Arquivo diário: sábado, março 13, 2021

Diante da ampliação dos leitos Covid no estado do Rio Grande do Norte, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) convoca 69 servidores temporários para atuar no enfrentamento à pandemia. São Enfermeiros, Técnicos de Enfermagem, Técnico em Radiologia, Técnico em Laboratório e Higienista Hospitalar que irão trabalhar nos leitos Covid em expansão.

Até o momento, a Sesap registra 689 leitos covid-19 no Regula RN, sendo 334 de UTI. O governo do Rio Grande do Norte deverá abrir nos próximos dias mais 86 leitos de UTI e 25 clínicos.  Foram abertos nos últimos dias 54 leitos covid em todas as regiões do estado. Para trabalhar na linha de frente, foram contratados até o momento 4.100 profissionais.

A convocação está publicada no Diário Oficial extra de hoje (13), considera os editais 001 /2020 e 002 /2020 e atende ao Plano de Contingência Hospitalar para o Enfrentamento ao Covid-19. Os profissionais deverão assinar o contrato no período de dez dias úteis, contatos com a data da publicação.

Os candidatos convocados deverão escanear os documentos listados na convocação (ver documento), e enviar o arquivo em PDF para o link: https://selecao.saude.rn.gov.br/selecao/, além de informar o(s) telefones atualizados após o processo ser aberto para ser avisado quanto à assinatura de documentos e a lotação.

Para informações ligar: (84) 9 8137-4229.

Confira o documento:
http://webdisk.diariooficial.rn.gov.br/Jornal/12021-03-13E.pdf

Paes descarta fechar escolas no Rio

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

O prefeito Eduardo Paes afirmou neste sábado que não planeja fechar as escolas do Rio de Janeiro neste momento da pandemia.

Antes de fechar escola, fecha bar, restaurante, shopping, comércio. Já temos um plano de contingência e não estamos com as escolas totalmente abertas. Estamos com apenas algumas séries funcionando, temos o ensino híbrido, aplicativo.”

Paes afirmou ainda que o município segue sem previsão de novas doses de vacinas contra a Covid-19.

O Antagonista

cilindros de oxigênio

Foto: Ministério da Saúde

As empresas, fabricantes, envasadoras e distribuidoras de oxigênio medicinal terão que informar semanalmente sobre a capacidade de fabricação, envase e distribuição de acordo com sua área de atuação, informou hoje (13) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por meio de nota. As empresas deverão informar ainda, com a mesma periodicidade, a quantidade do produto demandada tanto pelo setor público quanto pelo setor privado.

As regras constam de um edital publicado hoje (13) no Diário Oficial da União.

A medida visa monitorar o abastecimento de mercado e a quantidade demandada de oxigênio medicinal, com o intuito de minimizar o risco de desabastecimento do produto, como o que ocorreu no Amazonas, em janeiro.

“Dessa forma, o Ministério da Saúde poderá ter previsibilidade sobre o abastecimento de mercado, permitindo a adoção, em tempo hábil, das medidas necessárias à garantia de fornecimento do oxigênio medicinal”, informou a Anvisa.

Pelo edital, as empresas fabricantes, envasadoras e distribuidoras de oxigênio medicinal, nas formas farmacêuticas líquido e gás deverão repassas as informações à Anvisa todas as quartas-feiras. A agência reguladora disse que o primeiro envio de informações deve trazer os dados dos últimos 60 dias. Para os envios seguintes, a informação prestada será semanal.

“A coleta de informação acontecerá pelos próximos 120 dias, a contar da data de publicação do edital e os dados, de caráter confidencial, deverão ser apresentados pelas empresas para cada um de seus estabelecimentos”, disse a Anvisa.

Foto: Facebook / Reprodução

A Prefeitura de João Câmara, na região do Mato Grande, publicou um decreto com novas restrições para conter o avanço da pandemia. Com o novo decreto, fica proibida a entrada e a circulação de pessoas que moram em outros municípios. Para cumprir a determinação, a prefeitura decidiu instalar barreiras sanitárias nas divisas.

O decreto, assinado pelo prefeito Manoel Bernardo (DEM), entrou em vigor nesta sexta-feira 12, com a publicação no Diário Oficial dos Municípios. As novas medidas valem por uma semana.

As barreiras sanitárias deverão ser montadas com o apoio das forças policiais. Entre outras medidas, o prefeito também decidiu suspender a realização de feiras livres pelas próximas duas semanas.

Além disso, o comércio não essencial só poderá funcionar à tarde, das 13h30 às 17h30. Pela manhã, os estabelecimentos podem até atender, mas apenas para entrega dos produtos em casa. A multa por descumprimento é de R$ 500.

Fonte: Agora RN

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), por meio da Pró-Reitoria de Ensino (Proen), divulgou, na última quarta-feira (10), os Editais N° 9 e N° 10/2021, os quais anunciam vagas no Processo Seletivo para o Curso Superior de Licenciatura em Formação Pedagógica para a Educação Básica, Profissional e Tecnológica, com ingresso no período letivo 2021.1.

Edital N° 9/2021 – Proen/IFRN oferta 32 vagas, destinadas a professores portadores de diploma de Graduação Tecnológica, Bacharelado ou Engenharia, ou equivalente. Já o Edital N° 10/2021 – Proen/IFRN comunica oito vagas exclusivas para servidores do IFRN. As vagas de ambos editais são ofertadas pelo Campus Parnamirim, com aulas nas sextas-feiras, nos turnos vespertino e noturno.

Inscrições
Os interessados devem realizar a inscrição exclusivamente via Internet, no Portal do Candidato, por meio do sítio http://processoseletivo.ifrn.edu.br, entre às 14h do dia 15 de março até às 17h de 26 de março de 2021. O Edital N° 9/2021 detalha que os candidatos devem efetuar o pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 50,00, até o dia 29 de março de 2021. Para gerar o boleto, basta acessar o Portal do Candidato e, em seguida, o menu “Minhas inscrições”, clicar no processo escolhido e, por fim, selecionar “Gerar Boleto”. Como isso, será gerado um boleto bancário em formato de PDF para download ou impressão.

Resultados finais

Os resultados finais dos Processos Seletivos serão divulgados aqui no sitio do IFRN e no Portal do Candidato, no dia 16 de abril.

Acesse

Edital N° 9/2021 – Proen/IFRN

Edital N° 10/2021 – Proen/IFRN

Criminosos fogem em carro vermelho após latrocínio na Grande Natal — Foto: Reprodução

Policiais civis da Força Tarefa de Homicídios de Parnamirim (DHPP) apreenderam nesta sexta-feira (12) um adolescente de 14 anos suspeito de participar do assassinato de um comerciante idoso de 69 anos durante um assalto a um mercadinho no bairro Cidade Verde, no município de Parnamirim, na Grande Natal.

O adolescente foi detido no bairro Planalto, em Natal, pela suspeita de ato infracional análogo ao crime de latrocínio.

As investigações da Polícia Civil apontam que o adolescente entrou no mercadinho do idoso para assaltar ao lado do comparsa, que foi identificado como o autor do disparo e também está preso. O crime aconteceu no dia 17 de janeiro.

Segundo a polícia, o dono do comércio, Raimundo Rodrigues de Oliveira, de 69 anos, teria tentando reagir à ação dos criminosos e foi baleado, morrendo no local.

A Polícia Civil ainda procura um terceiro suspeito, que foi flagrando nas câmeras de segurança auxiliando os autores do latrocínio a fugirem do local em um veículo modelo saveiro, de cor vermelha.

G1 RN

Aplicativo Auxílio Emergencial ao Trabalhador

Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

Embora o governo esteja trabalhando para retomar o pagamento do auxílio emergencial ainda em março, a primeira parcela da nova rodada deverá ficar para abril, disse hoje (12) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em entrevista a um portal de internet, ele declarou que o benefício vai variar de R$ 150 a R$ 375.

De acordo com Guedes, o Ministério da Cidadania está definindo a formatação do programa para decidir em que casos o beneficiário receberá o menor e o maior valor. O ministro disse que a renovação do auxílio emergencial só não saiu antes porque a política tem um tempo próprio para autorizar os gastos extras.

“Não há disputa. Ninguém está fazendo política subindo em cadáver”, rebateu. Para Guedes, as contrapartidas fiscais exigidas na proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial foram necessárias porque o governo não tinha condições de continuar a pagar um benefício de R$ 600.

“Um auxílio de R$ 600 não seria sustentável e ia virar inflação, o que prejudicaria os mais pobres. Com R$ 600 por mais dois anos, a inflação vai a 5%, 6%, 7%”, argumentou o ministro.