Arquivo diário: sexta-feira, julho 24, 2020

Na próxima segunda-feira , 27 de julho, a Escola Agrícola de Jundiaí retornará às atividades acadêmicas através do ensino remoto.

Todo o grupo de profissionais da escola, sempre presando pela qualidade da formação de seus estudantes, discutiu, organizou e planejou esse retorno com a atenção e carinho de sempre.

Aluno EAJ acesse seu Sigaa na segunda- feira e vamos estudar!!
A pandemia da Covid19 nos afastou fisicamente, mas, estaremos juntos através das tecnologias de informação e comunicação.

Um grande abraço da Direção
Prof. Max e Prof. Márcio

A imagem pode conter: céu, nuvem e atividades ao ar livre

Foto: Sérgio Nascimento

A Prefeitura está organizando o novo local da Feira Livre do município. A partir deste sábado (25), a Feira voltará a ser semanal, sendo que o novo espaço abrange a Rua da Conceição, das imediações da Praça Augusto Severo (Praça do M) até em frente a unidade dos Correios.

O horário de realização será entre 5h e 12h, com prioridade para os feirantes locais. Confira mais informações em nosso site https://bit.ly/2WUnDyh

Agência Brasil – Regras que proíbem a venda sem receita em farmácias de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, nitazoxanida e ivermectina foram publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As orientações estão na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020, publicada ontem no Diário Oficial da União . De acordo com a agência, a lista poderá ser revista a qualquer momento para a inclusão de novos medicamentos, caso seja necessário.

Ainda segundo a Anvisa, o objetivo da norma é impedir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção pelo novo coronavírus, embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da doença.  A medida visa também manter os estoques destinados aos pacientes que já têm indicação médica para uso desses produtos, uma vez que os medicamentos que constam na resolução também são usados no tratamento de outras doenças, como a malária (cloroquina e hidroxicloroquina); artrite reumatoide, lúpus e outras (hidroxicloroquina); doenças parasitárias (nitazoxanida) e tratamento de infecções parasitárias (ivermectina).

Compra

A compra desses produtos em farmácias e drogarias será permitida apenas mediante apresentação da receita médica em duas vias. Cada receita terá validade de 30 dias, a partir da data de emissão, e poderá ser utilizada somente uma vez. A resolução será revogada automaticamente a partir do reconhecimento, pelo Ministério da Saúde, de que não mais se configura a situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional.

Farmácias e drogarias

Conforme previsto na resolução, todos os medicamentos que contenham as substâncias listadas na norma estão sujeitos aos procedimentos de escrituração no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). A escrituração dos medicamentos à base de hidroxicloroquina, cloroquina e nitazoxanida já era obrigatória desde a inclusão dessas substâncias nas listas de controle da Portaria 344/1998. Para os medicamentos à base de ivermectina, a entrada de medicamentos já existentes em estoque nas farmácias e drogarias antes da resolução não necessita ser transmitida ao SNGPC.

Agência Brasil – O Ministério da Cidadania publicou hoje (24) no Diário Oficial da União (DOU) uma portaria que estende o prazo para o saque do benefício do Bolsa Família, enquanto durar o estado de calamidade pública. A regra anterior, de 2004, determinava a restituição dos benefícios que não fossem sacados dentro do prazo de três meses.

De acordo com a portaria, a medida visa a evitar a aglomeração de pessoas durante o saque do benefício.

O texto diz ainda que a prorrogação incidirá em todas as parcelas do Bolsa Família pagas que ainda estejam válidas, segundo o calendário de pagamentos e o calendário operacional do programa.

Nos últimos dois dias um instituto de pesquisa esteve em Macaíba. De acordo informações que chegaram ao blog, o instituto estava fazendo o levantamento de intenção de voto sobre a disputa pelo Palácio Auta de Souza. Ainda é desconhecido quem tenha encomendado a pesquisa, grupo político ou um meio de comunicação da capital.

A Prefeitura de Macaíba, por meio das Secretarias Municipais de Trabalho e Assistência Social e de Educação, informa que o Centro Municipal de Educação Infantil Professora Eunice Eugênia, conhecido popularmente como creche do Monte Líbano, será utilizado como abrigo temporário para as pessoas em situação de rua no município durante a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

A escolha do local foi definida após a uma vistoria em todos os prédios públicos do município, levando em consideração que, de acordo com o cronograma de flexibilização das atividades no Rio Grande do Norte, a educação infantil será a última etapa educacional a ser ativada presencialmente e que espaços públicos em todo o Brasil estão sendo utilizados para atender pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O espaço será utilizado para o serviço até novembro e, caso, o retorno das aulas do ensino infantil aconteça antes deste prazo, o serviço será desativado. Com amplo espaço físico, a creche oferece oitos salas, quatro banheiros para adultos, área administrativa, cozinha e lavanderia para garantir o bem-estar dos usuários que necessitarem do local.

Uma equipe realizará assistência 24 horas por dia às pessoas, sendo esta equipe composta por seis orientadores sociais, um assistente social, um psicólogo, um coordenador, uma merendeira, profissionais das secretarias de Cultura e Turismo e de Esporte e Lazer, além dos profissionais responsáveis pela manutenção do prédio.

Andrea Carla Ferreira da Silva Bezerra

Secretária Municipal de Trabalho e Assistência Social de Macaíba

Domingos Sávio de Oliveira

Secretário Municipal de Educação de Macaíba

Gisleyne Carla Medeiros da Silva

Secretária Municipal de Saúde de Macaíba

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST), divulgou nesta quinta-feira (23), o Boletim Epidemiológico da Saúde do Trabalhador. O objetivo é apresentar um panorama sobre dados analisados relacionados aos casos confirmados de Covid-19 em profissionais de saúde do Rio Grande do Norte, desde o início da pandemia até o momento.

A análise tomou por base o banco de dados do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde Estadual (CIEVS). No RN, foram confirmados 4.778 casos de Covid-19 em profissionais de saúde, 12.620 foram descartados e 3.650 seguem como suspeitos. O CEREST realizou investigação para qualificação das notificações de casos confirmados e constatou que 2.039 profissionais não disponibilizaram número para contato ou não foi possível contactar, 63 já estão aposentados, 44 não exercem a profissão de formação, 07 realizam residência em outro estado e outros 101 já estavam afastados de suas atividades de trabalho antes do adoecimento por outros motivos.

Os demais 2.523 profissionais da saúde que testaram positivo para a Covid-19 no estado afirmaram exercer suas atividades laborais, sendo 1.055 em unidades públicas e 612 no serviço privado. Os outros 856 profissionais da saúde informaram trabalhar em instituições públicas e privadas. De acordo com a investigação, 589 profissionais da saúde alegam ter tido contato fora do ambiente de trabalho com caso suspeito e/ou confirmado do novo coronavírus, outros 21 relataram histórico de viagem nos meses de fevereiro ou março, quando a transmissão comunitária no RN ainda não havia sido decretada.

A maioria dos profissionais afetados são técnicos em enfermagem (36,08%), enfermeiros (11,8%) e médicos (8,5%). Cerca de 69% dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde consultados na pesquisa desenvolveram apenas sintomas leves ou moderados e 55% já estão recuperados. Com relação à faixa etária, 64% se encontram na faixa etária de 30 a 49 anos, o que pode ser um indicador no que se refere à maior incidência de casos leves e moderados.

Dos 4.778 casos confirmados de Covid -19 em profissionais de saúde, 42,7% residem em Natal, onde há a maior concentração de casos. Em segundo lugar está Parnamirim, com 10%, seguido de Mossoró, com 5,8% e de São Gonçalo do Amarante, com 3,2% dos casos. Foram registrados 27 óbitos entre profissionais de saúde, distribuídos na Região Metropolitana, e nas II e III Regionais de Saúde.

Os profissionais de saúde encontram-se entre os principais grupos de risco de infeção pelo Covid-19, em função do contato com os usuários que apresentam sintomas de infeção e procuram os serviços de saúde em busca de atendimento. Por isso, O CEREST ressalta que esses profissionais devem seguir os protocolos padrões de atendimento a pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19.

O Centro destaca, ainda, que os serviços de saúde devem garantir que políticas e práticas internas minimizem a exposição ao vírus, realizando, por exemplo, capacitações junto as suas equipes de profissionais em relação ao uso do equipamento de proteção individual (EPI) e dispositivo de proteção respiratória, entre outros. Além disso, devem ser adotados os corretos procedimentos de desinfecção após o atendimento de casos suspeitos ou confirmados.

Acesse aqui o Boletim Epidemiológico da Saúde do Trabalhador.