Arquivo diário: quinta-feira, maio 7, 2020

Agência Brasil – O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (7) que vai vetar trecho do projeto de lei aprovado ontem (6) pelo Congresso Nacional que deixa várias categorias do funcionalismo de fora do congelamento de salários de servidores públicos, proposto pelo governo.

“O Parlamento entendeu que certas categorias poderiam ter reajuste. O que nós decidimos: eu sigo a cartilha de [ministro da Economia] Paulo Guedes. E não é de maneira cega, é de maneira consciente, e com razão. E se ele acha que deve ser vetado esse dispositivo, assim será feito”, disse Bolsonaro.

O projeto, que garante auxílio financeiro de até R$ 125 bilhões a estados, municípios e o Distrito Federal para o combate ao novo coronavírus, tinha como contrapartida essa suspensão do reajuste. Mas, além dos profissionais de saúde, de segurança pública e das Forças Armadas, os parlamentares excluíram do congelamento os trabalhadores da educação pública, servidores de carreiras periciais, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, guardas municipais, agentes socioeducativos, profissionais de limpeza urbana, de serviços funerários e de assistência social.

Para o presidente, em meio às restrições do comércio como prevenção à disseminação no novo coronavírus no país, enquanto muitos cidadãos perdem seus empregos e trabalhadores informais perdem seu poder aquisitivo, os servidores públicos mantém a estabilidade e o salário.

“Há pouco, uma proposta do presidente da Câmara [Rodrigo Maia] era cortar 25% do salário para todo mundo [servidores]. O Paulo Guedes decidiu que poderia ser menos drástico, apenas fazer que até dezembro do ano que vem não tivesse reajuste. Assim foi acertado”, explicou Bolsonaro.

Professora deixou o hospital em abril — Foto: Divulgação

A professora da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) Lúcia Helena Medeiros, de 50 anos, conseguiu se recuperar do novo coronavírus após ficar 23 dias internada – 10 deles na UTI – em um hospital particular na cidade de Mossoró, região Oeste potiguar. Liberada no dia 11 de abril da unidade de saúde, há quase um mês, ela ainda tem efeitos da doença, apesar de não ter mais o risco de transmitir para outras pessoas.

“Eu ainda não estou livre (dos sintomas). Eu estou com dificuldades na respiração, canso um pouco. É uma coisa que ainda está em processo. Sabemos que a doença atinge cada um de uma forma”, contou.

Os primeiros sintomas da professora do Departamento de Letras e Artes da UERN apareceram cinco dias antes dela ser internada – ela teve primeiro uma irritação na garganta, depois a tosse e aí surgiu a febre. “Nesse tempo todo minha pressão estava muito alta”, relatou ela, que é hipertensa, um dos grupos de risco do coronavírus.

“Quando eu fui internada, eu já estava com muita falta de ar. O pulmão já estava muito prejudicado, segundo me disseram os médicos depois dos exames iniciais”.

Ela relata que dois sentimentos a marcaram no tempo em que ficou internada, principalmente no período da UTI: solidão e incerteza. “A UTI é um espaço muito isolado. É um sentimento de solidão ali. Não tem visita, nada, só os profissionais da saúde com os equipamentos de proteção para nos dar medicamentos, assistência”, falou.

Por isso, deixar o hospital recuperada, para ela, trouxe uma sensação de alívio. “Sair do hospital recuperada é um alívio muito grande. É uma gratidão que a gente sente. Essa doença é uma coisa que a gente não conhece direito. Não temos um conhecimento pleno ainda do que pode causar”.

A professora Lúcia Helena acredita que pode ter adquirido a doença em uma reunião na UERN, ainda em março, quando despontavam os primeiros casos da Covid-19 em todo o estado. Naquele período, o Governo do RN ainda não havia decretado a paralisação parcial das atividades comerciais e as medidas de isolamento social.

Atualmente em isolamento dentro de casa, ela se mostra preocupada com as pessoas que não estão levando à sério a gravidade da situação. “Quando eu vejo essas aglomerações, eu fico muito preocupada. As pessoas que estão lá fora não tem a noção do que é essa doença. Só quem passou sabe a força dela e também os profissionais de saúde que estão se dedicando diariamente, ajudando a salvar vidas”.

G1 RN

Foto: Elisa Elsie/ASSECOM-RN

O Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), concluiu o processo licitatório para contratação de mais 30 leitos de terapia intensiva que serão disponibilizados para pacientes com a Covid-19. O ato está publicado na edição desta quinta-feira, 7, no Diário Oficial do Estado (DOE).

A empresa contratada fará a implantação e gestão de 20 leitos de UTI no Hospital João Machado, em Natal, e dez leitos de UTI no Hospital Regional Alfredo Mesquita, em Macaíba. O contrato emergencial terá duração de seis meses, podendo ser prorrogado de acordo com a duração da emergência em saúde.

A vencedora foi o Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania e Saúde – Avante Social, por apresentar a melhor proposta de preço, no valor total de R$ 10.731.410,70, e atender a todos os critérios do edital de Chamamento Público Emergencial COVID 19 02/2020, incluindo a comprovação de experiência na gestão de serviços de Urgência e Emergência.

Para a governadora Fátima Bezerra, “a ação é mais uma conquista do Governo no combate à pandemia, que trabalha dia e noite para salvar vidas e minimizar o impacto causado pelo novo coronavírus”.

“Com a publicação do resultado, temos o trâmite processual para recursos e, ocorrendo tudo dentro do previsto, assinaremos o contrato no início da próxima semana com a empresa vencedora, que terá um prazo de 15 a 20 dias para implantação dos leitos. Essa contratação se insere dentro do programa de expansão assistencial, contido no Plano de Contingência da Covid-19 no RN. Estamos buscando enfrentar de todas as formas os gargalos para a implantação dos leitos, principalmente no que se refere à questão dos respiradores e EPIs e estamos contando com parcerias e colaboração por parte dos outros poderes e da sociedade”, disse o secretário Cipriano Maia.

A abertura de novos leitos tem sido um esforço constante na gestão da Saúde, de forma a desenvolver o Plano de Contingência estadual para a contenção da pandemia do coronavírus. Em Mossoró, por meio de parceria com a prefeitura local, serão instalados 35 UTIs e 65 leitos de enfermaria no Hospital São Luiz, geridos pela Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e à Infância de Mossoró (Apamim).

Em parceira com a Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer, serão instalados 60 novos leitos, sendo 40 deles – 20 UTIs e 20 de enfermaria – na primeira etapa. O Governo também deverá reativar a UTI do Hospital Pediátrico Maria Alice Fernandes, localizado na capital, com mais 10 leitos, estes voltados para as crianças acometidas pelo novo coronavírus.

Equipe do Samu Natal tentou socorrer homem abandonado em frente à sede do serviço, mas ele não resistiu — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Ocupantes de um carro branco abandonaram um homem baleado no rosto em frente à sede do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Natal no início da tarde desta quinta-feira (7). Ele foi socorrido por uma ambulância que chegava à unidade na hora, mas não resistiu e morreu.

O caso aconteceu na Avenida Nascimento de Castro, no bairro Dix-Sept Rosado, na Zona Oeste da capital. A equipe do Samu informou que o homem tinha marcas de tiros no rosto e não precisou se ele também foi atingido em outras partes do corpo.

O homem ainda não foi identificado e ninguém soube informar quem seriam as pessoas que deixaram a vítima no local. A Polícia Militar foi acionada e deslocou equipes para o local, para escoltar a ambulância do Samu, que irá levar o corpo ao Instituto Técnico-Científico de Perícia.

De acordo com servidores do Samu ouvidos pela reportagem da Inter TV Cabugi, uma mulher ligou para o local e afirmou que o homem é um sargento policial militar. Ao G1, a assessoria de comunicação da corporação afirmou que o caso ainda é apurado e não há confirmação da morte de um militar.

G1 RN

O Rio Grande do Norte possui 1.739 confirmados, 5.704 suspeitos, 5.125 descartados, 76 óbitos e 662 recuperados. É importante lembrar que o dado de pessoas recuperadas está sujeito a alteração a partir da evolução dos casos e à medida que os municípios enviarem seus dados.

O boletim epidemiológico com o detalhamento de todas as informações está disponível em saude.rn.gov.br

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 54 (até as 23h – 06 de maio de 2020) 

Lembre-se: higienize as mãos sempre que necessário com água e sabão ou álcool em gel.

Agência Brasil – O calendário para pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600, que será feito a partir da semana que vem, deverá ser divulgado até amanhã (8). A informação foi dada nesta quinta-feira (7) pelo ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, em reunião virtual da comissão mista de deputados e senadores que acompanha as medidas do governo federal para o enfrentamento da covid-19.

Onyx informou também que uma parceria com os Correios está prestes a ser anunciada. Segundo o ministro, a ideia é que a empresa auxilie pessoas que não têm acesso à internet a fazer o cadastro para receber o benefício. O auxílio está previsto para ser pago em três parcelas até junho. Mesmo quem não recebeu a primeira parte e se enquadra nos pré-requisitos do auxílio, poderá receber as três parcelas.

O ministro da Cidadania adiantou aos parlamentares que a pasta vai publicar ainda hoje uma portaria que transferirá R$ 580 milhões para o Sistema Único de Assistência Social a serem usados por municípios. O dinheiro poderá ser aplicado na compra de equipamento completo de proteção individual para todos os trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) dos municípios e de alimentos que serão distribuídos para pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Balanço

De acordo com o ministro, cerca de 96,9 milhões de pessoas acessaram o aplicativo da Caixa para tentar o auxílio.

Destas, cerca de 50,5 milhões foram consideradas elegíveis e 32 milhões, inaptas para receber o benefício, parte dessas pessoas tentou fraudar o direito ao crédito.