Ações do Governo Cidadão são aprovadas pelo Banco Mundial e continuam até 2021

A missão de fiscalização do Banco Mundial às ações do Governo Cidadão, financiadas pela instituição financeira, foram encerradas na manhã de hoje (12) no auditório da Escola de Governo Dom Eugênio de Araújo Salles, em Natal. As ações compreendem as áreas de Educação, Saúde, Segurança, Turismo e Agricultura. Iniciado em outubro de 2013, com previsão para encerrar este ano, em maio, o programa – coordenado pela Secretaria de Estado de Gestão de Projetos – teve o contrato de empréstimo renovado, na ordem de R$ 600 milhões, e será estendido até 2021. A governadora Fátima Bezerra destacou a importância da continuidade das obras e projetos que têm beneficiado a população do Estado.

“Temos muitas ações sendo realizadas e poderíamos nos deparar com um cemitério de obras caso o convênio fosse encerrado e não recebêssemos esses recursos”, afirmou a governadora. O secretário de Estado de Gestão de Projetos, Fernando Mineiro, que tem sido um importante articulador junto às comunidades, organizações da sociedade civil e outras esferas do poder público para solucionar entraves, declarou que está bastante otimista quanto aos novos desdobramentos do Governo Cidadão. “Foi uma semana inteira de trabalho, de reconhecimento às ações, e agora teremos 22 meses a mais para tocar o programa. Vamos fazer o possível para realizar os investimentos que o RN precisa”, disse.

A gerente do banco para o Governo Cidadão, Fátima Amazonas, que conduziu o evento, destacou a participação efetiva do governo em todas as etapas dos projetos desenvolvidos. “Isso está fazendo a diferença. Essa participação do governo mostra o compromisso que tem em levar os investimentos aos maiores beneficiários, que é a população. Existem desafios a serem resolvidos e já estão sendo feitas reuniões para encontrarmos as soluções”, enfatizou.

O especialista do Banco Mundial, André Loureiro, ressaltou os resultados significativos que vêm sendo implementados na área de Educação e falou acerca das quatro novas escolas construídas, das quais duas já foram inauguradas, mais as escolas que serão reformadas, sendo 10 em processo de contratação e 17 em licitação. “O projeto de alfabetização no campo é bastante inovador e pode se tornar referência no Brasil e no mundo. São 100 alfabetizadores e 100 técnicos agrários em formação. Debatemos o combate à violência nas escolas, principalmente no Ensino Médio e anos finais do Ensino Fundamental e constatamos a necessidade de ação preventiva nessa área”.

Administrador