Arquivo diário: domingo, março 7, 2021

Representantes de Hotéis, Restaurantes e Bares realizaram movimentação neste domingo (7) para alertar os comerciantes e visitantes que a Praia da Pipa está seguindo o decreto Municipal de Tibau do Sul, e também cobrar iniciativas do Governo para o setor produtivo. A concentração aconteceu na entrada da Praia da Pipa.

Participante da manifestação, o empresário Erivaldo Caicó disse que “reivindicamos leitos de UTI a governadora [Fátima Bezerra] e que nos deixe trabalhar e receber o turismo”.

Também integrante do setor hoteleiro em Tibau do Sul, Gabriel Simonetti destacou a participação das pessoas que entenderam o momento vivido e a importância que se tenha saídas para o turismo.

Fonte: Portal Grande Ponto

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) participou de reunião com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para retomar a parceria com o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX). Do IFRN, estiveram presentes o reitor, José Arnóbio; o pró-reitor de Pesquisa e Inovação, Avelino Neto; e o diretor de Inovação Tecnológica, João Teixeira. Da UFRN, participaram o reitor, Daniel Melo; a ex-reitora e coordenadora do projeto do Parque, Ângela Paiva Cruz; e o diretor da Agência de Inovação, Daniel Pontes.

Após as boas-vindas do reitor Daniel Melo ao reitor José Arnóbio e a todo o IFRN pelo retorno ao projeto, a professora Ângela apresentou uma retrospectiva e o estado atual das atividades de implantação do PAX. Em sua fala, a coordenadora do Parque apresentou as inúmeras interações com empresas nas perspectivas da Inovação Tecnológica e da formação dos estudantes das IES envolvidas. O professor Arnóbio destacou: “o IFRN retorna com toda disponibilidade a parceria para a implementação do PAX. Precisamos fortalecer o contato com os diversos atores do setor produtivo para promover a inovação e a transformação social”.

Possibilidades de participação do IFRN

Os participantes discutiram também as modalidades de retomada da participação do IFRN no PAX. O professor João Teixeira salientou a capilaridade das Incubadoras do IFRN e as possibilidades de articulação com elas. O diretor de Inovação Tecnológica do IFRN ainda salientou que “há potencialidades no desenvolvimento de PD&I nas áreas inerentes ao PAX, tais como Energia, Tecnologia da Informação e Saúde através do CT Eólico no Campus João Câmara e o Centro de Tecnologia Mineral (CT Mineral) em Currais Novos”. Por sua vez, o professor Daniel Melo enfatizou que os Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) poderão atuar fortemente em integração com as empresas, sendo o Parque um modo de realizar essa aproximação, com o apoio das Pró-Reitorias de Pesquisa e de Extensão.

Em curto prazo, junto às outras Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) participantes do PAX, o IFRN deverá retomar a participação na organização dos eventos de prospecção de Pesquisa Desenvolvimento e Inovação de empresas. Em médio prazo, a Instituição deverá estar atenta à Chamada CNPq Nº 12/2020 – Programa de Mestrado e Doutorado Acadêmico para Inovação, possibilitando a aproximação da IES com empresas e ofertas de pós-graduação stricto sensu na área de Inovação Tecnológica. O Parque atua como mediador nessa relação com o setor empresarial

Calendário de atividades

Ao longo do ano de 2020, foram realizados seis eventos envolvendo empresas e ICTs. Daqui a alguns dias, no dia 10 de março, o IFRN já deverá tomar parte no Fórum de Inovação e Negócios em Cerâmicas, às 13h30. No dia seguinte, às 9h, haverá um webinário sobre ecossistemas de inovação. A Diretoria de Inovação Tecnológica (DITEC) da Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação (PROPI) do IFRN irá iniciar em breve a mobilização do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), das Incubadoras Tecnológicas e das Incubadoras Tecnológicas para o Fortalecimento dos Empreendimentos Econômicos Solidários (IFSol), junto à Pró-Reitoria de Extensão (PROEX).

Um jovem ainda não identificado foi assassinado a tiros na rua Nossa Senhora da Conceição, próximo da igreja Matriz, no centro de Macaíba na tarde deste domingo (07). Moradores relatam que ouviram apenas os tiros e logo em seguida o homem foi encontrado morto em frente a um estabelecimento comercial.

A Polícia Militar rapidamente chegou ao local e o Instituto Técnico-Cientifico de Perícia foi acionado para remover o corpo e realizar os procedimentos cabíveis.

As polícias militar e civil fecharam dois bares quem funcionavam na tarde desde domingo (7) no bairro de Candelária.

O gerente do ‘Meu Buteco’ foi comunicado pelos agentes sobre a necessidade de fechar o estabelecimento.

Pouco mais de 30 minutos depois, a TV já estava desligada e as mesas praticamente vazias.

Uma funcionária do Meu Buteco gravou um vídeo durante a ação policial questionando qual a forma que as autoridades e governantes apresentariam para que eles pudessem trabalhar e se sustentar.

A imagens circulam nas redes sociais e em grupos de WhatsApp acompanhadas de comentários em torno da polêmica do conflito entre os decretos do Governo do Estado e da Prefeitura de Natal.

Lembrando que o decreto da prefeitura definiu o horário de funcionamento dos bares das 11h às 21h, todos os dias da semana.

Blog do BG

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) divulgou neste domingo (7) o balanço de dados sobre a violência contra a mulher recebidos pelos canais de denúncia do governo federal. Ao todo, em 2020, foram registradas 105.671 denúncias de violência contra a mulher, tanto do Ligue 180 (central de atendimento à mulher) e do Disque 100 (direitos humanos).

Do total de registros, 72% (75.753 denúncias) são referentes à violência doméstica e familiar contra a mulher, informou a pasta. De acordo com a Lei Maria da Penha, esse tipo de violência é caracterizado pela ação ou omissão que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico da mulher. Ainda estão na lista danos morais ou patrimoniais a mulheres.

O restante das denúncias, que somam 29.919 (28%), são referentes à violação de direitos civis e políticos, que incluem, por exemplo, condição análoga à escravidão, tráfico de pessoas e cárcere privado. Também estão relacionadas à liberdade de religião e crença e o acesso a direitos sociais como saúde, educação, cultura e segurança.

As informações estão disponíveis no painel de dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, que foi detalhado durante a coletiva de imprensa para anunciar os dados de 2020. A plataforma interativa permite cruzar diversos dados sobre o tipo de violência denunciada, o perfil socioeconômico da vítima, informações sobre o perfil dos agressores, incluindo filtros por estados, municípios, ano e mês de registro, por exemplo.

“Quem não conhece o problema não pode propor solução. É para isso que esse painel veio, para propor solução conhecendo o problema”, disse a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

“Esse banco de dados é uma fonte poderosa de informação para subsidiar políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher, por exemplo”, disse Rodrigo Capez, juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

As denúncias de violências contra a mulher em 2020 representam cerca de 30,2% do total de 349.850 denúncias realizadas no Disque 100 e no Ligue 180.

Agência Brasil