Arquivo diário: terça-feira, outubro 16, 2018

Após perder a eleição para presidente da República, Ciro Gomes (PDT) viajou para fora do Brasil no último dia 11. O ex-candidato obteve no primeiro turno mais de 13 milhões de votos e ficou em terceiro lugar. O PDT  declarou “apoio crítico” ao petista Fernando Haddad, a sigla esperava participação de Ciro Gomes na campanha de Haddad, mas a viagem de Ciro frustou o PT.

A maior operação de pavimentação de ruas da história prossegue transformando localidades urbanas e rurais do município de Macaíba. Um dos mais recentes exemplos que valem a pena serem mencionados é a comunidade rural de Cajarana, região do distrito de Canabrava, está tendo cinco ruas pavimentadas. As obras estão praticamente concluídas e os moradores já sentem a diferença em sua qualidade de vida.

“Nós sabemos o que passamos aqui nos dias em que chove muito. Este calçamento é mesmo uma ‘beleza’ aqui para a comunidade de Cajarana.”, expressou o senhor Jacó Cassiano, na ocasião de solenidade de assinatura da ordem de serviço para a execução das obras, ocorrida em julho deste ano de 2018.

Desde meados de 2014, na terceira gestão do prefeito Fernando Cunha, Macaíba vem sendo transformada e melhorada pela “Caravana das Obras”, que já calçou mais de 150 ruas em várias regiões do município.

Campo das Mangueiras, Morada da Fé, Loteamento Esperança, Loteamento Santa Rosa, Campo da Santa Cruz, Conjunto Tavares de Lyra, Ferreiro Torto, Monte Líbano, Recanto Verde, Mangabeira, Traíras, Cajazeiras, Guarapes, As Marias, Lagoa das Pedras, Riacho do Sangue, Tabatinga, Canabrava e Vila São José são apenas alguns dos exemplos de bairros, distritos e comunidades que foram beneficiados desde o início da “Caravana das Obras”.

Assecom

 

A Rede Sustentabilidade protocolizou Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no Supremo Tribunal Federal (STF), na tarde desta última quinta-feira (11), pedindo ao Tribunal que impeça que o Ministro Gilmar continue liberando indiscriminadamente presos em operações de combate à corrupção.

O pedido seu deu após o magistrado ter determinado a soltura de presos como o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), sem ter observado as regras de distribuição processual do Tribunal, além de dezenas de outros presos em investigações de desvios de recursos públicos.

Os pedidos de habeas corpus dirigidos ao STF são, em regra, sorteados entre os ministros, mas Gilmar se utilizou do fato de relatar uma ação antiga, sem qualquer conexão com as prisões destes investigados, para liberar da prisão políticos e empresários, sem que tivesse sido sorteado o relator das ações e sem que tivesse sido provocado para tanto. Um dos liberados, inclusive, o empresário Luiz Abi Antoun, parente de Beto Richa, aproveitou-se para fugir do país para o Líbano, após a manobra.

Para o Senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), “no momento em que um juiz age de ofício, sem sequer ter sido provocado, para liberar no atacado criminosos de colarinho branco, compromete-se a neutralidade que se espera de um magistrado, pois este passa a se comportar como se fosse advogado da causa”.

A manobra de advogados de defesa de investigados em crimes de corrupção para não se submeterem ao sorteio dos relatores, no entendimento do Senador, “configura uma nítida escolha, por parte do réu, de quem será seu julgador, em seu benefício, o que é inadmissível no Estado democrático de direito”.

Segundo o texto da petição, o objetivo da medida é “impedir que o Ministro Gilmar Mendes continue a conceder liminares para beneficiar presos de modo absolutamente revel à liturgia do processo penal, convertendo-se numa espécie de ‘Supervisor-Geral’ das prisões cautelares levadas a termo em Operações de combate a corrupção no Brasil”.

Agora RN – O governador Robinson Faria (PSD) vai adotar a neutralidade no segundo turno das eleições para o Governo do Estado e Presidência de República. Com a tentativa frustrada de se reeleger ao cargo, ficando em terceiro lugar na disputa do primeiro turno, obtendo pouco mais de 190 mil votos, ele diz que vai se dedicar para entregar um Estado equilibrado financeiramente ao seu sucessor no executivo estadual.

“Vou ficar neutro. Não vou tomar posição política. Não quero falar bem ou mal dos candidatos envolvidos na disputa. Se o povo não me quis no segundo turno, cabe a mim ficar na neutralidade, e em silêncio. Também não vou me posicionar com relação aos que disputam a presidência”, disse Robinson Faria, em entrevista para a rádio 98 FM.