Descrição do autor

Administrador

A partir deste segunda-feira (06), os interessados em concorrer vagas nas universidades públicas federais do país, podem se inscrever no SISU, basta ter em mãos, o número de inscrição e a senha usado no Enem 2013.

Interessados em conhecer a história de Macaíba, município do Rio Grande do Norte, nove turistas oriundos do Estado do Paraná, localizado no Centro-Sul do Brasil, estiveram, na manhã deste domingo (5), visitando o museu Solar Ferreiro Torto, marco inicial da colonização portuguesa no município. Os turistas paranaenses foram guiados por este memorialista. Os visitantes ficaram encantados com a história e a beleza do espaço cultural e histórico macaibense. Eles elogiaram o trabalho da Prefeitura Municipal de Macaíba, responsável pela preservação do museu.

Do Churrasco do Poeta

A população vem nos enviando reclamações sobre os  serviços que a CAERN vem realizando  na cidade, a reclamação é que a CAERN quando vai fazer uma ligação ou corte de água está deixando o local do serviço aberto, em uma das reclamações veio que ruas que não fazem nem dois anos que foram asfaltada já estão cheias de buracos.

Na capital potiguar a CAERN tem um acordo com a prefeitura para não acontecer o que vem acontecendo em Macaíba, em Natal a CAERN tem que fechar o buraco com pavimentação e o asfalto fica por conta da prefeitura, em Macaíba nem acontece a pavimentação e nem o asfalto, deixando  ruas importantes como a Avenida Enock Garcia com um grande buraco , que pode causa um acidente, pois o motorista  que vir no sentido bairro-centro não consegue ver de longe o buraco que está próximo a uma tampa de esgoto.

    Macaíba No Ar
O Boletim da Notícia

Entre em Contato macaiba@outlook.com

Durante as eleições internas, para presidente estadual do PT, houve troca de acusações graves com denúncias de “brejeiras”. Houve divergências insuperáveis?
Isso não chegou a 2014. Está superado dentro do PT. Tivemos divergências e diferenças públicas em relação ao Processo de Eleição Direta do partido. Mas isso está resolvido inclusive pela Direção Nacional do PT [com a homologação da escolha de Eraldo Paiva para ser o presidente estadual]. Então não tem mais problema.

Mas há insatisfações internas?
Não. Isso é uma questão de legitimidade do processo eleitoral, que foi reconhecido. Não tem mais aresta em relação a isso agora que a eleição [estadual] foi reconhecida pelo Diretório Nacional.

As diversas correntes internas foram contempladas?
As eleições do PT funcionam por proporcionalidade. Então para quem está fora [do partido] às vezes fica difícil entender. Se uma chapa tem 40% dos votos, garante esse percentual dos cargos. Não há hegemonismo no partido, mas sim proporcionalidade. Então, tivemos duas chapas, uma teve entre 51% e 52% dos votos e outra entre 48% e 49% da eleição estadual. Portanto, está resolvido. Cada uma fica com os membros da direção de acordo com a votação que teve.

As divergências foram anteriores às eleições internas?
Sim. As discussões não começaram no PED. Claro. Os debates fazem parte da História do PT. Nós temos diferenças. Somos muitos unidos quando o PT decide uma coisa, mas temos posições diferenciadas internamente. No entanto, sempre que o PT decide, vamos juntos. Assim será em 2014.

Mas nesses processos foram usados termos muitos fortes: denúncias de irregularidades entre correntes internas…
Aconteceram tentativas de manipulação da eleição. Tanto que a direção nacional decidiu anular o processo nas cidades na quais houve irregularidades. Mas o importante é que isso está resolvido e só persiste na cabeça da imprensa que insiste no assunto.

O senhor e a deputada Fátima Bezerra já conversaram depois desses episódios e das trocas de acusações?
Sempre conversamos sobre as questões do PT. O partido tem seus fóruns. Fátima [Bezerra] esteve na posse de Eraldo [Paiva, presidente estadual do PT]. Não tem nenhuma querela.

Foi retomado o diálogo com os demais partidos potenciais aliados do  PT sobre a eleição de 2014?
Em relação ao Governo e ao Senado, há uma decisão nacional. Nós, no Rio Grande do Norte, vamos seguir a decisão nacional. Essa decisão, no momento, é para formação de uma aliança com o PMDB. É isso que estamos discutindo. A direção nacional tem tratado isso com o PMDB. O PT tem tratado com o PMDB do palanque nacional. Está acertado que o PMDB, aqui, lançará candidato ao Governo e, o PT, ao Senado. É isso que está conversado e comunicado, nacionalmente. Isso está sendo deliberado. Vamos seguir essa decisão, até porque a eleição é no Brasil. Então, o Rio Grande do Norte e outros estados entram no contexto nacional das alianças. E, no Rio Grande do Norte, a decisão da direção nacional é encaminhar com a candidatura ao Governo pelo PMDB, apresentando a candidatura da Fátima [Bezerra] ao Senado.

E o PT do Rio Grande do Norte acata essa orientação com tranquilidade?
Sim, obviamente. Se fosse a eleição isolado do Estado, teríamos outro caminho. Eu acho que se estivesse em jogo apenas o Rio Grande do Norte deveríamos lançar candidatura ao Governo, construir outras alternativa, porque existe um esgotamento na política do Estado. Mas está em jogo o Brasil. O Rio Grande do Norte entra no debate nacional, na mesa de negociação nacionalmente.

E o PT abriu diálogo com outros partidos?
Dialogamos antes com os partidos que estavam na oposição ao Governo Rosalba. Não conversamos com o PMDB local sobre 2014. A nossa rodada de conversa com os partidos foi definida pela oposição a Rosalba. Agora é outro desenho. O PMDB está no processo de definição da candidatura ao Governo e não tem essa decisão. Anunciou que vai definir isso em março. Esse é o nosso recorte. Nacionalmente, fomos orientados a debater com os partidos que estão no campo de aliança da presidenta Dilma.

Há possibilidade do PT do Rio Grande do Norte aceitar o PSB nessa coligação?
O PSB não está na aliança nacional, é adversário da presidenta Dilma.

Então, não há possibilidade de diálogo com o PSB?
A orientação é buscar o campo de aliança com os partidos que integram a base da presidenta Dilma. E vamos cumprir essa orientação. A definição será em comum acordo com a direção nacional. A se manter essa orientação, o PSB está fora do arco de aliança de 2014. O PSB tem candidato (a presidente) em 2014. Então, está fora.

Mas há informação de que a ex-governadora Wilma de Faria estaria em diálogo para formar uma chapa de oposição, uma coligação…
Não foi discutido isso nacionalmente. Fizemos reuniões com a direção nacional do partido e não recebemos nenhuma informação da possibilidade do PSB formar aliança conosco. Não vou ficar no campo da especulação. O que se tem é a possibilidade de formar aliança com os partidos da base da presidenta Dilma.

Então o PT não aceita formar aliança com um partido que esteja fora da base aliada da presidenta Dilma?
À sua pergunta simples, vou dar uma resposta simples: para consolidar aliança tem que ter uma decisão nacional.

O PT, nas eleições recentes, tem conquistado uma cadeira na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa. Uma candidatura de Fátima Bezerra ao Senado não coloca em risco essas vagas?
Em uma eleição não se tem garantia de nada. É sempre um risco. Há sempre uma disputa de espaço. Isso vale para mim, para Fátima, para todos. Eu acho que há um espaço para inovar a representação política no parlamento — quer seja na Assembleia, na Câmara e no Senado — e também no Governo. Existe um esgotamento da representação política no Estado. E Fátima tem um trabalho no Rio Grande do Norte. As eleições são sempre disputadas, de vereador a presidente da República… Não há garantia de vitória. O partido vai avaliar o caminho a seguir.

E o senhor se coloca em que posição para a disputa? Pretende disputar qual mandato?
Não está definido. O que temos dito é que a prioridade do PT é trabalhar o Senado, manter a cadeira na Câmara e ampliar a representação na Assembleia Legislativa. Estou à disposição. Se tiver um debate e o partido sentir que eu tenho condições para representar na Câmara Federal, estou à disposição. Mas meu desejo no cenário que está posto, é ser candidato à reeleição. Mas vamos ver.

‘Nunca passamos por tamanha crise’

E o projeto de candidatura a governador?
Na realidade, eu queria ser candidato a governador, mas não sendo, vamos analisar com uma rede de colaboradores qual o caminho a seguir. É público e notório que tinha colocado meu nome como candidato a governador. No entanto, essa posição não existe mais. Tinha vontade de ser candidato, como todos que acompanham a discussão no PT sabem.

Está descartado esse projeto em 2014?
Totalmente descartado por essa tática nacional. Se fosse só o Rio Grande do Norte, seria mais fácil, mas não é. Eu tenho perfeita noção do que significa a questão nacional. Eu não deixo de reconhecer que existe uma circunstância na qual os mesmos atores polarizam a política local e, nessa situação, há um espaço para inovação. A sociedade tem a expectativa de buscar outro caminho. Mas, como sou disciplinado, acato a decisão nacional.

Há uma insatisfação com essa decisão nacional e com a falta de apoio na campanha de 2012, quando o senhor foi candidato a prefeito?
Não tem insatisfação. Tem um entendimento. Não tive apoio de parcelas do PT de Natal em 2012. O PT nacional também teve outras prioridades. Eu compreendo. Faço política e sei quais são as regras do jogo. Integro um partido e acato as decisões. Gostaria, claro, que em alguns momentos tivesse sido diferente. Mas não é que seja uma insatisfação. A questão não é esta.

Há possibilidade de discutir uma candidatura do senhor ao Senado?
Não, possibilidade zero. O cargo majoritário para o qual eu tinha me colocado é ao Governo. Se meu nome não teve chance de viabilidade por uma tática nacional, não vou me colocar ao Senado. Zero de possibilidade.

E na discussão do nome do PMDB, o PT como se coloca nesse debate?
A decisão é acatar o nome definido pelo PMDB. Trata-se de uma decisão do PMDB. A direção nacional informou que o
PMDB terá candidato ao governo, mas não apresentou o nome ainda. Certamente apresentará no momento oportuno.

Alguns nomes foram ou estão sendo cogitados, como o do ex-ministro Fernando Bezerra. Já foram citados, em outros momentos, o do deputado Henrique Eduardo Alves, o do ministro Garibaldi Filho. Há alguma preferência do PT?
Eu respondo por mim. O nome é indiferente. Não posso responder pelo PT, porque não houve esse debate no partido. Para mim, não há como falar em preferência. A decisão é do PMDB. O candidato é do partido. Se o candidato é do PMDB, cabe ao PMDB escolher. Não se fulaniza a política. Trato de concepção. Qualquer que seja o nome e o partido, o candidato que queira reconquistar a sociedade, tem que apresentar algo novo. Se for o mesmo discurso, será levado ao fracasso. A sociedade precisa de outro projeto e outras propostas. Quem conhece o mínimo da história do Estado, sabe que nunca passamos por uma situação de tamanha crise, que se espalhou por todos os setores como agora.

Então não é tanto um problema de nomes neste momento…
O Rio Grande do Norte tem perdido oportunidades e não será com arroubos, com salvador da pátria, com blá-blá-blá, que vamos enfrentar esse problema. Se for por aí, será o caminho da derrota. É preciso fazer um debate sério com a sociedade sobre os caminhos do Estado, da economia, do desenvolvimento, da estrutura que está carcomida, caduca, que não responde às demandas da população. É preciso, então, buscar uma maneira de recuperar esse tempo. Perdemos muito. Haverá muitas dificuldades. Quem prometer facilidade, estará mentindo, fará demagogia. O Rio Grande do Norte precisará de um longo período para recuperar esses períodos de crises administrativas das quais tem sido vítima.

O PT espera reciprocidade em 2016 com o apoio do PMDB para uma candidatura à Prefeitura?
Não. Cada eleição é uma situação. Não vamos tratar dessa maneira. Seria equivocado abordar 2014 do ponto de vista de 2016. A situação do Estado é de desmonte da máquina pública e da administração. A sociedade rejeita esse tipo de abordagem. Até agora o único nome de candidatura assumida ao governo é de Robinson Faria [atual vice-governador] do PSD. Isso mostra a crise. Então, há 90% da população rejeitando o Governo e apenas um candidato apresentado. Os demais partidos não colocaram seus projetos e nomes. Isso representa a crise profunda a respeito da qual sempre tenho falado. Seria muito equivocado em uma conjuntura desta falar em 2014 a luz de 2016 ou 2018. Infelizmente sabemos que essa é a marca da política local.

Mas, diante do desempenho que o senhor teve em 2012 na candidatura a prefeito, não vislumbra concorrer novamente em 2016 ao mesmo cargo?
Não, não vislumbro, porque uma das coisas que aprendi, e espero que o PT como um todo tenha aprendido, é que eleição não se repete. Temos vários exemplos disto. Cada eleição é uma história. A eleição de 2012 foi um momento. Passou. Não vai se repetir. Teve uma condição específica. O partido vai fazer o debate no momento certo. Mas essas questões não se dão em linha reta: o desempenho tal em 2012 não vai ter implicações, necessariamente, em 2016. Temos tristes experiências que demonstraram essa realidade. Espero que tenhamos aprendido. Eu aprendi.

A perspectiva da eleição nacional é de uma campanha acirrada, principalmente com a presença de um ex-aliado, o governador de Pernambuco — Eduardo Campos —, na disputa?
Vai ser duríssima, muito densa ideologicamente. E o PT não poderá ficar apenas comparando com o passado. Precisará apontar o que quer para o futuro. E o partido está trabalhando para isso. Essa é a disputa na sociedade. Mas é uma boa disputa. A sociedade melhora com isso, com o explicitamento das posições, com os diversos setores assumindo os posicionamentos políticos. Às vezes temos uma situação muito misturada na política nacional. Então, será uma campanha muito dura e espero a possibilidade de ter uma clarificação de campos e definições de caminhos.

Aldemar Freire e Maria da Guia Dantas

Link permanente da imagem incorporada
Adson da Silva, 23 anos de idade
Link permanente da imagem incorporada
Victor Alexandre, 25 anos de idade

 Policia civil do Estado do Rio grande do Norte prendeu na tarde de ontem (03), dois ladrões de carros, os mesmo foram presos depois da policia desconfiar da atitude dos elementos que estavam em atitude suspeita, ao verificar o veículo Fiat Siena que os elementos conduziam, foi averiguado que a placa do veiculo estava adulterada e que tinha queixa de roubo, ao perguntar sobre o carro roubado, Adson da Silva confessa que roubou carro dia 26 de dezembro, e ao verificar outro carro de propriedade de Victor Alexandre, policiais encontram objetos furtado de um policial militar, os dois foram encaminhados a DEFUR em Natal.

Victor Alexandre ( Victor Bombado), foi autuado por receptação, e também responde ações penais por delitos patrimoniais e porte ilegal de arma de fogo. É  um criminoso de alta periculosidade. O mesmo já havia saído da prisão faz aproximadamente 20 dias, ele já tinha sido preso em flagrante tentando arrombar um caixa eletrônico em Macaíba.

Já Adson da Silva foi autuado por adulteração de sinal identificador de veículo, e será indiciado pelo furto do veículo Fiat Siena, Adson responde a ações penais por delitos patrimoniais.

    Macaíba no Ar
O Boletim da Notícia

Proposta de Rodrigo Maia será analisada em caráter conclusivo por três comissões da Câmara

Em tramitação na Câmara, o Projeto de Lei 5564/13 determina que todos os veículos de transporte coletivo no País sejam equipados com aparelho de ar-condicionado com dispositivo regulador de temperatura.

Apresentada pelo deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), a proposta estipula como punição à empresa que descumprir a regra o recolhimento imediato do veiculo, com proibição de circular até a satisfação da exigência, além de multa de até 50 vezes o salário mínimo e proibição de participar de licitação para prestação serviço de transporte coletivo.

Maia ressalta que estudos de Medicina do Trabalho atestam que 45% dos motoristas e cobradores sofrem com o calor nos ônibus, e os que trabalham em veículos com ar-condicionado são menos afetados pelo estresse no trânsito.

— Além disso, a medida trará maior qualidade aos usuários do sistema, dando maior conforto aos que necessitam diariamente pegar o coletivo para o trabalho.

O deputado lembra que diversas cidades já possuem leis municipais que obrigam os ônibus a ter esse equipamento. Segundo o projeto, as empresas de transporte coletivo terão até três anos para adequarem suas frotas à nova legislação.

Incentivo fiscal

A proposta também reduz a zero as alíquotas da Cofins incidentes sobre a receita bruta no mercado interno de óleo diesel, partes, peças, pneus e câmaras de ar de borracha, componentes, fluidos hidráulicos, lubrificantes, tintas, equipamentos e serviços a serem empregados no reparo, revisão, manutenção e conservação de veículos prestadores de serviços de transporte coletivo.

Tramitação

O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Viação e Transportes; de Finanças e Tributação (inclusive quanto ao mérito); e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

R7 Notícias

Empresário que saiu em defesa de garçom, Alexandre Azevedo, diz que não esperava repercussão

O empresário falou sobre a questão do apelido e disse que não se incomodou com a alcunha com a qual se ficou conhecido nas redes sociais, de “Gordinho da Mercatto”. “Só acho que poderiam ter feito um desenho um pouquinho melhor. Já tem até desenho do Gordinho da Mercatto”, brincou Alexandre Azevedo.

Ele informou que não tem contas nas redes sociais, mas que ficou sabendo da repercussão através de parentes que repassaram as informações que circularam.

Conforme versão de Alexandre Azevedo, o desembargador Dilermando Mota teria ameaçado quebrar um copo no rosto do garçom e ofendeu os dois. O magistrado também teria ameaçado quebrar uma cadeira contra o empresário, assim que questionado sobre a atitude que tomara com relação ao garçom.

Procurado pela reportagem, o desembargador Dilermando Mota informou que não tem nada a declarar no momento. “Os advogados estão providenciando tudo. O magistrado trabalha pelos canais competentes e na hora certa os advogados falarão. A verdade virá à tona e o canal competente será na hora certa acionado”, disse.

Vinícius Menna
Repórter

A ex-senadora Marina Silva, recém-filiada ao PSB, será confirmada como vice na chapa encabeçada pelo governador e Pernambuco e presidente nacional do partido, Eduardo Campos. A oficialização deverá acontecer ainda até a segunda quinzena de janeiro. Fontes ligadas à cúpula socialista afirmam que a decisão “está tomada” e que o anúncio depende apenas de “alguns ajustes”.

Nos bastidores comenta-se que a decisão de Marina – que fazia questão de manter o mistério sobre se iria ou não brigar pela cabeça da chapa socialista – foi antecipada como forma de garantir a “palavra” de Campos de que o PSB não iria apoiar à candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin à reeleição.

A aproximação do PSB com o PSDB, que ontem, ingressou oficialmente na gestão do Executivo pernambucano, com a nomeação de tucanos para o primeiro e segundo escalão do governo, teria sido a gota d’água para agilizar a decisão de Marina em aceitar a posição de vice e evitar a aliança pró-Alckmin. Oficialmente, no entanto, socialistas com livre trânsito a Campos garantem que “ainda há chance” de se fechar um acordo que envolva apoio ao PSDB paulista. É esperar para ver.

Em compensação, Marina Silva concordou em ter sua candidatura a vice de Eduardo lançada ainda neste mês – ou no máximo até meados de fevereiro. No próximo dia 17 haverá no Recife um encontro informal de dirigentes nacionais do PSB. Entre outros assuntos, discutirão nomes para a vaga de Alckmin.

Eduardo guarda na memória do seu computador pessoal os resultados de pesquisa recente encomendada pelo PSB sobre a eleição em São Paulo. Uma das questões propostas aos entrevistados testou a popularidade de Marina Silva e o alcance do seu apoio como vice à candidatura de Eduardo.

A popularidade de Marina bateu a casa dos 20%. Com o apoio dela, Eduardo ultrapassa Aécio Neves, aspirante a candidato do PSDB a presidente, nas maiores cidades do Estado. Os resultados da pesquisa convenceram o governador de Pernambuco a acatar o veto de Marina ao nome de Alckmin.

A ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina (PSB) resiste ao assédio de Marina para ser candidata ao governo do Estado. Eduardo resiste à pressão da cúpula do PSB paulista para que o partido apoie a reeleição de Alckmin e continue fazendo parte do governo dele. O PSB precisa de candidato próprio em São Paulo para dar palanque a Eduardo.

Imagem  Imagem

No início da noite de ontem, 3 de janeiro, dois jovens foram mortos após trocarem tiros com a polícia durante uma barreira policial montada no distrito de Tapará para a captura de quatro meliantes que realizaram um assalto em um estabelecimento comercial localizado em Ielmo Marinho. Logo, que os criminosos avistaram o cerco policial montando atiraram contra a viatura, dando início ao tiroteio, sendo que dois dos assaltantes foram atingidos chegando a óbito no local, ambos foram identificados por Getson  da Cruz Barrozo, 21 anos, e Laércio Luiz Vilela da Cruz, 21 anos, são da mesma família e oriundos de Macaíba.

Informacaiba

O Ministério da Educação divulgou na noite desta sexta-feira (3) o resultado da edição de 2013 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As notas já podem ser consultadas no site do Enem. Para ver o resultado, o candidato precisa inserir seu CPF ou número de inscrição, além da senha cadastrada no sistema. O site traz um link para recuperar a senha, caso o candidato tenha perdido.
O MEC havia prometido divulgar a nota do Enem entre esta sexta-feira e o sábado (4), o que levou muitos estudantes a passar o dia todo consultando o site do exame à espera dos resultados.
O Enem foi realizado nos dias 26 e 27 de outubro. Mais de 5 milhões de candidatos fizeram as provas em todo o país. Eles responderam a questões de quatro áreas do conhecimento do ensino médio (ciências da natureza, ciências humanas, matemática e linguagens) e fizeram uma redação, que teve como tema a Lei Seca.

Site traz as notas do candidato nas quatro provas objetivas e na redação (Foto: Reprodução/Inep)

Sisu 2014
Nesta edição, a única nota válida no Sisu é a do Enem 2013, desde que o candidato não tenha tirado nota zero na prova de redação. Pelo menos 25% das vagas do sistema precisam ser reservadas, por lei, a alunos que fizeram todo o ensino médio em escolas públicas.
Ao acessar o sistema, os estudantes poderão checar todas as vagas disponíveis para a seleção. Porém, cada estudante poderá se inscrever em duas opções de vagas. No ato da inscrição, será preciso escolher, em ordem de preferência das vagas, a instituição, o local de oferta, o curso e o turno em que ele é ministrado.
CRONOGRAMA DO SISU 2014
6 de janeiro: início das inscrições
10 de janeiro (23h59): fim das inscrições
13 de janeiro: primeira chamada
17, 20 e 21 de janeiro: matrícula
27 de janeiro: segunda chamada
31 de janeiro, 3 e 4 de fevereiro:matrícula
27 de janeiro a 7 de fevereiro (23h59):prazo para a inscrição na lista de espera
Entre segunda-feira (6) e as 23h59 da próxima sexta-feira (10) o estudante poderá trocar suas opções no sistema quantas vezes quiser, e também cancelar sua inscrição. Durante o período, o Sisu informará a nota de corte de cada curso e turno, ou seja, a nota mínima para ser aprovado naquele curso, segundo o número total de inscritos e o número de vagas oferecidas. O Sisu considera apenas as últimas opções cadastradas no momento do fechamento das inscrições.

Ação afirmativa
Na hora de fazer as duas opções de vaga, o candidato deve escolher uma das três modalidades de concorrência: a concorrência pelo sistema de cotas que segue a lei federal, a concorrência pelo sistema de ação afirmativa determinado pela instituição de ensino que oferece a vaga, e a ampla concorrência.

Pela lei federal de cotas, em 2014 pelo menos 25% das vagas de cursos em instituições de ensino superior públicas serão destinadas a alunos oriundos de escola pública. Dentro desse grupo, metade das vagas serão reservadas a estudantes com renda familiar de até 1,5 salário-mínimo. Outra parte será ocupada por alunos negros, pardos e indígenas, em divisão feita proporcionalmente à porcentagem de negros, pardos e índios na população do estado da instituição, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar de as instituições serem obrigadas a oferecer pelo menos 25% das vagas nessas condições no próximo ano, elas são livres para aplicar outras medidas de ação afirmativa com as demais vagas.
VEJA AS INSTITUIÇÕES QUE VÃO OFERECER VAGAS NO SISU DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014
UF Instituição
Acre
(2.650 vagas)
IFAC – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre
UFAC – Universidade Federal do Acre
Alagoas
(5.499 vagas)
IFAL – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas
UFAL – Universidade Federal de Alagoas
Amazonas
(2.868 vagas)
IFAM – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
UFAM – Universidade Federal do Amazonas
Amapá
(795 vagas)
IFAP – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá
UNIFAP – Universidade Federal do Amapá
Bahia
(12.459 vagas)
 
IFBAIANO – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano
IFBA – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia
UNEB – Universidade do Estado da Bahia
UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz
UESB – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
UFBA – Universidade Federal da Bahia
UFRB – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Ceará
(8.417 vagas)
IFCE – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
UNILAB – Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
UFC – Universidade Federal do Ceará
Distrito Federal
(2.069 vagas)
IFB – Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia de Brasilia
UNB – Universidade de Brasília
Espírito Santo
(1.008 vagas)
IFES – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo
Goiás
(3.476 vagas)
IFG – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia De Goiás
IF GOIANO – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano
UFG – Universidade Federal de Goiás
Maranhão
(3.788 vagas)
IFMA – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
UFMA – Universidade Federal do Maranhão
Mato Grosso
(8.057 vagas)
 
IFMT – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
UNEMAT – Universidade do Estado de Mato Grosso
UFMT – Universidade Federal de Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
(8.006 vagas)
 
UFGD – Fundação Universidade Federal Da Grande Dourados
IFMS – Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia De Mato Grosso Do Sul
UEMS – Universidade Estadual De Mato Grosso Do Sul
UFMS – Universidade Federal De Mato Grosso Do Sul
Minas Gerais
(20.029 vagas)
 
CEFET/MG – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais
IFTM – Instituto Federal de Educação, Ciência d Tecnologia do Triângulo Mineiro
IFMG  – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais
IFNMG – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais
IFSEMG – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais
IF SUL DE MINAS – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais
UEMG – Universidade do Estado de Minas Gerais
UNIFAL-MG – Universidade Federal de Alfenas
UNIFEI – Universidade Federal de Itajubá – Unifei
UFJF – Universidade Federal de Juiz De Fora
UFLA – Universidade Federal de Lavras
UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais
UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto
UFSJ – Universidade Federal de São João Del Rei
UFU – Universidade Federal de Uberlândia
UFV – Universidade Federal de Viçosa
UFTM – Universidade Federal do Triângulo Mineiro
UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Pará
(3.694 vagas)
 
IFPA – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará
UFPA – Universidade Federal do Pará
UNIFESSPA – Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
UFRA – Universidade Federal Rural da Amazônia
Paraíba
(11.619 vagas)
 
IFPB – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba
UEPB – Universidade Estadual da Paraíba
UFPB – Universidade Federal da Paraíba
Pernambuco
(4.658 vagas)
UNIVASF – Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco
IFPE – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco
IF SERTAO – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano
UFPE – Universidade Federal de Pernambuco
UFRPE – Universidade Federal Rural de Pernambuco
Piauí
(8.765 vagas)
IFPI – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí
UESPI – Universidade Estadual do Piauí
UFPI – Universidade Federal do Piauí
Paraná
(8.417 vagas)
 
FECEA – Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana
IFPR – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná
UNIOESTE – Universidade Estadual do Oeste do Paraná
UNILA – Universidade Federal da Integração Latino-Americana
UFPR- Universidade Federal do Paraná
UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Rio de Janeiro
(16.740 vagas)
CEFET/RJ – Centro Federal De Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca
UEZO – Centro Universitário Estadual da Zona Oeste
ENCE – Escola Nacional de Ciências Estatísticas
FAETERJ PARACAMBI – Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro
FAETERJ PETRÓPOLIS – Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro
FAETERJ RIO DE JANEIRO – Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro
IFRJ – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
IF FLUMINENSE – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense
ISERJ – Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro
ISEPAM – Instituto Superior de Educação Professor Aldo Muylaert
UENF – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
UNIRIO – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro
UFF – Universidade Federal Fluminense
UFRRJ – Universidade Federal Rural Do Rio De Janeiro
Rio Grande do Norte
(7.049 vagas)
 
IFRN- Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte
UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte
UFERSA – Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Rio Grande do Sul
(12.062 vagas)
UFCSPA – Fundação Universidade Federal De Ciências Da Saúde De Porto Alegre
UNIPAMPA – Fundação Universidade Federal Do Pampa – Unipampa
IFRS – Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia Do Rio Grande Do Sul
IFFARROUPILHA – Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia Farroupilha
IFSUL – Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia Sul-Rio-Grandense
UERGS – Universidade Estadual Do Rio Grande Do Sul
UFPEL – Universidade Federal De Pelotas
UFSM – Universidade Federal De Santa Maria
FURG- Universidade Federal Do Rio Grande
Rondônia
(12.062 vagas)
IFRO – Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia
Roraima
(12.062 vagas)
IFRR – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima
UFRR – Universidade Federal de Roraima
Santa Catarina
(1.888 vagas)
UDESC- Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina
IFSC – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina
IF CATARINENSE – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense
UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul
Sergipe
(5.645 vagas)
 
IFS – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe
UFS – Universidade Federal de Sergipe
São Paulo
(10.304 vagas)
 
UFABC – Fundação Universidade Federal do ABC
IFSP – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
UFSCAR – Universidade Federal de São Carlos
UNIFESP- Universidade Federal de São Paulo
Tocantins
(624 vagas)
 
UFT – Fundação Universidade Federal eo Tocantins
IFTO – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
UNITINS – Universidade do Tocantins
Fonte: MEC/Inep
Resultados
No dia 13 de janeiro será divulgada a primeira chamada do Sisu do primeiro semestre de 2014. Os candidatos aprovados deverão fazer a matrícula nos dias 17, 20 e 21 de janeiro nas instituições de ensino que oferecem as vagas, apresentando os documentos exigidos por elas e pela lei federal de cotas.

A segunda chamada será divulgada no dia 27 de janeiro, e a matrícula deverá ser feita nos dias 31 de janeiro e 3 e 4 de fevereiro. Os candidatos que não forem convocados nas duas chamadas terão entre os dias 27 de janeiro e 7 de fevereiro para manifestar interesse em participar da lista de espera, usada pelas instituições de ensino para preencher as vagas que ainda estiverem abertas.
Do G1
z
Foto Heitor Gregório e reprodução Inter TV Cabugi

No último domingo ocorreu o episódio na Padaria Mercatto, envolvendo o desembargador Dilermando Motta, um garçom e o gordinho Alexandre Azevedo, empresário, que ficou famoso pela coragem de enfrentar um homem que inicialmente ele não sabia se tratar de um desembargador, prestes (????) a assumir à Presidência do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), inclusive, para presidir as Eleições de 2014 no Estado.
O desembargador Dilermando Motta, tratou mal um garçom, causando revolta no gordinho que estava numa mesa próxima, provocando uma discussão. A Polícia Militar foi acionada pelo membro do judiciário, chegou ao local, mas não pode fazer nada, tendo em vista que clientes e funcionários ficaram TODOS ao lado do garçom e do gordinho.

veja a matéria completa,
click Aqui

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Macaíba é referência em atendimento, hoje a prefeitura da cidade de Macaíba gasta mais ou menos 900 mil reais por mês para manter esta unidade de saúde, que fica localizado as margens  da RN 160. Mesmo com bom atendimento, pacientes reclamam da distância, pois preferiam que a UPA fosse localizada no prédio do hospital Alfredo Mesquita,  como a UPA é de responsabilidade do município,  a prefeitura na gestão da Ex-prefeita Marília Dias teve que implanta-la as margens da RN 160, do lado do  Centro de Saúde Anita Garibaldi que  forma um núcleo assistencial perinatal, de caráter multidisciplinar, voltado à gravidez de alto.

A segunda reclamação que vem sendo dita por algumas pessoas que foram atendidas na UPA é referente ao medicamento, pois lá só dão injeção, essas são as duas reclamação quando se fala em UPA de Macaíba, distância e falta de outros medicamentos.

Vale lembrar que “as UPAs são fundamentais dentro da Política Nacional de Atenção às Urgências. Essas unidades funcionam como porta de entrada dos pacientes no atendimento às urgências, evitando a lotação nos hospitais com demandas de baixo e médio risco, que não correspondem ao perfil hospitalar. Assim, enquanto o Samu constitui um componente móvel no atendimento pré-hospitalar, as UPAs cumprem esse papel como um componente fixo, de modo a possibilitar, quando necessário, o referenciamento dos pacientes para os hospitais considerando o perfil destes”. Secretário de Saúde do Estado

Macaíba no AR/ Entre em contato macaiba@outlook.com ou mande uma mensagem pela página do blog no Facebook.

random image

 A charge on line