chegou a prejudicar nenhuma das ações da pasta. “Foi feita uma boa gestão. Administramos a crise na boca do caixa. Vamos terminar o ano com tudo rodando bem”, acrescentou.

De acordo com o secretário executivo do ministério, Paulo Vogel, estão sendo liberados R$ 1,1 bilhão dos R$ 19,6 bilhões que já estavam previstos para as despesas discricionárias do MEC. Vogel disse que o valor está sendo realocado de outras despesas ministeriais.

Enem

Na entrevista, Weintraub disse ainda que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cujas provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro, ocorre tranquilamente este ano. “As provas já foram impressas. Os alunos que se preparem”.

O Projeto “Presença de estudantes das ciências agrárias em escolas de ensino básico como incentivo para despertar vocações – PDVAGRO” tem o objetivo de contribuir com a formação dos estudantes e com um sistema educacional de qualidade e inclusivo, bem como promover a participação estudantil de alunos da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) para o surgimento do interesse de outros estudantes pelo tema ciências agrárias, licenciatura e tecnologia. A formação estudantil nas ciências agrárias é de extrema importância para o desenvolvimento nacional.

As principais atividades desenvolvidas pelo projeto são as visitas guiadas, onde os alunos representantes de cada município (alunos embaixadores) coordenam a recepção dos estudantes visitantes. Atividades práticas são vivenciadas na área agrícola, os cursos são apresentados pelos próprios alunos, bem como as políticas de permanência. As ações também consistem em levar oficinas de projetos das ciências agrárias até escolas das cidades vizinhas à EAJ. Entre as atividades desenvolvidas no ano de 2018, visitas guiadas à EAJ e recepção de estudantes de outras instituições foram desempenhadas pelos alunos participantes. Ao final do ano vários alunos apresentaram relatos de experiência e artigos no Congresso Internacional das Ciências Agrárias (COINTER) 2018 em João Pessoa.

O PDVAGRO surge a partir da experiência exitosa do Campus Vitória, que fez parte nos anos de 2015 e 2016 com resultados expressivos apresentados no Congresso Internacional das Ciências Agrárias COINTER 2017, em Natal/RN, sobre a participação e inclusão de estudantes da zona rural no Instituto Federal a partir do conhecimento dos cursos da área agrária. O público alvo são os estudantes dos cursos técnicos e graduações nas áreas agrárias e tecnológicas.

O Instituto Internacional Despertando Vocações já existe no Brasil há cinco anos, ele iniciou em parceria com o Instituto Federal de Pernambuco, coordenado pela professora Kilma Viana, do IF de Vitória de Santo Antônio, e pelo Professor Erick Viana da Silva, do Instituto Federal de Recife. O objetivo do Instituto Internacional Despertando Vocações é levar para os estudantes do Ensino Fundamental e Médio as profissões que temos em nossa Universidade, para que os alunos conheçam mais as técnicas, as práticas, e o perfil profissional dos cursos, para que quando eles entrem para fazer um curso técnico ou superior, saibam melhor o que querem, evitando a evasão.

A Professora da Escola Agrícola Viviane Medeiros, descreve que no congresso Internacional do Instituto despertando vocações são recebidos parceiros de diversos lugares da América Latina, de países europeus e da América do Norte. Ano passado foi lançado o primeiro livro, com o título: “Histórias do PDV”, que conta o histórico do PDVAGRO em cada instituição e na vida de muitas pessoas.

“Como nós temos o PDV em seu terceiro ano na Escola e alguns alunos no segundo ano de participação no projeto, eles já fizeram apresentações em diversas escolas, foram para congressos internacionais, apresentaram palestras e minicursos, então eles têm muito o que falar sobre o que mudou em suas vidas em relação as experiências com o PDV. E puderam relatar no livro, como o caso do Jefferson, que é aluno de Agronomia da Escola e entrou no PDV quando era aluno do técnico de Aquicultura, e do José Lucas, que é aluno do Ensino integrado de Aquicultura, está no terceiro ano, mas já faz parte do terceiro ano e ele também é autor de um capítulo do livro sobre o projeto”. Relata a Professora da EAJ, Viviane Medeiros.

O Projeto começou na Escola Agrícola em 2017, depois da formação de um grupo para a participação no COINTER, mas em 2018 a Professora Viviane submeteu como Projeto de Extensão em parceria com o Instituto e desde então é a Coordenadora, atuando juntamente a outros professores. Esse ano foram visitadas escolas na cidade de Natal e Barcelona, além da Mostra de Profissões. Esse ano o Congresso Internacional Despertando Vocações acontecerá em Recife e a Professora integra a comissão científica.

Comunicação EAJ

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

Comunicação EAJ

Nessa terça-feira, 15 de Outubro, Dia do Professor, a Assembleia Legislativa do Estado do RN homenageou vários professores que se destacaram na construção da educação potiguar. Entre os homenageados, o professor Júlio César de Andrade Neto, professor da Escola Agrícola de Jundiaí por mais de 40 anos e diretor por seis mandatos, sendo cinco consecutivos.

Estiveram presentes na solenidade no plenário da Assembleia Legislativa os professores Ivan Max Lacerda e Marcio DIAS Pereira, Diretor e Diretor Adjunto da EAJ; além da esposa e outros familiares do homenageado.

Os interessados em cursar a Especialização em Gestão Ambiental terão até o dia 29 de novembro para fazer sua inscrição. O prazo foi prorrogado e as inscrições devem se inscrever online no SIGAA (www.sigaa.ufrn.br).

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) ofertada 50 vagas para graduados em qualquer área do conhecimento. O curso será semipresencial, contará com aulas via Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) com encontros presenciais na EAJ, em Macaíba. A pós-graduação terá duração de 18 meses com o investimento mensal de R$ 250.

A carga horária de 360 horas, será dividida na seguinte matriz curricular:

Introdução à Educação a Distância (15 horas)
Introdução à Gestão Ambiental (30 horas)
Geotecnologias (30 horas)
Métodos e Técnicas de Pesquisa em Gestão Ambiental (30 horas)
Legislação e Direito Ambiental (30 horas)
Gestão Integrada de Recursos Hídricos (30 horas)
Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (30 horas)
Saneamento Ambiental (30 horas)
Educação Ambiental (15 horas)
Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (30 horas)
Sistema de Gestão Ambiental (45 horas)
Metodologia da Pesquisa (45 horas)

Maiores informações e edital: http://www.etec.eaj.ufrn.br/?p=4759

Aplicativo de Celular ENEM 2019

Aplicativo de Celular ENEM 2019

Agência Brasil – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga hoje (16) o Cartão de Confirmação da Inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019. Entre outras informações, os estudantes terão acesso ao local onde farão o exame neste ano. As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro.

“A recomendação primeira é que o participante imprima o cartão de confirmação e, aqueles que precisam, imprimam a declaração de comparecimento e levem os dois para a aplicação do exame”, disse à Agência Brasil o diretor de Gestão e Planejamento do Inep, Murillo Gameiro.

Uma vez sabendo o local de aplicação, o diretor recomenda que os participantes façam o trajeto de casa até o lugar, para avaliar a duração do trajeto no dia da prova: “o participante deve conhecer o trajeto até o local de prova, considerando que no dia da prova vai ter um trânsito mais complicado, e haverá várias pessoas participando do Enem. É bom que o participante conheça o trajeto e saiba o tempo que vai gastar de casa até o local da prova.”.

No dia do Enem, a dica é chegar no local com antecedência. Os portões abrirão às 12h, pelo horário oficial de Brasília, e serão fechados às 13h.

O Cartão poderá ser consultado na Página do Participante, na internet, ou pelo aplicativo do Enem, disponível para download nas plataformas Apple Store e Google Play. Para acessar o Cartão, o participante precisa informar a senha cadastrada na hora da inscrição no Enem 2019. O Inep divulgou um vídeo orientando aqueles que perderam a senha sobre como recuperá-la.

Os estudantes poderão conferir, no Cartão, o número da sala onde farão o exame; a opção de língua estrangeira feita durante a inscrição; e o tipo de atendimento específico e especializado com recursos de acessibilidade, caso tenham sido solicitados e aprovados; entre outras informações.

Declaração de comparecimento

Segundo Gameiro, além do cartão, estará disponível a partir desta quarta-feira a declaração de comparecimento do primeiro dia do exame, que deverá ser levada no dia 3 de novembro. A declaração do segundo dia estará disponível a partir do dia 4 de novembro e deverá ser usada no dia 10 de novembro. Essa declaração precisa ser impressa e levada para a prova, quando será assinada pelo coordenador de local de prova.

“Dependendo do regime de trabalho, algumas pessoas têm plantão no final de semana e precisam de declaração para ter a falta abonada. São casos específicos”, diz. Essas pessoas, de acordo com o diretor, devem ficar atentas pois o Inep não irá fornecer o comprovante de presença após o dia da prova.

O Enem 2019 será realizado em 1.727 municípios brasileiros. Cerca de 5,1 milhões de estudantes estão inscritos no exame.

Quem já concluiu o ensino médio ou vai concluir este ano pode usar as notas do Enem para se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior. Os estudantes podem ainda concorrer a bolsas de estudo pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e a financiamentos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Aconteceu na última sexta-feira (11), na Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN), o I Egg Day. O evento teve como objetivo discutir a produção e consumo de ovos, as novas tecnologias de manejo, nutrição, sanidade na produção de ovos, e os mitos e verdades sobre o consumo do alimento. Além do diretor Ivan Max Freire de Lacerda, estavam presentes Renato Holanda, José Hott Neto e Camilla Costa, realizadores das palestras.

A abertura do evento aconteceu no auditório do Ensino Médio e contou com a presença de produtores rurais, professores e alunos de nível técnico e dos cursos de graduação. A primeira palestra do evento foi ministrada por Renato Holanda e aconteceu o debate sobre a Cadeia Produtiva de ovos no Rio Grande do Norte (RN).

Na palestra, Renato falou sobre o crescimento da atividade no Rio Grande do Norte e também sobre a concentração da avicultura na grande Natal. Além disso, foi falado sobre a relação entre as áreas de produção e das redes de consumo. “Há uma deficiência nas estradas e por isso muitas áreas de produção são próximas das redes de consumo”, comentou. Ainda foram mostrados os dados acerca da produção e o percentual dessa produção no RN.

Na palestra realizada do José Hott Neto o foco era conversar sobre o Sistema de Criação de poedeiras. A evolução no melhoramento genético das aves também foi um ponto abordado.

Ministrada por Camilla Costa, Zootecnista e Doutora em nutrição animal, a última palestra da manhã falou sobre Qualidade externa e interna dos ovos. Foi falado sobre a cor da gema e se há diferenças entre ovo caipira e de granja. Também foi falado sobre a Unidade Haugh.  De acordo com a palestrante Camilla Costa, a unidade “Haugh”, desde que foi criada, tem sido utilizada para controle de qualidade industrial para verificar a qualidade interna do ovo e seu uso é universal, devido à facilidade da aplicação e à alta correlação com a aparência do ovo quando aberto numa superfície plana.

Após as palestras, o Egg Day contou ainda com a presença do Chef João, que produziu omeletes gourmet para degustação. E aconteceu ainda sorteios de produtos para os participantes das palestras.

Durante a tarde, a palestra sobre o Processamento de ovos, da professora Cláudia Macedo, deu continuidade ao evento. Em seguida, aconteceu uma roda de conversa e encerramento.

O Egg Day foi realizado através do Núcleo de Pesquisa em Avicultura (NUPAVI) e Grupo de Estudos em Produção Animal (GEPA). Esse foi o primeiro ano do Egg Day na EAJ e o objetivo é que o evento aconteça durante todos os anos, perspectiva falada já no momento de abertura do evento.

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ/UFRN), através do Núcleo de Pesquisa em Avicultura (NUPAVI) e Grupo de Estudos em Produção animal (GEPA), promove nesta sexta-feira, 11, o Egg Day, que tem como objetivo proporcionar um dia dedicado a discutir a produção e consumo de ovos, bem como novas tecnologias de manejo, nutrição, sanidade na produção de ovos e mitos e verdades sobre seu consumo. O evento, que acontece entre às 8h e 16h, é destinado a professores, estudantes, produtores rurais e demais públicos interessados no assunto.

Para o professor Jorge Cavalcanti, a temática é bastante atual e precisa ser debatida mais profundamente. “O ovo comercial é o produto da mais eficiente máquina biológica de transformação: a galinha. Essa ave consegue transformar recursos alimentares de menor valor biológico em um produto da mais alta qualidade nutricional  para o consumo humano. Entretanto, essa eficiente transformação depende de fatores relacionados à composição fisiológica dessa máquina, aliada a conhecimentos sobre o aporte nutricional necessário, somado ao manejo e ambiente adequados de criação dessas aves”, reitera o docente do Técnico Agrícola.

Durante as últimas duas décadas, cientistas têm indicado a limitação do consumo de ovos devido ao colesterol encontrado na gema. Esse nutriente estava, originalmente, relacionado com o aumento da colesterolemia e associado a doenças cardiovasculares (DCV). No entanto, pesquisas recentes têm reavaliado essa ideia e os resultados desses estudos indicam que a ingestão de gordura saturada, e não o colesterol, é o maior responsável pelas DCV.

Outros estudos apontam que ele pode oferecer muitos benefícios, como contribuir para o coração, a memória, o combate à diabetes e até na perda de peso. Assim, se torna imperativo para uma instituição de ensino e pesquisa como a EAJ/UFRN, trazer esse assunto para ser debatido na academia. É notória a importância do projeto, que busca levar informação para toda a comunidade com o apoio de professores da Escola Agrícola, além dos alunos que participam dos grupos de estudo em avicultura e produção animal.

IFRN e UFRN promovem curso para atuantes na área de Serviço Social

A Assessoria de Assistência ao Estudante (Asaes) do IFRN, em parceria com a UFRN, promove, até o fim do mês de novembro, o curso ‘Reflexões e Sistematização do Exercício Profissional do Serviço Social no IFRN: Elaborando o Plano de Trabalho’. Com oferta para os assistentes sociais e estagiários de Serviço Social atuantes na Instituição, o curso será realizado em módulos através de encontros quinzenais no Campus Natal-Central do IFRN. O primeiro encontro acontece nesta sexta-feira, 11, das 8h30h às 18h.

A coordenadora do Projeto, Larissa Rodrigues, explica que o evento trata-se de “uma proposta, de caráter formativo, construída e articulada pelo Departamento de Serviço Social (Desso) da UFRN e o grupo de Assistentes Sociais do IFRN, na perspectiva de fortalecimento da atuação profissional à luz do Projeto Ético-Político do Serviço Social”.

A iniciativa, segundo Larissa, busca atender à solicitação do referido grupo de Assistentes e é fruto do diálogo que o Desso vem promovendo com os profissionais. Por meio dos estágios curriculares supervisionados realizados no IFRN, a coordenadora destaca o desenvolvimento do processo de acompanhamento e supervisão acadêmica que são realizados. “Ao mesmo tempo que fortalece a relação entre ambas Instituições, soma-se, ainda, os projetos que o Serviço Social vem realizando em âmbito nacional”, disse.

 

Parte de um Projeto de Extensão, o “Simulado do ENEM” foi idealizado pelos professores da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) e acontece uma vez ao ano, desde 2014. O simulado abrange diversos aspectos possíveis às condições do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

A prova do simulado conta com os componentes curriculares da Escola e que fazem parte do ENEM. A realização do certame acontece no auditório do Ensino Médio da Escola Agrícola e a participação dos alunos se dá por meio de inscrição feita pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades (SIGAA), no entanto, o projeto também é aberto à comunidade externa.

A professora Aristotelina Pereira Barreto Rocha, uma das responsáveis pela realização da ação, fala que a importância do simulado se dá também pela preparação quanto ao esforço físico. “A experiência abrange as dificuldades do ambiente, as dificuldades físicas de uma prova extensa e longa, onde se fica em uma sala…”, comenta. A professora afirma que funciona como um incentivo para os alunos que podem estar desmotivados quanto ao processo seletivo e suas dificuldades.

O simulado consiste também em ajudar os estudantes no aspecto de análise do próprio desempenho, como por exemplo, qual a área de maior ou menor dificuldade para eles. Segundo Aristotelina, esse objetivo faz com que ocorra um direcionamento aos discentes. “Dá um novo ânimo e direciona o aluno para qual disciplina reforçar nesse último momento, quais ele pode relaxar um pouco e quais pode fazer um despejo de energia em outras disciplinas”, explica.

A atividade acontece uma vez ao ano, mas já há uma demanda dos próprios alunos para que o simulado ocorra duas vezes. A presença de diversos alunos também é algo que contribui para o desenvolvimento de mais um dia da ação na Escola. O simulado já faz parte do calendário escolar da Unidade Acadêmica e é algo bastante aguardado pelos alunos da EAJ-UFRN.

A prova abrange as várias áreas e as questões são baseadas nos conteúdos vistos em sala de aula que podem fazer parte da prova oficial. É solicitado aos professores questões e estas são incorporadas na prova do simulado, que serão resolvidas pelos participantes. Todos os elementos, como folha de rascunho e cartão-resposta, presentes no ENEM, estão também no Simulado da EAJ-UFRN.

A correção se dá pelo meio do cartão-resposta, e gera uma estatística e um ranking, onde é visto o desempenho e o número de acertos.

A atividade geralmente acontece cerca de 2 meses antes da prova oficial e neste ano ocorreu na primeira semana de Outubro.

Resultado de imagem para sala de aula rn

O Diário Oficial do Estado de hoje (9), trouxe a convocação de 356 professores temporários para o quadro de docentes da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer do RN. Esses profissionais serão distribuídos pelas unidades de ensino estadual das diretorias regionais de Natal, Santa Cruz, Caicó, Assú, Mossoró e Pau dos Ferros.

Foram convocados professores das disciplinas de Arte, Biologia, Educação Física, Pedagogia (anos iniciais), Educação Especial, Ensino Religioso, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Espanhola, Língua Inglesa, Matemática, Química, Sociologia e intérpretes/tradutores de Libras.

Os candidatos terão dez dias, a partir da data de publicação, para se apresentarem nas sedes das Diretorias Regionais de Educação e de Cultura para onde foram convocados. Os educadores deverão levar toda a documentação e exames obrigatórios para assunção do cargo. Os itens exigidos estão descritos nas convocações publicadas no DOE.

Edital

Essa convocação é referente ao edital 001/2019-SEEC, lançado em agosto deste ano, que teve por objetivo selecionar candidatos para compor cadastro de reserva de professores e especialistas de educação dos componentes curriculares nos Ensinos Fundamental e Médio.

Clique aqui e tenha acesso ao edital de convocação.

Clique aqui e faça o download do Diário Oficial do RN contendo a convocação dos professores temporários.

O professor Marcio Dias, da Escola Agrícola de Jundiaí-UFRN, participou na última semana de uma série de atividades nos municípios de Mossoró (RN) e Fortaleza (CE), com vistas a implantação de uma rede internacional de cooperação entre universidades brasileiras e de outros países da Europa Mediterrânea e do Norte da África. O objetivo da rede é possibilitar que as instituições envolvidas possam realizar  atividades conjuntas e trocar experiências sobre suas ações nas áreas de pesquisa e extensão desenvolvidas em regiões semiáridas.

A cooperação, que visa à possibilidade de intercâmbio estudantil e de parceria de pesquisas, conta ainda com a participação da Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Università degli Studi di Cagliari (Unica – Itália) e Institute of Tunisia (INAT – Tunísia). Representantes destas instituições estiveram presentes nas atividades sediadas em Mossoró pela Ufersa.

Os professores Gianluigi Bacchetta, do Centro Conservazione Biodiversità (CCB/Unica), e Imtinen Ben Haj Jilani, da Agronomy and Crop Biotechnology Department da National Agronomic (INAT), ministraram a disciplina Conservação de Recursos Fitogenéticos com participação de alunos dos programas de Pós-Graduação em Ciências Naturais das universidades potiguares.

A professora Imtinen Jilani apresentou a palestra Investigação e valorização da biodiversidade de plantas naturais no norte e no sul da Tunísia, e o professor Gianluigi Bacchetta ministrou o tema Teste de sementes e conservação de espécies de plantas autóctonas para restauração de habitats danificados: uma perspectiva mediterrânea.

Para o professor Gianluigi Bacchetta, as universidades potiguares e cearenses desenvolvem trabalhos muito parecidos com o que eles realizam na Universidade de Cangliari. Sobre a possibilidade de acordo, declarou que “Esse intercâmbio é muito importante para que se possa realizar trabalhos e projetos científicos voltados à preservação da flora nativa”, afirmou.

O professor sinalizou ainda a possibilidade de convênios futuros voltados à mobilidade de estudantes e professores. Entretanto, a proposta é que as atividades de pesquisa não se restrinjam apenas às áreas de produção de plantas, mas possam abranger outras áreas de interesse comum das universidades, como, por exemplo, a recuperação dos recursos fitogenéticos.

A UFRN já possui um convênio de cooperação com a universidade italiana em projetos desenvolvidos na Escola Agrícola de Jundiaí desde 2013. Em 2018, esta mesma instituição iniciou uma parceria com o Departamento de Farmácia da UFRN, visando ao estudo das plantas nativas da Caatinga e o seu uso na produção de cosméticos.

Imtinen disse ter encontrado no Nordeste um clima bastante semelhante ao de seu país de origem. Ela desenvolve pesquisas sobre a flora autóctone, a exemplo da EAJ e de outros departamentos da UFRN que realizam pesquisas com as espécies nativas da Caatinga. “Tem sido gratificante comparar como instituições distintas trabalham com espécies similares do clima semiárido”, ressaltou. Para ela, são trabalhos importantes que, realizados de forma conjunta, podem fortalecer os estudos desse ecossistema.

O professor Marcio Dias, da EAJ, destacou a importância da parceria com as universidades da região e o intercâmbio com instituições internacionais que também se localizam em condições de ambiente parecidas com as nossas, tendo experiências de ações no ensino, pesquisa e extensão, com efeito direto na vida das pessoas que vivem nessas regiões.

 O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Ariosto Culau, durante lançamento do Programa Novos Caminhos.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Agência Brasil –  O Ministério da Educação (MEC) vai ofertar mais 1,5 milhão de vagas em educação profissional e tecnológica até 2023. O aumento das vagas faz parte do programa Novos Caminhos, lançado hoje (8). Com o programa, as atuais 1,9 milhão de vagas passarão para 3,4 milhões em todo o país, representando um aumento de 80%. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, assinou quatro portarias para dar andamento ao programa.

Segundo o ministro, o objetivo é acabar com preconceitos em relação a cursos técnicos e melhorar a qualificação dos profissionais. “Um curso técnico bom permite ao jovem ter renda superior a alguém formado em curso superior, que não tem foco na realidade.”

Essas vagas deverão ser ofertadas tanto no ensino médio quanto para jovens e adultos que já estão fora da escola. A pasta pretende também articular a oferta dos cursos com a demanda do mercado de trabalho. “A educação tem que estar voltada para o mercado de trabalho, não pode dar as costas e ignorar as demandas do setor produtivo”, disse o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Ariosto Antunes Culau.

O programa prevê uma série de ações, que incluem mudanças na regulação da oferta de cursos técnicos, formação de professores e ampliação de cursos profissionais e técnicos. O novo programa se baseia em três eixos: Gestão e Resultados; Articulação e Fortalecimento, e Inovação e Empreendedorismo.

Formação de professores

A meta da pasta, além da abertura de novas vagas para estudantes é preparar 40 mil professores da rede pública até 2022 com aulas sobre atualização tecnológica, técnicas pedagógicas voltadas para a educação profissional, empreendedorismo e orientação vocacional e profissional. Serão abertas também 21 mil vagas para formação de professores de ciências e de matemática.

Deverão ainda ser reconhecidos mais de 11 mil diplomas de pessoas que concluíram a formação técnica na rede privada de ensino superior desde 2016, mas não tinham chancela da pasta por conta da ausência de ordenamento jurídico.

Pesquisa aplicada

O MEC pretende criar um escritório, que atuará na articulação entre os setores público e privado. Esse escritório deverá estimular a pesquisa aplicada, a inovação e a iniciação tecnológica. Serão lançados editais para estudantes, professores e pesquisadores com investimento total de R$ 60 milhões até 2022.

Além disso, a pasta anunciou a criação de cinco polos de inovação nos institutos federais voltados para empreendedorismo e pesquisas aplicadas.

Catálogo de cursos

A pasta vai atualizar o catálogo nacional de cursos técnicos, que orienta a oferta em todo o país. O catálogo vigente, segundo o MEC, foi atualizado em 2014, com base no cenário do Brasil em 2013. “[Vamos fazer a] identificação dos conhecimentos e habilidades, das novas profissões, que devem ser incorporadas ao catálogo”, disse o secretário Culau. Para a atualização, o setor produtivo deverá ser procurado para expor a atual demanda.

A pasta pretende também consolidar um novo marco regulatório para a oferta de cursos técnicos por instituições privadas de ensino superior.

Parceria com estados

Em parceria com os estados, a intenção é ofertar, até 2022, 2 mil vagas de mestrado profissional em redes estaduais.

Mais de 100 mil vagas voltadas para a qualificação profissional deverão ser ofertadas com recursos do Bolsa Formação, que estão, de acordo com o MEC, nas contas dos estados e do Distrito Federal. Para isso, serão repactuados R$ 550 milhões. Os entes federados poderão buscar parcerias com o Sistema S e com a rede federal.

Cenário internacional

De acordo com dados apresentados pelo MEC, o Brasil está distante da oferta de educação profissional e técnica de outros países. Enquanto no Brasil a oferta de ensino técnico chega a 8% das matrículas de ensino médio, no Reino Unido esse percentual é de 63%; na União Europeia, 48%; e, no Chile, 31%.

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) recebeu conceitos que validam a excelência de suas ofertas de cursos superiores. Os dados, divulgados na última sexta-feira, 4, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), são referentes aos resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) – indicador calculado com base no desempenho dos estudantes no Exame em 2018, em uma escala de 1 a 5.

Entre os cursos avaliados do IFRN, de acordo com os resultados das provas realizadas pelos concluintes inscritos, o Superior de Tecnologia em Logística, ofertado no Campus São Gonçalo do Amarante, obteve o conceito máximo: 5. Já o Tecnólogo em Gestão Pública, do Campus Natal-Central, e o Tecnólogo em Marketing, do Campus Natal-Zona Norte, receberam conceito 4, também sinal de excelência. O Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, ofertado no Campus Natal-Central, obteve o conceito 3.

No Rio Grande do Norte, dos 2.060 concluintes de instituições públicas de ensino convocados para o exame, 1.813 fizeram as provas. Em todo país, foram 462,2 mil estudantes de 10,6 mil cursos de aproximadamente 1,8 mil instituições de ensino que participaram do Exame.

Enade 

O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes é uma prova feita por estudantes – ao final dos cursos de graduação  – para avaliar conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao longo do curso. Levando em consideração o desempenho dos estudantes nas provas, os cursos são classificados seguindo uma escala de 1 a 5.