Educação Arquivo

O Restaurante Universitário (RU) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) retoma o funcionamento a partir desta terça-feira, 5, no campus central da instituição. Em virtude da obra de acessibilidade ainda em curso na área de alimentação, as refeições serão produzidas no Restaurante Central e servidas no novo refeitório, situado entre os setores de aulas III e IV. De início, o atendimento será exclusivo para os alunos identificados como prioritários pela assistência estudantil, que terão acesso ao almoço e jantar. A mesma regra vale para o refeitório da área Biomédica.

De acordo com o pró-reitor de Assuntos Estudantis da UFRN, Edmilson Lopes, os servidores e demais estudantes pagantes, sejam integrais ou subsidiados, poderão usufruir dos serviços do Restaurante Universitário após o término das obras, previsto para o mês de dezembro. “Decidimos retomar as atividades colocando em primeiro lugar o atendimento aos discentes prioritários para a assistência estudantil, apesar de ainda estarmos em processos burocráticos para aquisição de material de consumo. Graças aos esforços e à dedicação da equipe de servidores do RU, conseguimos esse adiantamento”, explica.

 Candidatos chegam para o  primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), na Tijuca, zona norte do Rio.

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Democratização do acesso ao cinema no Brasil é o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019. Hoje (3), os participantes do exame fazem, além da redação, as provas de linguagens e ciências humanas. As provas começaram a ser aplicadas às 13h30 e vão até as 19h, no horário de Brasília.

O tema foi anunciado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, pelo Twitter. “Esse é o tema, estou aqui em Palmas, capital do estado de Tocantins, no colégio da Polícia Militar conferindo se o Enem está indo tudo bem. Tudo 100%, zero de atraso, zero de problemas, tudo caminhando para ser o melhor Enem de todos os tempos”, disse em vídeo.

Na manhã da última quinta-feira (31), a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) promoveu a primeira exposição de artes da unidade acadêmica. A exposição “Arte por Toda Parte” contou com desenhos e textos desenvolvidos pelos alunos da Escola. A atividade foi idealizada e desenvolvida pela professora Fátima Lucas.

O objetivo da exposição foi exibir os trabalhos e mostrar o talento dos alunos nos diversos âmbitos das artes, além de valorizar cada uma das produções dos estudantes. De acordo com a coordenadora, a ideia da exposição veio também para elevar a autoestima dos discentes. “O objetivo também era esse, de resgatar a autoestima desses alunos quanto ao próprio trabalho. Muitos deles mostram o trabalho, mas ficam com receio de exibir, não valorizam tanto”, comenta.

A exposição foi um momento para mostrar o potencial dos alunos e de tornar público os trabalhos para os demais estudantes, professores e funcionários da EAJ-UFRN. A proposta da exposição foi apresentada para os alunos e os que tinham interesse se inscreveram e levaram os próprios desenhos, textos e demais produções. Em seguida, foi feita uma divulgação para o evento.

Daniel Fernandes, estudante do Curso Técnico em Informática, foi um dos alunos que levaram algumas das próprias produções e acha que eventos com essa temática são importantes pois promovem interação e permitem que artistas possam se expressar. Acerca da exibição das obras, o aluno fala que não imaginava mostrar o trabalho para outras pessoas e fala que foi divertido. “Eu achei muito divertido. Eu nunca imaginei que poderia expor meus desenhos para outras pessoas como aconteceu. Eu achei incrível, de verdade. Ver que o que eu faço tem algum valor e pode causar sentimentos e emoções na outras pessoas me deixou muito feliz. Espero que as pessoas tenham absorvido coisas boas dos meus desenhos”, comenta. O estudante recebeu diversos elogios do público que parava para observar seus desenhos .

A “Arte por Toda Parte” recebeu diversos visitante ao longo do dia, que apreciaram os diversos trabalhos expostos. Essa foi a primeira edição da exposição e a perspectiva é ela seja realizada todos os anos.

Assim como em anos anteriores, a Prefeitura de Macaíba também vai disponibilizar transporte gratuito para os estudantes que forem fazer as provas do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM 2019. As datas do exame deste ano são 03 e 10 de novembro. É importante que os (as) candidatos (as) estejam atentos que desta vez não há Horário de Verão.

Os portões abrem às 12h e fecham às 13h, e a aplicação das provas tem início no horário das 13h30. Confira a seguir as rotas e os horários locais de Macaíba.

Rota 1: Capoeiras, Riacho do Feijão, Porteiras, Lagoa do Sítio I, Traíras, Canabrava, Riacho do Sangue, Jundiaí, Centro (Escolas onde acontecerão as provas).

Rota 2: As Marias, Cajazeiras, Reta Tabajara, Centro (Escolas onde acontecerão as provas), Jundiaí.

Rota 3: Guarapes, Barro Branco, Mangabeira, Conjunto Manoel Dias, Centro (Escolas onde acontecerão as provas), Jundiaí.

É importante ressaltar que os ônibus estarão circulando a partir das 10h45, obedecendo à sequência de suas rotas, ou seja: Saindo de Capoeiras, As Marias e Guarapes no referido horário, simultaneamente.

A imagem pode conter: 19 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna

Foto: Dandarah Filgueira – Ascom ISD

Nesta quinta-feira, 31/10, o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS) recebeu uma visita de alunos de cursos de Engenharias (Elétrica, Automação e Robótica) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), da Paraíba.

O grupo composto de alunos de graduação, doutorado e professores passou a tarde conhecendo as instalações e laboratórios do IIN-ELS, onde puderam também saber mais sobre as linhas de pesquisa do Instituto.

Ao final da visita Lucas Fernando Andrade e Felipe Henrique Neiva apresentaram projetos dos alunos de graduação e pós-graduação de Engenharia Elétrica e Robótica da UFCG. O momento foi de troca de experiências e conhecimentos. Sejam sempre bem-vindos!

 Tem interesse em conhecer as unidades do Instituto Santos Dumont? Escolas, instituições de ensino e pesquisa, além de outras entidades e pessoas que queiram nos conhecer em Macaíba (RN) podem solicitar visita e enviar detalhes por e-mail: contato@isd.org.br

Desde 2012, o Grupo de Estudos em Solos (GESOLO) vem trabalhando com a temática “Gestão de Resíduos Orgânicos”, iniciando as atividades a partir da implantação do Setor de Compostagem da Escola Agrícola de Jundiaí. Essa preocupação se deve, principalmente, em função de órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta terem como obrigatória a separação de resíduos recicláveis descartados, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, a partir da Lei 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos).

Dentre as várias formas de reciclagem dos resíduos orgânicos pode- se destacar o processo de compostagem como uma das mais eficientes em se obter o composto orgânico, produto final deste processo. A gestão de resíduos pode reduzir milhares de toneladas de lixo enviados para os lixões e/ou aterros sanitários, atenuando a poluição da água e do solo, efeito estufa, servindo como um exemplo para inspirar o pensamento ambiental consciente por parte da sociedade.

Destaca-se a oportunidade de a Universidade servir de exemplo, contribuindo com a gestão de resíduos fora do ambiente universitário, como Associações Comunitárias e Escolas de ensino fundamental e ensino médio. Portanto, o presente trabalho terá como objetivo ampliar, acompanhar e implantar a gestão de resíduos orgânicos em diferentes ambientes: Universitário (EAJ-UFRN), Comunitário (Associação de moradores) e Escolar (Escola Municipal Luiz Carlos Guimarães), por meio do processo de compostagem.

Sendo assim, o referido projeto busca viabilizar o gerenciamento de resíduos de maneira correta como determina a Lei 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos) “a gestão de resíduos precisa assegurar o reaproveitamento e reciclagem máximos, bem como a redução dos rejeitos — que são os materiais que não apresentam viabilidade técnica e econômica para o processo de reciclagem. Cada gerador se responsabiliza pelos resíduos produzidos, os quais devem ser segregados na fonte.” E com isso, minimizar os efeitos negativos dos mesmos no meio ambiente.

O Projeto encontra- se em sua fase inicial, no levantamento de dados quantitativos e qualitativos dos resíduos gerados pelos diversos setores da EAJ-UFRN, que posteriormente serão utilizados para continuidade das outras fases (Implantação e Manutenção) do projeto.

O principal objetivo é ampliar, acompanhar e implantar a gestão de resíduos orgânicos gerados pela comunidade acadêmica da EAJ-UFRN. Diz o Aluno de Engenharia Agronômica Francisco de Oliveira: “Além disso, foi estruturado um curso sobre compostagem de resíduos orgânicos e coleta seletiva, bem como materiais didáticos como folders e cartilhas informativas, que serão apresentados aos alunos da graduação, funcionários (EAJ-UFRN e terceirizados) que trabalham em setores geradores de resíduos (orgânicos, recicláveis e não recicláveis). Estão sendo realizadas visitas aos setores e checagens em cada um deles” conclui o estudante.

Levando-se em consideração o ciclo de vida dos produtos, a produção limpa, e a sustentabilidade, a gestão de resíduos surge como uma oportunidade de contribuir com a qualidade na separação e na destinação adequados resíduos, reduzindo os danos ao meio ambiente e à saúde pública. Como também, dar subsídio para a elaboração do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos (PGRS) a partir da identificação do tipo e quantidade de cada resíduo gerado, indicando as diversas formas ambientalmente corretas para o manejo, acondicionamento, tratamento, transbordo, transporte, reciclagem até a sua destinação final.

Fazem parte da ação professores, alunos, participantes do Grupo de Estudos em Solo, bolsistas e alunos voluntários, funcionários (EAJ-UFRN e terceirizados) que trabalham em setores geradores de resíduos (restaurante universitário, centro de convivência e outros setores existentes na Escola Agrícola de Jundiaí) e Departamento de Meio Ambiente do Campus Central, bem como Professores da Escola Municipal Luiz Carlos Guimarães (Nova Parnamirim/Parnamirim) e da Escola Municipal Mário Pinheiro da Silva (Ceará Mirim).

A Equipe é formada também pelos professores Dr. Gualter Guenther e Dr.ª Ermelinda Oliveira (Coordenadores do Projeto); Marcelo Dantas (FIERN – Colaborador); Anderson Patrício (Eng. Agrônomo – Colaborador); Roan Medeiros (Eng. Civil – Colaborador); Clélia Regina (Aluna Eng. Agronômica – Bolsista de extensão); Anderson Thulio (Aluno Eng. Agronômica – Bolsista); Francisco Luciano (Aluno Eng. Agronomica – Voluntário); Francisco Rolemberg (Vice-Presidente da COOPEAJ); Sara Queiroz (Aluna do Ensino Técnico – Presidente do Grêmio).

O IFRN, por meio da Coordenação de Acesso Discente (Cadis), publicou, nesta quarta-feira (30), os editais nº 33/2019 – Proen/IFRN, nº 35/2019 – Proen-IFRN e nº 36/2019 – Proen/IFRN, referentes aos Cursos Superiores de Pós-Graduação Lato Sensu na modalidade EaD e Especialização em Gestão Pública EaD – Exclusivo para servidores do IFRN, respectivamente.

As inscrições de ambos os processos seletivos se iniciam nesta sexta-feira (1º) e podem ser realizadas, exclusivamente via internet, por meio do Sistema Gestor de Concursos (SGC).

Confira:

Cursos Superiores de Pós-Graduação Lato Sensu na modalidade EaD

O processo seletivo regido pelo Edital nº 33/2019 oferta, ao todo, 175 vagas para ingresso nos Cursos Superiores de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização na modalidade a distância do Campus Natal Zona Leste do IFRN, no primeiro semestre letivo de 2020. Os candidatos interessados poderão se inscrever a partir das 14h desta sexta-feira (1º), até às 17h do dia 13 de novembro. Para mais informações, clique AQUI.

Especialização em Gestão Pública EaD

Ao todo, são 35 vagas para Curso Superior de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização em Gestão Pública, na modalidade de ensino a distância. Os interessados poderão se inscrever a partir das 14h desta sexta-feira (1º), até às 17h do dia 13 de novembro. Saiba mais AQUI.

Especialização em Gestão Pública EaD 2020.1 – Exclusivo para servidores do IFRN

São 10 vagas ofertadas para o Curso Superior de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização em Gestão Pública, na modalidade de ensino a distância, no âmbito da Política de Capacitação e Qualificação de Servidores do Instituto. As inscrições se iniciam nesta sexta-feira (1º), e seguem até às 17h do dia 13 de novembro. Acesse o Edital AQUI.

Acesse:

Cursos Superiores de Pós-Graduação Lato Sensu EaD

Especialização em Gestão Pública EaD

Especialização em Gestão Pública EaD 2020.1 – Exclusivo para servidores do IFRN

Inscrições

A equipe do componente curricular Práticas de Leitura e Escrita (PLE) do curso de Ciências e Tecnologia promoverá, dia 4 de novembro, um debate regrado com o tema Instalação de um sistema de controle e vigilância para conter a divulgação de fake news.

Aberto ao público e sem inscrição prévia, o debate será realizado nos horários M34 (8h55 às 10h35), M56 (10h50 às 12h30) e N34 (20h35 às 22h15), no auditório “F” da Escola de Ciências e Tecnologia (ECT/UFRN). Os interessados poderão acompanhar o debate também via internet (streaming) por meio das redes sociais da ECT.

O debate regrado tem seu tema elaborado a partir de uma demanda social. Dessa vez, a equipe de PLE observou que as fake news tiveram uma forte influência nas eleições brasileiras e norte-americanas, assim como na bolsa de valores e em outros espaços do cotidiano.

Para impulsionar o debate, foram convidados os professores da ECT Aquiles Burlamaqui, doutor em Engenharia Elétrica; Edson Silva, doutor em Física; José Henrique Fernández, doutor em Geofísica Espacial; Francisco Geoci da Silva, doutorando em Linguística Aplicada, além da jornalista Glácia Marillac.

exame_do_enem_2015.jpg

EBC

Agência Brasil – Redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que tiraram a nota máxima têm pelo menos seis pontos em comum: demonstram domínio da modalidade escrita formal, respeitam os direitos humanos, têm proposta de intervenção para o problema apresentado no tema, têm repertório sociocultural, atendem ao tipo textual dissertativo-argumentativo e apresentam as características textuais fundamentais, como coesão e coerência.

Esses foram os aspectos destacados por especialistas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) que comentaram sete redações que tiraram a nota mil no Enem 2018. O tema do ano passado foi Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet.

As redações nota mil e os comentários dos especialistas estão na Cartilha do Participante, disponível no site do Inep. A prova de redação do Enem 2019 será aplicada neste domingo (3) para cerca de 5,1 milhões de candidatos inscritos no exame. Além da redação, eles farão as provas de ciências humanas e linguagens.

A cartilha traz também exemplos de trechos que fizeram com que os participantes zerassem as competências analisadas pelos corretores. Cada uma das cinco competências vale 200 pontos.

Um dos quesitos é respeito aos direitos humanos. De acordo com o Inep, são consideradas desrespeito aos direitos humanos propostas que incitam as pessoas à violência, ou seja, aquelas em que transparece a ação de indivíduos na administração da punição – por exemplo, as que defendem a “justiça com as próprias mãos”.

No ano passado, zeraram essa competência os textos que incitavam tortura e cárcere privado a pessoas que faziam o uso do controle de dados para a manipulação, que promoviam censura e vigilância em massa, que impediam a liberdade de acesso à informação e comunicação de qualquer pessoa ou grupo e que negavam direitos humanos a qualquer pessoa.

Algumas dicas, de acordo com a cartilha, são importantes para ir bem na prova. O Inep aconselha: “Procure escrever sua redação com letra legível, para evitar dúvidas no momento da avaliação. Redação com letra ilegível poderá não ser avaliada”.

Correção da prova

Cada redação será corrigida por duas pessoas. Eles darão notas de 0 a 200 para cada uma das cinco competências avaliadas no Enem. A nota final será a média aritmética das duas notas.

Caso haja uma diferença entre as notas de mais de 100 pontos na nota final ou de mais de 80 pontos em qualquer uma das competências, a redação passará por um terceiro avaliador.

Se a diferença entre as notas dadas se mantiver, a redação será avaliada por uma banca presencial composta por três professores, que definirá a nota final do participante.

As cinco competências avaliadas na redação do Enem são:

1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Motivos para zerar a redação

A nota zero na redação impede o candidato de participar de processos seletivos do Ministério da Educação (MEC) como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona estudantes para vagas em universidades públicas, e o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudos em instituições privadas de ensino superior, e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

De acordo com o Inep, a redação receberá nota zero se apresentar uma das características a seguir: fuga total ao tema, não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa, texto de até sete linhas, cópia integral de textos da prova de redação ou do caderno de questões,  impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação em qualquer parte da folha de redação, números ou sinais gráficos fora do texto e sem função clara ou parte deliberadamente desconectada do tema proposto.

Veja os temas da redação de edições anteriores

Enem 2009: O indivíduo frente à ética nacional

Enem 2010: O trabalho na construção da dignidade humana

Enem 2011:  Viver em rede no século XXI: Os limites entre o público e o privado

Enem 2012: O movimento imigratório para o Brasil no século XXI

Enem 2013:  Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil

Enem 2014: Publicidade infantil em questão no Brasil

Enem 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

Enem 2016: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil e Caminhos para combater o racismo no Brasil – Neste ano houve duas aplicações do exame.

Enem 2017: Desafios para formação educacional de surdos no Brasil

Enem 2018: Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet.

O projeto de pesquisa “Monitoramento Inteligente da Umidade do Solo para o Cultivo de Tomate em Estufa” é focado na irrigação de precisão e é coordenado pelo docente Leonardo Rodrigues de Lima Teixeira, tem coorientação do Engenheiro Agrônomo, Anderson Fernandes e conta com João Paulo, discente do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN).

O projeto desenvolve o monitoramento e controle de umidade na estufa onde ocorre o cultivo de tomate e dá continuidade a um trabalho já desenvolvido anteriormente na Escola Agrícola. O surgimento se deu devido à problemática trazida pelo Engenheiro Agrônomo no que se refere às fases e profundidades do tomate. “O tomate tem profundidade e fases diferentes. Fase 1, 2 e 3. Na primeira fase ele tem uma profundidade, a raiz de 10cm, depois 20cm e, em seguida, 30cm”, explica Leonardo.

Para realizar o monitoramento e o controle da bomba de irrigação, foram colocados três sensores. No início, os sensores resistivos que estavam sendo usados durante a pesquisa apresentaram alguns problemas. A leitura dos sensores já estava sendo feita e sendo transmitida para um módulo central. O módulo central é o responsável por armazenar cada valor de umidade do solo lido em um banco de dados local e por hospedar um Web Service. Como não há acesso à Internet nas proximidades da estufa para disponibilizar os dados pela mesma, o usuário deve se aproximar do módulo central e realizar, via aplicativo, uma requisição dos dados ao Web Service, que serão transferidos por Wi-Fi para a memória interna do celular. Ao encontrar um ambiente com disponibilidade de Internet, o usuário pode sincronizar os dados do celular para a nuvem, tendo acesso aos gráficos de umidade do solo. Através do aplicativo móvel também é possível configurar o controle manual da irrigação, assim como o controle automático temporal (indicando o tempo que a bomba deve ficar ligada e o tempo que ela deve ficar desligada, independente do valor dos sensores).

O projeto era realizado até o ano passado pelo aluno Joffrey Peyrac. Foi desenvolvido o aplicativo que se aproxima do módulo central e que passa os dados para o celular através do wi-fi. Mas ainda não se considerava um monitoramento inteligente devido ao processo das fases. “Na fase 1, estava sendo lido o sensor da primeira profundidade; na fase 2, da segunda; e na fase 3, da terceira. Entretanto, um exemplo: está na segunda fase, então você está olhando somente o segundo sensor, está mandando irrigar. Porém, a água não chega instantaneamente na segunda profundidade, ela ainda está na primeira”, explica. “Então, na segunda fase, o mais correto seria realizar um monitoramento ponderando o sensor 2, o sensor 1, da mesma forma que numa terceira oportunidade, na terceira fase, avaliaria a fase 3, fase 2 e 2. Os três sensores ao mesmo tempo”, finaliza.

O ponto do projeto é como fazer a leitura dos três e integrar os três valores de forma a ponderar da maneira correta. O monitoramento inteligente é colocar inteligência artificial na leitura dos três sensores de forma que aconteça a melhor irrigação. Uma boa irrigação se dá pelo aspecto da economia de água e energia, mantendo a planta nutrida de água. Acerca dessa nutrição da planta, Leonardo explica: “a planta tem uma faixa de água, uma quantidade de água que a gente chama de ‘capacidade de campo’. É o valor máximo que a água consegue absorver sem perder a água para o solo. Se você coloca mais, você acaba perdendo nutrientes até mesmo do solo”.

O projeto agora utiliza os sensores capacitivos, que leva em consideração fenômeno físico da “capacitância”. Os sensores capacitivos são constituídos de duas placas paralelas e deve-se colocar a amostra de solo entre as placas, fazendo com que haja o comportamento de um capacitor, com a amostra sendo o material dielétrico. Dessa forma, a umidade do solo é obtida a partir do valor da capacitância do capacitor.

O solo da estufa foi levado para a EMPARN, para que se possa estimar este solo, para saber qual a capacidade de campo e qual a umidade crítica. O projeto agora também trabalha com a Lógica Fuzzy, chamada de lógica nebulosa, para traçar a estratégia inteligente de utilizar os três valores e conseguir estimar o valor maior a ser considerado, a partir desses três valores de cada fase, e não apenas um valor.

O estudante João Paulo fala acerca da participação e execução do projeto. “Está sendo muito bom porque estou participando de um trabalho que dá para ver um resultado prático. Por exemplo, existem muitos projetos de pesquisa que são validação de alguns métodos, uma coisa mais teórica. Na hora que se está fazendo algo que surte efeito no campo e que tem uma grande chance de ser implementado, você se sente mais motivado para pesquisar e desenvolver”, comenta.

A perspectiva é que o projeto seja expandido. “Hoje a gente está trabalhando na estufa com o cultivo de tomate, amanhã a gente pode estar trabalhando em outro, em seguida, em campo aberto. E quando você tem a parte tecnológica de comunicação, aquisição de dados e manipulação validada, a continuação desse trabalho seria na adaptação na inteligência dele para um novo cultivo, um novo solo, um novo ambiente. A ideia é continuar avançando”, explica Leonardo. Segundo o coordenador, a ideia de continuar avançando também pode levar em consideração o cultivo hidropônico que existe na EAJ e também realizar outras relações. “Linkar o que foi desenvolvido aqui e aplicar em outras coisas”, fala.

Consumo de água e energia, além do número de frutos, serão analisados para verificar o sucesso ou não do uso do sensor inteligente. Serão abordadas também questões de autonomia do sensor, com utilização de painéis fotovoltaicos, assim como serão estudadas estratégias para economia no consumo de energia. Os passos de desenvolvimento do projeto serão melhor descritos no Método Científico.

A Semana Literária de Macaíba (SLIM) 2019 foi realizada com êxito, tendo seu desfecho no final da tarde desta sexta-feira (25/10), na Praça Paulo Holanda Paz, no Centro de Macaíba. A programação oficial começou ontem (24/10) no Arco-Íris Recepções, com sarau protagonizado pelo escritor Heverton Duarte. Na sequência, foi lançado o livro “Sophia Lyra entre a História e a Literatura”, de autoria da professora doutora Maria Arisnete Morais, membro da Academia Macaibense de Letras. Por fim, show musical com a cantora Jaina Elne.

A edição de 2019 trouxe o tema “O universo circense na educação: cultura, arte e literatura aliadas por uma escola melhor”. A estimativa é que mais de 9 mil pessoas circularam pelas imediações do evento durante o ápice de sua realização na Praça Paulo Holanda, no decorrer desta sexta, proporcionando aos presentes uma gama de atividades e opções, dentre elas: shows de mágica, espetáculos circenses, danças culturais, gincanas literárias, contação de histórias, exposições fotográficas e de quadrinhos (HQZ), encenações de teatro popular, tendas de artesanato, livros e culinária e também um parque infantil.

“Tivemos a participação de mais de 40 escolas, entre púbicas municipais e estaduais de Macaíba, além de escolas privadas que atuam na cidade e uma escola de Parnamirim”, explicou o secretário municipal de Educação, Domingos Sávio.

Vale destacar que o tema da VI SLIM vem sendo trabalhado desde o início deste ano letivo de 2019 nas escolas da rede municipal, com o intuito de propiciar às atividades cotidianas dessas escolas um diálogo com a arte do circo como lugar de valores culturais, sociais, estéticos, políticos e econômicos, auxiliando no processo de aprendizagem diário.

Sobre a SLIM

A Semana Literária de Macaíba é realizada desde o ano de 2014, na terceira gestão do prefeito Fernando Cunha, por proposição da vereadora Ismarleide Fernandes. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, “o objetivo é fomentar a prática da leitura nos espaços escolares e públicos, propiciando assim a toda a sociedade macaibense momentos de valorização da cultura e literatura nacional e local”.

Com Informações da Assecom

Apresentação da Escola Manoel Duarte durante a II Gincana Literária Terceira colocada na classificação final.#SLIM2019

Posted by Macaíba no Ar on Saturday, October 26, 2019

Neste mês de Outubro, acontece o XXX Congresso de Iniciação Científica e Tecnológica da UFRN. O evento deste ano aborda o tema “Bioeconomia: diversidade e riqueza para o desenvolvimento sustentável”.

O Congresso se divide nas fases online e presencial. A fase online, que foi realizada de 16 a 20 de setembro, ocorreu por meio da disponibilização dos vídeos com as apresentações dos trabalhos dos discentes, para visitas pela comunidade acadêmica e público externo e avaliação pelos consultores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Já a fase presencial é realizada na Escola de Ciências e Tecnologia (ECT), entre os dias 21 e 25 deste mês.

Essa etapa da fase presencial consiste em uma apresentação de 10 minutos para uma banca composta por professores de diferentes áreas, e 5 minutos para perguntas. Foram 30 alunos escolhidos para a área de Ciências da Vida, 30 para área de Ciências Exatas e da Terra e 30 para Ciências Humanas e Sociais, Letras e Artes.

Os estudantes da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN), Luan Magioli Barros, do curso técnico em Informática, e Wendy Mattos Teixeira de Souza, do curso de graduação em Engenharia Florestal, apresentaram trabalhos para o eCICT na fase presencial, segunda fase do Congresso. Luan apresentou o trabalho “Desenvolvimento do Sistema de Análises do Teste de Tetrazólio em Sementes de Soja”, orientado pelo Professor Márcio Dias Pereira. Já Wendy apresentou o trabalho intitulado “Seleção e Matrizes Para Produção de Sementes de Pityrocarpa moniliformis (Benth) Luckow & R. W. Jobson”, orientada pelo Professor Mauro Vasconcelos Pacheco.

Luis, que trabalha em projeto de pesquisa desde o ano em que entrou na EAJ e já acompanhou outro colega de curso na apresentação de trabalho no Congresso, conta da expectativa e da experiência em participar do evento neste ano. “A gente trabalhava na mesma base de pesquisa e eu fiquei muito ansioso para apresentar e ver se o projeto iria ser chamado. Era algo que eu já vinha sonhando. Está sendo tudo muito novo, mas está sendo muito bom e recompensador ter sido chamado e ter o trabalho aprovado”, fala.

O aluno fala que a apresentação do trabalho é de grande importância para todos os envolvidos, devido ao crescimento de cada um que idealizou e desenvolveu, e para o próprio trabalho em si, visto que houve um crescimento no projeto, um bom feedback dos avaliadores e o reconhecimento.

Wendy fala da importância e da experiência de participar do Congresso. “Por muito tempo a pesquisa na área da florestal foi esquecida, e participar desse congresso, representando o curso de Engenharia Florestal, é de extrema importância para enriquecer a pesquisa nesta área. É muito gratificante ter sido aprovada nesta fase. Visto que, infelizmente, a área de tecnologia de sementes e produção de mudas é negligenciada e não possui a devida importância, pois todo o resultado de uma população florestal depende em grande parte da qualidade de sementes”, explica. “Está sendo uma experiência maravilhosa, é a base para saber que estou no caminho correto do que eu quero para o meu futuro. No primeiro momento foi uma sensação incrível e assustadora ao mesmo tempo, saber que iria apresentar para várias pessoas de diferentes cursos. Depois de ter apresentado me sinto muito realizada”, finaliza. A aula foi selecionada na área de Ciências da Vida.

A Comissão Julgadora avalia as apresentações de acordo com os seguintes critérios: mérito, relevância e qualidade do trabalho; desempenho durante a apresentação; desempenho ao ser confrontado/questionado e qualidade dos recursos utilizados. Um comitê externo à UFRN é responsável pela avaliação desta segunda fase.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) é a universidade mais empreendedora das regiões Norte e Nordeste. O resultado foi divulgado em sessão solene na Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira, 22, durante a apresentação do Ranking de Universidades Empreendedoras 2019. No país, a UFRN alcançou a 11ª colocação, à frente de universidades tradicionais, como a Universidade Federal do Rio de Janeiro (12º) e Universidade Federal do Triângulo Mineiro (32º).

Realizado pela Brasil Júnior, Confederação das Empresas Juniores Brasileiras, o índice enumera as universidades mais empreendedoras do país e busca compreender quais práticas incentivam a inovação nas instituições de ensino superior, utilizando como critérios a inovação, extensão, cultura empreendedora, capital financeiro, infraestrutura e internacionalização. Nessa terceira edição, foram classificadas 123 universidades de todos os estados brasileiros. A equipe realizadora define uma universidade empreendedora como uma comunidade acadêmica inserida em um ecossistema favorável e que desenvolva a sociedade por meio de práticas inovadoras.

Em 2019, a UFRN alcançou números proeminentes para a realidade do Nordeste, o que a situou em 13º no país no número de patentes pedidas, de acordo com o Ranking Universitário da Folha (RUF), divulgado no início deste mês de outubro. Além disso, com 18 cartas-patente concedidas, a UFRN está à frente de universidades com Índice Geral de Cursos (IGC) similar ao seu, como Universidade Federal do Ceará, Universidade Federal de Pernambuco e Universidade Federal da Bahia. “Os resultados são fruto do esforço institucional de aproximação da Universidade com o setor produtivo e consequente aproveitamento das tecnologias e do conhecimento gerados aqui dentro da academia pelas empresas, o que acreditamos que impacta diretamente no desenvolvimento da nossa região”, colocou o diretor da Agência de Inovação da UFRN, Daniel Pontes.

Ele pontuou que a própria criação da unidade, datada de junho de 2019, é fruto desse esforço. Embora já existisse desde 2007, inicialmente sob a nomenclatura de Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) e vinculada à Pró-Reitoria de Pesquisa, a unidade passou por uma reestruturação que a transformou em unidade suplementar. Assim, expandiu suas atribuições, dentre as quais a gestão da propriedade intelectual, transferência de tecnologia e dos ambientes promotores de inovação na UFRN, acompanhando e estimulando, por exemplo, as atividades das incubadoras da Universidade, bem como, as atividades dos parques e polos tecnológicos.

Números da inovação da UFRN

-237 pedidos de patente

-18 patentes concedidas

Softwares: 177 registrados

-Marcas: 58 registradas

-Incubadoras: 5

-Gestora do primeiro e único parque tecnológico do Estado

A Prefeitura de Macaíba, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação (SME), promove a 6ª edição da Semana Literária de Macaíba (SLIM), com o tema “O universo circense na educação: cultura, arte e literatura aliadas por uma escola melhor”, nos próximos dias 24 e 25 de outubro.

Uma mesa-redonda será feita na abertura do evento, ministrada pelo escritor Heverton Fernandes Duarte e mediada por Francisco Sales da Costa, na quinta-feira (24), às 19h, no Arco-íris Recepções. Na data também será realizado o lançamento do livro “Sophia Lyra: entre a história e a literatura”, da professora da UFRN Maria Arisnete Câmara de Morais, membra da Academia macaibense de Letras.

No dia 25 de outubro, sexta-feira, a Praça Paulo Holanda Paz (Pista Nova) terá uma vasta programação a partir das 8h até às 16h. Gincana literária, apresentação do grupo de Carimbó, duelos de mágicos, apresentação das escolas municipais de Macaíba, exposição fotográfica sobre pessoas ilustres do município, espetáculo com os palhaços Bisteca e Bochechinha entre outras ações.

A temática circense da SLIM integra o projeto pedagógico realizado durante todo o ano letivo de 2019 nas 43 escolas municipais, com o objetivo de propiciar às atividades nas escolas um diálogo com a arte do circo como lugar de valores culturais, sociais, estéticos, políticos e econômicos, auxiliando no processo de aprendizagem diário de cada estudante.

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) recebeu para uma visita técnica estudantes da rede estadual de ensino da cidade de Natal. Os alunos do 3º ano do Ensino Médio do Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) João Faustino Ferreira Neto conheceram os laboratórios de aulas práticas do curso técnico em Agroindústria. O objetivo da visita foi mostrar para os alunos do CEEP os laboratórios da EAJ onde são feitas atividades práticas e também participar de uma ação para produção de alimentos.

O laboratório de Pescado, onde acontecem várias etapas de processamento de diversos tipos de peixes, foi o primeiro ambiente visto pelos alunos do CEEP. Foram mostrados os equipamentos do laboratório e as instalações. O laboratório de frutas também foi mostrado aos estudantes, onde viram os equipamentos usados para as etapas de processamento.

No laboratório de Agroindústria os alunos viram as receitas dos biscoitos doces e salgados e, em seguida, produziram. Foram dadas as orientações de como iniciar o processamento e a diferenciação entre os biscoitos com o glúten na composição e o produzido na aula prática, que não contém o glúten. Os próprios estudantes do Centro Estadual realizaram a produção com orientação dos estagiários do curso de Agroindústria e da professora Ana Paula Costa Câmara, responsável pela visita técnica.

A formulação dos biscoitos, os materiais usados e a utilização dos produtos para serem feitos foram mostrados aos alunos e, em seguida, eles escolheram quais sabores queriam produzir. Foram feitos os biscoitos de chocolate e o salgado, no sabor cebola. Depois de prontos, houve a degustação dos alimentos. O processo de higienização antes da produção do produto também foi explicado para os visitantes e a atividade foi realizada após a divisão e dois grupos.

A professora do CEEP, Patrícia Maria Rocha, fala da importância da visita técnica para os alunos. “Como a escola é nova, nós ainda não temos laboratórios, então fica difícil para os alunos. Eles veem na teoria, mas não têm essa experiência prática. É muito importante que a gente tenha essas parcerias com outros laboratórios para que eles tenham essa oportunidade de vivenciar”, comenta. Patrícia fez uma avaliação positiva da prática e comentou que os alunos do CEEP gostam muito da parte práticas das atividades e por isso foram bastante participativos na atividade.

A Escola Agrícola de Jundiaí periodicamente escolas de Natal e grande Natal para conhecerem a instituição e as atividades realizadas.