Educação Arquivo

As inscrições para o Curso de Especialização em Gestão Ambiental da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) foram prorrogadas até o dia 4 de outubro. Os interessados devem se inscrever online no SIGAA (www.sigaa.ufrn.br).

Serão ofertadas 50 vagas para graduados em qualquer área do conhecimento. O curso será semipresencial, contará com aulas via Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) com encontros presenciais na EAJ, em Macaíba. A pós-graduação terá duração de 18 meses com o investimento mensal de R$ 250.

A carga horária de 360 horas será dividida na seguinte matriz curricular:

Introdução à Educação a Distância (15 horas)
Introdução à Gestão Ambiental (30 horas)
Geotecnologias (30 horas)
Métodos e Técnicas de Pesquisa em Gestão Ambiental (30 horas)
Legislação e Direito Ambiental (30 horas)
Gestão Integrada de Recursos Hídricos (30 horas)
Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (30 horas)
Saneamento Ambiental (30 horas)
Educação Ambiental (15 horas)
Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (30 horas)
Sistema de Gestão Ambiental (45 horas)
Metodologia da Pesquisa (45 horas)

Confira o edital e todas as informações em aqui

 

Agência Brasil – Estão abertas, a partir de hoje (9), as inscrições para 2ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – Nível A (OBMEP – Nível A) para estudantes das 4ª e 5ª séries do ensino fundamental, matriculados em escolas públicas municipais, estaduais e federais. No ano passado, primeiro ano de implantação da prova, 1,5 milhão de estudanytes de 20 mil escolas públicas de todo Brasil participaram da olimpíada, criada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa).

Na avaliação do coordenador geral da OBMEP e diretor adjunto do Impa, Claudio Landim, a olimpíada do ano passado “foi um sucesso, porque tivemos pouco tempo para anunciar. Os resultados foram animadores”. Mais de 2 mil municípios se inscreveram para a prova do Nível A.

A prova do Nível A é diferente das provas da OBMEP tradicional, destinada a estudantes do 6º ano do ensino fundamental e aos do ensino médio e que acontece desde 2005. Essas são impressas e enviadas às escolas pelo Impa, que depois seleciona os alunos que participam da segunda fase. É o instituto que também aplica as provas fisicamente em 9 mil centros do país.

“A prova do Nível A é um pouco diferente, porque nós preparamos as provas e as enviamos às secretarias municipais [de Educação], que ficam encarregadas de aplicar nas escolas. Nós não temos acesso às provas, apenas a um número de municípios inscritos e solicitamos a algumas escolas que nos mandem informações para estabelecermos parâmetros para as premiações”, explicou o coordenador geral da OBMEP.

Mudança do ensino

As inscrições para a OBMEP Nível – A são gratuitas e deverão ser feitas em nome das escolas, exclusivamente pelas secretarias de Educação municipais e estaduais ou pelos representantes das escolas federais, por meio de um link enviado por e-mail. Dúvidas podem ser esclarecidas em nivela@obmep.org.br. As inscrições se estenderão até 11 de outubro.

Um comitê de provas do Impa é encarregado de elaborar os problemas que constam das provas. Claudio Landim destacou que esses problemas são muito diferentes da matemática que é ensinada nas escolas. “E isso estimula muito os professores a introduzirem esses problemas em suas aulas. Acabamos tendo um impacto real na mudança do ensino da matemática no país”.

A prova elaborada pelo Impa para o Nível A tem 15 questões objetivas e será aplicada nas escolas inscritas em 29 de outubro. O estudante terá uma hora e 30 minutos para resolvê-la. “Nós diminuímos o número de problemas porque os professores no ano passado acharam a prova muito longa e cansativa para os alunos do 4º e 5º ano que são crianças ainda bem pequenas”, disse Landim.

De acordo com o Impa, o conteúdo das provas segue os parâmetros curriculares nacionais para alunos de 4º e 5º anos do ensino fundamental. As questões privilegiam o raciocínio lógico e a criatividade. O objetivo da OBMEP – Nível A é estimular o estudo da matemática, contribuir para a melhoria da qualidade da educação básica, identificar jovens talentos e promover inclusão social.

A primeira edição da OBMEP – Nível A aconteceu em 2018. A olimpíada é realizada pelo Impa, com apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), e dos ministérios da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e da Educação (MEC).

A OBMEP para alunos do 6º ano ao ensino médio, por sua vez, tem média de participação de 18 milhões de estudantes por ano. “Este ano, são 18,235 milhões”, revelou Claudio Landim.

Projeto piloto

O Impa está iniciando um projeto-piloto de formação de professores do primeiro ao quinto ano do enino fundamental. Todas as atividades da olimpíada vêm acompanhadas de programas para estimular o ensino da matemática. “São impressionantes as lacunas nessa área. Descobri recentemente que alunos de pedagogia nas melhores universidades do Brasil não têm aulas de matemática e, portanto, chegam às escolas muitas vezes sem saber matemática. E se não sabe matemática é incapaz de ensinar e o aluno chega no sexto ano com deficiências sérias na matéria”.

Por isso, o Impa está produzindo material didático para tentar melhorar a qualidade do ensino da matemática nessa primeira faixa. A ideia é que esse curso seja oferecido presencialmente às secretarias municipais e estaduais que adiram ao programa e, depois, oferecido virtualmente às outras. O material didático ficará disponível depois na internet.

O Impa fez parceria com a Secretaria de Educação de Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, cujos professores vão ao instituto uma vez por mês terem aula de matemática. Claudio Landim considerou essa troca excelente. No ano que vem, disse que a ideia é estender o projeto a diversas secretarias municipais, aproveitando a parceria existente entre Impa e o Itaú Social, que tem uma rede de conexão com as secretarias municipais. Landim revelou que em 2020, a ideia é estender o programa para essa rede, de modo a beneficiar 200 municípios do país.

 O presidente Jair Bolsonaro e o menino Pedro,  participam da cerimônia de lançamento da ID Estudantil no Palácio do Planalto.

Valter Campanato/Agência Brasil

Agência Brasil – O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (6) uma medida provisória (MP) que cria a carteira de identificação estudantil, em formato digital. O documento será chamado de ID Estudantil e poderá ser obtido após um cadastro na internet ou em agências da Caixa Econômica Federal. A MP altera a Lei nº 12.933/2013, que regulamentou a meia-entrada, para permitir que o Ministério da Educação (MEC) possa emitir a identificação, que será gratuita para o estudante. As entidades que tinham a prerrogativa exclusiva de emissão da Carteira de Identificação Estudantil, como a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), poderão continuar emitindo o documento.

Segundo o governo, a ID Estudantil poderá ser utilizada por todos os estudantes da educação básica, profissional e tecnológica e superior. Na cerimônia de assinatura da MP no Palácio do Planalto, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, destacou a redução da burocracia e a universalização do acesso ao documento, já que não haverá mais custo para o estudante. Ele também reforçou que será feito um melhor controle contra fraudes.

“Vamos acabar com esse papel. Quem ainda não está conectado à internet, que são os mais pobres, que hoje não têm carteirinha porque a carteirinha é cara, vai tirar na Caixa [Econômica Federal] a custo zero para a pessoa. Quem tem conexão com a internet, pega o seu celular, faz pelo celular todo o cadastramento, a gente checa a informação, vai estar no celular a carteirinha digital. Com isso, a gente vai ter controle contra fraude e o benefício vai ser para os próprios estudantes”, afirmou.

A emissão da nova carteira de estudante começará em 90 dias a partir da publicação da MP no Diário Oficial da União, ou seja, em dezembro, para os estudantes do ensino superior. Para os demais estudantes, o documento deverá estar disponível em até seis meses. Para se tornar definitiva, a alteração na lei, que vale inicialmente por até 120 dias (validade da MP), precisará ser aprovada no Congresso Nacional, que poderá propor alterações. O texto, depois, retornará ao Poder Executivo para sanção presidencial.

Ao discursar sobre a medida, o presidente Jair Bolsonaro criticou as entidades estudantis que arrecadam recursos com a emissão da carteira de estudante. O documento custa atualmente R$ 35.  “Vamos poupar trabalho de uma minoria que representa os estudantes. Eles não vão ter que trabalhar mais. Agora, o seu tempo laboral será zero. Não teremos mais uma minoria para impor certas coisas em troca de uma carteirinha”, afirmou.

“O que nós estamos fazendo aqui hoje é libertar cada jovem, cada estudante. Não tem que pagar mais dinheiro para a UNE, para Ubes, para quem quer que seja”, afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Segundo o MEC, apesar de ser gratuita para o estudante, a emissão da carteira estudantil terá um custo de 17 centavos por documento, que será bancado pelo governo federal.

Banco de dados

Além de autorizar o MEC a emitir a ID Estudantil, a medida provisória permite a criação e manutenção de um banco de dados único e nacional dos estudantes, com informações cadastrais sobre a escola e a série em que o estudante está matriculado. Ao solicitar a carteira, o estudante terá que dar o consentimento para o compartilhamento dos seus dados cadastrais e pessoais com o MEC. O banco de dados também será alimentado com informações prestadas pelas entidades vinculadas ao MEC e pelas instituições de ensino.

“Não vai ter mais o monopólio da emissão. Ela vai ser feita por quem já faz hoje, mais o Ministério da Educação e mais outras entidades que estão detalhadas na medida provisória. A diferença é que, a partir de 1º de janeiro de 2021, qualquer entidade que fizer a emissão da carteira, vai fazer uma consulta, em tempo real, à base de dados do Ministério da Educação, que vai verificar se aquela pessoa é estudante ou não estudante, mas todos vão poder manter a emissão”, afirmou o secretário-executivo do MEC, Antonio Paulo Vogel, em coletiva de imprensa para detalhar a medida.

Entidades estudantis

Em nota conjunta, a UNE, a Ubes e a ANPG classificaram a medida do governo como “demagógica”, “autoritária” e “que visa tirar a atenção dos reais problemas da educação e da ciência brasileira”. Para as entidadedes, a nova carteira estudantil digital é uma “retaliação” do governo às entidades estudantis, por causa dos protestos contra os cortes no orçamento da educação.

Ainda de acordo com a nota, as entidades já emitem gratuitamente o documento para estudantes de baixa renda sem nenhum custo aos cofres públicos, conforme prevê a Lei 12.933/2013.

“Desde a sanção da nova lei, a UNE emitiu em média 150 mil documentos por ano sendo que mais de 20 mil de forma gratuita. Portanto, cerca de 2% do total de estudantes de ensino superior emitiram documentos diretamente com a UNE sendo que a ampla maioria o fez diretamente com seus Centros, Diretórios Acadêmicos e Entidades Estaduais. A receita proveniente da emissão de carteiras é fonte de financiamento de toda esta rede de entidades estudantis brasileiras, o que reforça a capacidade de independência e organização destas entidades que estão sendo atacadas”, diz a nota.

As entidades estudantis dizem também que a alteração da lei via medida provisória pode causar “insegurança jurídica” por causa da alteração do padrão das carteiras, o que pode, segundo a nota, colocar em risco o direito à meia-entrada.

A assessora especial para o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX), Ângela Maria Paiva Cruz, o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel Pontes, junto ao professor Jesus Leodaly Salazar Aramayo, apresentaram na manhã desta quarta-feira, 04, ao reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE) do PAX.

Durante a explanação, o professor Jesus Salazar pontuou, dentre outros aspectos, situações relativas aos investimentos e custos. Ele explicou que a análise da proposta leva em consideração o amadurecimento gradual do Parque como ecossistema de inovação, e o plano estratégico trabalha com três fases de expansão. “Temos uma projeção, até certo ponto conservadora, de que em dez anos o PAX apresente uma autonomia no que tange a sua viabilidade de funcionamento condizente com variáveis do Banco Mundial, por exemplo”, colocou o docente do Departamento de Engenharia de Produção. O projeto para implantação do Parque prevê espaços customizados para empresas incubadas, aceleradoras e associadas, o que leva em consideração os tamanhos delas. Ao todo, o espaço de 50 hectares prevê a oferta de 118 lotes dispostos em 11 quadras.

A exposição feita na sala de reuniões da Reitoria será objeto de reunião no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) na tarde desta quinta-feira, 5, em Brasília, na qual estarão presentes Sônia Costa, coordenadora-geral de Tecnologias e Programas de Desenvolvimento Sustentável e Sociais, e Cristiane Gonçalves Côrrea, chefe da Assessoria Especial de Assuntos Institucionais. O reitor da UFRN ratificou que o momento será “a oportunidade de mostrar que o projeto é viável e tem premissas consistentes para a operacionalização”.

No mês de agosto, o espaço que abrigará o PAX recebeu a visita do ministro do MCTIC, Marcos Pontes, momento no qual ele citou o plano do Ministério de instalar centros de referência em tecnologia assistida. Na época, o ministro colocou que os centros são fruto de modelos como os de centros de inovação, parques tecnológicos e incubadoras, estruturados de forma que possam funcionar de acordo com a realidade de cada região, como é o caso do PAX.

Parque de Ciência e Tecnologia Augusto Severo (PAX)

Localizado na cidade de Macaíba/RN, o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX) está inserido em um ambiente de inovação proveniente da parceria entre Instituições Científicas, Tecnológicas  e de Inovação (ICTs), Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Federação das Indústrias, Federação do Comércio, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e prefeituras da Região Metropolitana de Natal.

O PAX tem vocação inicial nas áreas de energias, reabilitação em saúde e tecnologia de informação com ampla oferta de espaços e serviços para as entidades apoiadoras e empresas. O Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo contará também, em seu ecossistema, com incubadora e aceleradora de empresas, oferta de serviços de propriedade intelectual através da Agência de Inovação da UFRN e de diversos laboratórios de  pesquisa e inovação das ICTs associadas.

Ambiente de empreendedorismo adequado e propício para a cooperação entre academia e setor produtivo no desenvolvimento de soluções inovadoras, o PAX será uma associação sem fins lucrativos, cujas receitas serão investidas no incremento e qualificação de sua estrutura e atividades.

Informações e Foto Portal da UFRN

IFRN discute parcerias com Governo do RN para realização do Robótica 2020

Uma comitiva do IFRN se reuniu com a governadora Fátima Bezerra nesta terça-feira, 3, no Centro Administrativo, para dialogar acerca de parcerias para a realização do Robótica 2020, um dos maiores eventos da área na América Latina. Além dos representantes do Instituto, estiveram presentes outras autoridades, como o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado; o secretário de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer, Getúlio Ferreira; e o deputado estadual Francisco Medeiros, responsável pelo agendamento do encontro.

A representação do IFRN, composta pelo reitor Wyllys Farkatt, o diretor-geral do Campus Natal-Central, José Arnóbio, e pelos professores Sarah Thomaz, Amadeus Albino e Allyson Soares, professores do IFRN e membros da comissão organizadora do evento, apresentou um panorama geral do Robótica 2020, resgatando a história, as conquistas, os custos e impactos positivos que ele pode exercer na economia e na educação do estado. “A robótica hoje é uma das 10 áreas mais pesquisadas no ambiente acadêmico do mundo, além de anualmente ter um crescimento médio previsto de 11,5% até 2021 no meio da industrial”, destacou Sarah, coordenadora da comissão. Amadeus, que é o responsável pela coordenação de marketing e divulgação científica, acrescentou que além dos 4.500 participantes de toda a América Latina que estarão no evento, a expectativa de visitantes gira em torno de 60 mil pessoas durante os cinco dias previstos de programação. “O retorno científico é gigante e é o mais difícil de mensurarmos. E quando avaliamos o apoio do Governo evidenciamos o retorno que a iniciativa dá à sociedade”, afirmou.

Fátima Bezerra parabenizou o IFRN pela importância de trazer um megaevento de ciência e tecnologia para Natal. “Nosso desejo de colaborar é imenso, mas a situação financeira do Estado é delicada”, afirmou a governadora. Diante disso, Wyllys Farkatt, firmou o compromisso de, mesmo diante dos frequentes contigenciamentos financeiros, discutir com o Colégio de Dirigentes do IFRN a destinação de parte da verba de investimentos afim de viabilizar o evento. “Assim poderemos dimensionar mais objetivamente os custos, para enfrentarmos melhor essas dificuldades”, concluiu o reitor. “Agora, com o projeto em mãos, vamos analisar de que forma a parceria pode acontecer”, declarou a governadora.

As inscrições para o Curso de Especialização em Gestão Ambiental, ofertado pela Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), terminam nesta sexta-feira, 6. Até lá, os interessados devem se inscrever online no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa).

Serão ofertadas 50 vagas para graduados em qualquer área do conhecimento, das quais cinco são reservadas para servidores da Universidade. O curso será semipresencial, contará com aulas via Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) e com encontros presenciais na EAJ, em Macaíba.

A pós-graduação terá duração de 18 meses, com investimento de R$ 50 para inscrição e parcelas mensais no valor de R$ 250. Confira o edital e todas as informações em www.etec.eaj.ufrn.br.

A UFRN oferece 24 vagas para o Mestrado Profissional em Saúde da Família (Renasf). Para a seleção podem se inscrever profissionais graduados na área da Saúde, com diploma reconhecido no Brasil e que exerçam atividades de gestão ou atenção na Estratégia Saúde da Família.

As inscrições podem ser realizadas de 02 a 18 de outubro, pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) > Stricto Sensu > Processos Seletivos > Mestrado Profissional em Saúde da Família, onde o candidato pode encontrar o edital do processo seletivo, o formulário de inscrição e o link para encaminhamento dos documentos solicitados.

O preenchimento do formulário de inscrição e a entrega da documentação, em envelope lacrado, podem ser realizados na secretaria do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC), das 8h às 12h e das 14h às 17h, pelo candidato ou seu procurador legalmente constituído, ou via Correios, com recepção dos documentos dentro do prazo de inscrição do edital. O resultado será divulgado em 02 de março de 2020. Acompanhe todo o processo seletivo e o edital a partir deste link.

O IFRN está com 156 vagas abertas para os Cursos Técnicos Integrados na modalidade de educação de Jovens e Adultos – ProEJA. As vagas são referentes ao processo seletivo regido pelo Edital nº 31/2019 – Proen/IFRN, com ingresso no primeiro semestre letivo de 2020. As ofertas serão dividas entre os Campus dos municípios de: Apodi, Ipanguaçu, Natal – Zona Norte e Santa Cruz /RN. Podem participar da seleção, nesta modalidade, os portadores de certificado de conclusão do ensino fundamental (ou curso equivalente), sendo 50% das vagas destinadas a candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas brasileiras.

Para realizar as inscrições os candidatos interessados deverão acessar o link disponível AQUI, e preencher o formulário de inscrição até 5 de setembro. No ato da inscrição será necessário  informar o número de documento oficial de identificação e do CPF, e em seguida realizar o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 30,00 (trinta reais), até 13 de setembro, conforme o anexo VIII do Edital. Vale ressaltar que os candidatos do ProITEC estão ISENTOS de pagar a taxa de inscrição.

Avaliação 

A prova será aplicada em 20 de outubro, e abrangerá conhecimentos comuns às diversas formas de escolarização do ensino fundamental, em conformidade com as diretrizes. O processo Seletivo será organizado da seguinte forma:

a) Prova I – Língua Portuguesa, com 20 (vinte) questões de múltipla escolha;

b) Prova II – Matemática, com 20 (vinte) questões de múltipla escolha;

 c) Prova III – Produção Textual Escrita, com 01 (uma) questão discursiva.

Cada uma das provas terá pontuação total variando de 0 (zero) a 100 (cem) pontos. Todas as questões, independentemente do curso escolhido, serão baseadas nos conteúdos do Ensino Fundamental, de acordo com o Anexo V do Edital.

Acesse:

Inscrições

Edital 31/2019 – ProEJA 

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) está ofertando 1.260 vagas distribuídas entre os 21 campi do Instituto. O Processo Seletivo, regido pelo Edital nº 30/2019, é aberto aos portadores de certificado de conclusão do ensino médio (ou de curso equivalente), sendo metade das vagas ofertadas destinada a candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas brasileiras, inclusive em cursos de educação profissional técnica.

Os candidatos interessados devem ser inscrever, exclusivamente, via INTERNET, na Área do Candidato, por meio do sítio https://inscricoes.funcern.org, até o dia 5 de setembro. Os candidatos – com exceção dos participantes do ProITEC 2019 – deverão realizar o pagamento da taxa de inscrição (no valor de R$ 30,00) até 6 de setembro.

A seleção

A prova será aplicada em 20 de outubro e abrangerá conhecimentos comuns às diversas formas de escolarização do ensino médio, em conformidade com as diretrizes do Edital. As provas deste Processo Seletivo estão organizadas da seguinte forma:

 a) Prova I – Língua Portuguesa, com 20 (vinte) questões de múltipla escolha;

b) Prova II – Matemática, com 20 (vinte) questões de múltipla escolha;

c) Prova III – Produção Textual Escrita, com 01 (uma) questão discursiva.

Cada uma das provas terá pontuação total variando de 0 (zero) a 100 (cem) pontos. Todas as questões, independentemente do curso escolhido, serão baseadas nos conteúdos do Ensino médio, conforme programa constante no Anexo V do referido Edital.

Acesse:

Edital Nº 30/2019 – Proen/IFRN – Subsequentes

Imagem relacionada

As inscrições para os Cursos Técnicos nas modalidades: Integrado, Subsequente e ProEJA, seguem até o dia 5 de setembro. Os interessados podem se inscrever, exclusivamente via INTERNET, na Área do Candidato por meio do site https://inscricoes.funcern.org. Os candidatos – com exceção dos participantes do ProITEC 2019 – deverão realizar o pagamento da taxa de inscrição (no valor de R$ 30,00) até 6 de setembro.

Ao todo, o IFRN oferta 4.588 vagas para os Cursos Técnicos distribuídos entre os 21 campi do Instituto, com ingresso para o primeiro semestre letivo de 2020. Os processos seletivos são regidos pelos Editais 29, 30 e 31/2019 – Proen/IFRN, respectivamente.

Integrado

Os Cursos Técnicos de Nível Médio na forma Integrada ofertarão 3.172 vagas, no total. A prova do processo seletivo será aplicada em 6 de outubro, e abrangerá conhecimentos de escolarização do ensino fundamental, em conformidade com as diretrizes do Edital nº 29/2019. Podem participar da seleção os portadores de certificado de conclusão do ensino fundamental (ou de curso equivalente). Vale ressaltar que, o participante homologado no ProITEC 2019 está isento do pagamento da taxa de inscrição, para este processo seletivo.

Subsequente

Os Cursos Técnicos de Nível Médio na forma Subsequente ofertarão 1.260 vagas, no total. A prova do processo seletivo será aplicada em 20 de outubro, e abrangerá conhecimentos comuns às diversas formas de escolarização do ensino médio, em conformidade com as diretrizes do Edital nº 30/2019. Podem participar da seleção os portadores de certificado de conclusão do ensino médio (ou de curso equivalente).

ProEJA

Os Cursos Técnicos de Nível Médio na forma Integrada na Modalidade Educação de Jovens e Adultos, ofertarão 156 vagas, no total. A prova será aplicada em 20 de outubro, e abrangerá conhecimentos comuns às diversas formas de escolarização do ensino fundamental, em conformidade com as diretrizes do Edital 30/2019. Podem participar da seleção os portadores de certificado de conclusão do ensino fundamental (ou de curso equivalente).

Para saber mais acesse os respectivos Editais abaixo, ou ligue para (84) 4005-0781.

Edital Nº 29/2019 – Proen/IFRN – Oferta de Cursos Técnicos INTEGRADOS

Edital Nº 30/2019 – Proen/IFRN – Oferta de Cursos Técnicos SUBSEQUENTES 

Edital Nº 31/2019 – Proen/IFRN – Oferta de Cursos Técnicos Educação de Jovens e Adultos PROEJA

Página de Inscrição 

Portal IFRN

No último dia 15, os campi Ceará-Mirim e Natal-Zona Norte do IFRN uniram forças para realizar mais uma ação de recuperação e manutenção de laboratórios de informática de escolas públicas do Rio Grande do Norte. Essa parceria surgiu de dois programas realizados em cada Campus, o Núcleo de Extensão e prática profissional (NEPP), do Campus Ceará-Mirim, e do programa E-Lixo, do Campus NatalZona Norte, com o objetivo de fomentar a prática profissional dos alunos de Suporte e Manutenção em Informática.

Nesta etapa, a escola Aldo Fernandes, pertencente à Rede Estadual de ensino, foi visitada pelo professores Ailton Torres (Campus Natal-Zona Norte) e Isaac Danilo (Campus Ceará-Mirim), juntamente com alguns alunos bolsistas e voluntários do curso Técnico de Manutenção e Suporte de Informática, visando fazer um levantamento sobre o estado atual dos laboratórios de informática e realizar a sua recuperação.

Metodologia

O E-Lixo se constitui em um espaço de prática profissional aos estudantes dos cursos técnicos em Eletrônica, Informática e Manutenção e Suporte em Informática e promove, ainda, treinamentos, palestras e pesquisas relacionadas ao tema. A iniciativa oferece também assistência técnica a servidores e alunos do Campus Natal-Zona Norte, no que diz respeito a equipamentos eletroeletrônicos.

O projeto tem caráter itinerante em instituições públicas tem atendido escolas da Cidade de Ceará-Mirim, Taipu e, em breve, atenderá mais municípios da região. A iniciativa é coordenada pelo professor Hadley Magno e conta com a colaboração dos professores Isaac Danilo e João Marcos Lacerda.

Após muito empenho, trabalho duro e longas horas de estudo, o aluno Victor Agnez, do Talento Metrópole – programa do Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) que oferece formação para jovens com altas habilidades/superdotação – conseguiu ser aprovado na seleção de estágio de três grandes e famosas empresas de tecnologia do mundo: Facebook, Google e Microsoft.

Com viagens programadas para iniciarem em dezembro, para cada estágio, o estudante de 21 anos passará uma temporada de aproximadamente três meses em países diferentes, começando com Dinamarca (Google), seguindo para os Estados Unidos (Microsoft) e finalizando com Inglaterra (Facebook).

Segundo o aluno, participar de competições de programação foi um dos meios que o levou a conseguir algo maior. Os amigos que fez nas disputas e que já trabalhavam em grandes empresas de tecnologia foram, de acordo com Victor Agnez, pontes para grandes oportunidades.

“Uma boa dica para quem se interessa por isso é conhecer e participar da Maratona de Programação. Foi isso que me permitiu receber oportunidades nessas empresas e conhecer muita gente do Brasil todo”, explica Agnez.

Segundo a professora Izabel Hazin, coordenadora do Talento Metrópole, o estudante, desde o início do programa, demonstrou interesse em focar suas atividades acadêmicas em olimpíadas e competições. “Com base nisso, pensamos uma série de atividades, orientadas por professores específicos, para dar a Victor o que ele buscava. Hoje nós vemos o resultado”, conta Hazin.

Seleção

Victor Agnez conta que a participação em seleções de estágio consiste em algo simples: o envio de currículo. Porém, sua participação em eventos internacionais, como a Maratona de Programação, também lhe rendeu bons retornos.

Um deles foi o programa de estágio na Microsoft, do qual participou entre os meses de dezembro de 2018 e fevereiro de 2019, que, segundo Victor, surgiu a partir da indicação de um amigo.

“A minha experiência com a Microsoft foi melhor do que eu esperava. E eu já estava com as expectativas lá em cima. A empresa é excelente, trata muito bem a pessoa e o ambiente também é agradável”, conta Agnez.

Da experiência, surgiu o segundo convite de estágio na gigante de tecnologia, dessa vez para 2020. Já nos casos do Google e Facebook, essa será a primeira vez de Victor Agnez, que se mantém confiante e aberto às novas experiências. “Com certeza é uma coisa boa para se informar no currículo e isso também vai me preparar quando for para o mercado de trabalho”, acrescenta.

Formação

Atualmente, Victor é formado em Tecnologia da Informação (TI) e está cursando Ciências da Computação. Futuramente, pretende trabalhar com algoritmos, mas ainda não sabe se vai ser na área acadêmica ou no mercado.

“Posso usar algoritmos tanto no mercado, desenvolvendo produtos e tudo mais, quanto na academia, estudando, fazendo pesquisa na área de otimização e outras que me interessam. Ainda vou decidir para qual dos lados eu vou”, explica.

Victor Agnez diz que começou a se interessar por programação quando participou da Olimpíada Brasileira de Informática, no ensino fundamental. Desde então, ao entrar para o Talento Metrópole, segue o caminho na área de tecnologia.

IMD

A população do distrito de Traíras receberá em breve uma moderna escola de ensino médio, com padrões de desenvolvimento sustentável. A Escola Estadual Ivonete Felipe de Souza está localizada ao lado da nova creche do distrito, próxima ao CERU e atenderá aproximadamente 600 estudantes.

O projeto foi concebido de acordo com critérios de sustentabilidade, com medidas de aproveitamento de recursos naturais em ações como a reutilização das águas da chuva para limpeza dos ambientes, do esgoto tratado em irrigação de jardins e áreas verdes e captação de energia solar por painéis fotovoltaicos.

A Prefeitura de Macaíba, na administração do prefeito Fernando Cunha, cedeu o terreno para a construção da escola pelo Governo do Estado. Em parceria com o Governo, também está sendo construído o Centro de Educação Profissional Tecnológica do distrito Mangabeira. O terreno para as obras do novo espaço foi cedido pela Prefeitura.

O local contará com 12 salas de aula; auditório para 200 pessoas; seis laboratórios; ginásio com vestiários e arquibancada; biblioteca; um teatro de arena; pavilhão administrativo com sala para professores e corpo diretor; banheiros; cozinha; cantina; refeitório; área de convivência; estacionamento e guarita.

Assecom

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), através da Rede e-Tec Brasil na UFRN, divulgou edital para o Curso de Especialização em Gestão Ambiental. As inscrições devem ser feitas online no SIGAA (www.sigaa.ufrn.br) até o dia 6 de setembro.

Serão ofertadas 50 vagas para graduados em qualquer área do conhecimento. O curso será semipresencial, contará com aulas via Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) com encontros presenciais na EAJ, em Macaíba. A pós-graduação terá duração de 18 meses com o investimento mensal de R$ 250. A carga horária de 360 horas será distribuída em 11 disciplinas agrupadas em três blocos.

Confira o edital e todas as informações aqui.

Especialização Gestão Ambiental W

UnB foi a primeira universidade federal a adotar sistema de cotas raciais

Marcello Casal Jr/Agência Brasi

Agência Brasil – O secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Arnaldo Lima, defendeu,  nesta segunda-feira (19), uma nova distribuição de recursos da União para as universidades federais. Para ele, os índices de desempenho seriam um balizador mais adequado para definir o repasse de verbas.

Arnaldo afirmou que as universidades com os melhores índices de governança, por exemplo, deverão ser premiadas. “A forma de exercer autonomia universitária é prestar contas do subsídio que recebe. Então, quem é que presta contas? É aquele que tem melhor governança. Os indicadores de governança fazem com que a gente tenha mais previsibilidade para que não faltem recursos.”

Segundo ele, existem alunos de universidades no Sudeste que custam mais caro que alunos do Nordeste, por exemplo. “Muitas vezes as universidades que se destacam no índice de governança, ou seja, que fazem melhor planejamento, são as que menos recebem recursos”. O secretário falou no 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, o Jeduca, ocorrido em São Paulo.

Ele acrescentou que a mudança será discutida com os reitores. Um dos indicadores será o ranking de governança do Tribunal de Contas da União (TCU). Outros índices utilizarão a criação de patentes e de empregabilidade. A previsão é que o debate sobre o tema seja aprofundado entre o final deste ano e meados do ano que vem.